Hiroshima: “Ainda bem que os bons venceram a guerra, não?”

Escrito por Alberto Martin
Hoje faz aniversário um dos eventos mais trágicos e destrutivos da história da humanidade, uma das maiores hecatombes já empreendidas por mãos humanas: o bombardeio nuclear de Hiroshima, um alvo civil, militarmente irrelevante. Ao contrário do que diz a historiografia ocidental, sua finalidade não era fazer o Japão se render. Na verdade, o governo japonês já havia decidido pela rendição antes do ataque. O objetivo era assustar a URSS, que havia recém declarado guerra ao Japão, e ameaçava tomar o arquipélago.

Setenta e seis anos atrás, os Estados Unidos cometeram crimes de guerra contra os japoneses em uma escala inimaginável na história da humanidade.

É quase impossível falar em público sem ser submetido a um coro de objeções tediosamente bem ensaiadas e mal compreendidas aprendidas nas salas de aula, nos filmes de Hollywood e na cultura atual dos gurus da mídia. A forma comum dessas respostas é que, longe de serem atos de assassinatos em massa patrocinados pelo Estado, os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki foram missões humanitárias destinadas principalmente a salvar vidas: se não fosse o massacre instantâneo de cerca de 220 mil pessoas (uma estimativa conservadora), principalmente civis, a guerra teria sido desnecessariamente prolongada. Foi muito melhor, supondo que os números projetados de baixas, que desde pelo menos 1947 foram rotineiramente estimados em alta após o fato, matariam algumas centenas de milhares de civis em vez de arriscar um número igual ou maior de soldados americanos e japoneses sendo mortos. Principalmente americanos e britânicos.

Se esta razão estivesse por trás dos atentados, teria sido uma surpresa para o Presidente Harry Truman e para o povo americano na época. Nada poderia ser mais sombriamente esclarecedor do que as palavras com as quais Truman deu a notícia de Hiroshima ao povo americano, com um discurso digno de um vilão de Guerra nas Estrelas, no qual deixou claro que considerava o ataque, e sua sequência, uma missão de vingança e falava com entusiasmo da “maravilha” que ele havia desencadeado sobre os japoneses e do “feito de cérebros científicos” que o havia tornado possível:

“Há 16 horas, um avião americano lançou uma bomba em Hiroshima, uma importante base do exército japonês. Aquela bomba tinha mais de 20 mil toneladas de T.N.T. Ela tinha mais de 2 mil vezes a potência de explosão do ‘Grand Slam’ britânico, que é a maior bomba já usada na história da guerra.

Os japoneses começaram a guerra a partir do ar em Pearl Harbor. Foi-lhes devolvido muitas vezes. E o fim ainda não chegou. Com esta bomba acrescentamos agora uma nova e revolucionária onda de destruição para complementar o poder crescente de nossas forças armadas. Em sua forma atual, estas bombas estão agora em plena produção e estão se desenvolvendo de formas ainda mais poderosas.

É uma bomba atômica. É um aproveitamento do poder básico do universo. A força da qual o sol tira seu poder foi desencadeada contra aqueles que trouxeram a guerra ao Extremo Oriente”.

Harry S. Truman – Trigésimo terceiro presidente dos Estados Unidos de 1945 a 1953.

Mas a verdade é que não importa qual tenha sido a motivação. O ataque indiscriminado a civis em guerra é sempre ruim; foi ruim quando a Real Força Aérea, em meio a quase nenhum protesto, exceto de um único bispo anglicano, bombardeou Dresden com selvagerial. Foi indescritivelmente blasfemo e desumanamente maligno durante o Estupro de Nanking (se você pode ler o livro de Iris Chang sem vomitar, seu estômago é mais forte que o meu).

Uma coisa é tomar uma ação militar com pleno conhecimento do fato de que os inocentes podem ser prejudicados na busca de um fim justo (por exemplo, atacar uma base militar onde pode haver funcionários civis); isto está de acordo com um princípio que filósofos e teólogos chamam de “efeito duplo”: outra coisa é fazer do dano aos inocentes o fim em si mesmo.

Outra objeção relacionada é um ad hominem cansado que procura impedir que qualquer um que estivesse vivo e fardado no momento dos ataques emita uma opinião. O historiador Paul Fussell disse algo assim em “Graças a Deus pela Bomba Atômica”, um famoso ensaio publicado em A Nova República em 1981. Ele criticou John Kenneth Galbraith e outros que sugeriram que os bombardeios não eram nem moralmente justificáveis nem militarmente importante. Fussell aponta que “o que está em jogo em um ataque de infantaria é tão completamente impensável para aqueles sem a experiência de um, ou vários, ou muitos, mesmo que tenham uma imaginação muito ampla… a experiência é crucial.

Como todos os argumentos deste tipo, o de Fussell está morto ao chegar. Se é o caso de pessoas que nunca combateram em um ataque de infantaria na Segunda Guerra Mundial se absterem de ter opiniões sobre a moralidade do armamento atômico, então ninguém nas ordens sagradas, nem as mulheres nem as pessoas com deficiências físicas estão autorizadas a ter opiniões sobre essas importantes questões morais. Além disso, pode-se perguntar, quem é Paul Fussell ou qualquer outra pessoa que nunca viu a pele arrancada de rostos humanos, suas características se transformarem em couro, suas vozes reduzidas a rosnados baixos, carregando com cotos carbonizados os restos negros de um bebê, para se pronunciar sobre a moralidade de Hiroshima?

Como vemos, a crueldade e a amoralidade dos Aliados não conhecem limites. E segue sem conhecer. Tal como muitos não conhecem “as mãos que movem tudo”.

Ainda bem que “os bons” venceram a guerra, certo?

Deixe uma resposta