Dante Alighieri: Última Vítima da Cultura do Cancelamento

A cultura do cancelamento fez uma nova vítima em Dante Alighieri, um dos maiores escritores da tradição europeia. Ele agora é considerado “politicamente incorreto” e não deve mais ser ensinado nas escolas, a não ser a partir de trechos e com “avisos” de conteúdo “ofensivo”. É a práxis da limpeza cultural liberal, que não pode permitir nada que ofenda às sensibilidades cosmopolitas do homem pós-moderno.

Hoje, 25 de maio é o aniversário de Dante. Mas no Ocidente, eles não o celebram mais.

Hoje, isso é simplesmente perigoso. Como assim, você pergunta? Dante é o símbolo da poesia ocidental, o clássico mundialmente famoso. Sim, é isso mesmo. Mas mesmo este gênio medieval italiano não foi poupado pela guilhotina do politicamente correto.

Quando a Divina Comédia caiu nas mãos de fanáticos defensores dos direitos humanos, liberais e globalistas, eles descobriram que o trabalho de Dante era politicamente incorreto. E foi só isso. Sem mais Dante. Ele se tornou mais uma vítima da limpeza cultural liberal. Seus trabalhos agora só podem ser impressos com trechos e avisos de “conteúdo politicamente incorreto”.

A razão formal para o cancelamento de Dante é esta:

O autor da Divina Comédia havia colocado o fundador do Islã em uma parte não muito agradável do cosmo sagrado. E os liberais, que geralmente não se importam com o Islã, ou qualquer religião tradicional em geral, de repente decidiram que tal leitura poderia ter um efeito negativo sobre a psique dos migrantes de países islâmicos. E que eles deveriam ser protegidos contra isso, para não provocar explosões de agressão imprevisíveis de sua parte. Parece um absurdo, mas em nosso mundo quase tudo parece absurdo. Chegou a hora de nos acostumarmos a isso.

Aqui todos estão na posição de completos idiotas.

  1. Em primeiro lugar, os próprios censores – você pode imaginar o velho Soros e a pequena Greta Thunberg folheando juntos a Divina Comédia, sublinhando as passagens suspeitas;
  2. Os europeus, que agora têm que se arrepender não só pelo colonialismo e pelo assassinato do drogado Floyd (que eles não mataram), mas também por Dante;
  3. Os próprios muçulmanos, que são apresentados como tão débeis de espírito que não conseguem apreciar a distância que separa a Idade Média cristã da Europa moderna, e tomam tudo literalmente e imediatamente reagem brutalmente – como maníacos incontroláveis.

Mas é claro que a localização de Maomé é apenas uma desculpa.

Dante é a Enciclopédia da Idade Média europeia, o grande monumento da teologia, filosofia, poesia e cultura. Dante é o apogeu do espírito cristão da Europa Ocidental, a glorificação do Império, da religião e do amor cavalheiresco. Em Dante, muitas gerações de europeus se inspiraram para a formação de suas personalidades. De acordo com Dante, os heróis da Europa construíram seu destino e suas vidas. Fideli d’amore – “Fiéis do Amor”. Dante expressou os ideais desta sociedade cavalheiresca da elite aristocrática cristã.

É por isso que Dante está sendo executado hoje. Ele é o portador de uma Europa diferente – uma Europa de espírito e ideia, de fé e honra, de serviço livre e de grande Amor. Os governantes modernos da Europa odeiam ferozmente tudo isso. É por isso que eles proíbem Dante, o retiram dos currículos, o acusam de tolerância insuficiente e o sujeitam ao cancelamento.

A Europa está destruindo suas fundações, erodindo seus pedestais, jogando fora as relíquias imperecíveis dos gênios de seus túmulos.

De forma alguma nós – russos – devemos seguir este caminho. Isto diz respeito não apenas à proteção de nossos gênios russos, mas também aos grandes pensadores, artistas e poetas da Europa.

A Rússia nunca foi um país europeu, mas sempre pudemos apreciar a grandeza europeia – pensamento, arte, gênio. Mesmo que os europeus não nos entendessem, nós os entendemos. E valorizamos o que era mais admirável neles. Hoje, quando os europeus estão jogando o grande Dante na lata de lixo de sua civilização desmoronada, já é hora de elevá-lo à bandeira.

Dante é nosso. Nós o conhecemos, o honramos, o lemos, o ensinamos e o entendemos. Sem querer, a Rússia se encontra no papel de guardiã e protetora dos valores europeus – mas precisamente os valores, os verdadeiros e genuínos – não os resultados da decadência e da degeneração. O liberalismo e a globalização ainda não são toda a Europa. Além disso, eles representam a Anti-Europa. É por isso que eles renunciam às raízes europeias e destroem o que é mais sagrado para o coração europeu.

Não estamos renunciando às nossas raízes. E os gênios europeus ainda são venerados e homenageados por nós.

L’amor che move il sole e l’altre stelle

Devemos ser fiéis ao Amor.

E se o Amor desaparece, o que ainda moveria o Sol e as estrelas?

Fonte: Geopolitica. ru

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é<em> </em>um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *