Eleições Americanas: A Mãe de Todas as Revoluções Coloridas

Os EUA têm, há anos, empreendido revoluções coloridas ao redor do mundo, sempre que alguma liderança não alinhada apresente alguma ameaça ao projeto globalista. 2020 foi o ano em que a própria capital do falso Império se tornou palco de uma revolução colorida, travada pelo Deep State, em aliança com o Partido Democrata, a mídia de massa e a Big Tech, para garantir que o próximo presidente seja completamente alinhado ao projeto globalista. Entenda como isso aconteceu.

Uma simulação de uma revolução colorida perfeita e nativa, de codinome Azul, vazou de um importante think-tank localizado nas terras imperiais que projetou pela primeira vez o conceito de revolução colorida.

Nem todas as informações divulgadas aqui sobre a simulação Azul são públicas. Isso pode muito bem provocar uma resposta dura do Estado Profundo [Deep State], mesmo que um cenário semelhante tenha sido simulado por um projeto chamado Projeto para a Integridade da Transição [Transition Integrity Project].

Ambos os cenários devem ser qualificados como programação preditiva – com o Deep State preparando o público em geral, com antecedência, para exatamente como as coisas irão se desenrolar.

As regras do manual padrão da revolução colorida geralmente começam na capital do Estado-Nação X, durante um ciclo eleitoral, com “rebeldes” que combatem pela “liberdade” desfrutando de total apoio da mídia nacional e internacional.

O Projeto Azul trata de uma eleição presidencial no Hegemon. Na simulação, o presidente em exercício, que recebeu o codinome “Bufão”, foi pintado de vermelho. O desafiante, de codinome “Cadáver”, foi pintado de azul.

Azul – a simulação – subiu um degrau porque, em comparação com seus predecessores, o ponto de partida não era uma mera insurgência, mas uma pandemia. Não uma pandemia qualquer, mas uma pandemia global realmente séria, com uma explosiva taxa de mortalidade por infecção de menos de 1%.

Por uma feliz coincidência, a pandemia letal permitiu que os operadores da simulação Azul promovessem a votação por correio como o procedimento de votação mais seguro e socialmente distante.

Isso se conectou com uma onda de pesquisas prevendo uma vitória quase inevitável do candidato Azul na eleição – até mesmo uma Onda Azul.

A premissa é simples: derrubar a economia e esvaziar um presidente em exercício cuja missão declarada é impulsionar uma economia em expansão. Em paralelo, convença a opinião pública de que ir às urnas é um perigo para a saúde.

O comitê do Azul não se arrisca, anunciando publicamente que contestaria qualquer resultado que contradiga o resultado predefinido: a vitória final de Azul em uma entidade peculiar, anacrônica e antidemocracia direta chamada de “colégio eleitoral”.

Se Vermelho ganhar de alguma forma, Azul esperará até que todos os votos sejam contados e devidamente litigados em todos os níveis de jurisdição. Contando com o apoio maciço da mídia e marketing de mídia social impulsionado a níveis de saturação, Azul proclama que “em nenhum cenário” Vermelho teria permissão para declarar vitória.

Contagem Regressiva para a Votação Mágica

Chega o dia da eleição. A contagem de votos está ocorrendo sem problemas – contagem de votos por correspondência, contagem de votos do dia de eleição, contagem minuto a minuto – mas a maioria favorecendo o Vermelho, especialmente em três estados sempre essenciais para conquistar a presidência. O vermelho também lidera no que é caracterizado como “estados decisivos”.

Mas então, assim que uma rede de TV prematuramente declara para o Azul um estado supostamente garantido do Vermelho, toda a contagem de votos é interrompida antes da meia noite nas principais áreas urbanas em estados decisivos sob governadores azuis com vermelho na liderança.

Os operadores da simulação Azul param de contar para verificar se seu cenário que leva a uma vitória do Azul pode acontecer sem trazer ao jogo as cédulas de correio. Seu mecanismo preferido é manufaturar a “vontade do povo”, preservando uma ilusão de justiça.

No entanto, eles sempre podem contar, com o Plano B, com cédulas urbanas enviadas por correio, quentes e frias, até que Azul tome a dianteira em dois estados decisivos particularmente importantes que Vermelho conquistou em uma eleição anterior.

É exatamente isso que acontece. Começando às 2 da manhã e noite adentro, entra em jogo um lote de votos “mágicos” nesses dois estados-chave. O súbito “ajuste” para cima inclui o caso de um lote em um condado com mais de 130 mil votos pró-Azul e nem um único voto pró-Vermelho – um milagre estatístico nas proporções do Espírito Santo.

Encher as urnas é um golpe típico aplicado em revoluções coloridas de Repúblicas das Bananas. Operadores da simulação Azul usam o método experimentado e testado aplicado ao mercado futuro de ouro, quando uma queda repentina nas vendas a descoberto reduz o preço do ouro, protegendo assim o dólar americano.

Os operadores da simulação Azul apostam que a aliança entre mídia servil e a Big Tech não vai questionar que, bem, do nada, os votos iriam para o Azul em uma margem de 2 a cada 3 ou 3 a cada 4.

Eles apostam que nenhuma pergunta será feita sobre como uma tendência de votação positiva de 2% a 5% a favor do Vermelho em alguns estados se transformou em uma tendência de 0,5% a 1,4% a favor do Azul por volta das 4:00 da manhã.

E que essa discrepância acontece em dois estados decisivos quase simultaneamente. E que alguns distritos obtêm mais votos presidenciais do que eleitores registrados.

E que nos estados decisivos, o número de votos misteriosos extras para Azul excede em muito os votos dados para os candidatos ao Senado nesses estados, quando os registros mostram que os totais destes votos são tradicionalmente próximos.

E que o comparecimento em um desses estados seria de 89,25%.

No dia seguinte ao dia da eleição, há explicações vagas de que uma das possíveis perdas de votos foi apenas um “erro burocrático”, enquanto em outro estado disputado não há justificativa para aceitar cédulas sem carimbo do correio.

Os operadores da Blue relaxam porque a aliança com a grande mídia /Big Tech esmaga toda e qualquer reclamação como “teorias da conspiração”.

A Contrarrevolução Vermelha

Os dois candidatos presidenciais não ajudam a si próprios exatamente.

Codinome Cadáver, em um deslize freudiano, revelou que seu partido havia armado o esquema de fraude mais extenso e “diverso” de todos os tempos.

Não apenas Cadáver está prestes a ser investigado por um esquema obscuro relacionado a um computador. Ele é um paciente com demência em estágio 2 com um perfil que se desfaz rapidamente – meramente mantido funcional por causa de drogas, que não podem impedir que sua mente desligue lentamente.

O Codinome Bufão, fiel a seus instintos, foi preventivo, declarando que a eleição inteira é uma fraude, mas sem oferecer uma prova contundente. Ele é devidamente desacreditado pela aliança grande mídia/Big Tech por espalhar “alegações falsas”.

Tudo isso está acontecendo porque uma operadora astuta, velha e amarga não apenas declarou que o único cenário admissível era uma vitória do Azul; ela já havia se posicionado para um cargo de alto escalão.

Azul também simula que Vermelho embarcaria imediatamente em um caminho obstinado à frente: arregimentação de um exército de advogados exigindo acesso a cada lista de registro para vasculhar, revisar e verificar cada cédula de correio, um processo de análise forense de fato.

Ainda assim, Azul não pode prever quantas cédulas falsas serão reveladas durante a recontagem.

Enquanto Cadáver está prestes a declarar a vitória, Bufão olha para o longo jogo, decidido a levar tudo até a Suprema Corte.

A máquina Vermelha também já o havia simulado – pois estava totalmente ciente de como a operação Azul seria jogada.

A contrarrevolução Vermelha carrega o potencial de dar um xeque-mate estratégico em Azul.

É um ataque em três frentes – com Vermelho usando o Comitê Judiciário, o Senado e o Procurador Geral, todos sob a autoridade do codinome Bufão até o dia da posse. O objetivo é após uma violenta batalha legal, derrubar Azul.

Os principais operadores de Vermelho têm a opção de criar uma comissão do Senado, ou um Conselho Especial, a pedido do Comitê Judiciário, a ser nomeado pelo Departamento de Justiça para investigar o Cadáver.

Nesse ínterim, duas votações do colégio eleitoral, com um mês de intervalo, são necessárias para certificar o vencedor presidencial.

Essas votações acontecerão no meio de uma e talvez duas investigações focadas no Cadáver. Qualquer estado representado no colégio eleitoral pode se opor a aprovar o Cadáver investigado; neste caso, é ilegal para aquele estado permitir que seus eleitores certifiquem os resultados presidenciais do estado.

O Cadáver pode até mesmo ser impedido pelo próprio partido, nos termos da Emenda 25, devido ao seu declínio mental irreversível.

O caos resultante teria de ser resolvido pela Suprema Corte, tendenciosa ao Vermelho. Não é exatamente o resultado desejado por Azul.

A Banca sempre vence

O cerne da questão é que esta simulação do think-tank transcende o Vermelho e o Azul. Diz respeito ao objetivo final do Deep State.

Não há nada como um grande conjunto de operações psicológicas incorporadas em uma arena em estilo WWE sob o signo do Divide et Impera para colocar multidão contra multidão, com metade da multidão se rebelando contra o que considera um governo ilegítimo. O 0,00001% examina, de cima, confortavelmente, a não apenas metafórica carnificina.

Mesmo que o Deep State, usando seus lacaios Azuis, nunca permitisse que o codinome Bufão prevalecesse novamente, o Dividir para Conquistar interno pode ser visto como o resultado menos desastroso para o mundo em geral.

Um contexto de guerra civil, em teoria, distrai o Deep State de bombardear outras latitudes do Sul Global para que adotem a farsa distópica de “democracia” que está sendo encenada agora.

Entretanto, um impasse doméstico no Império do Caos pode muito bem encorajar mais aventuras estrangeiras como uma distração necessária para criar coesão interna.

E essa é a beleza da simulação Azul: a banca vence, de uma forma ou de outra.

Fonte: Asia Times

Pepe Escobar

.

Deixe uma resposta