Shakespeare e Dante? Dois perigosos precursores do nazismo, segundo a esquerda pós-moderna

Escrito por Manlio Triggiani
A cultura do cancelamento continua a fazer novas vítimas, e as mais recentes são figuras como Dante Alighieri e William Shakespeare, acusados de racismo, antissemitismo e homofobia. Intelectuais e acadêmicos agora fazem pressão para que eles sejam excluídos dos currículos de escolas e universidades ou, pelo menos, “reescritos” para “os tempos modernos”.

Shakespeare? Melhor não lê-lo, ou melhor ainda, censurá-lo porque era antissemita, talvez precursor do Nacional-Socialismo… Parece uma piada, mas na Grã-Bretanha um escritor inglês de livros infantis, Michael Bridge Morpurgo, 77 anos de idade, tentou apresentar esta ideia. A controvérsia surgiu e Bridge Morpurgo corrigiu posteriormente sua posição, dizendo em uma entrevista a um jornal britânico que não é verdade que ele decidiu censurar algumas das peças ou tragédias do Bardo inglês, em particular O Mercador de Veneza. Uma reviravolta talvez determinada pela controvérsia.

O fato é que esta infeliz “saída” é o resultado de uma doença típica do mundo pós-moderno: o politicamente correto. Em seu nome querem apagar a civilização, as idéias dos grandes da literatura, da política, da filosofia, com o objetivo de reescrever seu pensamento, construindo uma realidade inventada, falsa mas adaptada à sociedade que a esquerda e os campeões dos chamados “direitos humanos” pretendem alcançar. Bridge Morpurgo, afinal, está escrevendo um livro que se intitulará Contos de Shakespeare e não se sabe se ele vai ou não censurar o grande escritor à sua maneira até o final. Por enquanto, ele só quer “modernizar o autor inglês” para torná-lo mais atraente. Em resumo, com um lápis azul e vermelho ele quer corrigir o bom trabalho de William… O autor disse a outro jornal inglês que depois de ler O Mercador de Veneza ele pensou em não reapresentá-lo aos jovens porque conta a história de um fazedor de dinheiro veneziano judeu, Shylock, que poderia “fomentar o preconceito contra os judeus”. Por causa disso, o escritor disse que a peça de Shakespeare “não é uma peça que me agrade. Eu não me recusei a incluir a peça”, disse ele, “porque ninguém me disse para inclui-la. Eu escolhi as dez peças que seriam incluídas”. Em suma, algumas das maiores obras da cultura ocidental devem ser corrigidas ou apagadas, não conhecidas. “É vil não abordar a grande literatura”, disse Chris McGovern, presidente da ‘Campanha pela Educação Real’ em defesa do Bardo, “Obviamente haverá muito de ofensivo em Shakespeare, mas as crianças não querem ser protegidas quando leem a grande literatura.

Com relação a Shakespeare, o aviso para não se envolver com o conteúdo de suas peças já foi lançado há três anos para a Comédia do Erros e Tito Andrônico, história de vingança e poder porque a história, que termina em um banho de sangue, supostamente incluía conteúdo de violência sexual, machismo, etc. Anteriormente na mira do politicamente correto estavam As Bacantes e Hipólito, de Eurípides. Nos EUA, o politicamente correto atinge o paroxismo, incluindo o ridículo, mas é mais compreensível. Nos EUA não existe uma cultura real, é tudo resultado da interpretação do momento, a interpretação dos escritores e suas ideias é sempre baseada em ideias contemporâneas, um filtro que não nos permite compreender a grande cultura antiga, medieval e moderna e acima de tudo acaba entorpecendo o senso crítico. Na Universidade de Columbia, o “Comitê de Vigilância do Multiculturalismo” pediu, anos atrás, que as obras de Ovídio fossem retiradas do programa, porque suas Metamorfoses eram “um texto que, como muitos livros do ‘cânone ocidental’, contém material ofensivo”. Recentemente, o volume de Margaret Mitchell E o Vento Levou foi acusado de racismo e de não ser politicamente correto. Enquanto o Huckleberry Finn de Mark Twain foi retirado do programa porque era “antissemita”. Em suma, uma espécie de Inquisição e censura dos principais autores, de uma indexação para apagar, sob falsas acusações, o melhor da cultura européia.

É uma “revisão” que envolveu, há alguns anos, até mesmo nosso Dante Alighieri.

O pai da cultura italiana foi acusado de ser antissemita, homofóbico e islamofóbico. Mais inimigo do politicamente correto do que isso… A associação Gherish92 em 2019 propôs banir Dante das escolas porque o “exemplo emblemático” de antissemitismo e discriminação religiosa é a Divina Comédia. A referência é às punições a que Judas, Maomé, os sodomitas, são submetidos. E o Canto V do Paraíso (“…Se a ganância maligna clamar a vocês, sejam homens, e não ovelhas loucas, para que o judeu entre vocês não ria!…”) exalaria racismo. Judas foi confinado na Judeca, por Dante, porque era um traidor de Jesus, não porque era judeu e Maomé (Canto XXVIII do Inferno), entre os semeadores da discórdia porque era herege, não porque pertencia a outra religião.

O problema não é antissemitismo, racismo, mas a necessidade e a capacidade de contextualizar certas atitudes, certas crenças, sem julgá-las de acordo com os parâmetros de hoje que não têm sentido quando comparadas com os fatos de séculos ou milênios atrás. A discriminação contra um homem ou um povo enquanto tal não tem sentido, ela deve ser combatida, mas na dinâmica política e social de certos períodos históricos ela teve um significado para certos homens e certos povos. Segundo o “politicamente correto”, então, pelo menos metade da cultura européia deveria ser apagada, se não mais. Antissemitas foram Sêneca, o Imperador Cláudio, Quintiliano, Tácito, Voltaire, Kant, Hegel, toda uma vertente da Igreja Católica, Martinho Lutero, Wagner, Dostoievski, Marlowe, Yeats, Céline, etc. Tudo a ser apagado ou reescrito, obrigando-os a dizer algo de diferente? Estes são autores e obras que precisam ser contextualizados, e muitas vezes o “politicamente correto” faz passar expressões e situações de racismo que não existem. Até mesmo a Disney britânica decidiu retirar alguns filmes de desenho animado da distribuição porque eles conteriam narrativas racistas. Os racistas Mickey, Dumbo, Os Aristogatas, Peter Pan, Pateta e Pato Donald, Robinson, Mogli, A Dama e o Vagabundo. Eles conteriam racismo, discriminação, etc..

O racismo, o antissemitismo, são um pretexto. Na realidade, são os valores europeus e a cultura européia que estão sob ataque e que se pretende aniquilar. É propriamente verdadeiro, em tempos de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário!

Fonte: Barbadillo

Deixe uma resposta