Paul Krause – Carl Schmitt e a Crítica do Liberalismo (Parte II)

Prosseguindo com nossas traduções de textos sobre o livro “O Conceito do Político”, de Carl Schmitt, um clássico da filosófica política, trazemos nessa segunda parte uma resenha e exposição da crítica schmittiana ao liberalismo, uma crítica que permanece atual e absolutamente distante das críticas “frouxas” que se limitam a criticar o liberalismo econômico.

Continuando um exame do “Conceito do Político” de Carl Schmitt, nos voltamos para focar em um seu amplamente influente e muito debatido entendimento e crítica do liberalismo.  A crítica de Schmitt ao liberalismo tem sido influente para aqueles da Nova Esquerda (esquerda pós-marxista), bem como para aqueles da Direita política (conservadores propriamente ditos) que compartilham um acordo com a análise de Schmitt sobre o liberalismo e o que ela implica.  Então, o que é exatamente todo este alarido sobre a crítica de Schmitt ao liberalismo?

Parte da crítica de Schmitt ao liberalismo reside na sua compreensão metafísica do liberalismo como estando enraizado no monismo materialista que conduz necessariamente ao universalismo político. Especialista nas filosofias políticas de Hobbes e Locke, Schmitt também viu no liberalismo o sonho economicista tecno-utilitarista que o liberalismo diz querer oferecer à humanidade: Perpétua autossatisfação através do consumo.  Pois em Hobbes e Locke não há importância dada à cultura, aos deveres, ou mesmo à religião, dentro da filosofia liberal. Portanto, como Schmitt entendeu, se a liberdade era ausência de impedimentos externos ou de oposição ao sonho liberal, tudo o que servia de antítese à concepção liberal do político: Cultura, Religião, Ciência e Economia (protecionista), tudo teria que ser transcendido para a consumação do liberalismo sobre o mundo. Em outras palavras, cultura, religião, ciência e economia teriam que ser todas destruídas, ou suprimidas, ou apropriadas, para a promoção do objetivo liberal conforme sua lógica interna se desdobrava.

Liberalismo e Despolitização: O Fim do Homem

Talvez o conceito mais difícil de entender para os leitores de primeira viagem de Schmitt seja a sua teoria da “despolitização”.  Como examinamos na primeira parte desta explicação serializada do Conceito de Política de Schmitt, Schmitt está de acordo com os antigos filósofos de que o homem é um animal político. E ser um animal político significa que a natureza do homem está enraizada na comunidade política, na organização e na tomada de decisões que são necessárias quando se é membro de uma comunidade política – que se manifesta nas decisões de quem incluir e excluir (quem ver como amigo e quem ver como inimigo) e na defesa da soberania, já que o poder soberano sempre foi o fim buscado pela natureza política do homem. Schmitt vê no liberalismo uma visão equivocada da natureza humana enraizada em sua antropologia (principalmente em Hobbes e Locke, embora Hobbes seja o foco principal de sua crítica no Conceito).

Há um paradoxo na forma como Schmitt entende a concepção liberal do Estado. Como ele diz, o liberalismo não oferece nenhuma teoria positiva do Estado na medida em que o Estado no liberalismo está apenas agindo como essa construção do contrato social para evitar o estado de natureza. Não encontramos plenitude no conceito do político porque o homem não é um animal político por natureza na teoria antropológica liberal. Portanto, o Estado só existe realmente para o hedonismo benigno (hedonismo político) que promove a autossatisfação entre “indivíduos”. Como escreve Schmitt, “[o liberalismo] tentou apenas ligar o político ao ético e subjugá-lo à economia. Ele produziu uma doutrina de separação e equilíbrio de poderes, ou seja, um sistema de cheques e controles do Estado e do governo. Isto não pode ser caracterizado nem como uma teoria de Estado nem como um princípio político básico”.  Ou seja, a teoria do Estado, se é que se pode chamá-la assim (e Schmitt não a considera realmente como uma teoria do Estado), no liberalismo é aquela que avança a causa do economicismo consumista. Afinal, Hobbes e Locke (e Spinoza) todos afirmaram que a emergência do Estado e do contrato social eram para “assegurar” o direito natural (através da lei da natureza) da vida, liberdade e propriedade. Sendo que a vida, a liberdade e a propriedade estavam todas ligadas entre si pela lei da natureza da autopreservação econômica. Como Schmitt prossegue, o paradoxo do liberalismo e do Estado é fomentado na medida em que o liberalismo se anuncia (na superfície e em público) reivindicando um Estado limitado de pesos e contrapesos, mas evolui para se tornar um “Estado total”.

Uma parte adicional da crítica de Schmitt ao liberalismo é que o liberalismo não é compatível com a democracia. O liberalismo, na verdade, destrói a democracia. Por quê?  Por causa da sua antropologia defeituosa. O homem é “pecador”, ou seja, “mau” e “irracional”. Sabemos isso em uma linguagem economicista diferente quando os comentaristas falam sobre “eleitores votando contra seus interesses econômicos”. O liberalismo, já que se trata apenas de economicismo, não se importa com a forma como os cidadãos se organizam e com quais objetivos (além dos econômicos) eles têm. O único impulso “racional” do homem deve ser o ganho econômico e a mobilidade ascendente, que é o que o liberalismo preconiza oferecer ao homem na esperança de satisfazer seus desejos consumistas. Mas como o homem é mais do que um animal consumista (mais do que o homo economicus), muitas vezes procura preservar outras coisas que dão sentido à sua vida: Arte, Cultura, Comunidade, Religião e Nação. Quando o povo age para preservar estas coisas em vez de fazer avançar o economicismo, o liberalismo ataca o povo porque a arte, a cultura, a comunidade, a religião e a nação são as antíteses da concepção liberal do político. O abraço da arte, cultura, comunidade, religião e nação particulares leva frequentemente ao conflito com o “outro” (o inimigo), o que nega o pacífico estilo de vida consumista e hedonista que o liberalismo foi construído para proporcionar. Portanto, se a democracia desafia a hegemonia liberal, o liberalismo ataca a democracia. Vemos isso hoje com as elites liberais falando em “democracia iliberal”.  Schmitt sugere que a democracia e o liberalismo são totalmente incompatíveis entre si. Schmitt é um democrata autoritário, na medida em que uma democracia sem cabeça não tem, mas com cabeça o povo vai voluntariamente e de boa vontade envolver-se na política e defender a sua soberania a todo o custo. A democracia é simplesmente o governo do povo. Não há nada de “bom” ou “mau” nela. Além disso, a democracia é, na verdade, a forma mais natural de as pessoas se organizarem na distinção entre amigos e inimigos.

As contradições e paradoxos internos do liberalismo se desenvolvem de formas peculiares. O liberalismo quer pôr o Estado em cheque com seu sistema de pesos e contrapesos e compromisso. Este sistema de pesos e contrapesos visando compromissos “despolitiza” a sociedade. Ou seja, transforma a forma como entendemos a política. Em vez de se tratar de decisões difíceis, defesa da soberania e esforço coletivo, a política se transforma em interesse próprio por meio da autopreservação econômica. Todos são transformados em atores econômicos racionais que podem ser “dialogados com” ou “negociados com”. No entanto, a natureza humana e a experiência humana nos mostram o contrário. O homem é um animal dominador.  Ele promove primeiro o interesse do grupo.  Ele às vezes faz escolhas e toma decisões “irracionalmente”, ou seja, com base em seus desejos.

Ao mesmo tempo em que o liberalismo quer esse sistema de pesos e contrapesos, a própria construção do Estado era necessária para garantir os direitos que estavam ameaçados no estado de natureza. E para que os seres humanos desfrutem de benefícios econômicos cada vez maiores, o Estado deve se expandir em seu poder e tamanho para atender às demandas de uma sociedade em constante expansão.

O liberalismo separa o eu de sua natureza política e o reduz a um simples consumidor econômico. E, no entanto, quando o conflito e a luta aparecem como uma cabeça feia, como muitas vezes acontece, o liberalismo não pode apelar aos seus cidadãos para que façam o sacrifício final: A sua vida pela sua comunidade. Isto é despolitização. O liberalismo reduz o homem a um verme econômico e materialista catatônico, onde nenhuma virtude permanece nele e ele não tem nada pelo que viver verdadeiramente, o que significa que ele também não tem nada pelo que esteja disposto a morrer. Sua natureza política tem sido orientada para a política do eu, que é a política do niilismo (ou seja, o hedonismo político). Seu corpo sobrecarregado de prazer “alegre”, o homem não quer renunciar a isso. Em suma, o homem abdica das difíceis questões e exigências da sociedade política. Como argumenta Schmitt, “chegamos assim a todo um sistema de conceitos desmilitarizados e despolitizados”. O homem está bêbado de niilismo hedonista. Ele já não sabe quem é. Mas o perigo é que outras pessoas conheçam a sua natureza, na sua distinção guerreira, conflituosa, amigo-inimigo, pelo que esses “selvagens” irão subjugar e deslocar o “homem iluminado”.  Como resultado, o liberalismo reduz e destrói totalmente a soberania e o poder coletivo, tornando-se o poder dominante sobre o homem em suas próprias formas peculiares.

Também podemos compreender a ideia de despolitização do Schmitt desta forma: O homem liberal quer consumir coisas ou participar em atividades sem consequências. Guerra sem guerra.  Uma corrida sem vencedores nem vencidos. Consumir bebidas sem efeitos secundários ou efeitos adversos.  Queremos bens baratos sem mão-de-obra barata. O homem quer simplesmente consumir e ficar sozinho sem consequências das suas ações. Mas o mundo real é muito diferente deste mundo que o liberalismo forçosamente cria. Chegará um momento em que um povo que é político, ou seja, disposto a lutar, combater e morrer por algo, chegará batendo à nossa porta e não seremos mais capazes de responder a eles, então morreremos enquanto eles prosperam.

Em outras palavras, Schmitt entende a vida como sendo marcada pela luta ou conflito. O homem liberal é despolitizado, o que significa que é avesso ao risco. Ele não busca a luta, mas o compromisso, ou se engana pensando que não há lutas pelas quais valha a pena morrer. A realidade é diferente, afirma Schmitt. A realidade está cheia de pessoas e sociedades lutando e morrendo por algo. Em última análise, uma sociedade que é liberalizada irá convidar sua própria morte porque não terá a vontade de lutar por sua própria sobrevivência. No entanto, o paradoxo do liberalismo é este: O liberalismo luta para trazer o fim da vontade de lutar. O sucesso do liberalismo é que o homem já não tem vontade de sobreviver e aceita a morte como a aceitação mais indolor do que o espera. Assim, para Schmitt, a lógica exaustiva do liberalismo é niilista. Ela trará a destruição de povos e culturas ao eliminar dos povos (que encarnam e representam uma cultura e civilização únicas) a vontade de sobreviver. O homem é dominado na decadência submissa.

O Liberalismo e o Capitalismo como Meios Alternativos de Dominação

Como a natureza humana é “pecaminosa”, isto é, dominadora, o liberalismo não pode escapar a esta realidade, tornando-se também um sistema dominador e opressor, apesar de se considerar um sistema de libertação e liberdade. “O pathos ético ou moral e a realidade econômica materialista se combinam em cada manifestação liberal típica e dão a cada conceito político uma dupla face. Assim, o conceito político de batalha no pensamento liberal torna-se competição no domínio da economia e discussão no domínio intelectual”. O que Schmitt quer dizer aqui é que a luta que domina a realidade é aquilo em que o liberalismo se envolve, mesmo que o liberalismo pretenda ser sobre paz, discussão e resolução de disputas sem violência física.

A própria essência do crescimento econômico requer competição (ou luta). Mesmo os economistas admitem isso.  E, no entanto, a concorrência é o que leva ao conflito de acordo com Hobbes e Locke e isso é ruim e deve ser evitado. A dupla face do economicismo essencial do liberalismo é que ele mente às pessoas sobre como a concorrência não é sobre dominação, mas sobre livre comércio, livre circulação de capital e trabalho, expande nossas escolhas em bens, permite um sistema livre de intercâmbio pelo qual não se está sendo explorado ou dominado. A realidade é o oposto. É claro que você está sendo oprimido e explorado! Essa é a natureza humana.

Portanto, o liberalismo com sua propaganda de liberdade, progresso e “razão”, se alia com as forças do tecnocapitalismo burguês: indústria, tecnologia e economia, e vem para sobrecarregar as sociedades políticas a fim de se consumar. Como Schmitt escreve:

“A extraordinariamente complexa coalizão de economia, liberdade, tecnologia, ética e parlamentarismo acabou há muito tempo com seu velho inimigo: os resíduos do Estado absoluto e de uma aristocracia feudal; e com o desaparecimento do inimigo, perdeu seu significado original. Agora aparecem novos agrupamentos e coligações. A economia não é mais eo ipso liberdade; a tecnologia não serve apenas para o conforto, mas também para a produção de armas e instrumentos perigosos. O progresso já não produz eo ipso a perfeição humanitária e moral que foi considerada progresso no século XVIII. Uma racionalização tecnológica pode ser o oposto de uma racionalização econômica. No entanto, a atmosfera espiritual da Europa continua a permanecer até hoje sob o feitiço desta interpretação histórica do século XIX. Até recentemente, suas fórmulas e conceitos retiveram uma força que parecia sobreviver à morte de seu velho adversário”.

Isto nos remete ao entendimento de Schmitt de que o político está enraizado nos amigos e inimigos e para a definição de Hobbes de liberdade como sendo a ausência de oposição (não ter nenhum inimigo na linguagem de Schmitt): O custo do consumismo pacífico do ponto de vista liberal significa que o Estado liberal se libertará dos freios e contrapesos que o liberalismo reivindica para controlar o Estado porque o Estado é o que melhor consegue a uniformidade econômica totalizante para fazer avançar o desejo humano de consumir mais e mais produtos econômicos. O liberalismo surgiu para enfrentar historicamente um inimigo, como diz Schmitt: “Os resíduos do Estado absoluto e uma aristocracia feudal”. Com o liberalismo tendo destruído estes inimigos, o liberalismo não tem objetivo até encontrar um novo inimigo para vencer.

Se a liberdade é como Hobbes disse que era, e se o objetivo do liberalismo é o consumo pacífico sem conflito, isso significa que qualquer coisa que seja diferente do liberalismo é um inimigo potencial. Porque a distinção entre amigo e inimigo é a natureza da política, o liberalismo tentará destruir esses inimigos para alcançar sua consumação totalizante. Soberania nacional, religião, culturas particulares, etc., todas essas coisas servem como impedimentos, ou barreiras de oposição, ao sonho do liberalismo de um consumismo pacífico, universal e homogêneo. Portanto, o liberalismo deve transcender os Estados nacionais, as religiões e as culturas (ou seja, destruí-los), a fim de alcançar esse estado pacífico e homogêneo de consumismo que assegura os ideais liberais de vida, liberdade e propriedade.

Assim, o liberalismo é uma força dominante e exploradora porque deve dominar e destruir o que quer que se lhe oponha.  Aqui reside o duplo paradoxo que Schmitt vê no liberalismo.  Porque a distinção entre amigo e inimigo é inevitável, o liberalismo abraça, de fato, o conflito. Mas as consequências da política liberal são a redução do homem a um niilismo economicista puro de autoindulgência em que ele é separado e isolado dos laços comunitários e sociais. Portanto, o liberalismo não pode recorrer aos homens para derrotar seus inimigos quando o liberalismo se torna ameaçado. Portanto, o Estado liberal deve, por si só, superar as barreiras que o seguram (os sistemas de pesos e contrapesos). Isto é tanto quanto o que Locke já viu em seus “Dois Tratados” sobre como o poder executivo cresceria ao longo do tempo. Desfazendo-se do sistema de pesos e contrapesos, o Estado liberal torna-se o “Estado total”. Porque o liberalismo não pode contar com os humanos para enfrentar o inimigo, o Estado liberal se volta para as forças utilitárias: capital, tecnologia e indústria, a fim de derrotar seus inimigos. O uso da tecnologia, do capital e da indústria subjugam o homem e o destroem. E esta é uma opressão maior do que o feudalismo ou a monarquia alguma vez historicamente foram.

O liberalismo, portanto, despolitiza o homem para não ter de enfrentar a oposição à sua própria ambição consumadora. E uma vez que Schmitt é um teórico soberano do Estado nacional, a sua preocupação é que as nações que começam a abraçar o ideal liberal fiquem enfraquecidas e depois sejam esmagadas pelo “inimigo”, seja ele o capitalismo liberal ou, digamos, uma cultura estrangeira ou uma nação estrangeira. Como Schmitt escreve de forma arrepiante:

“O caminho econômico é declarado como sendo a reciprocidade de produção e consumo, portanto, mutualidade, igualdade, justiça e liberdade, e finalmente nada menos que a união espiritual de fraternidade, irmandade e justiça. O caminho político aparece, por outro lado, como um poder conquistador fora do domínio da economia, ou seja, roubo, conquista e crimes de todos os tipos… Os antagonismos econômicos podem se tornar políticos, e o fato de uma posição de poder econômico poder surgir prova que o ponto do político pode ser alcançado tanto a partir do econômico quanto de qualquer outro domínio. A frase frequentemente citada por Walter Rathenau, nomeadamente que o destino hoje não é a política, mas a economia, teve origem neste contexto. Seria mais exato dizer que a política continua sendo o destino, mas o que ocorreu é que a economia se tornou política e, portanto, o destino… Também é errado acreditar que uma posição política baseada na superioridade econômica é ‘essencialmente não beligerante’, como diz Joseph Schumpeter”.

O economicismo liberal torna-se político e bélico, em outras palavras, porque esta é a natureza fundamental da realidade da qual o liberalismo não pode escapar. Sujeita os homens à dominação e ao conflito, tal como toda política o faz. O perigo do economicismo liberal, em particular, do ponto de vista de Schmitt, não é apenas que ele é um sistema de dominação perigosamente aterrador, como também vai reduzir o homem ao nada – despojado da sua identidade política e herança e transformado em um consumidor parasitário, o homem já não vive por nada, mas quer tudo.

Esperemos que se consiga ver como Schmitt se tornou uma figura influente tanto para o pensamento político de esquerda como para o de direita. O Estado liberal vem para servir ao deus do economicismo. E qualquer coisa que se oponha a isso deve ser destruída para que esse deus se manifeste no mundo.  Schmitt está nos avisando disso: Não se deixe enganar pelas reivindicações do liberalismo como sendo sobre tolerância, compromisso, paz e liberdade; ele é, na verdade, sobre conquista, dominação e guerra, apenas de uma forma que não estamos acostumados (e isso levará à morte de sua comunidade e cultura particular se for permitido ter sucesso). O fim do liberalismo e do capitalismo é a política do conflito de classes onde os financistas e a classe capitalista, a chamada “nova aristocracia” de recente fama, estão travando uma guerra contra o “homem comum”. A diferença entre Schmitt e Marx é que Marx pensou que o proletariado se levantaria e reivindicaria sua vitória inevitável como predeterminado pelos destinos materiais. Schmitt sentiu que se nada confrontasse o capitalismo e o liberalismo, então os capitalistas nos destruiriam; daí a singularidade do liberalismo despolitizando o homem e corroendo sua vontade de lutar, que causa a vitória do capitalismo: ninguém desafia a máquina liberal-capitalista que é intrinsecamente imperialista porque é universalista.

Além disso, a crítica de Schmitt ao economicismo liberal é que a economia irá substituir o político. Tudo na vida será reduzido, uma vez que o economicismo alcance sua vitória, a uma análise utilitarista de custo-benefício. As pessoas verão a si mesmas, suas relações com os outros, e a relação com a comunidade e o país, em termos puramente econômicos.  Isto, para Schmitt, representa também o fim do homem. Pois o homem, neste estado, não estará disposto a lutar ou morrer, ou se sacrificar, por nada! A tomada de decisão do homem não é feita em nome do amor auto-sacrificial, da vontade de sustentar tradições, costumes ou culturas; o homem adota um modo de tomada de decisão que se baseia no que traz mais riqueza material.

O paradoxo do liberalismo na perspectiva de Schmitt é este: Enquanto despolitiza o homem, ele permanece político (beligerante e baseado na distinção entre amigo e inimigo) até que realize essa despolitização total do homem. O liberalismo tem muitos inimigos que deve derrotar: O protecionismo comercial, os estados nacionais, as fronteiras, etc. (deve estabelecer o sistema global de economia capitalista e livre comércio), a religião, a identidade nacional e a cultura (essas coisas são barreiras ao modo de vida economicista e podem restringir a escolha e o movimento de um indivíduo). Embora o liberalismo seja muito eficaz na destruição de seus inimigos, sua consequência não intencional é que ele não oferece nada para que seus cidadãos realmente vivam, pois destruiu a cultura, a religião, a identidade e, ao abraçar o livre comércio, abraçou a imigração aberta que facilita a destruição da cultura orgânica, da religião e da identidade e do conceito de nação.  E isto, para Schmitt, abre a comunidade que foi infectada pelo liberalismo para ser invadida e facilmente vencida por ameaças externas. O aviso de Schmitt é este: Quando algo surge para enfrentar o liberalismo, o liberalismo não pode se defender porque despolitizou o corpo político e, portanto, cairá diante de qualquer coisa que o desafie.

Esta é a segunda parte em uma série. Continue lendo aqui.

Deixe uma resposta