Elon Musk age como um Neo-Conquistador pelo Lítio Sul-Americano

Por Vijay Prashad e Alejandro Bejarano

Elon Musk, chefe da Tesla, quer construir uma fábrica de carros elétricos no Brasil. Ele deveria se encontrar com Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, em Miami, no início de março, mas estava muito ocupado. Em vez disso, Musk irá ao Brasil ainda este ano. Todos os olhos estão voltados para o estado de Santa Catarina, cujo secretário de Relações Internacionais, Derian Campos, está em contato direto com Musk. Duas fabricantes de automóveis – BMW e GM – já possuem fábricas no estado. Marcos Pontes (Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações) realizou uma videoconferência com Anderson Ricardo Pacheco, funcionário sênior da Tesla. Juntaram-se a eles Daniel Freitas, congressista, e Claiton Pacheco Galdino, diretor de desenvolvimento de negócios de Criciúma, uma cidade de Santa Catarina. Eles estão ansiosos para que a Tesla abra um Gigafábrica – o nome que a Tesla dá a uma grande fábrica – na maior economia da América do Sul.

O Brasil ter depósitos consideráveis de lítio – principalmente em Minas Gerais, na Paraíba , no Ceará e no Rio Grande do Norte – ajuda. A produção de lítio é limitada, tendo sido amplamente utilizada na produção de cerâmica e vidro. O governo Bolsonaro está interessado em aumentar a produção de lítio, inclusive como matéria-prima essencial para as baterias de íon-lítio que alimentam carros elétricos como os fabricados pela Tesla. Contudo, o lítio do Brasil não será suficiente. A Tesla precisaria importar lítio de outros lugares.

O Triangulo do Lítio

Mais de 50% dos depósitos de lítio conhecidos no mundo estão no “Triângulo do Lítio” – as fontes de salmoura concentradas de lítio na Argentina, na Bolívia e no Chile. Os desertos das altas montanhas da Bolívia – o Salar de Uyuni – têm de longe as maiores reservas conhecidas de lítio.

Em um twitter bizarro, o empresário boliviano Samuel Doria Medina escreveu que, como Elon Musk e Jair Bolsonaro discutirão a fábrica de Tesla no Brasil, devem adicionar a essa iniciativa o seguinte: “construir uma Gigafábrica no Salar de Uyuni para fornecer baterias de lítio.” Doria Medina não é apenas um empresário. Ele é o candidato a vice-presidente ao lado da “presidente interina” Jeanine Áñez nas eleições presidenciais bolivianas de 3 de maio de 2020. Áñez chegou ao poder apenas por causa do golpe de Estado contra Evo Morales em novembro de 2019. O tapete de boas-vindas de Doria Medina a Tesla deve, portanto, ser visto como tendo toda a autoridade do governo golpista por trás dele.

O governo de Morales tinha sido muito cauteloso com essas reservas de lítio. Esclareceu que esses recursos preciosos não deveriam ser entregues a empresas transnacionais em negócios que lhes fossem favoráveis. Os ganhos do lítio, apontou Morales, devem ser adequadamente partilhados com o povo boliviano. O argumento do governo de Morales é que qualquer acordo deve ser feito com a Comibol, a empresa nacional de mineração da Bolívia, e com a Yacimientos de Litio Bolivianos, a empresa nacional de lítio da Bolívia. Os ganhos monetários da mineração chegariam ao tesouro boliviano e depois financiariam os programas sociais tão necessários para o país. Essa política socialista sensata foi demais para três grandes empresas transnacionais – Eramet (França), FMC (Estados Unidos) e Posco (Coréia do Sul) -, que deram as costas e foram para a Argentina.

O Golpe do Lítio

Foi a política socialista de Morales em relação aos recursos da Bolívia que condenou seu governo. A oligarquia, que estava incomodada com o governo de Morales e seu socialismo, usou todos os mecanismos para minar a eleição de 2019. Os incêndios florestais nas regiões norte e leste da Bolívia forneceram à mídia oligárquica o armamento para sugerir que Morales havia abandonado seu compromisso com o meio ambiente e Pachamama (Mãe Terra) e que estava agora trabalhando para beneficiar os pecuaristas. é importante ressaltar que isso não é apenas ridículo, mas que, assim que o governo golpista de Áñez assumiu o cargo, aprovou uma legislação que permitia aos fazendeiros estender suas terras para áreas florestais.

O oponente de Morales, Carlos Mesa, e outros líderes seniores dos partidos políticos da oligarquia disseram abertamente muito antes da eleição que Morales só poderia vencer por fraude. Um auto-proclamado Conselho de Defesa da Democracia disse que Morales era um candidato ilegítimo, pois havia perdido o referendo constitucional de 2016. A mídia – apoiada por esses interesses corporativos e neofascistas – bateu no tambor da fraude, enquanto Carlos Mesa, na noite da eleição, disse que havia uma “fraude monumental” na eleição. Essas provocações de Mesa, dos neofascistas e das elites corporativas resultaram em violência nas ruas. Em meio a isso, a polícia – alguns dos quais estavam zangados com Morales por reprimir a corrupção policial – se amotinou. Os 36 bolivianos que morreram logo após as eleições são vítimas da linguagem incendiária de Mesa. A Organização dos Estados Americanos (OEA), incentivada pelo governo dos EUA, apresentou um “relatório preliminar” de fraude nas eleições. As duras conclusões do relatório não foram substanciadas pelos dados nele contidos. O relatório da OEA teve um papel importante na legitimação do golpe contra Morales.

É importante ressaltar que não houve controvérsia sobre a eleição de Morales em 2014, em que Morales conquistou 61% dos votos para derrotar o empresário Samuel Doria Medina, que obteve 24% (Doria Medina é a mesma pessoa que agora está concorrendo à vice-presidente e oferta à Tesla o lítio da Bolívia). O mandato de Morales, das eleições de 2014, ainda não havia expirado em novembro de 2019. A remoção de Morales violou, portanto, o mandato de 2014, um ponto que quase não foi alvo de discussão na Bolívia ou no exterior.

John Curiel e Jack Williams, do Laboratório de Ciência e Dados Eleitorais do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), examinaram os dados eleitorais bolivianos e não encontraram nenhuma fraude: “Não há evidência estatística de fraude que possamos encontrar”, escreveram conclusivamente no Washington Post. Curiel e Williams entraram em contato com a OEA, mas observaram: “Nós e outros estudiosos da área procuramos a OEA para comentar; a OEA não respondeu. ” Segundo sua avaliação, Morales venceu a eleição em novembro de 2019 e deveria ter sido investido este ano para um novo mandato.

A terrível pressão do governo do golpe contra o partido de Morales (o Movimento pelo Socialismo, ou MAS) – assim como a presença de monitores da USAID e um chefe da comissão eleitoral apoiado pelos EUA, Salvador Romero – sugere que essa eleição em 3 de maio não será nada justa; provavelmente favorecerá o governo do golpe, incluindo o empresário que deseja entregar o lítio da Bolívia para a Tesla de Elon Musk e o Brasil de Jair Bolsonaro.

Um Mundo de Lítio

Em 2019, o relatório de referência “Energy Storage Outlook 2019” da Bloomberg New Energy Finance antecipou que, em 2030, o preço da bateria de íons de lítio cairia drasticamente e que, consequentemente, a energia renovável (solar e eólica) mais o armazenamento de energia das baterias expandirá exponencialmente. Até 2040, existe uma expectativa de que a energia eólica e solar produza 40% do consumo mundial de energia, em vez dos atuais 7%. Para isso, a demanda por armazenamento de energia aumentará. “A demanda total de baterias dos setores de armazenamento estacionário e transporte elétrico está prevista para 4.584GWh (Gigawatt-hora) até 2040”, escrevem os analistas da Bloomberg, “fornecendo uma grande oportunidade para fabricantes de baterias e mineradoras de componentes metálicas como o lítio, cobalto e níquel. ” O uso atual é de meros 9GW/17GWh.

O ponto principal a se enfatizar aqui é que isso proporcionará “uma grande oportunidade” para “mineradoras de componentes metálicas, como lítio, cobalto e níquel”. Quando os analistas da Bloomberg usam uma palavra como “mineradoras”, eles não se referem aos mineradores bolivianos ou os congoleses, mas às empresas transnacionais, como a Tesla e seu chefe, Elon Musk. No que diz respeito à Bloomberg e Áñez, a América do Sul não mais seguirá o projeto nacionalista de recursos de Evo Morales. Esta é a América do Sul de Elon Musk, um lugar para os neo-conquistadores ganharem dinheiro e deixarem um rastro de carnificina social.

Deixe uma resposta