Comida, Netflix e Pornografia: Assim se resume a vida dos meus amigos covidiotas

Escrito por Carla Carluccio
Já se tornou evidente que o pânico moral lançado pela mídia e pelos governos sobre a população não passa de uma engenharia social de controle. A pandemia é grave, mas não o bastante para justificar lockdowns perpétuos e o controle de cada aspecto da vida humana. Enquanto os bilionários se divertem, os pandeminions que seguem, como religião, as palavras de um Átila Iamarino apodrecem até a morte trancados em casa, entre punhetas, maratonas de séries e pedaços de pizza entregues pelo UberEats.

Não é mais uma questão de vírus. O jogo está sendo jogado entre os desesperados e os espertalhões. Nossa classe política é formada por seres imundos e maléficos, sem o menor escrúpulo em levar as pessoas ao desespero.

Outro dia, depois de saber que minha região, a Lombardia, estava prestes a ser novamente colocada na zona vermelha, eu vi o desespero e a angústia nos olhos de meus amigos. Uma delas, que vive a base de Xanax, diz que seu negócio está próximo da morte. E suspeito que ela também esteja. Seus pensamentos vão sempre para todos aqueles que cometeram suicídio durante e depois do grande confinamento, e que não foram nem mesmo mencionados. “Eu os entendo”, ela me diz. Ela me cumprimenta com lágrimas nos olhos. Um mês de trabalho, trabalho escasso a propósito, e ela já está quarentenada, quem sabe por quanto tempo. Outra começou a sofrer ataques de pânico. Outra ainda não sabe como passar o tempo com seus filhos que estão sempre trancados em casa. Estão nos fazendo viver no terror, tiraram nossa liberdade, nossa empresa, nosso lazer, nosso trabalho.

Aqui não há uma loja, casa de repouso, bar, biblioteca, nem mesmo igreja, que não tenha cumprido com as obrigações de segurança. Você tem que marcar uma hora para tudo. Não há mais um único Cristo que, andando pela rua, não prefira coçar o rabo contra a parede para manter sua distância de outros transeuntes. Os vizinhos se tornaram espiões, os caixas dos supermercados repreendem os clientes com máscaras logo abaixo do nariz, os jovens são apontados como terroristas se se encontrarem na casa de alguém para um pouco de companhia. A maioria da população agora tem traumas psíquicos, talvez irreversíveis, respeita as regras maniacamente e desumanamente, e mesmo assim os bastardos ainda fecham e bloqueiam tudo, porque há alguns testados positivos. Isto só pode significar uma coisa, que eles estão matando seres humanos e atividades, forçando os idosos a esquecer seus filhos e netos, por causa de restrições que não funcionam.

As pessoas não sabem mais como viver. Em compensação, um cara que conheço que é a favor de colocar cidadãos livres sob prisão domiciliar, que claramente não tem problemas de dinheiro ou emprego, pode se masturbar até 5 vezes por dia, pontificando sobre quantos “cabeças de piroca” – foi como ele me disse – saem e fazem o que quiserem, sem ficar em casa como deveriam. Comida, Netflix e pornografia, é nisso que se resume a vida atual dele. Mas será que punheteiros como ele sabem que nem mesmo nos tempos da Peste Negra todos ficaram trancados dentro de casa?

Os padres, que há muito se tornaram palhaços sob a liderança de Bergoglio, sabem que São Francisco abraçava os leprosos? Eles sabem que privaram as almas do conforto espiritual, da fé, da esperança, da solidariedade e, acima de tudo, do poder do rito? Se no passado eu gostava de ao menos sentar em uma igreja vazia para ouvir os cantos gregorianos, hoje eu não posso fazer isso. Eu não posso sequer fazer o sinal da Cruz na graça de Deus, porque no lugar de água benta colocaram um higienizador. E no banco eu vejo os adesivos com o pequeno número e as setas para o distanciamento. Profanação de um lugar de culto. Não tenho outra definição.

Durante a iniciativa destes dias, nos locais abertos, havia os infalíveis homens de uniforme, sem cérebro e sem consciência, que distribuíram multas aos clientes, com aquele sadismo que aprendemos a conhecer muito bem. A arrogância dos intocáveis com um salário seguro. Um dia você não poderá ir às compras se não tiver sua licença sanitária em ordem, pegar um avião ou um trem, trabalhar, receber tratamento médico. Até mesmo Alessandro Gassman, um ator medíocre com cara de idiota, que se tornou famoso graças a seu pai, o diz.

Vamos esclarecer algumas coisas, eu sou uma “cabeça de piroca” que não fica em casa, que não denuncia festas de aniversário clandestinas, ao contrário, as encorajo. Eu sou aquela que aperta a mão e abraça aqueles que ainda querem se sentir humanos, e apesar disso, estou viva. Sou alguém que insulta aqueles que a reprovam por não usar uma máscara do amanhecer até o anoitecer. Sou aquela que não aceita a culpa que está sendo pressionada em nossos cérebros. Se muitos outros, de vida inane, desfrutam de seu novo papel de delatores, vivendo como reclusos, e têm medo do vírus, deixe-os ficar em casa e apodrecer até a morte, desde que não tenham problemas para se sustentarem, mas deixem-me a mim e aos necessitados em paz. Não nego que gostaria imensamente de ver essas pessoas sofrerem, como aqueles que já sofrem há um ano, por causa dessa tragédia social. É inevitável que tudo isso um dia se espalhe para eles também, enquanto se sentem abrigados. Mas eu ainda tenho tanto que quero fazer e aprender, para desistir agora. A vingança virá por si mesma, mas é nosso dever continuar com a resistência até que tudo termine.

Fonte: Il Detonatore

Deixe uma resposta