Os Terríveis Avanços da Tecnologia

Escrito por Davide Cavaliere
Uma humanidade ingênua e materialista anseia pela aceleração dos desenvolvimentos tecnológicos, como se a técnica fosse capaz de resolver todos os nossos problemas. Na verdade, o desenvolvimento tecnológico aponta para tornar a humanidade dependente, e inteiramente anestesiada. Um futuro distópico de escravos permanentemente dopados e conectados a redes neurais.

“Temos um macaco com um implante sem fio em seu crânio com fios minúsculos que pode jogar videogames com sua mente. Não dá para ver onde está o implante e ele é um macaco feliz. Temos as mais belas instalações para macacos do mundo. Queremos que eles joguem Mind-Pong uns com os outros”.

Assim diz o Talibã da tecnologia que responde pelo nome de Elon Musk. Para aqueles que não o conhecem, o acima mencionado é um empresário que tentou fundir Tony Stark e Fausto em si mesmo. A fusão produziu uma merda desprezível dedicada a reivindicações bombásticas e ilusórias.

Em seu tempo livre, quando não está produzindo carros inúteis como o Tesla, Musk cola eletrodos nos crânios dos mamíferos. Tudo começou em agosto passado, quando um implante foi instalado no crânio de uma porca fêmea chamada Gertrude. O animal participou de uma entrevista coletiva junto com o Stark californiano e seus jovens cientistas – cerca de uma centena – e transmitiu suas sensações em uma tela enquanto corria em uma esteira ou enquanto bebia leite de uma garrafa. Agora é a vez de um macaco, transformado em um dos exemplos mais demenciais de ser humano: o “gamer”. Musk subtraiu um primata de seu ambiente natural, colocou uma peruca de fios sobre ele e o transformou em um nerd. O criador desta empresa de ficção científica faz questão de salientar que o macaco “é feliz”. É claro. No próximo ano ele construirá um raio laser para transformar os gorilas em cosplayers deficientes.

Elon Musk não brinca de “vamos fingir que sou Deus”, oh não, ele é um filantropo e trabalha para o bem da humanidade. O projeto Neuralink – que nome óbvio – vai ajudar a combater o Alzheimer e a depressão. É tudo tão bonito, tão humano, tão cientista, tão californiano. No entanto, a luz que ilumina o Vale do Silício projeta sombras muito longas e escuras.

Num futuro dominado por gigantes digitais, será possível inserir processadores no cérebro humano não só para curar doenças neurodegenerativas, mas também para implantar falsas lembranças felizes, apagar as traumáticas, reiniciar a memória individual e reconstruí-la desde o início. Se a eliminação de algumas memórias de violência sofrida pode ser desejável, tais tecnologias serão capazes de atingir o antigo objetivo totalitário da “tabula rasa” do passado. As ditaduras do futuro farão as do século XX parecerem triviais.

Entretanto, sem nos empurrar para tais previsões sombrias, uma população com tal dispositivo colocado em sua matéria cinzenta terá poder ilimitado sobre sua psique. Ele será usado para eliminar qualquer emoção “negativa”. Os homens produzidos pela tecnologia não conhecerão nem tristeza nem sofrimento, viverão em um estado de euforia permanente. Eles não poderão sentir raiva, insatisfação, desejo de vingança.

Alguns vêem na sociedade pós-humana um Éden devolvido de felicidade coletiva e amor, mas isso é uma ilusão. Uma humanidade artificialmente satisfeita se assemelhará, de maneira impressionante, ao Eloi descritos por H. G. Wells em seu romance mais famoso. Graças ao diabolismo técnico “generosamente” oferecido pelos seguidores de Elon Musk, as massas serão reduzidas a uma escravidão dourada. Depois de trabalharem por horas em estado eufórico, elas voltarão aos seus cubículos vivos para descansar e jogar videogames. Eles terão milhões de aventuras digitais, mas uma existência real miserável.

Além disso, o desaparecimento do espectro de emoções negativas da alma humana tornará todos incapazes de criar e desfrutar de obras artísticas. Literatura, música, pintura, poesia nascem muitas vezes de desejos não atendidos e de um mal-estar em relação ao presente. Estes últimos estados de ser serão desconhecidos.

O sentido da tragédia, a angústia, a nostalgia, o medo da morte – e com eles nossa humanidade – desaparecerão em uma noite técnica.

Fonte: Il Detonatore

2 Comments

  1. Eu vi essa notícia e ri, mas como gosto de vasculhar tudo mesmo no ceticismo dei uma googlada e fiquei em choque com tamanha patifaria.

    Fiquei tão estarrecida que mandei a notícia num grupo de amigos, que como são jovens são a maioria absoluta de esquerda. Fiz um comentário irônico junto da matéria e mesmo que minha repreensão parecesse mero deboche neutro, fui repreendida mesmo assim, com toda aquela ladainha de ser acusada de “anti-científica”.

    A esquerda atual está terrivelmente bitolada, e são mais massa de pensamento hegemônico que a direita. O chip Neuralink é sim ciência, mas uma ciência da elite, assim como os transgênicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *