EUA: “A crise global camufla as manobras geopolíticas dos EUA”

A crise sanitária desatada pela pandemia do novo coronavírus não congelou a dinâmica da geopolítica mundial; apenas a camuflou diante dos olhos das massas, inundando os meios de comunicação com notícias alarmantes e apocalípticas, enquanto os EUA tentam se recuperar de suas últimas derrotas no cenário internacional intensificando o cerco à China, investindo contra o Irã e tentando cooptar a Rússia.

Primeira observação: nada está claro nos discursos midiáticos, que são em sua maioria teleguiados a partir de escritórios americanos. As contradições se sucedem e se sobrepõem: este vírus é natural (uma variante mais perniciosa da gripe sazonal) ou ele escapou voluntária ou involuntariamente de um laboratório chinês? A prática do confinamento é útil ou totalmente inútil, como a experiência sueca parece provar? Outros projetos parecem ser enxertados nesta pandemia: o de poder eventualmente controlar melhor as massas humanas aglutinadas nas grandes megacidades; o de uma vacinação planetária que beneficiaria em grande parte as instâncias da “Big Pharma”, hipótese aparentemente confirmada pelas declarações anteriores e atuais de Bill Gates; uma vacinação tão generalizada também permitiria obter os recursos acumulados pelas políticas sociais socialistas e keynesianas dos países industrializados da Europa. Além disso, o despreparo dos Estados Unidos e as confusões nas encomendas e distribuição de máscaras sanitárias, a discussão sobre medicamentos na França com o Dr. Didier Raoult como principal protagonista defendendo um tratamento simples com cloroquina, a hipótese muito recente contestando a validade dos tratamentos escolhidos para conter a doença, o abuso fatal na distribuição de Rivotril nos lares de idosos, tudo isso alega a favor da hipótese (conspiracionista?) de uma encenação planetária, destinada a ampliar o pânico: nesse sentido, o sistema político-midiático, dominado e estipendiado pela alta finança, pelos lobbies farmacêuticos e pelo GAFA, desempenharia bem seu papel no cenário que lhe teria sido ditado, o de preparar as massas para aceitar vacinas, confinamento e outras medidas policiais inéditas e inauditas mesmo em regimes considerados os mais repressivos. Entretanto, o canal de televisão francês LCI acaba de revelar que os altos índices de letalidade e contagiosidade do vírus têm sido consideravelmente exagerados após os discursos alarmistas e apocalípticos dos representantes da OMS. O confinamento, contra o qual a opinião pública alemã e holandesa se opõe veementemente, tem sido, portanto, totalmente inútil ou um pretexto para desenvolver novas técnicas de controle policial, imitando as futuras (mas muito próximas) “smart cities” chinesas, entre as quais citaremos sobretudo as técnicas de reconhecimento facial. Sejam quais forem as hipóteses que possam ser formuladas sobre os efeitos, reais ou forjados, da atual pandemia, é preciso admitir que as convulsões em curso no cenário político internacional, especialmente na Eurásia, não serão de forma alguma travadas pela pandemia: muito pelo contrário, os escritórios dos estrategistas estão preparando ativamente o mundo que seguirá a crise do vírus. Esta pandemia obviamente permite camuflar uma série de mudanças benéficas para o hegemon, apesar das fraquezas que o hegemon parece mostrar em seu declínio industrial, na decadência de sua sociedade ou nas falhas de seu sistema de saúde. É necessária, portanto, a vigilância de todos aqueles que desejam ver recuar o domínio muitas vezes sufocante deste hegemon.

Em primeiro lugar, a zona das grandes turbulências de conflitos parece estar deslizando dos complexos ucraniano-sírio e iraquiano em direção ao Mar do Sul da China. O principal inimigo do hegemon parece ser a China, muito claramente, enquanto que desde 1972 a China havia sido, pela primeira vez, um aliado de retaguarda contra a URSS, antes de se tornar um grande parceiro econômico, permitindo que a prática neoliberal de deslocalização para áreas asiáticas com mão-de-obra barata fosse implementada. A China, no complexo que alguns geopolitólogos chamavam de “Chinamérica”, era a oficina da economia real, produtora de bens concretos, enquanto o hegemon reservava os serviços para si e agora praticava uma economia virtual e especulativa, que pretendia descrever como inteiramente suficiente, enquanto a crise atual demonstra suas flagrantes insuficiências: não se pode prescindir da economia real com uma boa dose “política” de planificação ou regulamentação. As potências médias da Europa, subservientes à Americanosfera, imitaram essa prática desastrosa inaugurada pelo hegemon a partir do momento em que a China, embora ideologicamente “comunista”, tornou-se sua aliada na derrota da Rússia soviética. Nesse contexto, a Europa abandonou gradualmente suas práticas planistas ou o que Michel Albert chamou de “capitalismo (patrimonial) da Renânia”: é a Alemanha que está se autodestruindo, como descrito por Thilo Sarrazin, ou a França que está cometendo suicídio, como explicado por Eric Zemmour. A crise do coronavírus provou em particular que a França, e mesmo a Alemanha, não produzem mais pequenos bens de consumo elementares em quantidade suficiente, como as máscaras sanitárias, que hoje são fabricadas em países com mão-de-obra mais barata. Todos os erros do neoliberalismo deslocalizador vieram à tona no pano de fundo da crise econômica que vem ocorrendo desde o outono de 2008.

A China acumulou uma quantidade colossal de moeda estrangeira depois de aceitar este papel como oficina global. No entanto, a oficina global teve que assegurar rotas de comunicação marítimas e terrestres para levar estes produtos acabados aos seus destinos na Europa, bem como na África e América do Sul. Quando a China era uma aliada de retaguarda na Americanosfera durante a Guerra Fria, e mesmo durante uma ou duas décadas após o fim desse conflito virtual, ela não tinha vocação marítima e suas tarefas continentais/telúricas limitavam-se a consolidar suas franjas fronteiriças na Manchúria, sua fronteira com a Mongólia Exterior e a área do antigo Turquestão chinês, que estava sob influência soviética na época da grande miséria chinesa. Esta zona, outrora cobiçada por Stalin, é hoje o Sin-Kiang, povoado por uma minoria indígena uigur. A China praticou assim uma política de “contenção”, que também (e acima de tudo) serviu aos interesses dos Estados Unidos. Uma paz tácita foi então estabelecida na frente marítima taiwanesa e as duas Chinas chegaram até a prever uma reconciliação lato sensu, que talvez pudesse levar a uma rápida reunificação, semelhante à reunificação alemã. O Partido Comunista Chinês e o Kuo-Min Tang de Taiwan poderiam ter resolvido suas diferenças em nome de uma ideologia planística e produtivista efetiva.

A necessidade urgente de proteger as vias marítimas ao largo das próprias costas chinesas, em todo o Mar do Sul da China e até o gargalo de Cingapura, tem mudado gradualmente a situação. As manobras chinesas no Mar do Sul da China implicam, em uma etapa posterior e bastante previsível, se projetar muito além de Cingapura para a Índia (que pretendia estabelecer sua soberania sobre partes cada vez maiores do Oceano Índico) e depois para a Península Arábica e o Mar Vermelho para alcançar o Mediterrâneo: Em suma, uma atualização da política do Imperador Ming que havia apoiado pela primeira vez as expedições do Almirante Zheng He no século XV antes de cessar todo o apoio a esta política oceânica para se concentrar na muito cara exploração hidráulica da China continental. Xi Jinping, explica o grande geopolitólogo sinófilo e eurasiático Pepe Escobar, em artigo recente, não parece querer repetir o erro estritamente continentalista pelo qual o imperador Yong Le havia finalmente optado.

De fato, o gigantesco projeto da China atual é criar novas rotas da seda terrestres na grande massa continental eurasiática e, ao mesmo tempo, abrir rotas marítimas para o Oceano Índico, o Mar Vermelho e o Mediterrâneo, contando com uma ligação terrestre da China continental ao porto paquistanês de Gwadar, e depois abrir, com a ajuda da Rússia, uma segunda rota da seda marítima através do Ártico em direção a Hamburgo, Roterdã e Antuérpia. Este colossal projeto eurasiático é um grande desafio para o hegemon, que pretende dar continuidade à política exclusivamente talassocrática e de contenção do falecido Império Britânico e, consequentemente, sabotar todas as iniciativas que visam desenvolver as comunicações terrestres, seja por via ferroviária (como a Estrada de Ferro Transiberiana de 1904) ou por via fluvial, que poderiam relativizar ou minimizar a importância das comunicações oceânicas (as “Highways of Empire”). Os chineses se mostram mais seguidores de Friedrich List, um economista do desenvolvimento, do que de Karl Marx. List também foi uma das grandes inspirações para Sun Ya Tsen, cujo objetivo era tirar a China do “século da vergonha”. Para contrariar esse grande projeto, os Estados Unidos já estão sugerindo uma alternativa, também “listiana”, em meio à crise do coronavírus: bloquear a China a partir de Cingapura e sugerir à Rússia a exploração de rotas terrestres e ferroviárias siberianas, ou mesmo a rota ártica, que seria acoplada, através da construção de uma ponte sobre o Estreito de Bering, com rotas semelhantes no continente norte-americano. Isso também permitiria controlar a área designada como “Grande Oriente Médio”, abrangendo antigas repúblicas muçulmanas soviéticas e colocada sob o comando estratégico da USCENTCOM, ainda efetivamente apoiada pela posse da pequena ilha de Diego Garcia, um porta-aviões insubmersível no meio do Oceano Índico. Sem qualquer projeção válida para o Mediterrâneo e Ásia Central, a Rússia manteria apenas seu papel de “ponte” entre a Europa e a China, cuja única política marítima tolerada seria então limitada ao Mar da China do Sul, por um lado, e ao Continente Norte-Americano, por outro. O plano final da nova política do Deep State seria então: conter as ambições marítimas da China, envolver a Rússia em um projeto siberiano/áctico no qual a China não mais interviria, controlar o Grande Oriente Médio, sem que nem a China nem a Rússia pudessem controlar esta área e este mercado de qualquer forma.

A súbita irrupção do coronavírus e a culpabilidade da pandemia, que os círculos do Deep State atribuem à China e ao laboratório Wuhan para fins de propaganda, tornam possível empregar todas as estratégias e táticas para conter a China nas águas do Pacífico e deixá-la apenas no controle direto das águas próximas à sua costa, sem lhe permitir, é claro, saturar as Filipinas e com, além disso, um Vietnã consolidado pela ajuda americana, como uma ameaça permanente em seu flanco sul. O site “Asia Times”, sediado na Tailândia, lembrou, nestes dias, que o Estado Islâmico estava marcando pontos nas Filipinas, para desgosto do presidente filipino Rodrigo Duterte, irritado com o hegemon e apoiador de uma aproximação com a China: em suma, o cenário habitual …

Tenente-General H.R. McMaster

Pepe Escobar delineia as duas primeiras sessões do XIIIº Congresso Nacional Popular, cuja terceira sessão seria realizada em 5 de março de 2020, mas foi adiada devido à crise do coronavírus. Já se pode imaginar que a China aceitará a ligeira recessão que sofrerá e dará a conhecer as medidas de austeridade a que será chamada a tomar. Para Escobar, as conclusões deste 13º Congresso darão uma resposta aos planos elaborados pelos Estados Unidos e colocados no papel pelo tenente-general H. R. McMaster. Este oficial militar do Pentágono descreve a China como representando três ameaças ao “mundo livre” com : 1) O programa “Made in China 2025” visando o desenvolvimento de novas tecnologias, em particular em torno da empresa Huawei e o desenvolvimento do 5G, indispensável para a criação das “smart cirites” do futuro e onde a China, em todas as aparências, deu um bom avanço; 2) Com o programa das “Rotas da Seda”, através do qual os chineses estão criando uma clientela de Estados, incluindo o Paquistão, e reorganizando a massa continental eurasiática; 3) com a fusão “militar-civil”, coagulação das idéias de Clausewitz e List, onde, através da telefonia móvel, a China se mostrará capaz de desenvolver grandes redes de espionagem e capacidades de ciberataque. No início de maio de 2020, Washington recusou-se a entregar componentes para a Huawei; a China retaliou colocando Apple, Qualcomm e Cisco em uma “lista de empresas não confiáveis” e ameaçou parar de comprar aeronaves civis de fabricação americana. Tudo isso, e Escobar não o menciona em seu recente artigo, em um contexto onde a China possui 95% das reservas de terras raras. Essas reservas têm permitido até o momento marcar pontos no desenvolvimento de novas tecnologias, incluindo o 5G e a telefonia móvel, objetos do principal ressentimento americano em relação a Pequim. Para enfrentar o avanço da China neste campo, o hegemon deve encontrar outras fontes de terras raras: daí a proposta indireta de Trump de comprar a Groenlândia do Reino da Dinamarca, formulada no outono passado e reformulada em meio à crise do coronavírus. A China está presente no Ártico, sob a cobertura de uma série de empresas de mineração em uma área altamente estratégica: a chamada passagem GIUK (Greenland-Iceland-United Kingdom) foi de extrema importância durante a Segunda Guerra Mundial e durante a Guerra Fria. Todo o espaço ártico está se tornando novamente assim, e ainda mais dados os recursos que contém, incluindo as raras terras que os Estados Unidos estão procurando se apropriar, e dada a passagem ártica, liberada do gelo pelos quebra-gelos russos movidos a energia nuclear, que se tornará uma rota mais curta e segura entre a Europa e o Extremo Oriente, entre o complexo portuário Antuérpia/Amesterdã/Hamburgo e os portos da China, Japão e Coréia. O hegemon tem, portanto, um duplo interesse nos projetos groenlandeses que ele tenta articular: se assentar e explorar os ativos geológicos da Groenlândia e sabotar a exploração da rota do Ártico. A crise do coronavírus oculta esta questão geopolítica e geoeconômica que preocupa a Europa em primeiro plano!

Voltemos ao XIIIº Congresso Nacional Popular de Maio de 2020: ele prevê como prioridade o desenvolvimento das regiões ocidentais (Sinkiang e Tibet), o fortalecimento dos laços com as ex-repúblicas soviéticas que fazem fronteira com essas regiões e, entre outras coisas, a construção de portos de águas profundas e uma política ecológica acentuada baseada no “carvão limpo”. O problema é que a iniciativa das Rotas da Seda (Belt & Road Initiative) está no fundo da lista de novas prioridades, o que em si é um triste revés.

O hegemon parece estar aliviando um pouco a pressão na Ucrânia, Síria e Iraque, mas o Irã continua sendo um inimigo a ser eliminado ou pelo menos implodido através de sanções. A severidade das medidas repressivas do hegemon está aumentando à medida que os europeus se concentram nos efeitos do Covid-19, apesar de seus recentes apelos por um relaxamento das sanções e da invenção de um ardil para contornar o embargo americano, que não está nada de acordo com seus interesses comerciais e geopolíticos. O Irã continua sendo um alvo importante, apesar da centralidade de seu território na zona devolvida à USCENTCOM ou “Grande Oriente Médio”: para controlar esta área, que já foi a da “civilização iraniana”, Washington busca implodir seu centro. A razão deste tenaz e particularmente agressivo ostracismo anti-iraniano é dupla: uma é a continuação de uma estratégia muito antiga, a outra é determinada pela própria existência do excedente de petróleo que o Irã pode usar para estabelecer uma hegemonia regional limitada. A estratégia muito antiga, hoje articulada pelos Estados Unidos, visa proibir que qualquer potência que opere a partir do território do Antigo Império Parta ingresse na costa oriental do Mediterrâneo. Os Estados Unidos, de fato, se apresentam, segundo o historiador-geopolitólogo Edward Luttwak, como herdeiros dos impérios romano, bizantino e otomano no Levante e na Mesopotâmia. A política romana de Trajano ao colapso dos bizantinos na região após os golpes dos exércitos muçulmanos, depois da morte do Profeta era manter os persas fora do Mediterrâneo e da Mesopotâmia. A crise do coronavírus permite, ao abrigo dos holofotes da mídia, demonizar ainda mais o Hezbollah no Líbano, sendo este partido xiita uma antena iraniana nas margens do Mediterrâneo oriental, ao mesmo tempo que é também um sólido baluarte contra o inimigo islamista-sunita oficial (mas que é um aliado real), representado pelo Estado Islâmico, e permitir que Netanyahu e seu novo governo composto e heteróclito anexem a Cisjordânia, virtualmente eliminando os remanescentes deixados à agora enfraquecida e desacreditada Autoridade Palestina. Contra o pano de fundo do caos indescritível que persiste entre a Síria e o Iraque, o hegemon consolida o Estado sionista, de fato qualificado como “judaico-herodiano” no sentido de que os reis Herodes eram peões dos romanos, para tornar a Judeia-Palestina uma barreira intransponível contra qualquer penetração persa. A Europa, ofuscada pelo invisível coronavírus, observa essa problemática mutação no Mediterrâneo oriental apenas com um olhar muito discreto. O outro peão de Washington na região é a Arábia Saudita, cuja política tem sido um tanto perturbada nos últimos meses, embora não se possa dizer que o acordo criado no convés do edifício USS Quincy em 1945 pelo rei Ibn Saud e presidente Roosevelt tenha sido fundamentalmente alterado, Isto é claramente demonstrado pelo apoio ocidental às políticas belicistas e genocídas dos sauditas no Iêmen, onde mercenários colombianos e eritreus estão operando em meio a uma crise do coronavírus: nesta região altamente estratégica, o hegemon e seus aliados avançam peões enquanto a mídia ocupa a opinião pública na Americanosfera com as histórias assustadoras de um coronavírus que não desaparecerá com o calor do verão e voltará à tona assim que as primeiras geadas do outono chegarem. O escritor palestino Said K. Aburish lembrou, em obras quase nunca citadas nas polêmicas em torno do conflito israelo-palestino, o sempre pró-ocidental papel dos sauditas, aliados tácitos do projeto sionista desde a Primeira Guerra Mundial, projeto imaginado pelo estudioso bíblico protestante que foi Sykes.

O valor agregado que o petróleo iraniano pode representar para a República Islâmica, como já foi para o Xá, poderia servir a um pólo econômico euro-iraniano, sem prejudicar de forma alguma a Rússia, o que o hegemon jamais admitiu, que não deseja ver qualquer intervenção (pacífica) europeia ou russa ou mesmo indiana e chinesa neste coração territorial do “Grande Oriente Médio”, que ele reserva exclusivamente para um próximo jogo de pôquer, a fim de torná-lo um território com uma “economia penetrada”, com uma demografia mais exponencial do que no resto do mundo (embora o Irã esteja passando por uma certa estagnação de nascimentos). O “Grande Oriente Médio” não é apenas uma reserva de hidrocarbonetos, mas também uma área onde ainda existem as gigantescas plantações de algodão da ex-URSS, que são de interesse para a indústria têxtil americana.

Trump – apesar das promessas eleitorais e das esperanças que ele havia levantado entre milhões de ingênuos que acreditavam que ele derrotaria o Deep State, completamente formatado pelos cenáculos “neocons”, por si só – não impediu o recrutamento de uma nova geração de neocons para os arcanos de seu governo e para o Departamento Americano de Relações Exteriores: assim, para o Oriente Médio, Simone Ledeen, filha do neoconservador ultra-intervencionista Michael Ledeen, dará no futuro os contornos da política americana nesta região de grande turbulência. Ela é autora, com seu pai, de um livro intitulado How We Can Win the Global War, no qual a América está acampada como um império do Bem, absolutamente bondoso, mas sitiada por uma série de inimigos perniciosos dos quais se diz que o Irã é o principal instigador, o centro da conspiração antiamericana no mundo. Esta nova promoção de uma dama neoconservadora da mais pura estirpe, posicionada na máquina da política externa neoconservadora desde 2003, ocorreu durante o período da crise do coronavírus.

Finalmente, a crise global do coronavírus camufla as manobras atuais do hegemon em seu próprio hemisfério, buscando arruinar a dimensão quadricontinental que os BRICS poderiam ter assumido quando o Brasil fazia parte dele e quando a Argentina estava próxima a ele. Hoje, em meio à crise do Covid-19, os Estados Unidos intensificam a pressão contra a Venezuela, agitando no Caribe, onde está implantando sua frota, insurgindo contra a escolta de petroleiros iranianos pela marinha da República Islâmica do Irã, quando nada no direito internacional poderia incriminar as relações comerciais bilaterais entre dois países boicotadas pelos Estados Unidos e, seguindo-os, por toda a esfera americana. Ao mesmo tempo, Trump, que foi eleito para contrariar as ações do Deep State, mas que agora as favorece à sua maneira, declarou sua retirada do Tratado de Céu Aberto, que permitia aos signatários monitorar os movimentos militares uns dos outros, no interesse da transparência e da pacificação. Com a retirada americana do tratado sobre o programa nuclear iraniano, temos as premissas de uma nova guerra fria, premissas que a Rússia deplora mas que, na Europa Ocidental, são deliberadamente apagadas das preocupações das massas, apavoradas pela progressão, real ou imaginária, do coronavírus, presas às suas telas para contar os mortos, preocupadas com a compra de máscaras ou géis hidroalcoólicos ou esperando o lançamento de uma vacina no mercado farmacêutico. Durante essas agitações prosaicas, geradas pelo soft power e pelas técnicas da guerra quarto-dimensional, os peões americanos da nova Guerra Fria são avançados, ancorados na realidade estratégica.

A crise não congelou a dinâmica da geopolítica mundial; camuflou-a dos olhos das massas; inundou a mídia com notícias alarmantes, mais ou menos artificiais, enquanto os protagonistas da “grande política” acumulavam seus arsenais e desenvolviam estratégias a serem aplicadas a partir da terceira década do século XXI.

Fonte: Strategika

Robert Steuckers

Nascido em 1956, em Uccle, Bélgica, formou-se no Instituto Maria Haps, ligado à Universidade de Louvain, onde obteve o mestrado em inglês e alemão. Ele dirigiu um escritório de tradução em Bruxelas durante vinte anos antes de se dedicar a várias tarefas de ensino de idiomas. Ele criara o think tank “Synergies européennes” em 1994, que organizou cursos de verão na França, Itália e Alemanha. Ele administra, com outros, o site Euro-Synergies, que apresenta aproximadamente 17.000 artigos. Steuckers é autor de vários livros e ensaios, especialmente a trilogia Europe, verdadeira summa sobre a identidade e história dos povos europeus, assim como La révolution conservatrice allemande e Sur et autour de Carl Schmitt.

Deixe uma resposta