Guerra entre Armênia e Azerbaijão: Teria a Rússia como parar o conflito?

Escrito por Andrei Raevsky (The Saker)
Uma guerra no Cáucaso não é do interesse russo, nem do interesse da maioria dos povos do mundo. É um conflito que poderia desmontar toda a atuação diplomática russa dos últimos 20 anos, bem como descambar para uma guerra mundial. Por isso, a Rússia tem tentado impor um cessar-fogo na região, mas é possível para a Rússia deter este conflito?

Esta guerra é oficialmente uma guerra entre o Azerbaijão e a República (não reconhecida) de Nagorno Karabakh (RNK) também conhecida como “República de Artsakh” (ROA), a que me referirei simplesmente como Nagorno Karabakh ou “NK”. Como é freqüentemente o caso, a realidade é muito mais complicada. Por um lado, a Turquia de Erdogan tem estado profundamente envolvida desde o primeiro dia (e, realmente, muito antes disso) enquanto a Armênia tem apoiado a NK desde o desmembramento da União Soviética. É ainda pior: a Turquia é membro da OTAN enquanto a Armênia é membro da CSTO. Assim, uma guerra iniciada em uma área relativamente pequena e remota poderia, em teoria, desencadear uma guerra nuclear internacional. A boa notícia aqui é que ninguém na OTAN ou na CSTO quer tal guerra, especialmente porque tecnicamente falando a NK não faz parte da Armênia (a Armênia nem mesmo reconheceu esta república até agora!) e, portanto, não está sob a proteção da CSTO. E como não houve ataques contra a Turquia propriamente dita, pelo menos até agora, a OTAN também não tem motivos para se envolver.

Devo mencionar aqui que, em termos de direito internacional, a NK é uma parte integrante do Azerbaijão. Ainda assim, quase todos concordam que existe uma diferença entre a NK propriamente dita e o tipo de zona de segurança que o exército da NK criou em torno da NK.

A realidade no terreno, no entanto, é muito diferente, então vamos olhar para a posição de cada ator por sua vez, começando pelo partido que iniciou a guerra: o Azerbaijão.

O Azerbaijão vem reformando e rearmando seus militares desde que as forças azeri foram derrotadas de forma abrangente na guerra de 1988-1994. Além disso, para o Presidente Aliev, esta guerra representa o que poderia ser a melhor e última chance de derrotar as forças da NK e da Armênia. A maioria dos observadores concorda que caso Aliev não consiga alcançar pelo menos uma aparência de vitória, perderá o poder.

A Armênia teria ficado muito feliz em manter o status quo e continuar a formar um país de facto com o NK, ao mesmo tempo permanecendo dois países de jure. Ainda assim, vivendo na dura e até perigosa “vizinhança” do Cáucaso, os armênios nunca esqueceram que estão cercados por países mais ou menos hostis, assim como também permaneceram bem conscientes da ideologia neo-otomana de Erdogan que, mais cedo ou mais tarde, tornaria a guerra inevitável.

O Irã, que muitas vezes é esquecido, não está diretamente envolvido no conflito, pelo menos até agora, mas tem sido geralmente solidário com a Armênia, principalmente porque a ideologia neo-otomana de Erdogan representa um perigo para toda a região, incluindo o Irã.

A Turquia tem desempenhado um papel crucial nos bastidores no rearmamento e na reorganização das forças azeri. Assim como na Líbia, os drones de ataque turcos têm sido usados com formidável eficácia contra as forças do NK, apesar do fato de os armênios terem algumas defesas aéreas muito decentes. Quanto ao próprio Erdogan, esta guerra é sua última tentativa de se pintar como uma espécie de sultão neo-otomano que reunirá todo o povo turco sob seu domínio.

Um dos maiores equívocos sobre este conflito é a suposição de que a Rússia sempre esteve, e sempre estará, do lado da Armênia e do NK, mas embora isto fosse definitivamente verdade para a Rússia antes de 1917, não é este o caso hoje em dia. Por quê?

Vamos examinar a posição russa neste conflito.

Primeiro, vamos tirar o óbvio do caminho: A Armênia (própria, ao contrário do NK) é membro da CSTO e se alguém (incluindo o Azerbaijão e/ou a Turquia) atacar a Armênia, a Rússia certamente interviria e pararia o ataque, seja por meios políticos ou mesmo militares. Considerando o que a Turquia fez ao povo armênio durante o infame genocídio armênio de 1914-1923, isto faz todo o sentido: ao menos agora o povo armênio sabe que a Rússia jamais permitirá que outro genocídio ocorra. E os turcos também sabem disso.

E no entanto, as coisas também não são tão simples assim.

Por exemplo, a Rússia vendeu muitos sistemas avançados de armas para o Azerbaijão (veja aqui um bom exemplo). Na verdade, as relações entre Vladimir Putin e Ilham Aliyev são famosamente muito calorosas. E embora seja verdade que o Azerbaijão deixou a CSTO em 1999, a Rússia e o Azerbaijão mantiveram um relacionamento muito bom que alguns até caracterizam como uma parceria ou mesmo uma aliança.

Além disso, o Azerbaijão tem sido um parceiro muito melhor para a Rússia do que a Armênia, especialmente desde a “revolução colorida” financiada por Soros em 2018, que colocou Nikol Pashinian no poder. Desde que Pashinian chegou ao poder, a Armênia tem seguido o mesmo tipo de política “multi-vetor” que viu Lukashenko, da Bielorrússia, tentar abandonar a Rússia e se integrar na área de domínio UE/OTAN/EUA. As duas maiores diferenças entre Belarus e Armênia são a) Bielorrussos e russos são o mesmo povo e b) a Rússia não pode se dar ao luxo de perder Belarus enquanto a Rússia realmente não tem necessidade da Armênia.

Pelo lado negativo, não só o Azerbaijão deixou a CSTO em 1999, mas o Azerbaijão também aderiu à Organização GUAM, abertamente anti-russa, (que está sediada em Kiev).

A seguir, há o fator Turquia-Erdogan, como visto da Rússia. Simplificando, os russos nunca confiarão em nenhum turco que compartilhe da visão de mundo e da ideologia neo-otomana de Erdogan. A Rússia já travou doze guerras em larga escala contra os otomanos e não tem nenhum desejo de deixar os turcos desencadear outra (o que quase fizeram quando derrubaram um Su-24M russo sobre o norte da Síria). É claro que a Rússia é muito mais poderosa do que a Turquia, pelo menos em termos militares, mas em termos políticos uma guerra aberta contra a Turquia poderia ser desastrosa para os objetivos da política externa e interna russa. E, é claro, a melhor maneira de a Rússia evitar tal guerra no futuro é ter certeza absoluta de que os turcos percebam que, caso ataquem, estarão sofrendo uma derrota esmagadora em um tempo muito curto. Até agora, isto tem funcionado muito bem, especialmente depois que a Rússia salvou Erdogan do golpe apoiado pelos EUA contra ele.

Alguns observadores sugeriram que, sendo a Rússia e a Armênia cristãs, a primeira tem algum tipo de obrigação moral em relação à segunda. Eu discordo categoricamente. Minha principal razão para discordar aqui é que os russos agora estão bem cientes da nojenta falta de gratidão de nossos (supostos) “irmãos” e (supostos) “companheiros cristãos” que se manifestaram assim que a Rússia estava em necessidade.

Adendo: a maioria dos armênios não são cristãos ortodoxos, mas membros da Igreja Apostólica Armênia, que são miafisitas/monofisitas. Eles também não são eslavos].

O ÚNICO povo eslavo ou ortodoxo que mostrou verdadeira gratidão pela Rússia foram os sérvios. Todos os demais apressaram-se imediatamente a se prostituir diante do tio Shmuel e competiram uns com os outros pela “honra” de implantar sistemas de armamento americanos voltados contra a Rússia. A verdade é que, como toda superpotência, a Rússia é grande demais e poderosa demais para ter verdadeiros “amigos” (sendo a Sérvia uma bela exceção a esta regra). O czar russo Alexandre III disse, famosamente, que “a Rússia só tem dois verdadeiros aliados: seu exército e sua marinha”. Bem, hoje a lista é mais longa (agora poderíamos acrescentar as forças aeroespaciais, o FSB, etc.), mas em termos de aliados ou amigos externos, o povo sérvio (ao contrário de alguns dos líderes sérvios) são os únicos que são verdadeiros amigos da Rússia (e que, apesar do fato de que sob Ieltsin e seus “oligarcas democráticos” a Rússia traiu vergonhosamente uma longa lista de países e líderes políticos, incluindo a Sérvia).

Depois há o fator religioso que, embora crucial no passado, realmente não desempenha nenhum papel neste conflito. ah claro, os líderes políticos de ambos os lados gostam de se retratar como religiosos, mas isto é apenas RP. A realidade é que tanto os azerbaijanos quanto os armênios colocam considerações étnicas muito acima de quaisquer considerações religiosas, quanto mais não seja porque, cortesia do ateísmo militante da ex-URSS, muitas, se não a maioria, das pessoas na Armênia, no Azerbaijão e até mesmo na Rússia hoje em dia são secularistas agnósticos com um interesse meramente passageiro pelos “valores espirituais que moldaram sua identidade nacional” (ou algo parecido).

Uma grande preocupação para a Rússia é o movimento dos takfiris, dirigidos pelos turcos, da Síria para o Azerbaijão. Os russos já confirmaram que isso ocorreu (os franceses também relataram isso) e, se for verdade, isso daria à Rússia o direito de atacar esses takfiris em solo azerbaijanês. Até agora, esta ameaça é menor, mas se ela se tornar real, podemos esperar que os mísseis de cruzeiro russos entrem em cena.

Finalmente, há grandes comunidades azeri e armênia na Rússia, o que significa duas coisas: primeiro, a Rússia não pode permitir que este conflito atravesse as fronteiras e infecte a Rússia e, segundo, há milhões de russos que terão laços, muitas vezes fortes, com estes dois países.

Embora atualmente eles não estejam oficialmente envolvidos, ainda precisamos olhar, pelo menos superficialmente, para a visão do Império sobre este conflito. Para resumir, eu diria que o Império está absolutamente encantado com esta crise, que é a terceira que explode às portas da Rússia (os outros dois são a Ucrânia e a Bielorrússia). Há realmente muito pouco que o Império pode fazer contra a Rússia: o bloqueio econômico e as sanções falharam totalmente, e em termos puramente militares a Rússia é muito mais poderosa do que o Império. Simplificando: o Império simplesmente não tem o que é preciso para enfrentar a Rússia diretamente, mas desencadear conflitos em torno da periferia da Rússia é realmente fácil.

Por um lado, as fronteiras administrativas internas da URSS não têm nenhuma semelhança com os locais de residência das diversas etnias da ex-União Soviética. Olhando para elas, seria desculpado pensar que elas foram desenhadas precisamente para gerar a máxima tensão entre os muitos grupos étnicos que foram cortados em pedaços separados. Também não há lógica em aceitar o direito das ex-repúblicas soviéticas de se separarem da União Soviética, mas depois negar o mesmo direito àquelas entidades administrativas locais que agora desejariam se separar de uma república recém-criada da qual não querem fazer parte.

Em segundo lugar, muitos, se não a maioria, dos chamados “países” e “nações” que surgiram repentinamente após o colapso da União Soviética não têm qualquer realidade histórica. Como resultado direto, estas “nações” recém-nascidas não tinham nenhuma base histórica para se enraizar, e nenhuma idéia do que a independência realmente significa. Algumas nações, como os armênios, têm raízes profundas até a antiguidade, mas suas fronteiras atuais estão realmente baseadas em nada. Seja qual for o caso, tem sido extremamente fácil para o tio Shmuel mudar-se para estes Estados recém-independentes, especialmente porque muitos (ou mesmo a maioria) destes estados viam a Rússia como o inimigo (cortesia da ideologia predominante do Império que foi imposta ao povo, em sua maioria, sem noção, da ex-periferia soviética). O resultado? Violência, ou mesmo guerra, em torno dessa periferia (que os russos consideram como seu “exterior próximo”).

Penso que a maioria do povo russo está ciente de que, embora tenha havido um grande preço a pagar por isso, o recorte da ex-periferia soviética da Rússia tem sido uma bênção disfarçada. Isto é confirmado por inúmeras pesquisas que mostram que o povo russo é geralmente muito desconfiado de quaisquer planos envolvendo o uso das Forças Armadas russas fora da Rússia (por exemplo, foi preciso toda a “credibilidade de rua” de Putin para convencer o povo russo de que a intervenção militar russa na Síria era uma boa idéia).

Há também mais uma coisa que devemos sempre lembrar: para toda a propaganda estúpida dos EUA e do Ocidente sobre a Rússia e, mais tarde, a URSS sendo a “prisão dos povos” (pequenas nações sobreviveram muito melhor nesta “prisão” do que sob o regime “democrático” dos colonizadores europeus em todo o mundo! ), a verdade é que devido à visão raivosamente russofóbica dos comunistas soviéticos (pelo menos até Stalin – ele reverteu esta tendência), as repúblicas “periféricas” soviéticas viviam todas muito melhor do que a “Rússia remanescente” que os soviéticos chamavam de RSFSR. Na verdade, o período soviético foi uma bênção de muitas maneiras para todas as repúblicas não russas da União Soviética e somente agora, sob Putin, esta tendência finalmente foi revertida. Hoje a Rússia é muito mais rica do que os países ao redor de sua periferia e ela não deseja desperdiçar essa riqueza com uma periferia hostil e sempre ingrata. O resultado final é este: A Rússia não deve absolutamente nada a países como a Armênia ou o Azerbaijão e eles não têm qualquer direito de esperar que a Rússia venha em seu auxílio: isto não acontecerá, pelo menos a menos que a Rússia alcance um resultado positivo mensurável com esta intervenção.

Ainda assim, vejamos agora as razões pelas quais a Rússia poderia querer intervir.

Primeiro, este é, mais uma vez, um caso de megalomania e malevolência de Erdogan, resultando em uma situação muito perigosa para a Rússia. Afinal, tudo o que os azerbaijaneses precisam fazer para garantir uma intervenção turca explícita é atacar a Armênia propriamente dita, o que poderia forçar uma intervenção russa ou, alternativamente, ser tão severamente espancados pelos armênios que a Turquia poderia ter que intervir para evitar uma perda histórica de face tanto para Aliev quanto para Erdogan.

Segundo, é crucial para a Rússia provar que a CSTO é importante e eficaz na proteção dos Estados membros da CSTO. Em outras palavras, se a Rússia deixar a Turquia atacar diretamente a Armênia, a CSTO perderá toda a credibilidade, algo que a Rússia não pode permitir.

Terceiro, é crucial para a Rússia provar tanto ao Azerbaijão quanto à Armênia que os EUA são cheios de ar quente e promessas vazias, mas não conseguem fazer nada no Cáucaso. Em outras palavras, a solução para esta guerra tem que ser uma solução russa, não uma solução EUA/OTAN/UE. Quando ficar claro no Cáucaso que, como no Oriente Médio, a Rússia se tornou agora o próximo “fazedor de reis”, toda a região finalmente voltará à paz e a um lento retorno à prosperidade.

Até agora, os russos têm sido extremamente cuidadosos em suas declarações. Eles disseram principalmente que as forças de paz russas só poderiam ser destacadas depois que todas as partes envolvidas neste conflito concordassem com seu destacamento. Neste momento, ainda estamos muito longe disso.

Eis o que aconteceu até agora: os azeris esperavam claramente uma guerra curta e triunfante, mas apesar dos avanços muito reais em treinamento, equipamentos, etc., a blitzkrieg azeri falhou claramente apesar do fato de que as forças militares azeris são mais poderosos do que os da NK+Armênia. É verdade que os azerbaijaneses tiveram alguns sucessos iniciais, mas todos eles aconteceram em pequenas cidades localizadas em sua maioria na planície. Mas dê uma olhada neste mapa topográfico da área de operações e veja por si mesmo qual é o maior problema para os azeris:

Quase todo o NK está localizado nas montanhas (daí o prefixo “nagorno” que significa “montanhoso”) e as operações militares ofensivas nas montanhas são realmente um pesadelo, mesmo para forças muito bem preparadas e equipadas (especialmente na estação do inverno, que se aproxima rapidamente). Há muito poucos países lá fora que poderiam conduzir com sucesso operações ofensivas nas montanhas, a Rússia é um deles, e o Azerbaijão claramente não é.

Neste momento, ambos os lados concordam em uma única coisa: somente a vitória total pode deter esta guerra. Embora politicamente esse tipo de linguagem faça sentido, todos sabem que esta guerra não terminará em algum tipo de vitória total para um lado e derrota total para o outro lado. O simples fato é que os azerbaijaneses não podem invadir todo o NK enquanto os armênios (na Armênia propriamente dita e no NK) não podem contra-atacar e derrotar os militares azeri nas planícies.

Neste momento, e enquanto os azerbaijaneses e os armênios concordarem que não se deterão em nada que não seja uma vitória total, a Rússia simplesmente não pode intervir. Embora ela tenha o poder militar de forçar ambos os lados a uma paralisação total, ela não tem o direito legal de fazê-lo e, por favor, lembre-se que, ao contrário dos EUA, a Rússia respeita o direito internacional (quanto mais não seja porque ela não tem planos de se tornar os “próximos EUA” ou algum tipo de hegemon global encarregado de manter a paz mundial). Portanto, há apenas duas opções possíveis para uma intervenção militar russa:

  1. Um ataque direto (e confirmado por provas concretas) ao território da Armênia;
  2. Tanto os azeris quanto os armênios concordarem que a Rússia deve intervir.

Acredito firmemente que Erdogan e Aliev farão o que for preciso para evitar que a opção 1 aconteça (ao mesmo tempo que farão tudo que estiver a seu alcance, exceto atacar abertamente a Armênia, para vencer). Os acidentes, no entanto, acontecem, portanto, o risco de uma rápida e dramática escalada do conflito permanecerá até que ambos os lados concordem em parar.

Neste momento, nenhum dos lados tem uma vitória clara e, por mais triste que eu seja escrever estas palavras, ambos os lados têm reservas suficientes (não só militares, mas também políticas e econômicas) para mantê-las por um tempo mais longo. Entretanto, nenhum dos lados tem o que seria necessário para travar uma longa e sangrenta guerra de atrito posicional, especialmente nas cadeias montanhosas. Assim, ambos os lados provavelmente já perceberam que este conflito terá que parar, mais cedo em vez de mais tarde (de acordo com alguns especialistas russos, estamos apenas falando de semanas).

Além disso, estão ocorrendo muitas escaladas muito perigosas, incluindo ataques de artilharia e mísseis em cidades e oalvos de infraestrutura. Se os armênios forem realmente empurrados contra um muro, eles poderiam ao mesmo tempo reconhecer o NK e atingir a infraestrutura de energia e petróleo/gás dos azeris com seus formidáveis mísseis balísticos táticos Iskander. Se isso acontecer, então podemos estar quase certos de que tanto os azeris quanto os turcos tentarão atacar a Armênia diretamente, com conseqüências dramáticas e muito perigosas.

Este conflito pode ficar muito, muito mais sangrento e muito mais perigoso. Portanto, é do interesse de toda a região (mas não dos EUA) detê-lo. Será que o lobby armênio será poderoso o suficiente para pressionar os EUA a adotar uma postura mais útil? Até agora, os EUA estão, pelo menos oficialmente, pedindo um cessar-fogo a todos os lados (junto com a França e a Rússia), mas todos sabemos o quanto a palavra do tio Shmuel pode ser confiável. Pelo menos não há provas públicas de que os EUA estejam pressionando pela guerra nos bastidores (a ausência de tais provas, é claro, não implica a evidência da ausência de tais ações!).

No momento de escrever isto (9 de outubro) a Rússia tem que esperar que as partes voltem à realidade e aceitem uma solução negociada. Se e quando isso acontecer, há opções lá fora, incluindo fazer do NK uma região especial do Azerbaijão que seria colocada sob a proteção direta da Rússia e/ou da CSTO com forças russas destacadas dentro da região do NK. Seria até possível ter uma presença militar turca em toda a NK (e até mesmo alguns monitores dentro!) para tranquilizar os azerbaijaneses de que as forças armênias deixaram a região e estão permanecendo de fora. Os azerbaijaneses já sabem que não podem derrotar a Armênia propriamente dita sem arriscar uma resposta russa e provavelmente vão perceber que não podem invadir o NK. Quanto aos armênios, é muito legal e divertido jogar a carta “multi-vetor”, mas a Rússia não vai mais jogar por estas regras. Sua mensagem aqui é simples: se você é a puta do tio Shmuel, então deixe o tio Shmuel salvá-lo; se você quer que nós ajudemos, então nos dê uma razão muito boa: estamos ouvindo”.

Esta me parece uma posição eminentemente razoável a tomar e eu espero e acredito que a Rússia se manterá fiel a ela.

PS: a última notícia é que Putin convidou os Ministros das Relações Exteriores do Azerbaijão e da Armênia a Moscou para “consultas” (não “negociações”, pelo menos ainda não) com Sergei Lavrov como mediador. Ótimo. Talvez isto possa salvar vidas, pois uma paz ruim será sempre melhor do que uma boa guerra.

PPS: a última notícia (9 de outubro 0110 UTC) é que os russos forçaram a Armênia e o Azerbaijão a negociar por mais de treze horas, mas, no final do dia, ambos os lados concordaram com um cessar-fogo imediato e com o início de negociações substantivas. Francamente, considerando a extrema hostilidade das partes em relação uma à outra, considero este resultado quase milagroso. Lavrov realmente ganhou seu sustento hoje! Ainda assim, agora temos que ver se a Rússia pode convencer ambas as partes a realmente cumprir este acordo. Aqui está uma tradução automática do primeiro relatório russo sobre este resultado:

Declaração dos Ministros das Relações Exteriores da Federação Russa, da República do Azerbaijão e da República da Armênia

Em resposta ao apelo do Presidente da Federação Russa V.V. Putin e em conformidade com os acordos do Presidente da Federação Russa V.V. Putin, do Presidente da República do Azerbaijão I.G. Aliyev e do Primeiro-Ministro da República da Armênia N.V. Pashinyan, as partes acordaram as seguintes etapas:


1. Um cessar-fogo é declarado a partir das 12h00 do dia 10 de outubro de 2020 para fins humanitários, para a troca de prisioneiros de guerra e outras pessoas detidas e corpos dos mortos, mediado e de acordo com os critérios do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.
2. Os parâmetros específicos do regime de cessar-fogo serão acordados de forma adicional.
3. A República do Azerbaijão e a República da Armênia, com a mediação dos co-presidentes do Grupo de Minsk da OSCE, com base nos princípios básicos do acordo, iniciarão negociações substantivas com o objetivo de chegar a um acordo pacífico o mais rápido possível.
4. As partes confirmam a invariabilidade do formato do processo de negociação.

Fonte: The Saker

Deixe uma resposta