A armadilha dos “novos nacionalismos” ligados a Israel

Por Youssef Hindi

O Brexit, as repetidas crises econômicas e políticas que os países membros da União Europeia enfrentam e a eleição de Donald Trump são sintomas antecipados da morte da globalização que, naturalmente, estão criando espaço para um forte ressurgimento da ideia de nação no Ocidente.

Em um artigo de 14 de novembro de 2016, intitulado “Eleição de Trump: morte da globalização e renascimento da nação?”, eu anunciava que a eleição do protecionista e isolacionista Donald Trump à frente dos Estados Unidos indicava uma uma virada ideológica de primeira ordem que acabaria afetando, de uma maneira ou de outra, a realidade material, dada a interdependência das estruturas e a ideologia latente nelas, acrescentando que a janela histórica de oportunidade que acabara de abrir, abria para a Europa uma margem de manobra que poderia permitir que o continente se emancipasse da tutela americana e reorientasse sua política.

Emiti essa hipótese com base no fato de que os Estados Unidos são a vanguarda ideológica e política do mundo ocidental contemporâneo, porque estão no centro da produção “cultural” do Ocidente.

Emiti essa hipótese com base no fato de que os Estados Unidos são a vanguarda ideológica e política do mundo ocidental contemporâneo, porque estão no centro da produção “cultural” do Ocidente.

O presidente dos EUA, Donald Trump, é a favor do desmantelamento da União Europeia (e até da OTAN), não apenas para favorecer sua política relativamente  isolacionista  — Trump sugeriu em abril de 2018 ao presidente da França, Emmanuel Macron, que deixasse a UE — , mas sobretudo porque a oligarquia sionista e anglo-americana tomou nota do renascimento na Europa da idéia de nação, em um contexto de decomposição da União Europeia.

Hoje, o perigo para a Europa não é a ascensão do populismo e do nacionalismo, mas sim que Israel assuma o controle dessas correntes. Esta análise mostra como o Estado Hebraico tenta, através de seus agentes nos EUA e na Europa, desviar a onda soberana se abate sobre o Velho Continente e tirar vantagem dela.

O fim da União Europeia?

A primeira brecha ideológica aberta na construção mundial foi o Brexit, em junho de 2016. Em um artigo meu do dia 26 do mesmo mês, surgiu a questão: “A saída da Grã-Bretanha da União criará um efeito dominó?”.

A oligarquia então começou a entrar em pânico. George Soros havia declarado – se não ameaçado – que, no caso do Brexit, os britânicos sairiam mais pobres (deve-se lembrar que o financista judaico-americano ficou rico em 1992 especulando contra a moeda britânica). Além disso, a bolsa de Londres havia caído com o anúncio dos resultados das pesquisas.
Mas, por si só, a saída da Grã-Bretanha da União Europeia não tem conseqüências diretas, já que Londres estava na UE apenas pela metade: não aderiu ao euro nem ao Acordo Schengen. No entanto, como expliquei, o medo demonstrado pelos oligarcas e pelos pró-europeus deveu-se ao que o Brexit poderia inspirar nos outros povos da Europa. Previ um efeito dominó que se espalharia por toda a Europa, causando no futuro a saída do euro e da União de algum outro país importante da Europa, como a França ou a Itália.

O caso italiano

Já em 2012, em um artigo publicado no Daily Telegraph, o grande repórter britânico Ambrose Evans-Pritchard explicou em substância que o euro era a principal fraqueza da Itália. Ele argumentou isso com números que não mentem: em termos de renda per capita, a Itália é mais rica que a Alemanha, com riqueza privada no valor de 9 bilhões de euros. Também possui o maior superávit primário do G7, e sua dívida pública e privada, com 265% do PIB, é menor do que na França, Holanda, Reino Unido, Estados Unidos e Japão.

Andrew Robert, do Royal Bank of Scotland, explicou por sua parte: “Os italianos têm um setor de exportação muito dinâmico e um superávit primário. Se existe na União Económica e Monetária (UEM) um país que se beneficiaria com a saída do euro, é obviamente a Itália”.

Uma simulação do Bank of America concluiu que a Itália ganharia mais do que os outros membros da UEM se libertando e restaurando controle soberano sobre sua política.

Evans-Pritchard apontava Mario Monti, o homem do banco judeu – Goldman Sachs americano (do qual ele foi consultor) e então presidente do Conselho de Ministros italiano (de 2011 a 2013). O repórter explicou: “Roma tem alguns truques, mas o grande obstáculo é seu primeiro-ministro, Mario Monti, colocado à frente de uma equipe de tecnocratas no golpe de estado de novembro de 2011 pela chanceler alemã Angela Merkel e pelo Banco Central Europeu, entre aplausos da mídia e das classes políticas.
Monti é talvez um cavalheiro europeu, mas também é papa do projeto da União Europeia e um participante importante na adesão do euro à Itália. Quanto mais cedo ele sair, mais cedo a Itália deixará de entrar em depressão crônica.”

A política de austeridade de Monti era totalmente injustificada: uma tributação de 3,2% do PNB em 2012 e 4,9% em 2013, o que levou a uma contração da economia e a um aumento da taxa de juros da dívida. O resultado dessa política? Uma taxa de desemprego que em 2015 atingiu 11,9%.

Ambrose Evans-Pritchard previa: “Seria surpreendente se os eleitores italianos tolerassem esse desastre por muito tempo”.

Mais recentemente, o economista americano (e ex-economista-chefe do Banco Mundial) Joseph Stigliz previa ao jornal alemão Die Welt, em uma entrevista em 5 de outubro de 2016: “Menos de dois meses antes do referendo constitucional, crucial para a Itália e Matteo Renzi (presidente do Conselho de Ministros da Itália de 2014 a 12 de dezembro de 2016), os sinais de alarme se multiplicam para um possível “Italexit” que poderia ser o evento cataclísmico que pulverizaria a União Européia”.

E ele especificou: “Precisamos estar preparados para que, nos próximos anos, a Itália deixe a zona do euro. Os principais fatores econômicos responsáveis por esse desastre são a Alemanha e sua política de austeridade, além da moeda única, o euro”.

Uma etapa decisiva, provavelmente propícia a essa saída esperada do euro, foi aprovada em maio de 2018 com a chegada ao poder da coalizão dos dois partidos anti-sistema: o Movimento 5 Estrelas e a Liga Norte.

Além das reações hostis da imprensa da Europa Ocidental a esse governo de coalizão, a agência de classificação anglo-americana Fitch Rating rebaixou (como seus congêneres Standard & Poor’s e Moody’s), em 31 de agosto de 2018, a nota BBB sobre a dívida soberana de longo prazo da Itália, acompanhando-o de uma perspectiva “negativa”, em comparação com a “estável” que possuía antes.

A agência de classificação diz que espera um relaxamento da “disciplina orçamentária” – um conceito pelo qual se deve entender “austeridade econômica que leva ao empobrecimento da população”. O que o novo governo italiano está sendo criticado é que deseja executar um programa de revitalização econômica, reduzindo os impostos acompanhados de aumentos nos gastos sociais.

As agências de classificação nada mais são do que uma arma distorcida do sistema financeiro internacional, aumentando assim as taxas de juros dos empréstimos dos países que desejam punir e colocar de joelhos.

Atualmente, na zona do euro, apenas a Grécia toma emprestado a uma taxa mais cara que a Itália, com empréstimos de 10 anos negociados a 4,29% em 30 de agosto de 2018.

Um detalhe interessante: o diário Corriere della Sera publicou que o Presidente dos EUA, Donald Trump, “parece ter oferecido ajuda à Itália para financiar a dívida do próximo ano”, uma oferta que teria sido feita durante a visita a Washington no início de agosto pelo chefe do governo italiano, Giuseppe Conte.

A visita a Pequim – no final de agosto – do ministro da Economia italiano também levantou inúmeras conjecturas sobre um possível pedido de ajuda financeira aos chineses. Se a informação for confirmada, isso indicaria uma disposição do governo italiano de se libertar da influência geopolítica anglo-americana.

Tudo isso só pode levar a Itália a uma saída inevitável do Euro. Em julho de 2018, outro economista, Charles Gave, declarou com confiança: “A Itália vai sair do euro e vai fazê-lo porque (os líderes italianos) vão concluir rapidamente que não poderão avançar se compartilharem taxas de juros fixas com a Alemanha. Então, o que vai acontecer na Itália? Os dois partidos do poder vão pedir coisas que a Europa de Bruxelas não poderá aceitar. Estamos indo direto para um embate. Nesse momento, o governo italiano renunciará e convocará novas eleições e, portanto, é provável que haja apenas um candidato para os dois partidos no poder … E eles ocuparão 90% do Parlamento”.

Desde 2012, os analistas e observadores acima mencionados (entre outros) chegam à mesma conclusão: a Itália sairá do Euro e a moeda única explodirá.
Portanto, é inconcebível que os altos níveis do sistema oligárquico ocidental não tenham previsto esses eventos.

O Plano B da oligarquia euro-atlantista

A questão que surge hoje em relação ao futuro da União Europeia com a saída italiana do euro já foi levantada na época do Brexit, em junho de 2016.

No dia seguinte ao Brexit, os líderes políticos declararam, como Manuel Valls, que era “a hora de ser digno dos pais fundadores, de restabelecer uma nova Europa”.

No mesmo ano, em novembro de 2016, Hubert Védrine – ministro das Relações Exteriores (francês) de 1997 a 2002 – que goza de certo crédito político e a imagem de um soberano democrático, publicou um livro com o título explícito, Save Europe! , na qual ele propõe uma renovação da União Européia para “preservar a soberania das nações”.

Salvar a União Europeia e preservar a soberania das nações: uma contradição política insolúvel.

“A nação renasce, vamos fingir que a promovemos”; É assim que se pode resumir a atitude dos defensores do sistema em relação à inevitável decomposição da União Européia e ao renascimento da idéia de nação.

A estratégia proposta por Hubert Védrine às elites, já em 2016, como resultado do Brexit, é a seguinte: uma reconciliação com os povos para salvar o projeto europeu e se proteger contra a crescente raiva.

Em seu livro Save Europe!, publicado em novembro de 2016 pela editora Liana Lévi, Védrine propôs um plano, uma estratégia que consiste em reconciliar-se com os povos para salvar o projeto europeu e evitar retaliações inevitáveis da parte inferior da sociedade, por uma raiva acumulada que se traduz em “insurreições eleitorais”.

Hubert Védrine deu o alarme:

“O populismo é a reação violenta de pessoas que se sentem abandonadas e desprezadas (…). Precisamos entender as causas do populismo e tentar desativá-las, fornecer uma resposta razoável para canalizar essas reivindicações, que de outra forma assumirão formas extremas. Mas se o sistema europeu mantiver sua incapacidade de ouvir essas demandas e se reformar adequadamente, tudo pode acontecer.

O risco de divórcio vem de longe. A tomada de consciência, para mim, foi a baixíssima pontuação do “sim” no resultado do plebiscito de Mastrique. Quinze anos depois, em uma reunião do Conselho Europeu em Laaken, foi reconhecido que alguns cidadãos europeus tinham a impressão de que sua identidade estava ameaçada pela construção européia!

Meu ensaio “Salve a Europa!” é um apelo para reconciliar os povos com a Europa.

Para isso, é necessária uma revolução mental das elites que querem fazer a Europa de cima e de marchas forçadas. Vamos refletir sobre o que Wolfgang Schäuble disse recentemente: “Está se tornando difícil nunca levar o povo em consideração”.

Os chefes de Estado devem, portanto, lançar uma iniciativa espetacular. Você tem que mostrar ao povo que ele foi ouvido e, para isso, fazer uma pausa; organizar uma conferência de refinanciamento que começaria sem as instituições europeias (Comissão, Parlamento, Tribunal de Justiça), com uma declaração solene que afirmaria, em essência, que deixaremos de ser uma fábrica burocrática e que nosso principal objetivo é garantir a sobrevivência do modo de vida europeu no mundo. Será feita uma melhor distinção entre o que deve ser tratado a nível europeu e o que ainda pertence – ou voltará a pertencer – à soberania dos Estados-Membros. Esses preparativos permitiriam a organização de um novo referendo, ao mesmo tempo, em todos os países que aceitarem esse processo de legitimação”.

Jacques Attali, que parece ter recebido bem a mensagem de alerta enviada por Védrine, acabou corrigindo o texto da Copa do Mundo para adaptá-lo ao contexto atual.

Jacques Attali atualiza sua estratégia

Em 8 de julho de 2018, o Cercle des Économistes organizou uma conferência intitulada Rumo a um choque de nacionalismos?, para a qual, entre outros, Jacques Attali e Mario Monti foram convidados. A conferência foi organizada para responder às preocupações das elites, que vêem “a construção européia ameaçada pelo retorno do sentimento de preferência nacional”.

Esse pânico se refletiu nas declarações de Attali na conferência, que contrastavam com o ideal globalista e a erradicação de identidades que ele defendia há décadas. Isto é o que ele propôs:

“A nação não deve ser deixada para os nacionalistas (…) A nação é o coração das coisas (…) Eu acredito que a Francofonia deve ser tão integrada e politicamente poderosa quanto a União Europeia. Você pode pertencer a dois conjuntos estruturados”.

Ele terminou seu raciocínio talmúdico (seu pilpul) com uma contradição em seus próprios termos:

“A nação não é um obstáculo à globalização”.

Mas é que a globalização tem como princípio a destruição de nações ou, pelo menos, a transferência de sua soberania (política, jurídica, monetária e militar) para instituições supranacionais.
A globalização consiste, em última análise, em tornar a nação uma casca esvaziada de sua substância.

Israel e a União Europeia em ruptura

Em 11 de dezembro de 2017, a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, recebeu o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu na sede do Conselho Europeu, embora tenha rejeitado em nome dos Estados-Membros o reconhecimento de Jerusalém como capital do estado judeu. No mesmo dia, Netanyahu se reuniu com os 28 ministros das Relações Exteriores da União Europeia para uma discussão em que o primeiro-ministro israelense tentou amenizar a posição da UE sobre o expansionismo de Israel em detrimento dos palestinos. Mas é claro que os europeus não estavam convencidos pelo arrogante Bibi, que por causa desse revés cancelou no último momento uma reunião agendada com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Comentando sobre este incidente, uma fonte diplomática disse ao jornal Times of Israel:

“Netanyahu tem a sensação de que é uma causa perdida. Estamos em uma crise muito profunda. É realmente uma crise e, se as coisas não mudarem, colidiremos muito rapidamente contra a parede”.

A crise já atingiu o pico em 2015, quando a UE decidiu rotular produtos de assentamentos coloniais israelenses. A tudo isso foi adicionado, em 2018, a recusa de Bruxelas em se alinhar com a decisão dos EUA de se retirar do acordo sobre o programa nuclear iraniano.

Desde então, os ministros israelenses furiosos multiplicaram ataques à UE, que acusam de financiar o boicote a Israel e organizações ligadas a grupos terroristas.

Em relação a isso, o diplomata israelense citado acima disse:

“A UE ainda defende vigorosamente o acordo sobre o programa nuclear iraniano, que consideramos uma ameaça existencial. Como devemos tratá-lo?”

A crise pela qual a União Europeia está passando e as tensões nas relações diplomáticas entre Tel Aviv e Bruxelas levam os líderes israelenses a optar, obviamente, por preferir acordos bilaterais com Estados-Membros de manira individual.

O reposicionamento israelense diante do renascimento do nacionalismo europeu

Na atual fase histórica, que tende a um retorno às nações, Israel se reposicionou para acompanhar a onda populista nos Estados Unidos e na Europa. Além disso, o Estado Hebraico tenta lançar uma oferta pública de aquisição de soberania que renasce no Velho Continente, que desafia a União Europeia.

A manobra de apropriação começou já em 2016, como veremos mais adiante.

Hoje, esse processo de apropriação está em estágio avançado, em particular com um livro escrito pelo jornalista israelense Anshel Pfeffer, correspondente do The Economist e editorialista do jornal israelense Haaretz. O texto, intitulado Bibi, é uma biografia favorável a Netanyahu, a quem Pfeffer apresenta em seu retrato as características de um homem culto, visionário brilhante, líder mundial e um exemplo a ser seguido por líderes como Orbán, Trump e Putin.

Em entrevista ao jornal Libération – intitulado “Para Trump, Putin, Orbán e outros, Netanyahu é como um patriarca” -, o jornalista israelense tenta nos fazer acreditar que:

“Para Trump, Orbán, Salvini, Duterte, Abe e até Modi e Putin – toda uma geração de líderes que questionam o modelo progressista ocidental baseado no respeito pelos direitos humanos – Netanyahu atua como patriarca, modelo. Eles dizem para si mesmos: “Esse cara está no cargo há muito tempo, vencendo eleições uma após a outra e fazendo o que sempre desejamos fazer, dizendo à esquerda e à mídia para irem para o inferno”. A conseqüência é que, no clube dos grandes do mundo, os líderes do tipo Macron e Merkel são minoria. É mais difícil do que nunca influenciar Netanyahu …”.

O objetivo da manobra é conectar as nações ocidentais que tentam emancipar-se das estruturas mundiais (União Européia, OTAN …) ao vagão israelense, numa época em que Netanyahu e seu país estão cada vez mais isolados diplomaticamente e em dificuldades por causa do conflito em nível geopolítico, dada a derrota quase total dos grupos terroristas na Síria e no Iraque, e a presença do exército iraniano e do Hizbulah na fronteira com Israel.

Mas essa apropriação da onda populista européia não pode ser feita apenas por Israel. O estudo da história mostra que, desde os tempos antigos, as elites usavam terceiros, intermediários, para realizar seu projeto escatológico, e que essa estratégia também é usada no curto prazo para assumir o poder político e econômico.

Soros/Bannon: Oposição controlada

Em um artigo de 7 de agosto de 2018 intitulado “Bilionários americanos se enfrentam pelo controle político da Europa”, Eric Zuesse observa:

“Uma competição pelo controle político da Europa está se formando entre dois campos americanos: um liderado por Soros, estabelecido há muito tempo, e outro criado por Steve Bannon, ex-gerente de campanha de Donald Trump. Soros há muito lidera o controle da Europa por bilionários progressistas americanos, e agora Bannon está organizando uma equipe de bilionários conservadores americanos para tirar esse controle dos bilionários progressistas.”

Em 20 de julho de 2018, o portal americano The Daily Beast mencionou essa competição entre Soros e Bannon pelo controle da Europa, informando que Soros “doou US$32 bilhões para causas progressistas”, enquanto Bannon estava se estabelecendo na Europa, para criar o Movimento, uma “fundação populista, para rivalizar com Georges Soros e desencadear uma revolta de direita em todo o continente”.

Entrevistado pelo Daily Beast, Bannon afirmou que estava criando uma fundação na Europa chamada The Movement, a partir da qual ele espera realizar uma revolta populista de direita em todo o continente após as eleições do Parlamento Europeu na primavera de 2019.

Assim, Bannon estaria em uma missão no continente europeu para liderar os partidos políticos populistas e anti-sistema da Europa em uma luta final contra o globalismo.

Desde o primeiro trimestre de 2018, Bannon percorre a Europa para coordenar partidos populistas para as próximas eleições europeias. Em sua grande turnê, ele passou pela Itália, Suíça e Alemanha (para encontrar a direita alternativa).

Em março de 2018, ele foi ao congresso do Frente Nacional, onde se encontrou com Marine Le Pen, ocasião em que declarou sobre [sua sobrinha] Marion-Maréchal: “Ela não é apenas uma estrela em ascensão na França, é uma das pessoas mais impressionantes do mundo – uma maneira de explicar a sua tia Marine que a oligarquia que ele representa na Europa ordena que ele faça o favor de estar em benefício de Marion.

Bannon é apresentado como uma espécie de filantropo de direita, nacionalista, contrário ao filantropo liberal e internacionalista Soros, mas quem estudou a história da relação dialética entre capitalismo e comunismo verá sem dificuldade essa luta entre as redes de Soros e os representado por Bannon uma oposição controlada.

Quem é Steve Bannon?

Bannon é um ex-oficial de inteligência da Marinha dos EUA que desenvolveu uma grande carreira em finanças, particularmente no banco judaico-americano Goldman Sachs, e depois acabou no cinema e na televisão.

Ele foi presidente executivo (de 2012 a 2016 e, em seguida, de 18 de agosto de 2017 a 9 de janeiro de 2018) do jornal americano Breitbart News, que aparentemente aspira a “substituir a Fox News”.

Mídia da alt-right, o Breitbart foi fundado em 2007 em Israel. Nesse ponto, o consultor estratégico André Archimbaud explica:

“Bannon relançou o Breitbart, concebido em Israel para os Estados Unidos com a benção de Netanyahu, a fim de usar, à direita, os métodos disruptivos da extrema esquerda”.

Além disso, a Breitbart lançou o site da Breitbart Jerusalém em 17 de novembro de 2015, que trata dos assuntos atuais em Israel e no Oriente Médio.

Bannon e o lobby pró-Israel

Quando, durante a campanha eleitoral de 2016, Steve Bannon (então gerente de campanha de Donald Trump) foi acusado de ser anti-semita, a Organização Sionista da América (ZOA) o defendeu.

Em uma declaração publicada em seu site, Morton A. Klein, presidente da ZOA, declarou em resposta à Liga Anti-Difamação (ADL):

“Steve Bannon é um patriota americano que defende Israel e tem profunda empatia pelo povo judeu (…) O portal Breitbart News do Sr. Bannon luta bravamente contra o ódio aos judeus e a Israel (…).

Os extraordinários assessores pró-Israel de Trump, como Newt Gringrich, Rudy Giuliani, Mike Pence, Mike Huckabee, Sheldon Adelson e o genro judeu de Trump, Jared Kushner, ou David Friedman e Jason Greenblatt permitiriam que um anti-semita e anti-Israel trabalhassem com eles? Ivanka Trump, convertida ao judaísmo e cujos filhos frequentam uma escola judaica ortodoxa, permitiria que um anti-semita trabalhasse com o pai?”

A Liga Anti-Difamação, que acusou Bannon de ser anti-semita, é uma organização judaica americana fundada pela Loja Maçônica Judaica B’nai B’rith (Filhos da Aliança). Esta organização, o equivalente americano da Liga contra o Racismo e o Anti-Semitismo (LICRA) [francês], tem a missão de “apoiar os judeus contra todas as formas de anti-semitismo e discriminação”. Na França, a ADL, que luta contra a “extrema direita”, seria classificada à esquerda do espectro político.

Nesse jogo controlado da oposição, os sionistas liberais (à esquerda) demonizam Bannon, enquanto os sionistas conservadores (à direita) o apoiam e defendem. É assim que se marcam as bordas do caminho e se mantem o controle de um peão que poderia ter aspirações à independência. Se Steve Bannon tivesse a idéia de se emancipar, seus partidários sionistas de direita o jogariam à ADL e à grande mídia americana.

Bannon participou da conferência ZOA de novembro de 2017, na qual afirmou:

“Não sou um moderado, sou lutador. É por isso que tenho orgulho de apoiar o Estado de Israel. É por isso que tenho orgulho de ser um cristão sionista”.

Também aproveitou a oportunidade para agradecer a Sheldon Adelson, que “aconselhou e guiou Trump a superar o escândalo sexual” que o afetou no meio da campanha eleitoral. Adelson também é o principal financiador do ZOA.

Sheldon Adelson é um bilionário sionista de ascendência ucraniana. Ele é o rei dos cassinos, um dos homens mais ricos dos Estados Unidos. Ele é amigo íntimo de Benjamin Netanyahu e um dos principais doadores do Partido Republicano e da campanha de Trump: em 2016, deu US$80 milhões ao partido e US$25 milhões à campanha de Trump.

Essa é uma das razões pelas quais Bannon é tão grato:

“A vitória de Trump nas eleições não teria acontecido sem Sheldon Adelson.”

Da mesma forma, na conferência da Organização Judaica Sionista, Bannon falou contra o establishment e a “classe global” (a hiperclasse mundial):

“Estamos liderando um movimento de insurreição contra o establishment republicano, contra a classe mundial permanente de Washington.”

Bannon se opõe verbalmente à hiperclasse … em uma organização da hiperclasse; um pouco como se um comissário político soviético fizesse declarações anticomunistas em frente ao Politburo.

Logicamente, como relatou o Times of Israel: “Essa frase não foi recebida com aplausos pela maioria da assembléia judaica”, que devem ter percebido que estava falando sobre ela.

Sheldon Adelson não estava presente naquela conferência em que Bannon prestou-lhe esse tributo vibrante. Sua ausência é, sem dúvida, explicada pelo desejo de não aparecer como apoio de Bannon na luta que ele está travando contra autoridades republicanas eleitas.

O portal americano Politico informou em 13 de novembro de 2017 que Sheldon Adelson não apoiaria Bannon contra os republicanos nas eleições da metade de 2018 (eleições para as duas casas do Congresso), a serem realizadas em 6 de novembro.

Desde então, Steve Bannon vem se concentrando no projeto de coordenação dos partidos populistas europeus.

Israel, por trás de The Movement, de Steve Bannon

O The Movement foi fundado em Bruxelas em 9 de janeiro de 2017 – pouco antes de Bannon ser consultor do Presidente dos Estados Unidos em 20 de janeiro de 2017 – por Steve Bannon e Mischaël Modrikamen, que atua como diretor executivo.

Modrikamen é um advogado e político belga que, em novembro de 2009, criou um partido político, o Partido Popular, voltado para a direita do sistema político, pró-segurança e anti-imigração, mas ultraliberal no nível socioeconômico.

O vice-presidente do Partido Popular é Joël Rubinfeld, ex-secretário geral das Amizades Belga-Israelenses e ex-presidente (de 2007 a 2010) do Comitê de Coordenação das Organizações Judaicas da Bélgica (CCOJB). Ele também é membro fundador e presidente da Liga Belga contra o Anti-Semitismo, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu (EJC) em 2009 e 2010 e co-presidente do Parlamento Judaico Europeu (EJP) de 2012 a 2014. Existe uma foto de Joël Rubinfeld , com um grande sorriso, ao lado de Avigdor Liberman (atual ministro da Defesa de Israel).

Mas vamos voltar ao parceiro de Steve Bannon, o verdadeiro fundador do Movement: Mischaël Modrikamen. De 2000 a 2003, ele presidiu a Comunidade Liberal Israelita da Bélgica. Nesse período, ele foi advogado da comunidade judaica nas negociações sobre a propriedade saqueada durante a ocupação alemã de 1940 a 1945. Após as negociações, os bancos, seguradoras e o Estado belgas pagaram mais de 100 milhões de euros aos sobreviventes judeus das deportações nazistas.

Um fato que observo de passagem: o Sr. Modrikamen foi indiciado em 25 de março por falsificação e lavagem de dinheiro, em conexão com a falência da empresa Donaldson, cujo conselho de administração ele dirigia.

Mischaël Modrikamen é um agente de Israel na Europa e um transmissor de propaganda sionista.

Em dezembro de 2016, ele participou da Cúpula Internacional de Líderes em Jerusalém, onde foi recebido como presidente do Partido Popular, com sua delegação, pelo chefe do Conselho de Shomron (Samaria) e no Knesset (o Parlamento de Israel).

Naquela ocasião, Modrikamen fez um discurso que atesta bem a estratégia sionista de apropriação da onda populista européia:

“Eu sou populista. Não me incomoda. O populismo está expressando o que as pessoas comuns querem(…). As elites não percebem o que está tomando forma globalmente. Brexit e Trump apontaram o caminho. O que está acontecendo é uma verdadeira revolução!
Somos cidadãos do mundo e não rejeitamos ninguém, mas vemos que muitas vezes não somos respeitados em nossos países ou no mundo. Isso nos dá algo em comum com Israel, frequentemente criticado por pessoas que nunca pisaram aqui e são envenenadas pela mídia ocidental. Não, não é um país em guerra perpétua. Muitas pessoas vivem e trabalham aqui normalmente, tanto israelenses quanto palestinos. Nem tudo se resume a situação em Gaza. Temos muito a aprender com este país, na luta contra o terrorismo, mas também em questões econômicas.”

Nessa cúpula, co-organizada e presidida por Yasmine Dehaen – que por acaso é a esposa de Mischaël Modrikamen – houveram participantes americanos, belgas, indianos, israelenses e ingleses. Também estavam presentes partidos eurocéticos como o UKIP de Nigel Farage.

Lembrando, nesse ponto, que o principal financiador do partido de Nigel Farage (UKIP) é Richard Desmond, um milionário sionista inglês, dono, entre outros, do jornal Daily Express, da OK Magazine e de redes de televisão pornográficas. Notemos também que ele deu apoio financeiro ao Partido Trabalhista e, mais tarde, ao Partido Conservador, antes de recorrer ao partido de Farage, a fim de assumir o controle dessa corrente de oposição. Observe que Richard Desmond permaneceu ambíguo em 2015, declarando que era partidário do referendo, mas que não sabia se votaria a favor ou contra.

A cúpula de Jerusalém foi a ocasião, para os participantes, de expressar sua suspeita em relação à União Europeia – de acordo com o reposicionamento israelense que eu descrevi antes -, conforme relatado por Didier Swysen (enviado especial a Jerusalém), que acrescentou: “Eles chamaram por respeito ao Estado de direito, muito maltratado na opinião dos oradores, preocupado com a luta contra o terrorismo e fluxos migratórios descontrolados, cavalos de guerra do Partido Popular e seus aliados europeus”.

A cúpula terminou com a assinatura da Declaração de Jerusalém, um documento que, nas palavras do Sr. Modrikamen:

“Reafirma o estado de direito, a livre empresa, os impostos controlados, a defesa dos valores da sociedade ocidental e a luta contra o Islã radical”.

É, portanto, em Jerusalém, onde a nova estratégia atribuída a Bannon foi oficialmente elaborada; e isso, um mês antes da criação do Movement: uma estratégia que não busca emancipar os povos da Europa, mas colocá-los no bolso de Israel.

Esta é a armadilha para os povos da Europa.

Fonte: https://kontrainfo.com/

Deixe uma resposta