Camilo Cienfuegos, o Herói de Yaguajay, renasce todo fevereiro

por Martha Gómez Ferrals

O povo conhecia bem o Comandante da Revolução Camilo Cienfuegos, assim como seu Comandante em Chefe, e sempre o identificou como um de seus melhores e mais imprescindíveis filhos, apesar de sua morte tão precoce, com apenas 27 anos de idade.

É por isso que todos os anos ele celebra seu nascimento, ocorrido em um humilde bairro de Havana em 6 de fevereiro de 1932, tal como comemora o aniversário de seu desaparecimento físico em um desastre aéreo em 28 de outubro de 1959.

Isto porque aquele cubano tão esmerado, junto ao caráter extrovertido, dinâmico e descontraído da maioria das crianças desta terra, também encarna o ideal do melhor da juventude: fervor patriótico, coragem, rebeldia diante do mal, honradez, solidariedade, honestidade, alegria de viver, patriotismo, humanismo e fidelidade; e tantas outras virtudes que se ele tinha algum defeito, como qualquer ser humano, ninguém se lembra deles.

De modo que foi real, mas também lenda que o Senhor da Vanguarda e o Herói de Yaguajay que seus compatriotas amam e recordam com a imagem radiante e jovem que tinha no momento de seu desaparecimento, no cumprimento de uma importante missão que havia conjurado um ato de alta traição.

Alguns dias depois da histórica batalha de Yaguajay, comandada por ele no final de dezembro de 1958 no centro da Ilha, onde se destacou como estrategista à frente de sua coluna guerrilheira invasora e definitivamente conquistou o título de Herói, toda Cuba o conheceu ao vivo, após sua chegada a Havana, para preparar, junto com Che, a entrada da Caravana da Liberdade.

É justo ressaltar que na forja das virtudes morais, em sua infância e juventude, a educação dada por seus pais, dois emigrantes espanhóis, foi decisiva.

Um adolescente inquieto e sensível diante das injustiças sociais, participou de protestos populares contra o aumento do custo de vida e em 1954 juntou-se à luta contra a ditadura de Fulgencio Batista. Ele foi fichado pelos órgãos repressivos e forçado a deixar o país.

No mais, as dificuldades econômicas de seu lar o obrigam a interromper os estudos e viajar para os Estados Unidos aos 21 anos de idade, de onde é deportado. Ao retornar a Cuba, ele já está firme e diretamente ligado ao movimento revolucionário estudantil. Ele foi preso e torturado, e foi forçado a exilar-se novamente.

Durante uma breve estadia em Nova Iorque, ele toma conhecimento dos planos de Fidel Castro no México, envolvido na organização de uma expedição libertária a Cuba.

Em solo asteca, os seus desejos tornam-se realidade. Na capital daquele país, em setembro de 1956, ele entra em contato com o Movimento 26 de julho liderado por Fidel e se junta à tripulação do iate Granma, que finalmente deixaria o porto de Tuxpan com 82 futuros combatentes prontos para vencer ou morrer pela independência da pátria.

O desembarque azarado por Las Coloradas no dia 2 de dezembro, o batismo de fogo de Alegría de Pio, confirmou sua decisão de ser fiel à causa até o final.

Já reorganizada a pequena tropa, Camilo se destacou no cumprimento de múltiplas missões armadas sob o comando de Fidel, Almeida e do Che.

A sua coragem e bravura o fazem ostentar desde 16 de abril de 1958 o grau de Comandante do Exército Rebelde que já operava como uma realidade irreversível nas montanhas da Sierra Maestra. A sua capacidade de organização, de ofensiva e de estratégia começava a ser notada e anunciava o brilhante chefe guerrilheiro que ele era.

Promovido a chefe da Coluna nº 2 “Antonio Maceo”, realizou com sucesso missões nas planícies do Cauto, fora do território da cordilheira.

Devido ao impacto e à eficácia das suas missões, a tirania sentiu-se ferida nos seus flancos e desencadeou uma ofensiva contra as forças combatentes. Isso só radicalizou a consciência patriótica nacional e aumentou o apoio do povo, especialmente entre os valorosos jovens no campo e na cidade, ao movimento revolucionário.

Portanto, o líder rebelde voltou para as proximidades do comando, que já estava traçando a melhor resposta às forças do ditador Fulgencio Batista.

Assim, os exércitos revolucionários passam à ofensiva final e no dia 18 de agosto o Comandante-em-Chefe ordena a execução da invasão de Leste para Oeste, assim como os mambises fizeram na última guerra de independência.

Camilo lideraria sua Coluna nº2 “Antonio Maceo” e Che Guevara, liderando a Coluna nº8 “Ciro Redondo”.

O herói com o sorriso franco e o sombrero alón lutou entre outubro e dezembro de 1958 em áreas tão remotas e até então desconhecidas como Seibabo, Venegas, Zulueta – em duas ocasiões -, General Carrillo, Jarahueca, Iguará, Meneses, Mayajigua e Yaguajay, em cujos quartéis e outras construções haviam se encastelado as tropas inimigas.

Depois de nove dias de batalha, o cerco de Yaguajay culminou com a vitória rebelde. Esta vitória coincidiu com a captura da cidade de Santa Clara pelas tropas do Che e com a fuga do tirano em 31 de dezembro daquele ano.

Nessa campanha Camilo confirmou suas qualidades como Senhor da Vanguarda e a batalha de Yaguajay, na antiga província de Las Villas, no centro do país, catapultou-o como herói e brilhante estrategista no combate, juntamente com suas corajosas tropas. Esta última, assim como a batalha de Guisa, liderada na Serra por Fidel, e a de Santa Clara, pelo Guerrilheiro Heróico, foram decisivas para a vitória do Exército Rebelde.

Batista fugiu em uma debandada covarde, mas as tentativas de coortes para instalar um novo governo pró-EUA são conhecidas. Camilo foi ordenado a marchar rapidamente para Havana. Lá ele tomou o Estado-Maior da tirania, o quartel de Columbia.

Quando a Caravana da Liberdade chegou à capital, em 8 de janeiro, liderada por Fidel, Camilo era um dos comandantes que a aguardavam, assim como o Che e Almeida. Durante o seu discurso à noite, o líder da revolução demonstrou a confiança depositada em Camilo com palavras bonitas e simples, gravadas para sempre na mente dos cubanos.

Foi um ano de intenso trabalho e execução pelos jovens líderes da revolução nascente que desde muito cedo começaram a cumprir a sua vocação de igualdade, justiça social e soberania nacional.

A consternação causada no povo pela sua partida física só foi superada pela convicção de que o seu exemplo continua a viver entre os cubanos. E que, como disse o Mestre, a morte não é verdadeira quando a obra da vida foi bem realizada.

Fonte: http://www.adelante.cu/index.php/es/historia-incio/personalidades-submenu/12201-camilo-cienfuegos-renace-cada-febrero

Deixe uma resposta