As Pistas Polonesas no Maidan Bielorrusso

Escrito por Konrad Rekas
Belarus passa hoje por uma tentativa de revolução colorida, com uma minoria de manifestantes doutrinados por ONGs tentando derrubar o governo legítimo do país para implementar o totalitarismo liberal. Discute-se, nesse contexto, quais seriam as forças por trás desse intento. E muitas pistas apontam para a Polônia.

O presidente Alexander Lukashenko está certo ao apontar a Polônia como um dos lugares de onde pelo menos a inspiração e a ajuda logística, se não mesmo a co-organização direta dos recentes tumultos em Belarus, vieram. A única questão em aberto é se as autoridades polonesas estiveram diretamente envolvidas em toda a operação, ou se simplesmente aceitaram as atividades encomendadas aos poloneses por centros ocidentais externos, é claro.

Este segundo cenário parece mais provável, com atenção especial para a aliança especial feita na tentativa de desestabilizar Belarus. Literalmente de mãos dadas, coordenando e participando juntos desta ação – vieram representantes das agendas polacas do movimento de George Soros, assim como grupos orientados para círculos supostamente mais conservadores da política americana. Assim, descobriu-se que independentemente de serem os americanos, ou a União Européia, ou Trump ou Soros pagando – todos eles têm um objetivo em comum: a ucranização de Belarus.

A Aliança Nazi-Democrata de Soros

Como jornalista ativo, devo acrescentar que, desde muitas semanas, tem havido um significativo renascimento nos escritórios editoriais poloneses, não apenas no trabalho constante na seção de política oriental. A grande mídia ligada ao campo de Soros recrutou abertamente “voluntários” para ir a Belarus – não para observar as eleições, mas (como o caso era direto) para participar da derrubada do Presidente Lukashenko logo após a eleição. Estamos falando das mesmas pessoas que antes participaram dos eventos do Euromaidan em Kiev em 2014, e depois serviram nos chamados batalhões de voluntários durante o ataque ucraniano contra o Donbass. Não são pessoas que distribuem folhetos e “dão apoio espiritual”, mas atiram nos manifestantes pelas costas, produzem “vítimas inocentes do regime sangrento” e provocações similares comprovadas na Ucrânia. Além disso, estamos lidando aqui com um pragmatismo interessante dos círculos envolvidos. Aqui os democratas profissionais fazem uso dos nazistas oficialmente condenados sem hesitação, e aqueles, tão rebeldes e anti-sistema, acabam sendo pagos por Soros e assim por diante.

Ao mesmo tempo, independentemente do envio de especialistas em trabalhos sujos, recrutaram a “carne” – jovens ingênuos e aventureiros associados aos principais partidos poloneses, como se planejassem antecipadamente que eles se apresentariam como “pobres jovens poloneses brutalmente capturados e espancados pela OMON”. Assim, todo o teatro com o qual tivemos que lidar nos últimos dias foi planejado com antecedência. Então, por que falhou? Por que os apelos para “derrubar o tirano” soaram quase exclusivamente na televisão ocidental, não nas ruas de Minsk?

Onde foi parar o Dinheiro para a Revolução?

É claro, só podemos adivinhar as razões. Naturalmente, o mais importante foi a atitude determinada dos próprios bielorussos e a resposta racional das autoridades, antecipando qualquer possível ameaça. Entretanto, mesmo as ações da própria “oposição” eram claramente fracas, artificiais e desorganizadas. Havia claramente uma falta de combustível – e nenhum combustível ideológico. Eu estava em Kiev em 2013 e 2014 para o Euromaidan, vi o dinheiro de Poroshenko e outros que era usado para pagar por aqueles que estavam sentados em tendas. Em Minsk, alguém claramente economizou – ou o dinheiro para o golpe tinha se dissolveu nos bolsos dos intermediários, incluindo os poloneses.

De fato, o Euromaidan de Kiev não parecia menos, mas ainda mais miserável do que aqueles tremores de Minsk. E também era possível dispersá-lo não em dois dias, mas em duas horas – se então os países ocidentais não tivessem se envolvido diretamente, na prática realizando uma invasão política da Ucrânia e forçando mudanças conhecidas às autoridades. Felizmente, este não foi o caso em Belarus (ainda), alguém evidentemente hesitou sobre um conflito tão direto com o Presidente Lukashenko. A Rússia também se comportou de forma muito mais sensata do que há 6 anos, pois já compreende que ameaça geopolítica seria a ucranização de mais vizinho.

A Ameaça da “Mesa Redonda”

Além disso, sabemos que a juventude, a classe trabalhadora, as mães que choram, os grupos sociais e até mesmo sociedades inteiras – estes são apenas objetos da história. O interesse econômico da classe social politicamente dominante é de importância fundamental. O único problema real para o Presidente Lukashenko poderia ser a traição dentro do campo governista.

Embora não exista nenhuma oligarquia em Belarus, existe uma contraparte funcional – a elite burocrática e gerencial, que pode olhar com inveja para o enfranchisement de círculos similares na Polônia, na Ucrânia e anteriormente na Rússia. É uma sociedade potencialmente suscetível a um simples acordo com o Ocidente: o controle do Estado por uma participação na riqueza nacional (mesmo que transitória, como na Polônia, Romênia, etc., onde a nomenclatura emancipada acabou atuando apenas como intermediária para o capital ocidental, e a classe oligárquica não chegou nem perto do nível russo ou ucraniano). Tais mudanças usualmente recebem a aparência de “mesas redondas”, “democratização interna”, etc. – mas o significado é o mesmo que a chamada transformação nos países do antigo Bloco Oriental ou os golpes de Estado em Bucareste e Kiev. E esta ameaça ainda parece pairar sobre Belarus.

Belarus Independente – O Elemento Mais Importante da Geopolítica da Europa Central

O que permanece pendente é outro rastro polonês, a reutilização do nome da Polônia em uma operação mercenária externa com as características de um golpe de Estado. E tais ações são puníveis mesmo sob o Código Penal polonês. O fato de que o governo polonês claramente não tem intenção de condenar, para não falar em punir cidadãos poloneses por participarem de atos de terrorismo político em Belarus (como antes na Ucrânia) – deve, portanto, ser reconhecido como uma admissão de culpa.

Isso é ainda mais chocante porque a razão de Estado da Polônia torna absolutamente necessário apoiar uma Belarus independente e estável e cuidar dos interesses da minoria polonesa que vive em seu território – e a única garantia de alcançar estes dois objetivos é a presidência de Alexander Lukashenko. Assim, tanto o governo polonês quanto os grupos de interesse que operam a partir da Polônia se levantaram contra Belarus como agentes estrangeiros, hostis tanto aos interesses bielorussos quanto aos interesses poloneses.

Fonte: Geopolitica.ru

Deixe uma resposta