EUA vs China: Guerra sem Limites

Para todos os efeitos, o mundo já vive uma nova guerra fria, travada particularmente entre EUA e China. O objetivo, por parte dos EUA, é subjugar e desintegrar a China, para preservar a própria hegemonia global unipolar. O objetivo chinês é sobreviver e permanecer um Estado soberano.

Com uma série de artigos publicados em julho de 1947 no “New York Herald Tribune” e depois coletados no volume intitulado “A Guerra Fria: Um Estudo na Política Externa dos EUA”, o jornalista norte-americano Walter Lippmann introduziu no vocabulário geopolítico uma nova fórmula, “Guerra Fria”, para descrever uma hostilidade que não mais parecia resolúvel com uma guerra frontal entre as duas superpotências, dado o perigo para a sobrevivência da humanidade representada por um possível recurso às armas atômicas. Tal fórmula teria definido para toda a sua duração o antagonismo histórico entre o bloco ocidental hegemonizado pelos EUA e o bloco eurasiático hegemonizado pela URSS. Iniciada imediatamente após o fim da Segunda Guerra Mundial com o bloqueio de Berlim, a “Guerra Fria”, que, no entanto, não foi um fenômeno homogêneo, terminou em Helsinque em 1º de agosto de 1975, quando os representantes de trinta e cinco países assinaram o ato final da Conferência sobre Segurança e Cooperação Européia, no qual foram reafirmados os princípios da détente e do respeito aos “direitos humanos”. O termo “Segunda Guerra Fria” geralmente se refere ao período entre a intervenção soviética no Afeganistão (25 de dezembro de 1979) e a Cúpula de Genebra (19-20 de novembro de 1985), onde Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev concordaram em reduzir seus arsenais nucleares em 50%.

Há alguns meses, foi possível testemunhar uma renovada fortuna da fórmula cunhada há setenta anos. Um compatriota de Walter Lippmann “destacado” na Itália, o duradouro Edward Luttwak, disse em uma entrevista que apareceu em 17 de julho em “Il Tempo”: “A guerra fria já está em andamento. Entre os serviços secretos dos EUA e da China, a guerra está aberta. Você sabe a importância desta velha definição, a ‘guerra fria’? Que esta guerra fria continuará, como se deu com a URSS no passado, até a queda do regime chinês. Vamos ser pacientes. Países e sistemas antidemocráticos caem. Eles não cairão amanhã de manhã, mas cairão. E o líder chinês Xi Jinping entende isso muito bem e, portanto, tem a ambição de suprimir a democracia em todos os lugares, a começar por Hong Kong”.

O paradigma da “guerra fria”, re-proposto de forma atualizada pelos esquematizadores americanos e pelo agit-prop ocidentalista, encontra sua confirmação oficial nas palavras do Secretário de Estado da Administração dos EUA: “Acreditávamos que o envolvimento da China geraria um futuro de cooperação. Hoje estamos aqui usando máscaras e contando os mortos da pandemia porque o Partido Comunista Chinês quebrou suas promessas. Estamos aqui para acompanhar os desenvolvimentos da repressão em Hong Kong e Xinjiang. Estamos observando as tremendas estatísticas sobre o comércio exterior da China que afetaram nosso emprego e nossos negócios. Seguimos as forças armadas da China à medida que elas se tornam cada vez mais poderosas e ameaçadoras”[1].

O projeto de transformar a República Popular da China em uma colônia econômica americana, oficialmente inaugurado[2] há meio século, em abril de 1971, com o famoso jogo de pingue-pongue, fracassou ruinosamente: os investimentos feitos na China foram sabiamente utilizados pela China para adquirir um grau de poder que lhe permitiu assumir um papel de protagonista mundial. Determinados a salvaguardar sua hegemonia global, os Estados Unidos passaram de uma política de “contenção” para a criação de um “arco de crise” destinado a neutralizar seu adversário geopolítico. As declarações feitas em maio por Trump sobre o “vírus chinês” (“the Chinese virus”) e sobre a “peste chinesa” (“the plague from China”) anunciaram mais um passo de Washington, que, tirando do léxico da velha Guerra Fria a definição obsoleta de “mundo livre” – lançou um apelo sincero para formar uma aliança internacional anti-chinesa. “Esperamos – disse Mike Pompeo aos jornalistas britânicos em julho passado – construir uma coalizão que entenda a ameaça e aja coletivamente para convencer o Partido Comunista Chinês de que não é de seu interesse se engajar neste tipo de comportamento (…) Queremos que cada nação entenda a liberdade e a democracia […] para entender a ameaça do Partido Comunista Chinês. O mundo livre deve triunfar sobre esta nova tirania”[3].

Uma opinião radicalmente oposta à proposta da Secretária de Estado americana foi expressa pela Sra. Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, que se surpreendeu com a “rudeza” de Pompeu em relação à China, sua ordem sócio-política e liderança, declarando que a tensão criada pelos EUA “complica seriamente a situação internacional em geral” e que a Rússia, diante da tentativa americana de “inserir uma cunha” entre Moscou e Pequim, reforçará ainda mais a cooperação com a República Popular, sendo tal cooperação “o fator mais importante para estabilizar a situação mundial”[4].

No que diz respeito à Itália, o Embaixador dos EUA Lewis Eisenberg chamou severamente à ordem o governo presidido pelo advogado Conte, que na versão anterior “verde-amarela” havia assinado o “Memorando de Entendimento” relativo à nova Rota da Seda, despertando a apreensão e a irritação da Casa Branca. A um jornalista que estava tentando tranquilizá-lo dizendo que o governo de Roma está mudando sua posição sobre 5G e lhe perguntou se isso seria suficiente para satisfazer os EUA, o enviado em Washington respondeu literalmente: “Vamos esperar para ver exatamente como isso vai acontecer. A Huawei representa uma ameaça à segurança. A China é um país muito perigoso”[5].

Um aviso semelhante foi dirigido ao governo libanês, duas semanas antes da explosão no porto de Beirute, pela embaixadora americana Dorothy Shea, segundo a qual a aproximação a Pequim poderia ter custado ao país dos cedros “prosperidade, estabilidade e sustentabilidade financeira”. Um relatório da Associated Press publicado naqueles mesmos dias esclareceu as razões dos temores americanos em relação às relações de Beirute com Pequim. No início de julho, o Primeiro Ministro Hasan Diab havia recebido o embaixador chinês Wang Qijian e o Ministro da Indústria, Imad Hoballah, havia sido encarregado de estudar as modalidades de cooperação do Líbano com a República Popular. A agência de imprensa relatou estas palavras de um funcionário ministerial: “Nós nos voltamos muito seriamente para a China, mas não estamos virando as costas para o Ocidente… estamos passando por circunstâncias excepcionais e acolhemos todos aqueles que querem nos ajudar”[6]. Pequim teria proposto ao governo de Beirute a realização de importantes projetos num total de doze bilhões e meio de dólares: uma rede de centrais elétricas capaz de pôr fim à crise energética libanesa que já dura dez anos, um túnel entre a capital e o vale de Beqaa, uma linha ferroviária ao longo da costa.

O relatório da Associated Press indicava o porto libanês de Trípoli como uma futura estação importante na nova Rota da Seda. Segundo o economista Kamal Hadamis, os chineses preferem utilizar, ao invés do porto de Tel Aviv, o porto de Trípoli, porque, estando mais próximo dos portos de Tartus e Latakia, controlados pelo exército russo, facilitaria a transferência para território sírio de todo o material necessário para a reconstrução do país. O porto de Trípoli seria conectado à cidade síria de Homs por uma ferrovia, construída pelos chineses, que também envolveria Beirute e Aleppo. O corredor assim gerado permitiria reduzir o tempo de transporte das mercadorias e evitar a passagem pelo Canal de Suez, já atravessado por intenso tráfego marítimo[7].

Se no Mediterrâneo a ação anti-chinesa dos EUA se expressa nas pressões e ameaças exercidas contra os governos da região, no lado oposto do continente eurasiático a estratégia americana tende a assumir uma forma que lembra a “contenção” teorizada por Truman contra o bloco sino-soviético na época da Guerra Fria. “Washington – disse o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi – incendiou tudo, forçando os países a tomar partido para criar desordem na região”[8]. Para aliviar as tensões, a República Popular começou a fortalecer suas relações econômicas e comerciais com seus vizinhos e iniciou uma série de conversações distensivos com seus governos. Entretanto, os Estados Unidos parecem determinados a constituir uma espécie de OTAN asiática, implantando em um único bloco os países que se banham nas águas do Mar do Sul da China: Vietnã, Malásia, Cingapura, Indonésia, Brunei, Filipinas; além disso, os EUA estão convencidos de que podem contar com três aliados seguros na região do Indo-Pacífico: Japão, Taiwan e Austrália.

Precisamente da Austrália, no início de agosto, chegaram as previsões de dois políticos de autoridade sobre um futuro conflito armado entre os Estados Unidos e a República Popular da China. Após a declaração do ex-Primeiro Ministro Kevin Rudd de que o risco de um conflito militar entre Washington e Pequim se tornaria “particularmente alto” nos próximos três meses, o atual Primeiro Ministro, Scott Morrison, confirmou: “Minha visão das coisas não é tão dramática quanto a do Sr. Rudd. Mas reconheço que o que antes parecia inconcebível é muito menos no contexto atual. O primeiro ministro australiano prosseguiu dizendo que seu governo investiu 270 bilhões de dólares australianos (ou 159 bilhões de euros) em mísseis de longo alcance e outros materiais bélicos[9].

Se o objetivo de Trump e Pompeo é deter a crescente influência da República Popular da China, esta última certamente não pretende deter seu avanço. Pelo contrário, depois de ter desafiado os interesses dos EUA na Ásia Oriental e na África, está se preparando para enfrentar os objetivos hegemônicos de Washington no Oriente Próximo e Médio, onde encontrará uma base estratégica graças a uma parceria de 25 anos com a República Islâmica do Irã. O acordo entre os dois países é particularmente importante porque suas implicações vão além da esfera econômica e das relações bilaterais e também dizem respeito à cultura e à segurança. O Secretário de Estado norte-americano lançou o alarme contra este acordo, o que permitirá à República Popular desempenhar um papel de liderança em uma das regiões mais importantes do planeta. De fato, a parceria garantirá à China liberdade de navegação no Golfo Pérsico e ajudará a atender suas necessidades energéticas, ao mesmo tempo em que proporcionará à República Islâmica os fluxos financeiros necessários, promovendo assim também o apoio iraniano aos movimentos de resistência no Oriente Próximo. Além disso, a China, tendo que enfrentar o fenômeno do secessionismo e do sectarismo armado em Xinjiang, poderá fazer uso da riqueza da experiência acumulada pelo Irã durante suas lutas contra o terrorismo de matriz semelhante na Síria e no Iraque. Em resumo, como prevê a publicação americana “Foreign Policy”, “os laços sino-iranianos irão inevitavelmente redesenhar o cenário político da região em favor do Irã e da China, minando ainda mais a influência dos Estados Unidos”[10].

Como Daniele Perra aponta nesta mesma edição de “Eurásia”, o discurso de Mike Pompeo em 23 de julho de 2020 sugere que a relação conflituosa dos EUA com a China resultará em um confronto aberto com o objetivo, segundo os auspícios dos EUA, de causar o colapso da República Popular da China. Tal perspectiva torna provável que o confronto entre as duas potências tome a forma do tipo de conflito que dois coronéis do Exército de Libertação do Povo, Qiao Liang e Wang Xiangsui, definiram há vinte anos como “guerra sem limites”[11]. Referindo-se a tal eventualidade, F. William Engdahl observa que “a China é vulnerável a sanções comerciais, interrupções financeiras, ataques bioterroristas e embargos petrolíferos”[12]. Ele acrescenta: “Alguns têm sugerido que a recente praga de gafanhotos e o ataque devastador da peste suína africana ao abastecimento alimentar crítico da China não foi simplesmente um evento natural. (…) É possível que as recentes inundações maciças do Yangtze, que ameaçaram a gigantesca barragem das Três Gargantas e inundaram Wuhan e outras grandes cidades da China e devastaram milhões de acres de terras agrícolas importantes, não tenham sido apenas eventos sazonais?

Se estas suposições forem verdadeiras, a “guerra sem limites” já começou.

Notas

[1] Federico Rampini, Usa, l’attacco di Pompeo alla Cina di Xi: “Il mondo libero trionfi su questa nuova tirannia”, www.repubblica.it/esteri, 23 luglio 2020.
[2] Dizemos “oficialmente”, porque “o entendimento sino-americano, amadurecido nos bastidores da política de Washington durante 1968, já tinha tido uma aplicação não oficial e discreta desde 1969 (…) O ano de 1971, com seu apêndice dos dois primeiros meses de 1972, representou apenas a consagração pública de uma situação que já existia de fato” (Guido Giannettini, Dietro la Grande Muraglia, Ciacci editore, Catanzaro 1979, p. 127).
[3] Pompeo annuncia la volontà degli Usa di “costruire una coalizione contro la minaccia cinese”, www.agenzianova.com, 22 luglio 2020/; Rita Lofano, Tra Cina e Usa la Guerra Fredda dei consolati, www.agi.it, 24 luglio 2020.
[4] RIA Novosti, Mosca, 24 luglio 2020.
[5] https://www.adnkronos.com, 29 luglio 2020.
[6] Il Libano si rivolge alla Cina per risolvere la sua crisi finanziaria, https://parstoday.com, 17 luglio 2020.
[7] Cfr. Stefano Vernole, Siria: inizio di ricostruzione o guerra di logoramento, “Eurasia. Rivista di studi geopolitici”, 2/2020.
[8] Federico Giuliani, Una NATO asiatica per arginare la Cina: la mossa di Trump che spaventa Pechino, it.insideover.com, 4 agosto 2020.
[9] L’idée d’une guerre entre les USA et la Chine est désormais “envisageable”, http://french.almanar.com.lb, 6 agosto 2020.
[10] https://foreignpolicy.com, 9 agosto 2020.
[11] Qiao Liang – Wang Xiangsui, Guerra senza limiti. L’arte della guerra asimmetrica fra terrorismo e globalizzazione, Libreria Editrice Goriziana, Gorizia 2001. Cfr. la recensione del libro apparsa in “Eurasia”, 2/2008.
[12] F. William Engdahl, Is This a Remake of the 1941 Hitler Stalin Great War?, “New Eastern Outlook”, 10 agosto 2020.
[13] Ibidem.

Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Deixe uma resposta