Cultura do Cancelamento: “A Quinta Sinfonia de Beethoven é Racista, Classista e Opressora”

Escrito por Daniel Lelchuk
Engana-se quem acredita que o politicamente correto e seu totalitarismo pretendem parar ou conhecem limites. Quanto mais a sociedade cede ao politicamente correto, mais ele quer censurar, perseguir e cancelar. A última vítima da cultura liberal do cancelamento foi o compositor alemão Ludwig van Beethoven, acusado de elitista, racista, colonialista, imperialista e de muitos outros “istas” mais.

Esta semana, a Vox publicou um artigo intitulado “Como a 5ª Sinfonia de Beethoven colocou o classismo na música clássica”. “Desde sua estréia em 1808, o público tem interpretado [sua progressão inicial] como uma metáfora da resiliência pessoal de Beethoven diante de sua surdez iminente”, escrevem Nate Sloan e Charlie Harding. Mas “para alguns em outros grupos – mulheres, pessoas LGBTQ+, pessoas de cor – a sinfonia de Beethoven pode ser predominantemente uma lembrança da história de exclusão e elitismo da música clássica”. No artigo, e num podcast que o acompanha, os dois homens perguntam “como a sinfonia de Beethoven foi transformada de um símbolo de triunfo e liberdade em um símbolo de exclusão, elitismo e opressão”.

O artigo tem sido amplamente ridicularizado nas mídias sociais – em parte porque os autores (ambos homens brancos, pelo que posso dizer) não oferecem nenhuma prova real para sua reivindicação. Isso é estranho, já que eles estão pretendendo redefinir o significado cultural do que é indiscutivelmente a composição mais conhecida, amplamente executada e amada pela humanidade. Centenas de milhões de pessoas se apaixonaram por esta sinfonia nos últimos dois séculos – muitas delas inspiradas pelo fato de Beethoven ter conseguido criá-la enquanto sucumbia à surdez.

Os escritores começam seu podcast se debruçando sobre o primeiro movimento da sinfonia – e sua inclusão no famoso disco da Voyager de 1977 que foi colocado no espaço, na esperança de transmitir o legado humano a alguma outra civilização alienígena. (Outras faixas dessa gravação incluíam música de percussão do Senegal, música coral da Geórgia, um canto noturno dos índios navajo, uma canção de casamento peruana, seleções de Louis Armstrong, Stravinsky, e muito mais). Em relação a Beethoven, um dos anfitriões pergunta retoricamente: “Quando uma civilização alienígena descobrir este disco dourado e nós os cumprimentamos com, tipo, dun dun dun DUNNNN… somos nós o império intergaláctico conquistador? Será isso o que eles vão pensar?”

Ao que o outro responde: “É uma grande pergunta, porque nem todos sentem que Beethoven é a melhor representação da realização coletiva de nossa espécie. Para muitas pessoas, a 5ª Sinfonia de Beethoven não representa triunfo e resiliência, mas elitismo e exclusão”.

Eu sou um violoncelista profissional que – em tempos não pandêmicos – executa música clássica para pessoas de todas as raças. A música de Beethoven é preciosa para mim. E é bizarro ouvir estes dois homens falando desta maneira. Nada do que eles dizem tem qualquer ligação com o trabalho real de Beethoven. E o seu pseudo-diálogo ensaiado sobre o que os alienígenas vão pensar do suposto “elitismo” de Beethoven é embaraçoso. No entanto, Sloan é musicólogo, e Harding é compositor.

Eles fazem, no entanto, um elogio não intencional a Beethoven. Isto é o que acontece quando uma obra de arte tem uma influência tão gigantesca sobre uma sociedade e sua identidade coletiva: A história da arte se torna nossa história. Naturalmente, aqueles que exigem que nossa história seja reescrita para corresponder a uma ideologia ou tema prescrito (como, digamos, opressão e interseccionalidade) também exigirão uma revisão em nosso entendimento da arte que define essa história.

Os anfitriões até acusam Beethoven – cujos ideais democráticos são bem conhecidos de qualquer pessoa que tenha estudado sua história de vida – de empoderar o colonialismo. Diz um: “Eu quase posso ver o tipo de marcha do império, do colonialismo, do industrialismo, todas aquelas coisas que têm como que a mesma narrativa de triunfo e conquista”.

Sério? É isso que você imagina quando começa a 5ª de Beethoven? Eu teria medo de imaginar o que se passa em sua mente durante uma apresentação do Parsifal de Wagner.

No Japão – que, da última vez que verifiquei, era povoado por uma quantidade razoável de “pessoas de cor” – as apresentações públicas de Beethoven são uma tradição festiva. Quando perguntado por que tantos japoneses se apaixonaram pela 9ª Sinfonia de Beethoven, um diretor de coral de Tóquio explicou: “Beethoven lança um feitiço sobre você. Muitos começam a pensar: ‘Eu não posso fazer isso’, mas depois outros membros os incitam a se esforçar mais e, trabalhando juntos, conseguem. O sentimento de realização é sublime”.

Essa citação apareceu no Japan Times, que, como era de se esperar, apresentou uma ampla gama de entrevistados para demonstrar o ponto de vista do escritor. O artigo da Vox, ao contrário, tem como fonte os pensamentos vagos dos próprios co-autores. Na medida em que autoridades externas são invocadas, a tentativa de difamação de um dos grandes compositores da história é atribuída às “muitas” pessoas (sem nome) que, temos certeza, compartilham o ânimo dos autores.

Estou sempre feliz em elogiar a universalidade de Beethoven, e da música mais amplamente – e nunca mais do que agora, quando a música é a única coisa em que temos para nos apoiar para termos uma sensação de alegria coletiva. Eu toco violoncelo desde os cinco anos de idade e me lembro da primeira vez que toquei a 5ª de Beethoven completa em um concerto – como calouro de uma escola secundária com minha orquestra de jovens em Boston. Desde então, tenho tido a sorte de tocá-la muitas vezes, em muitas partes do mundo, para públicos de todas as cores de pele. A emoção da música que senti logo no primeiro ensaio, na floresta do Maine, em nosso retiro de pré-temporada – essa emoção nunca me deixou. Quando as pessoas me perguntam se alguma vez me canso de tocar a 5ª, eu respondo – verdadeiramente – que cada vez que a toco ela me deixa mais revigorado.

O público também sente esta emoção, apesar da sugestão de que a popularidade duradoura da sinfonia é devida ao hábito esnobe. É uma das poucas peças musicais que pessoas de todos os estilos de vida pedem a nossa orquestra para tocar com mais freqüência. Além de abrangerem todas as raças do planeta, os fãs de Beethoven abrangem jovens e velhos, e ricos e pobres. Eu sei disso, porque muitas vezes dei meu complemento de ingressos gratuitos a pessoas que não podem se dar ao luxo de assistir, mas estão morrendo de vontade de fazê-lo. Há algo sobre o compositor, e especificamente sobre esta peça, que pode fazer com que um membro da platéia deixe a sala de concertos uma pessoa diferente.

Sempre que penso em nossa capacidade de amar a música – mesmo na primeira audição – lembro-me da época em que eu estava no Qatar, tocando com minha orquestra. Estávamos ensaiando a abertura para o Tannhaüser de Wagner. A orquestra tinha colocado um clipe do ensaio online, e eu estava vendo-o naquela noite quando um funcionário filipino do hotel veio oferecer um serviço de abertura de cama. Ele não falava inglês fluentemente, mas nós caímos em uma conversa. Eu apontei para o iPad que estava usando para tocar o vídeo, e coloquei na parte da abertura onde os metais estão tocando um tema enorme e altissonante, e os violinos estão quase ripostando, tocando uma pletora de notas, como uma revolta contra os metais – uma passagem emocionante. O trabalhador me disse que nunca havia tido a oportunidade de ouvir qualquer música clássica em sua vida, mas que se encontrava em lágrimas ao final da passagem. Não sei se ele já ouviu uma única nota de música clássica desde nosso encontro. Mas no que diz respeito ao poder da música, esse breve momento fala por si mesmo.

Beethoven é um alvo verdadeiramente estranho para os críticos progressistas, porque sua visão sobre a geopolítica é conhecida por ter sido, pelos padrões altamente regressivos de seu tempo, bastante progressista. Faria muito mais sentido visar alguém como Wagner, cujos defeitos pessoais são bem conhecidos. E naquele quarto de hotel do Qatar, eu certamente poderia ter feito um discurso sobre tudo isso. Mas que interesse teria isso tido, exceto tirar a beleza de uma bela peça musical?

Eu realmente me pergunto o que Sloan e Harding têm a dizer sobre a Orquestra Afegã de Mulheres, que em 2017 interpretou a 9ª de Beethoven no Fórum Econômico Mundial. Por favor, assista ao breve clipe do YouTube, que aparece abaixo, e pergunte-se se você se encontra inspirado – ou, canalizando os especialistas musicais da Vox, se você balança a cabeça para todas essas mulheres desorientadas homenageando a supremacia branca.

Música deste tipo não tem uma história fixa. Ela tem infinitas histórias, pois as possibilidades de fantasia e encantamento são infinitas. Não há um programa definido, nenhuma agenda. E se a 5ª de Beethoven faz Sloan e Harding imaginarem as pessoas de cor do mundo esmagadas sob coturnos ocidentais, talvez isso seja algo que eles gostariam de trabalhar em particular em um consultório. Não culpe a música.

Quando entrevistei Walter Isaacson para o primeiro episódio do meu podcast recém-lançado, perguntei a ele se precisávamos fazer um trabalho melhor defendendo a integridade das humanidades. Sua resposta foi otimista: as humanidades “naturalmente defendem a si mesmas”. Dado o poder de inspiração de Beethoven, a sua era a última cidadela cultural que eu esperava ver sitiada. Mas aqui estamos nós. No próximo mês, talvez seja Mozart. Ou Bob Dylan. Ou Britney Spears. Uma vez que concordemos em subordinar nosso amor pela arte aos ditames dos ideólogos ressentidos, todos os limites se dissolvem.

Fonte: Quillette

Deixe uma resposta