Marcelo Gullo: “A Lenda Negra espanhola é a primeira ‘fake news’ da história”

Espanhóis e portugueses foram assassinos genocidas que roubaram todo o ouro da América Ibérica? De onde vem essa narrativa? Qual é a sua origem? E a quem ela serve? O pensador argentino Marcelo Gullo fala sobre a chamada “Lenda Negra”, uma narrativa construída por ingleses e holandeses contra os povos ibéricos com o objetivo de fazer com que eles tenham vergonha da própria história, e explica como, inclusive, isso pode fomentar o separatismo tanto na Península Ibérica como na América Ibérica.

O argentino Marcelo Gullo Omodeo não tem avós espanhóis, todos eles eram italianos, mas ele foi criado por uma tata de Salamanca, “uma avó por afeto”, que o ensinou a ler e escrever lendo Cervantes. Agora ele percebe que ela foi sua verdadeira educadora e está na origem de sua tentativa de desfazer a lenda negra espanhola.

O outro currículo de Marcelo Gullo é mais prosaico: doutor em Ciência Política em Buenos Aires, mestre em Relações Internacionais em Genebra, graduado em Estudos Internacionais em Madri, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos do Rio de Janeiro.

Toda sua experiência e sua paixão espanhola são agora derramadas em Madre Patria (Espasa), onde Marco Gullo dá o alarme: a Espanha e a América Latina estão perdendo o rumo porque esqueceram sua verdadeira história, desfigurada pela propaganda política que vem sendo espalhada com sucesso há séculos pelos holandeses, os ingleses, os americanos e os soviéticos.

A mentira é tamanha que o próprio Alfonso Guerra adverte em seu prólogo sobre a presença deste vírus em muitas instituições públicas. E não é uma questão que afeta apenas o passado, mas também o futuro: a Espanha e os países da América Latina correm o risco de serem desmembrados por esta distorção de sua história.

A hispanofobia leva a um complexo de inferioridade profunda na Espanha, que a enfraquece diante da afronta catalã, mas também diante da Europa, e que tem conseqüências imprevistas.

Pergunta: Você ousa até mesmo afirmar que existe uma ligação entre a lenda negra e a deterioração dos salários na Espanha.

Resposta: Essa relação existe, embora a maioria das pessoas não a entenda. A deterioração dos salários tem a ver com a forma como a Espanha está inserida e olha para a Europa. A Espanha entrou na Comunidade Econômica Européia acreditando que eles eram caras legais jogando em um clube social. Na realidade, esse era um jogo de pôquer. Ela entrou quando o processo era igualitário e a Alemanha não havia tomado a decisão de hegemonizar a Europa de acordo com suas necessidades. A Espanha, com o preconceito da lenda negra, considerava-se menos que os outros europeus e aceitava tudo o que lhe era oferecido naquele clube, acreditando que eles eram bons rapazes. Agora a moeda comum é feita à imagem do que a Alemanha precisa. É por isso que há uma deterioração nos salários e uma perda de competitividade. Se a Espanha não tivesse entrado com aquele complexo de inferioridade derivado da lenda negra, teria ficado em melhor posição para negociar sua adesão.

Mas o maná da Europa veio para a Espanha. Na verdade, ele ainda está chegando.

Sim, mas especialmente no início, quando a Alemanha estava pagando pela culpa da Guerra Mundial, algo que mudou com a reunificação. Depois começou a haver uma metrópole e colônias dentro da Europa.

Qual é a relação entre a lenda negra espanhola e o separatismo catalão?

Quando a Espanha acredita na lenda negra escrita por seus inimigos, ela se condena a si mesma. Então o separatismo é inevitável: A Espanha era um monstro que devorava pessoas e estuprava mulheres, nos disseram. Isto foi explorado por um grupo de loucos na Catalunha que começou a identificar esta falsa conquista da América com uma suposta conquista da Catalunha. Quando os espanhóis aceitaram sua lenda negra, eles estavam criando as sementes do monstro separatista na Catalunha. A realidade que esses catalães negam hoje é que a Catalunha se desenvolveu industrialmente graças ao sacrifício de todos os espanhóis, que eram cativos de sua indústria têxtil.

Cada país tem sua própria lenda negra. A diferença com a nossa é que nossos políticos e intelectuais não lutaram contra isso, diz ele. Eles até tiveram “um prazer mórbido” em chafurdar nela.

Isso é o que é mais marcante. Nenhum país acredita na história criada por seus inimigos. Algum francês acreditaria na história da França escrita pela Alemanha em 1910? Impossível, porque a Alemanha era um inimigo da França. Como pode ser que espanhóis e latino-americanos aceitem a história escrita por nossos inimigos? A lenda negra espanhola é a primeira fake news da história, o mais fantástico trabalho de marketing político britânico. Em seguida, os Estados Unidos e a União Soviética tomaram o bastão. Tudo termina como eles pretendiam: desmoronar e balcanizar a Espanha e a América Latina.

Há um autor chave na construção da lenda negra, Frei Bartolomé de las Casas. O que é verdade em sua Brevísima relación de la destrucción de las Indias?

Juan José Hernández Arregui, um escritor marxista da Argentina – isto é, alguém que não era exatamente de direita – diz que não se tratava de um livro, mas de uma calúnia. Os inimigos da Espanha caíram sobre o trabalho de Bartolomé de las Casas como moscas sobre o mel para usá-lo como propaganda política. O curioso é que a Espanha – que eles disseram ser atrasada e assassina – nunca o puniu e nunca o proibiu de falar. Na verdade, o recompensou porque lhe foi oferecido o bispado de Cuzco, o mais importante da época. A Espanha aceitava todo tipo de crítica em seu meio, mesmo as de Bartolomé de las Casas, que eram totalmente falsas. Havia uma liberdade de pensamento sem precedentes.

A conquista da América foi algo excepcional, diz o senhor.

Foi um caso único na história da humanidade. Primeiro a Espanha se questionou se a conquista estava certa ou errada. Isso nunca havia acontecido antes. Na realidade, não há conquista, mas libertação. Era impossível derrotar com 300 homens um exército de um milhão, como os astecas tinham. O imperialismo asteca era o mais atroz da humanidade: sacrificavam diariamente milhares e milhares de pessoas dos povos dominados, exigiam tributo em sangue, comiam os filhos dos derrotados nas pirâmides. Se Hernán Cortés conseguiu, é porque ele disse àqueles povos subjugados que isto ia acabar: “conosco isto nunca vai acontecer”. A conquista foi na realidade a libertação de 80 por cento do povo mexicano. Se tivesse havido um voto popular entre Cortés e Montezuma, o primeiro teria vencido facilmente. A Espanha trouxe para a América um projeto mais justo. Milhares de índios lutaram com Cortés contra os astecas.

A ocupação também foi única, você diz.

Foi a mais profunda miscigenação da história. A Espanha trouxe seus melhores professores para o México e o Peru. O próprio Cervantes se inscreveu para vir ao México. Os médicos espanhóis fundaram centenas de hospitais que acabaram sendo melhores do que os de Madri, Barcelona ou Sevilha. Eles combinaram a medicina tradicional com a medicina européia. Os ricos queriam viajar para Lima para serem curados. As universidades foram criadas. Quando San Marcos foi fundada – 80 anos antes de Harvard – ainda não existiam escolas secundárias nos Estados Unidos. A Espanha nunca considerou a América como botim. Se tivesse pensado assim, teria feito o que outros conquistadores fizeram: fundar cidades na costa para roubar e fugir rapidamente. A Espanha criou cidades no interior do continente, cada uma com sua própria indústria. Não há relação metrópole-colônia porque não havia dependência.

Mas esta não é exatamente a história que triunfa nestas universidades latino-americanas, mas sim a do “fundamentalismo indigenista”.

Sim, é a narrativa triunfante, e ir contra essa narrativa é ser expulso do mundo acadêmico. É a narrativa hegemônica. Dizer o que eu digo agora é politicamente incorreto. Dizer a verdade da história, que é fundamental para salvar o futuro, significa ser expulso do mundo acadêmico. Muitos sabem disso, mas ficam calados para não serem expulsos. É a ditadura da lenda negra, da falsa história.

Por causa da lenda negra, a Espanha e a América Latina correm o risco de perder “sua identidade nacional”, diz o senhor.

A história serve para explicar o presente e construir o futuro. A falsa história leva a uma má política. Se perdermos nossa memória, não sabemos para onde temos que ir. Se alguém lhe diz que você é algo que você não é, isso o leva a um destino que não é seu. Em nosso caso é um desastre: fragmentação territorial. Quem quer pertencer a uma pátria onde toda a história é atrocidades, estupros, mortes, roubos? Ninguém. As crianças são ensinadas isso e também lhes é dito que a língua que falam é a língua dos monstros. O mesmo que aconteceu na Espanha com a Catalunha está acontecendo na América Latina com o fundamentalismo mapuche, aymara e quíchua. Eles vão nos fragmentar em centenas de republiquetas diferentes e nós seremos mais fracos do que antes.

Você propõe soluções “para que a Espanha não se torne um parque temático chinês”.

Os políticos não entendem a demografia. A Espanha tem uma pirâmide populacional funerária. Isso só pode ser resolvido com a imigração, mas só funciona se o imigrante estiver disposto a aceitar a visão do mundo do país de chegada. Os únicos que têm a mesma forma de entender o mundo que os espanhóis são seus irmãos hispano-americanos. Somente a imigração hispano-americana pode salvar a Espanha. Para isso, temos que banir a lenda negra. Caso contrário, o imigrante chegará com ódio, cheio de preconceitos.

A relação da Espanha com a América Latina também tem que mudar.

Quando a entrada da Espanha na Comunidade Econômica Européia estava sendo negociada, muitos espanhóis disseram que não tinham nada a ver com a América Latina, pensando que eram teutões loiros. Era um absurdo absoluto. Havia um sentimento de inferioridade em relação aos alemães e de superioridade em relação aos latino-americanos. Isso tende a acontecer em geral com pessoas com um sentimento de inferioridade.

Ortega e Madariaga disseram que a Europa era a solução.

Esse foi um erro histórico muito grave, quando a verdadeira Europa foi feita pela Itália e pela Espanha. A Espanha vai dar o melhor da Europa por 100 anos, toda a literatura, arte, tecnologia, medicina. Foi a referência para o pensamento europeu durante todo o século XVI. Toda essa contribuição foi enterrada por propaganda política estrangeira. A Espanha criou o direito internacional com Francisco de Vitoria, Mariana, Suárez, a escola teológica espanhola. Ele também iniciou o pensamento econômico muito antes de Adam Smith. Depois veio a lenda negra, o obscurantismo, e aquela coisa curiosa aconteceu: os espanhóis acreditaram na falsa história da Espanha contada pelos ingleses.

As elites crioulas e políticos e intelectuais como Sarmiento e Borges também acreditavam nisso.

A Inglaterra olhou para a América Latina com o gato olhando para o canário: “Eu quero comer você, mas você é espanhol. O que eu tenho que fazer é fazer uma falsa história da Espanha. A América espanhola romperá seus próprios laços com a Espanha e então eu comerei o canário e terei um mercado cativo para mim”. As elites crioulas já tinham um relacionamento com a Inglaterra através do contrabando, mas depois a lenda negra fez o resto.

No caso específico do México, fala-se muito sobre as queixas espanholas e pouco dos Estados Unidos.

É a síndrome de Estocolmo: o cativo acaba admirando seu sequestrador. O México é muito corajoso com a Espanha, mas nenhum presidente mexicano jamais disse a seu colega americano: Você roubou de mim o Texas, Califórnia, Arizona, Arkansas, Novo México e metade do Colorado. Sessenta por cento do território do México foi cedido à força no Tratado de Guadalupe Hidalgo em 1848, assim como as forças norte-americanas estavam prestes a tomar a Cidade do México. Um ano após o Tratado, por acaso, as minas de ouro da Califórnia foram descobertas, tornando os Estados Unidos o maior produtor mundial de ouro. E depois aconteceu a mesma coisa com o petróleo do Texas. Os Estados Unidos roubaram do México os territórios mais ricos da América. Mas quando eles querem explicar as causas do subdesenvolvimento mexicano, eles culpam a Espanha.

A Espanha esgotou os recursos naturais das Américas? Esse foi um dos principais argumentos de um livro que triunfou anos atrás, As Veias Abertas da América Latina, de Eduardo Galeano.

Em economia, é preciso olhar para os números, as palavras são supérfluas. Se você olhar para o número de escolas, infraestrutura e hospitais que foram construídos – e todos eles eram gratuitos – você pode ver que a maior parte do dinheiro ficou em território latino-americano. A Espanha recebeu apenas 5% de impostos. O próprio Galeano confessa em sua velhice que sabia pouco sobre economia e política. Mas o livro de Galeano se tornou um best seller porque a revolução cubana e os soviéticos o usaram como base para sua propaganda política. É a mesma coisa que a Inglaterra fez com os livros de Bartolomé de las Casas. Galeano disse mais tarde que o livro era realmente um livreto, e que ele não o teria escrito hoje, nem mesmo o leria.

Fonte: NiusDiario

Marcelo Gullo

Doutor em Ciência Política pela Universidade do Salvador. Mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Universitário de Altos Estudos Internacionais da Universidade de Genebra. Graduado em Estudos Internacionais pela Escola Diplomática de Madri. Licenciado em Ciência Política pela Universidade Nacional de Rosário. Professor da Universidade Nacional de Lanús e da Escola Superior de Guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *