Nos Próximos 2 Anos Veremos o Partido Democrata dos EUA em sua Verdadeira Face

Escrito por Caitlin Johnstone
Ao longo dos últimos 4 anos, o Partido Democrata tratou todo e qualquer problema, crime ou desgraça envolvendo os EUA como uma “aberração” ligada especificamente à Administração Trump. Mas os primeiros dias de Biden já indica que ele reunindo o que há de pior nas administrações Clinton, Bush, Obama e Trump. Como os democratas possuem a presidência e a maioria no Congresso, pelos próximos 2 anos eles não poderão transferir para ninguém a culpa pelos seus crimes.

Joe Biden é agora o presidente dos EUA. Suas ordens executivas do primeiro dia deveriam ter priorizado o fim da pior crise do mundo no Iêmen, uma guerra em relação à qual ele disse que acabaria com o envolvimento dos EUA, mas não o fez.

O fim da participação dos EUA no genocídio do Iêmen poderia e deveria ter começado no primeiro dia. O In These Times relatou o seguinte em novembro (ênfase acrescentada):

“Uma coisa que Biden pode fazer, começando no primeiro dia, é pôr fim ao envolvimento dos EUA na guerra do Iêmen – envolvimento que ele ajudou a iniciar. Por ordem executiva, Biden poderia conseguir que o Pentágono acabasse com o compartilhamento de informações para os ataques aéreos da coalizão saudita, acabasse com o apoio logístico e acabasse com as transferências de peças sobressalentes que mantêm os aviões de guerra sauditas no ar”, disse Hassan El-Tayyab, líder do lobby político do Oriente Médio para o Comitê de Amigos da Legislação Nacional, uma organização progressista, ao In These Times. “Ele poderia restaurar a assistência humanitária ao norte do Iêmen”. Ele poderia usar seu poder como presidente para pressionar outras nações que estão apoiando a coalizão saudita – como a França, o Reino Unido e o Canadá – e fazê-las seguir o exemplo. Ele poderia fazer com que o Departamento de Estado pusesse um fim em todas as vendas de armas para a Arábia Saudita, a menos que elas atendessem a certos critérios”.

Biden não fez nada disso, o que, embora sem surpresas, ainda é indesculpável. Não estamos falando aqui de um projeto infraestrutural de 10 anos. Esta é a pior atrocidade em massa em todo o nosso planeta neste momento, e deve ser tratada com urgência proporcional. Esta administração optou conscientemente por não acabar com a participação dos EUA nessa atrocidade o mais rápido possível, o que continuará sendo uma decisão imperdoável, mesmo que a guerra do Iêmen acabe mais tarde.

Em vez de interrogar Biden sobre sua decisão de não priorizar sua promessa de acabar com a guerra do Iêmen, que é o que qualquer jornalista autêntico faria, a imprensa lhe faz perguntas estúpidas e sem sentido sobre se ele pode “unir o país”.

No período que antecedeu a posse de Biden, testemunhamos algumas audiências no Senado sobre as escolhas de seu gabinete, nas quais soubemos que esta administração continuará as tentativas assassinas de golpe de Trump na Venezuela, que manterá a decisão incendiária de Trump de ter a embaixada dos EUA em Jerusalém, que o reavivamento do acordo nuclear iraniano está muito longe de acontecer e exigirá primeiro consultas com Israel, e que continuará a escalada da guerra fria de Trump contra a China.

Em uma das manifestações mais bizarras nas audiências do Senado, o indicado de Biden para liderar o Departamento de Estado, Tony Blinken, defendeu seu apoio à desastrosa intervenção na Líbia durante seu tempo na administração Obama, botando a culpa pelas consequências abomináveis em Muammar Gaddafi, o líder que foi mutilado até a morte nas ruas após uma intervenção liderada pelos EUA para derrubá-lo.

“Eis o que eu acho que nós julgamos mal”, disse Blinken. “Não apreciamos plenamente o fato de que uma das coisas que Gaddafi havia feito ao longo dos anos foi garantir que não houvesse um possível rival a seu poder e, como resultado, não houvesse uma burocracia efetiva, nenhuma administração efetiva na Líbia com a qual se pudesse trabalhar quando ele estivesse fora”.

Por “quando ele estivesse fora”, Blinken quer dizer quando ele estivesse morto, porque os Estados Unidos ajudaram a matá-lo depois de encenar uma intervenção baseada em mentiras. Ele está defendendo seu impulso por uma intervenção que levou a um estado fracassado no qual as pessoas são vendidas como escravas, dizendo que, se Gaddafi tivesse governado melhor seu país, ele não teria caído em violência e caos quando a administração Obama o assassinou.

Isto é como um serial killer culpando suas ações pela má administração doméstica de sua vítima. O descaramento com que os jagunços do imperialismo podem descartar toda responsabilidade por suas ações nunca deixará de nos surpreender.

Os próximos dois anos serão os mais transparentes do Partido Democrata. Após dois anos, é estatisticamente provável que eles percam o controle da Câmara e/ou do Senado, após os quais eles poderão transferir todo o derramamento de sangue imperialista e falta de progresso para um “Congresso obstrucionista”, como fizeram durante os últimos seis anos da administração Obama. Mas até lá, os democratas terão que segurar a barra por toda a sua devassidão e genocídio reacionários por conta própria.

Isto estabelecerá um forte contraste dos últimos quatro anos, durante os quais cada abuso institucionalizado por parte do Império Americano era retratado como uma anomalia única da administração Trump. Incapazes de lançar a culpa por sua recusa em avançar com políticas progressistas e decência humana básica sobre Trump e Vladimir Putin nos próximos dois anos, eles serão forçados a matar qualquer movimento de protesto por conta própria. É por isso que já estamos vendo agora artigos da mídia de massa com manchetes como “Sob Biden, é hora de os democratas abandonarem projeto Medicare for All“.

E este período proporcionará amplas oportunidades para destacar o fato de que é exatamente isso que o Partido Democrata existe para fazer: matar todo movimento de protesto no governo mais poderoso do mundo. Como os EUA continuam com suas políticas neoliberais de destruição da alma em casa e suas políticas neoconservadoras assassinas no exterior com o mesmo grau de psicopatia que demonstraram nas administrações anteriores, devemos chamar a atenção para o fato de que é o Partido Democrata que tem a responsabilidade por isso tudo.

Quanto mais cedo os americanos puderem desacreditar o Partido Democrata como um veículo legítimo para uma mudança progressista, mais cedo poderão começar a procurar outras ferramentas. O primeiro passo para escapar é parar de empurrar contra a porta falsa falsamente etiquetada como “saída”.

Fonte: RT

Deixe uma resposta