Politicamente Correto: “Os ricos apoiam pautas progressistas porque elas conferem status”

Escrito por Rob Henderson
Por que os ricos apoiam causas progressistas? Muitas explicações têm sido oferecidas para isso. Uma das mais interessantes é a que considera que as pautas progressistas constituem “crenças de luxo” cuja defesa confere status aos mais ricos para distingui-los da plebe, usualmente conservadora, reacionária, preconceituosa, etc. Afinal, apenas os ricos podem compensar, graças a seus recursos, as consequências negativas das pautas progressistas. Os pobres sempre se dão mal.

Fiquei perplexo quando encontrei uma nova classe social em Yale há quatro anos: a classe de crenças de luxo. Minha confusão não foi surpreendente, dada minha formação incomum. Quando eu tinha dois anos de idade, minha mãe era viciada em drogas e meu pai nos abandonou. Eu cresci em vários lares adotivos, depois fui adotado em uma série de lares desfeitos, e depois vivi uma série de tragédias familiares. Mais tarde, depois de alguns anos no exército, eu fui para Yale bancado pela Lei dos Veteranos. No campus, percebi que crenças de luxo se tornaram símbolos de status modista. Crenças de luxo são ideias e opiniões que conferem status aos ricos a muito pouco custo, ao mesmo tempo em que cobram um tributo da classe baixa.

No passado, as pessoas exibiam seu pertencimento à classe alta com seus acervos materiais. Mas hoje, os bens de luxo são mais acessíveis do que antes. E as pessoas são menos propensas a receber validação pelos itens materiais que exibem. Isso é um problema para os ricos, que ainda querem transmitir sua alta posição social. Mas eles encontraram uma solução inteligente. Os afluentes desacoplaram o status social dos bens, e o reatrelaram às crenças.

Os seres humanos tornam-se mais preocupados com o status social uma vez que nossas necessidades físicas sejam atendidas. Na verdade, pesquisas revelam que o status sociométrico (respeito e admiração dos pares) é mais importante para o bem-estar do que o status socioeconômico. Além disso, estudos têm mostrado que o julgamento social negativo está associado a um pico no cortisol (hormônio ligado ao estresse) que é três vezes maior do que as situações estressantes não sociais. Sentimos pressão para construir e manter o status social, e temos medo de perdê-lo.

Parece razoável pensar que os oprimidos podem estar mais interessados em obter status e dinheiro. Mas este não é o caso. Frequentadores de instituições de prestígio estão ainda mais interessados do que outros em prestígio e riqueza. Para muitos deles, esse impulso é como eles alcançaram suas posições de destaque em primeiro lugar. Alimentando esse interesse, eles estão cercados por pessoas como eles – seus pares e competidores também são inteligentes buscadores de status. Eles buscam persistentemente novas maneiras de subir e evitar descer. O sociólogo francês Émile Durkheim entendeu isso quando escreveu: “Quanto mais se tem, mais se quer, pois as satisfações recebidas apenas estimulam, ao invés de preencher necessidades”. E de fato, uma pesquisa recente apóia isso: é a classe alta que está mais preocupada em acumular riqueza e status. Em seu trabalho, os pesquisadores concluem, “em relação aos indivíduos da classe baixa, os indivíduos da classe alta têm um desejo maior por riqueza e status… são aqueles que já têm mais para começar (isto é, os indivíduos da classe alta) que também se esforçam para adquirir mais riqueza e status”. Simplesmente, pessoas de status elevado desejam status mais do que qualquer outra pessoa.

Além disso, outras pesquisas descobriram que a renda absoluta não tem muito efeito na satisfação geral da vida. O aumento da renda relativa, por outro lado, tem um efeito positivo. Dito de outra forma, ganhar mais dinheiro não é importante. O importante é ganhar mais do que os outros. Como dizem os pesquisadores:

“Aumentar a renda de um indivíduo só aumentará sua utilidade se a posição no ranking também aumentar e necessariamente reduzirá a utilidade de outros que perderão o ranking…[o que] pode explicar porque aumentar a renda de todos pode não aumentar a felicidade de todos, mesmo que a riqueza e a felicidade estejam correlacionadas dentro de uma sociedade em um determinado momento”.

Milionários Bebês

Você pode pensar que, por exemplo, crianças ricas nas universidades de elite ficariam felizes porque seus pais estão no topo da lista dos que mais ganham renda. E eles logo se juntarão aos seus pais nesta guilda de elite. Mas lembre-se, eles estão cercados por outros membros do um por cento. Seu círculo social, seu número Dunbar, é formado por 150 milionários bebês. Jordan Peterson já discutiu esse fenômeno. Citando números de sua experiência ensinando em Harvard nos anos 90, Peterson observou que uma proporção substancial dos graduados da Ivy League continua a obter um patrimônio líquido de um milhão de dólares ou mais até os 40 anos de idade. E ainda assim, ele observa, isso não é suficiente para eles. Não só os melhores graduados universitários querem ser multimilionários, como também querem a imagem de retidão moral. Peterson sublinha que os graduados de elite desejam um status elevado não só financeiramente, mas também moralmente. Para esses ricos combatentes sociais, as crenças de luxo lhes oferecem uma nova maneira de adquirir status.

A famosa “classe ociosa” de Thorstein Veblen evoluiu para a “classe de crenças de luxo”. Veblen, um economista e sociólogo, fez suas observações sobre classes sociais no final do século XIX. Ele compilou suas observações em sua obra clássica, “A Teoria da Classe Ociosa”. Uma idéia chave é que, como não podemos ter certeza da situação financeira de outras pessoas, uma boa maneira de dimensionar seus meios é ver se elas têm condições de desperdiçar dinheiro em bens e lazer. Isso explica porque os símbolos de status são muitas vezes difíceis de obter e caros de adquirir. Estes incluem bens como roupas delicadas e restritivas como smokings e vestidos de noite, ou hobbies caros e demorados como golfe ou a caça à raposa. Tais bens e atividades de lazer só poderiam ser adquiridos ou realizados por aqueles que não vivessem a vida de um trabalhador braçal e pudessem passar o tempo aprendendo algo sem utilidade prática. Veblen chega ao ponto de dizer: “A principal utilidade dos criados é fornecer evidência da capacidade que o mestre possui de gastar”. Para Veblen, mordomos também são símbolos de status.

A partir dessas observações sociológicas, o biólogo Amotz Zahavi propôs que os animais evoluem certas características precisamente por elas serem tão caras. O exemplo mais famoso é a cauda do pavão. Apenas uma ave saudável é capaz de cultivar tal plumagem enquanto consegue fugir dos predadores. Esta idéia pode se estender também aos humanos. Mais recentemente, o antropólogo e historiador Jared Diamond sugeriu que uma razão pela qual os humanos se envolvem em exibições como beber, fumar, usar drogas e outros comportamentos fisicamente custosos é porque eles servem como indicadores de boa forma. A mensagem é: “Sou tão saudável que posso me dar ao luxo de envenenar meu corpo e continuar a funcionar.” Fique embriagado enquanto joga uma partida de golfe com seu mordomo, que você será a pessoa de maior status ao redor.

Convicções Conspícuas

Veblen propôs que os ricos ostentam esses símbolos não por serem úteis, mas por serem tão caros ou esbanjadores que só os ricos podem pagá-los, razão pela qual eles são indicadores de alto status. E isto ainda continua até hoje. Há alguns invernos era comum ver estudantes em Yale e Harvard usando jaquetas de ganso do Canadá. É necessário gastar 900 dólares para se manter quente na Nova Inglaterra? Não. Mas os garotos não estavam gastando o dinheiro de seus pais só pelo calor. Eles estavam gastando o equivalente à renda semanal típica dos americanos ($865) pelo logotipo. Da mesma forma, os estudantes estão gastando 250 mil dólares em universidades de prestígio pela educação? Talvez. Mas eles também estão gastando pela logomarca.

Isto não quer dizer que as faculdades de elite não educam seus alunos, ou que os casacos de ganso do Canadá não mantêm seus usuários aquecidos. Mas as universidades de ponta também são cruciais para a indução na classe das crenças de luxo. Veja o vocabulário. Seu típico americano de classe média não poderia lhe dizer o que significa “heteronormativo” ou “cisgênero”. Mas se você visitar Harvard, você encontrará muitos jovens ricos de 19 anos de idade que irão avidamente explicar a você. Quando alguém usa a frase “apropriação cultural”, o que eles estão realmente dizendo é “Eu fui educado em uma faculdade de ponta”. Considere a citação de Veblen: “Gostos refinados, modos refinados, hábitos de vida refinados são uma evidência útil de requinte aristocrático, pois uma boa criação requer tempo, dedicação e gastos, não podendo, portanto, ser compassada por aqueles cujo tempo e energia são ocupados com trabalho”. Somente os ricos podem se dar ao luxo de aprender vocabulários estranhos, porque as pessoas comuns têm problemas reais com que se preocupar.

O principal propósito das crenças de luxo é dar evidências da classe social e da educação do crente. Somente acadêmicos educados em instituições de elite poderiam ter conjurado um argumento coerente e razoável do porquê os pais não deveriam ter permissão de criar seus filhos, e deveriam, ao invés disso, realizar loterias de bebês. Quando uma pessoa abastada defende a legalização de drogas, ou políticas anti-vacinação, ou fronteiras abertas, ou normas sexuais frouxas, ou usa o termo “privilégio branco”, ela está praticando uma exibição de status. Ela está tentando dizer: “Eu sou um membro da classe alta”.

Pessoas afluentes promovem a abertura de fronteiras ou a descriminalização das drogas porque isso faz avançar sua posição social, até porque sabem que a adoção dessas políticas lhes custará menos do que outras. A lógica é semelhante ao consumo conspícuo – se você é um estudante que tem um grande subsídio de seus pais e eu não, você pode se dar ao luxo de desperdiçar 900 dólares e eu não, então usar um casaco de ganso do Canadá é uma boa maneira de anunciar sua riqueza e status superior. Propor políticas que lhe custarão, como membro da classe alta, menos do que me custariam, serve à mesma função. Defender fronteiras abertas e experimentação de drogas são boas maneiras de anunciar sua afiliação à elite porque, graças à sua riqueza e suas conexões sociais, elas lhe custarão menos do que a mim.

Infelizmente, as crenças de luxo da classe alta muitas vezes escorrem e são adotadas por pessoas que mais abaixo na cadeia alimentar, o que significa que muitas dessas crenças acabam causando danos sociais. Tomemos o poliamorismo, por exemplo. Eu tive uma conversa reveladora recentemente com um estudante de uma universidade de elite. Ele disse que quando ele fixa o raio do seu Tinder em 5 milhas, cerca de metade das mulheres, a maioria outras estudantes, diziam que eram “poliamorosas” em sua bio. Daí, quando ele estendia o raio para 15 milhas para incluir o resto da cidade e sua periferia, cerca da metade das mulheres eram mães solteiras. Os custos criados pelas crenças de luxo das primeiras são suportados pelas segundas. A poliamoria é a última expressão da liberdade sexual defendida pelos ricos. Eles estão em melhor posição para administrar as complicações dos novos arranjos de relacionamento. E se essas relações não funcionarem, eles podem se recuperar graças à sua capacidade financeira e capital social. Os menos afortunados sofrem com a adoção das crenças da classe alta.

Isso é bem ilustrado pela constatação de que, em 1960, a porcentagem de crianças americanas que viviam com ambos os pais biológicos era idêntica para famílias abastadas e da classe trabalhadora – 95%. Em 2005, 85% das famílias abastadas ainda estavam intactas, mas para as famílias da classe trabalhadora o número havia caído para 30%.

O cientista político de Harvard, Robert Putnam, em uma audiência no Senado disse: “Crianças ricas e crianças pobres crescem agora em Américas separadas… Crescer com dois pais é agora incomum na classe trabalhadora, enquanto as famílias de dois pais são normais e se tornam mais comuns entre a classe média alta”. As pessoas de classe alta, particularmente nos anos 60, defendiam a liberdade sexual. Normas sexuais frouxas se espalharam pelo resto da sociedade. A classe alta, porém, ainda tem famílias intactas. Eles fazem experimentações sexuais na faculdade e depois se estabelizam mais tarde. As famílias da classe baixa se desintegraram. Hoje, os abastados estão entre os mais propensos a demonstrar a luxuosa crença de que a liberdade sexual é grande, embora sejam os mais propensos a se casar e os menos propensos a se divorciar.

A Ralé e os Ricos

Este aspecto das crenças de luxo é preocupante. Como notei no meu ensaio original sobre as crenças de luxo, os bens materiais tornaram-se mais acessíveis e, portanto, menos confiáveis enquanto indicadores de classe social. O status passou para as crenças que expressamos. E as crenças são menos caras que os bens porque qualquer um pode adotá-las. Elas não são financeiramente caras. E, segundo Veblen, junto com outros observadores sociais como Paul Fussell, as pessoas comuns tentam imitar as classes altas. A elite quer se diferenciar da ralé com seus distintivos visíveis de luxo. Mas então a classe abaixo tenta imitar a elite, e o estrato abaixo dela também, até que o estilo tenha se infiltrado no resto da sociedade. E como as crenças de luxo não têm nenhum custo financeiro, a “moda” nas crenças escorre mais rapidamente para baixo.

Com o tempo, as crenças de luxo são abraçadas cada vez mais baixo na escada social – nesse ponto, a classe alta abandona suas antigas crenças de luxo e abraça novas. O que explica porque as crenças da classe alta estão em constante mudança. É fácil ver como isso funciona se olharmos para a moda atual. O autor Quentin Bell, em On Human Finery, escreveu “Tente parecer com as pessoas acima de você; se você está no topo, tente parecer diferente das pessoas abaixo de você”. A ostentação conspícua da elite de suas crenças de luxo se enquadra nesse padrão. Suas crenças são imitadas por outros, enviando-os em busca de novas crenças para exibir. O afluente não pode correr o risco de se parecer com a ralé, afinal de contas.

Ou consideremos a arte. O psicólogo Steven Pinker em How the Mind Works escreve: “Numa época em que qualquer José pode comprar CDs, pinturas e romances, os artistas fazem suas carreiras encontrando maneiras de evitar o que está ultrapassado, de desafiar os gostos conformistas, de diferenciar os cognoscenti dos diletantes”. Os artistas querem se diferenciar do que já foi feito antes e do que outros estão fazendo atualmente. E os afluentes também. A moda moral muda com o tempo pela mesma razão. As modas morais podem rapidamente se espalhar à medida que mais e mais membros das classes tagarelas adotam uma certa visão. Uma vez que a visão se torne passé, a classe alta, com o objetivo de se distinguir, então atualiza seus inventários morais. Veblen ainda reina supremo, mas de uma maneira diferente.

Como ele diz, “o que é comum está ao alcance (pecuniário) de muitas pessoas… Daí que o consumo, ou mesmo a visão de tais bens, é inseparável de uma sugestão odiosa dos níveis inferiores da vida humana”. Os afluentes não querem ser vistos com bens “comuns”. Eles os vêem como de mau gosto. Hoje, não são apenas os bens comuns que eles vêem como de mau gosto – são também as crenças comuns. O afluente, temendo uma designação “odiosa”, resiste a exibir crenças banais. Essas crenças são para as pessoas pequenas. Ao invés disso, a classe alta quer ser vista exibindo crenças de luxo.

A neurociência moderna não existia no século dezenove. Mas Veblen poderia ter se divertido ao saber que as mesmas regiões do cérebro envolvidas em recompensas como comer chocolate ou ganhar dinheiro também se ativam quando recebemos elogios de estranhos ou aprendemos que pessoas que nunca encontraremos nos acham atraentes. Veblen escreveu: “Evidências imateriais do lazer passado são realizações quase acadêmicas ou quase artísticas e um conhecimento de processos e incidentes que não conduzem diretamente à promoção da vida humana”. Em sua época, a classe ociosa passava muito tempo acumulando conhecimentos inúteis e participando de atividades que tinham aparência de intelecto e arte, mas que não tinham qualquer utilidade funcional. Essas atividades não ajudavam ninguém, mas faziam seus entusiastas parecerem bons. O que o Veblen poderia dizer sobre o Twitter, dadas estas observações?

Espirais de Status

O economista e teórico social Thomas Sowell disse certa vez que o ativismo é “uma forma de pessoas inúteis se sentirem importantes, mesmo que as conseqüências de seu ativismo sejam contraproducentes para aqueles que afirmam estar ajudando e danosas para o tecido social como um todo”. O mesmo poderia ser dito das crenças de luxo. Elas são semelhantes aos bens de luxo, mas apresentam novos problemas. O fato de se associar a bens de luxo ou posição financeira significava que havia limites para o dano que a classe de lazer poderia causar quando se tratasse de suas exibições conspícuas. Por exemplo, a moda é limitada pela velocidade com que as pessoas poderiam adotar um novo visual. Mas com as crenças, esse ciclo de status se acelera. Uma pessoa rica ostenta sua nova crença. Ela então se torna moda entre os seus pares, e então ela a abandona. Então surge uma nova crença estilosa, enquanto a velha crença de luxo escorre pela hierarquia social e causa estragos nas classes mais baixas.

Fonte: Quillette

Deixe uma resposta