A Construção de Greta Thunberg – Uma Década de Manipulação Social pela Captura Corporativa da Natureza [Ato VI]

Por Cory Morningstar

“… a campanha de desinvestimento resultará em uma colossal injeção de dinheiro que será transferido para as próprias carteiras em que se investiu pesadamente, portanto, dependente da intensa mercantilização e privatização das últimas florestas remanescentes da Terra (via REDD, “mercados” ambientais e similares). Este tour de force será executado com precisão astuciosa sob o pretexto de gestão ambiental e “internalização de externalidades negativas através de preços apropriados”. Assim, ironicamente (se apenas nas aparências), o maior aumento na captura corporativa final dos recursos remanescentes finais da Terra está sendo liderado, e será realizado, pelos próprios ambientalistas e grupos ambientalistas que afirmam se opor a essa dominação e captura corporativa”. – McKibben’s Divestment Tour – Trazido a Você por Wall Street [Parte II de um Relatório de Investigação, Os Oportunistas da “Riqueza Climática”]

A Chaperone

Para o último segmento dessa série, vamos retornar para onde começamos. Greta Thunberg.

Durante o Fórum Econômico Mundial (WEF) de janeiro de 2019, em Davos, a celebridade de Thunberg foi plenamente utilizada para dar àqueles no domínio público uma ilusão de um novo “capitalismo compassivo”. Isso foi especialmente verdadeiro para o Programa do Dia do Oceano do WEF, no qual Thunberg foi apresentada no painel “O que significará para nós, nossos empregos e mercados um oceano em mudança?” Enquanto os participantes do painel (incluindo Angel Gurría, Secretário-Geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) falavam do oceano como um mercado em risco (“se não salvarmos os oceanos isso é uma perda de 24 trilhões de dólares”), a inocência de Thunberg criou um verniz de legitimidade para a grotesca objetificação da natureza. Enquanto isso, Al Gore, sentou-se no painel “Agindo em prol do Oceano” (“a ‘economia oceânica’ é estimada em 3%-5% do PIB global, com ativos no valor de $24 trilhões. Como pode o mundo explorar a economia oceânica, protegendo-a do colapso ambiental?”) discutindo as greves climáticas globais (como um sinal fulcral de mudança – aproximadamente 30m:10s) e a necessidade de atribuir valor monetário à natureza. Naturalmente, o momento crucial para a exploração de Thunberg (e o próprio propósito de sua construção global) veio no momento em que ela disse suas palavras muito publicitadas “Nossa casa está em chamas. Estou aqui para dizer que a nossa casa está em chamas”. Estas palavras ecoaram o texto delineado no documento de estratégia intitulado “Levando o Público ao Modo de Emergência” quase literalmente. A estratégia, elaborada pelo Projeto Mobilização Climática, esboça uma “mobilização em estilo de guerra, semelhante ao esforço de frente interna americana durante a Segunda Guerra Mundial”. [ATO IV]

O Projeto Mobilização Climática: “Al Gore apela à mobilização climática na escala da Segunda Guerra Mundial” [0m:53s]

+++

Acima: painel do Fórum Econômico Mundial: “O que um Oceano em transformação significará para nós, nossos empregos e mercados?” Da esquerda para a direita: Haley Edwards, moderadora, correspondente, revista TIME, Sharon Burrow, Secretária-Geral, Confederação Sindical Internacional, Katherine Garrett-Cox, Banco Internacional do Golfo, e Greta Thunberg
25 de janeiro de 2019, Twitter

A fotografia acima de Thunberg a caminho de casa, vinda de Davos, foi compartilhada nas redes sociais em 25 de janeiro de 2019.  A mulher que acompanha Thunberg na foto, assim como a pessoa que compartilhou a foto, não é a mãe de Thunberg nem sua avó. Pelo contrário, ela é Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace International. E é aqui que todas as peças do nosso elaborado quebra-cabeças finalmente se encaixam.

22 de janeiro de 2019, Twitter, usuários taggeados: Al Gore, Fórum Econômico Mundial, Sharon Burrow, Greenpeace International

Durante essa reunião, enquanto a presença de Thunberg era explorada de várias maneiras, uma sendo a tentativa de dar legitimidade e diplomacia à conferência sobre os oceanos, Morgan esteve presente em discussões muito mais íntimas – aquelas que focavam no “New Deal para a Natureza”.

Canal no Youtube do Fórum Econômico Mundial: “Davos 2019 – Um New Deal para a Natureza”, publicado em 9 de fevereiro de 2019
24 de janeiro de 2019, New Deal for Nature, Global Shapers, World Economic Forum, Davos
“22-25 de janeiro de 2019. Estamos reunindo líderes mundiais para agirem pelo planeta, nosso único lar. Uma sua voz à nossa para exigir um futuro sustentável para todos – WWF no Fórum Econômico Mundial – Uma sua voz”

Uma pessoa não familiarizada com o funcionamento interno e as funções do complexo industrial sem fins lucrativos pode se perguntar por que o diretor executivo do Greenpeace International foi convidado a participar de uma discussão sobre a implementação de “pagamentos por serviços ambientais” (PES), em escala global. Ou seja, valor monetário é atribuído a toda a natureza, sob o pretexto de proteção ambiental. Ou seja, a financeirização e privatização de toda a natureza – em toda a Terra.

E aqui devemos prestar atenção.

Morgan é ex-diretor de mudança climática global da Third Generation Environmentalism (E3G). Antes do E3G, ela liderou o Programa Global de Mudança Climática do Fundo Mundial para a Natureza (WWF). Morgan trabalhou para a Rede Americana de Ação Climática (USCAN), para o Conselho Empresarial Europeu para um Futuro Energético Sustentável e para o Ministério Federal do Meio Ambiente. Ela atuou como conselheira sênior do conselheiro principal da chanceler alemã, assessorou o ex-primeiro-ministro Tony Blair e atualmente atua no Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Alemanha.

“Jennifer Morgan, WWF sentada com Andrew Kerr, WWF, que apresentou o relatório da WWF sobre mudanças climáticas e saúde humana” UNFCCC COP-4, a quarta reunião da conferência das partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática, Buenos Aires, Argentina, 2-13 de novembro, 1998 [Fonte: http://enb.iisd.org/climate/ba/nov5se.html]

Mas, mais importante do que todos os cargos acima, é o papel de Morgan na relação com os altos escalões de poder: sua posição anterior como diretora global do programa de clima e energia no World Resources Institute. [Bio: https://www.weforum.org/agenda/authors/jennifer-morgan] [Fonte: https://www.greenbiz.com/users/jennifer-morgan]

O Fórum Económico Mundial de 2019 (que inclui publicações da Morgan e postagens no seu sítio virtual) não foi o primeiro exemplo do envolvimento da Morgan no próximo “New Deal For Nature”. Durante os comentários finais do Fórum Global de Paisagens em 9 de dezembro de 2018, na COP24, Morgan ressaltou que, além de mudar o foco global dos setores de petróleo e transporte para terra e florestas, era necessária cooperação adicional para chegar a um consenso sobre o New Deal for Nature:

“Precisamos também de uma cooperação muito melhorada para que um New Deal para a natureza seja acordado na próxima reunião da CDB em 2020, estabelecendo diretrizes decisivas de biodiversidade para a ação climática”. – Jennifer Morgan, Diretora Executiva do Greenpeace International – Palavras Finais, Fórum Global de Paisagens, COP24, 9 de dezembro de 2018

A verdade é que a carreira de Morgan como confidente do establishment foi estabelecida há muito tempo. A sua perseverança e boa navegação dentro do diretorado interligado do complexo industrial sem fins lucrativos trouxeram-na até este momento.

14 de maio de 2013, Jennifer Morgan, Rainer Baake, Lutz Weischer, Carol Browner, World Resources Institute, Flickr

25 de janeiro de 2019, Fórum Econômico Mundial, Davos, Greta Thunberg
Ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore (Climate Reality Project e Generation Investment) e diretora executiva do Greenpeace International, Jennifer Morgan. ClimateHub, COP24, Katowice, Polônia [Fonte:https://medium.com/@fporteou/this-week-in-greenpeace-pictures-9e3aafdd1d64]
Al Gore, New Deal for Nature, através dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, Fórum Econômico Mundial, Davos, 2019
28 de novembro de 2018, Greenpeace Australia Pacific, Facebook [Fonte: https://www.facebook.com/greenpeaceaustraliapacific/photos/a.112735037970/10157295353162971]
23 de janeiro de 2019, New Deal Verde
3 de novembro de 2015, Jennifer Morgan (@ClimateMorgan), World Resources Institute, Climate Group, Climate Reality Project

Aqui é fundamental reconhecer que o World Resources Institute é um parceiro fundador da Campanha Global por Ação Climática (GCCA), e que a Nova Economia Climática – um projeto da Comissão Global de Economia e Clima lançado em 2013 – também foi fundada pelo World Resources Institute.

O que a Nova Economia Climática está expressando quando afirma que “a mudança para uma economia de baixo carbono e climaticamente resistente é apenas uma – potencialmente pequena – parte de uma transição econômica muito mais ampla que está em curso” é isto: a transformação das finanças globais através da avaliação econômica e pagamento por serviços ambientais.

“O fracasso em fixar os preços do nosso capital natural, do qual depende a nossa riqueza e bem-estar, é um fracasso grave no mercado global de capitais. Valendo muitos trilhões de dólares em ativos financeiros, o mercado global de capitais molda o mundo em que vivemos e que nossos filhos herdarão”. – Kitty van der Heijden, Diretora, World Resources Institute Europe and Africa, Finance for One Planet, 2016

Diz-me com quem andas: World Resources Institute, World Wildlife Fund & Instituto Ambiental de Estocolmo

“Infelizmente, muitas organizações não-governamentais ambientalistas aderiram a este raciocínio ilógico e justificam o seu apoio como sendo pragmático. A linguagem neoliberal é abundante em seus relatórios e recomendações políticas e na adoção de capital natural, serviços ecossistêmicos, compensação e investimentos na bolsa. Estes novos pragmatistas ambientais acreditam, sem justificação, que a financeirização da Natureza ajudará a evitar a sua destruição”. – do documento This Changes Nothing: The Paris Agreement to Ignore Reality, de autoria de Clive L. Spash, WU Vienna University of Economics and Business, Viena, Áustria.

14 de novembro de 2017, “Stronger Together for Climate Action”: Paul Polman, CEO, Unilever, Pascal Canfin, CEO, WWF França, Jennifer Morgan, diretora executiva, Greenpeace International, Ramiro Fernández, Avina, Manuel Pulgar-Vidal, Líder Global, WWF, e Edmund Gerald Brown, Jr., governador da Califórnia. [Fonte: http://enb.iisd.org/climate/cop23/stronger-together/]

“Precisamos da CBD [Mudança Climática e Biodiversidade] para alcançar a mais alta relevância política e desenvolver uma visão compartilhada muito mais elevada se quisermos alcançar um New Deal para a Natureza e criar um momento ao estilo de Paris para a biodiversidade em 2020. – 15 de novembro de 2018, comunicado à imprensa, WWF Rallies Behind the Call for a New Deal for Nature and People

Conforme discutido no ATO V desta série, o conselho de administração que supervisiona o World Resources Institute representa os níveis mais altos da classe dirigente.

Também foi divulgado que Helen Mountford é a diretora do programa do projeto Nova Economia Climática e diretora de economia do World Resources Institute. Antes desta nomeação, Mountford atuou como diretora adjunta de meio ambiente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Além de suas parcerias formais de pesquisa, a Nova Economia Climática está alinhada com o Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, Agência Internacional de Energia, bancos de desenvolvimento regional, agências da ONU e a OCDE.

O World Resources Institute é um dos principais cofundadores do aparato de engenharia social, GCCA (TckTckTckTck), lançado oficialmente em 2008. Muito antes da declaração das forças de elite de uma emergência climática a que assistimos hoje, cientistas e acadêmicos já haviam reconhecido que a escala industrial de nossa objetificação coletiva e da destruição da natureza tinha procedido em tal escala, que ela ameaçava o colapso da civilização industrial (explorando e escravizando a maioria – para o benefício de poucos). É claro que, muito antes disso, os indígenas podiam ver a escrita no muro enquanto o europeu perseguia sua conquista da natureza de forma cega.

Os mercados finalmente conquistaram o mundo ocidental. A nossa sociedade está agora esgotada em dívidas e o crescimento económico não só estagnou como está numa espiral descendente. Hoje, nos encontramos em uma cultura tão desligada da realidade que considera o crescimento econômico muito mais valioso do que os ecossistemas planetários que sustentam toda a vida.

Como esta série demonstrou e demonstrará ainda mais neste segmento de fechamento, a coalizão GCCA foi projetada, financiada e orquestrada pelas mesmas entidades agora destinadas a desbloquear 100 trilhões de dólares e simultaneamente implementar a privatização/financeirização da natureza através do New Deal para a Natureza (pagamentos por serviços ambientais) a serem acordados até 2020. Como demonstrado no ATO IV – a urgência que hoje testemunhamos, deve-se a um medo muito maior do que o colapso da biosfera planetária, ou seja, o colapso do sistema econômico capitalista.

O World Resources Institute, o World Wildlife Fund e a Nova Economia Climática estão à frente da financeirização da natureza. Também ao leme está a Coalizão do Capital Natural (colaborando com o World Resources Institute e com o World Wildlife Fund), que representa mais de 300 das corporações mais poderosas do mundo, engajando “muitos milhares mais”.

O parceiro de pesquisa da Nova Economia Climática, o Instituto Ambiental de Estocolmo, tem uma porta giratória bem oleada entre si e o World Wildlife Fund. O instituto tem um generoso financiamento de 260 milhões de coroas suecas em 2017 (aproximadamente 28 milhões de dólares), incluindo quase dez milhões de coroas suecas da Fundação Bill & Melinda Gates. Como nota lateral, podemos acrescentar que o Instituto Ambiental de Estocolmo fez uma apresentação em uma função climática em 4 de maio de 2018 (“Bem-vindo ao Poder do Capital”) com Ingmar Rentzhog, CEO da We Don’t Have Time e Malena Ernman (Prêmio de Heroi Ambiental da WWF, 2017, e mãe de Thunberg).

Em 21 de novembro de 2017, foi anunciado que Pavan Sukhdev foi nomeado presidente da WWF International: “Pavan Sukhdev, antigo diretor da Iniciativa Ambiental da ONU para uma Economia Verde, foi nomeado presidente da WWF International”. Sukhdev, ex-diretor administrativo da Divisão de Mercados do Deutsche Bank, lançaria os resultados do estudo TEEB em 2010, a sigla que significa “A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade”, uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). A Coalizão Capital NAtural era anteriormente a Coalizão TEEB for Business.

“Estocolmo é o lar de duas instituições, o Centro de Resiliência de Estocolmo e o Instituto Ambiental de Estocolmo, que têm feito muita pesquisa para melhor compreender e aplicar os conceitos de Capital Natural à forma como gerimos os ecossistemas e a economia.  Johan Rockström, Diretor Executivo do Centro de Resiliência de Estocolmo, e um grupo de 28 acadêmicos propuseram uma nova estrutura sistêmica para a Terra em 2011 para os governos e as agências de gestão utilizarem como ferramenta de apoio ao desenvolvimento sustentável”. – Estocolmo: Capital Natural do Mundo, 23 de setembro de 2019

Em 13 de fevereiro de 2019, o jornal The Guardian publicou o artigo “A corajosa posição das crianças da greve climática escolar tem nosso apoio” – “Ficamos inspirados com o fato de que nossos filhos, impulsionados pelas nobres ações de Greta Thunberg e outros estudantes em greve, estão fazendo suas vozes serem ouvidas, dizem 224 acadêmicos”. Aqueles que endossam a carta incluem Annemarieke de Bruin, pesquisadora do Instituto Ambiental de Estocolmo, a Dr. Alison Dyke, do Instituto Ambiental de Estocolmo, o Dr. Jean McKendree, do Instituto Ambiental de Estocolmo e Corrado Topi, economista ambiental, do Instituto Ambiental de Estocolmo.

Uma Década de Engenharia Social Estratégica e Metódica

“Protestos e ações jurídicas contra empresas, governos e indivíduos indubitavelmente se tornaram uma crescente oportunidade de influência em favor dessa abordagem emergencial e isso já começou” – Plano Climático de Emergência do Clube de Roma, lançado com a We Don’t Have Time e o Global Utmanin, dezembro de 2018

“O lançamento da coletiva de imprensa ‘as camas estão queimando’ em Paris foi bem frequentada já que Kofi Annan, David Jones, Mélanie Laurent, Manu Katché e muitos outros apoiadores da campanha marcaram presença”

“O objetivo era torná-lo num movimento que os consumidores, os publicitários e a mídia usassem e explorassem.” – TckTckTckTck Havas Pager

A GCCA (TckTckTckTck) foi fundada por um pequeno grupo de ONGs, incluindo o World Resources Institute (WRI), 350.org, Greenpeace, Avaaz e World Wildlife Fund. Ela tem uma parceria com mais de 470 membros, incluindo: ClimateWorks (fundada em 2008 pelas fundações Hewlett, Packard e McKnight), que é discutida mais adiante neste segmento. A Semana Climática NYC 2014 (22-26 de setembro), uma iniciativa anual do Climate Group, foi comercializada em conjunto com a Marcha Climática do Povo, realizada em 21 de setembro de 2014. A Semana Climática NYC foi fundada em 2009 como uma parceria entre o Climate Group, as Nações Unidas, a Fundação da ONU, a GCCA/TckTckTckTck, o Carbon Disclosure Project, o Governo da Dinamarca e a Cidade de Nova Iorque.

A marcha foi organizada pela GCCA/TckTckTckTck, pelo Fundo dos Irmãos Rockefeller, pelo Climate Nexus (um projeto patrocinado pela Rockefeller Philanthropy Advisors), pela 350.org (incubado pela Fundação Rockefeller), pela Fundação Rasmussen e a pela USCAN.

As campanhas de negócios do Climate Group “são trazidas até você como parte da coalizão We Mean Business”. [Fonte: https://www.climateweeknyc.org/climate-week-nyc-opening-ceremony-initial-speakers-announced]

Vídeo: We Mean Business Momentum – Catalizador para a “Marcha Climática do Povo” de 2014:

“O Plano Estratégico 2018-2022 estabelece a abordagem e as prioridades do WRI para os próximos cinco anos. A abordagem do WRI é ajudar a catalisar e promover mudanças não incrementais na política e no comportamento, parcerias políticas, sociais e corporativas incomuns, a serem compreendidas no contexto de “movimentos” em vez de mudanças de políticas. – Ministério das Relações Exteriores, Nota Conceitual, Apoio ao World Resources Institute, Implementação do Plano Estratégico 2018-2022

Através da coligação GCCA/TckTckTckTck, uma década de engenharia social passou despercebida. A Marcha Climática do Povo de 21 de setembro de 2014 e as marchas globais que se seguiriam, tais como mobilizações “Rise Up”, reuniões da Power Shift, etc. etc., tiveram múltiplos propósitos com múltiplos efeitos desejados que foram incrivelmente bem-sucedidos para aqueles no comando. Para “Mudar tudo precisamos de todos” foi um sinal. Um sinal de engenharia comportamental que unificaria uma camaradagem entre a cidadania e o poder corporativo, para que se tornassem fortes como um. Todo o foco seria mantido longe dos principais impulsionadores das mudanças climáticas (militarismo, o sistema econômico capitalista dependente de crescimento e exploração infinitos, agropecuária industrial, etc.) que poderiam ser, como o Acordo Popular de Cochabamba, liderado pelos indígenas em 2010, invisíveis. Em vez disso, esta energia seria direcionada para o discurso das “energias limpas” como a solução mais importante para nossas múltiplas crises ecológicas. A crença em dois objetos era suficiente para que toda uma população fosse tranquilizada de que haveria um sacrifício zero. O estilo de vida ocidental poderia continuar inabalável. A diretiva sobre painel solar e turbinas eólicas ocuparam o centro das atenções. A multidão bramiu de aplausos. O foco singular na “energia renovável” tornou-se um ecofetiche da população ocidental, o alvo demográfico.

O esforço de dez anos de engenharia social também levou a uma transição do ambientalismo para um antropocentrismo completo, mas não detectado. Ao longo de um período de dez anos, o “ambientalismo” passou de proteger a natureza para exigir uma implantação de uma tecnologia verde, em escala industrial, que saqueasse ainda mais a natureza. O mundo natural tornou-se irrelevante, uma vez que o desejo por tecnologia verde superou a proteção ambiental. As turbinas eólicas e os painéis solares substituíram as imagens de árvores e insetos como os novos símbolos do nosso mundo natural. Salvar a civilização industrial que está matando toda a vida tornou-se fundamental para salvar os ecossistemas dos quais toda a vida depende. Essas ideologias lentamente se firmaram até que os “movimentos” se tornaram nada mais do que grupos de pressão para a energia verde. Voluntários marchando pelo capital, em escala global. Sugerir que Edward Bernays ficaria impressionado seria um eufemismo. Essa é a beleza da engenharia social e da mudança de comportamento empreendidas.

No entanto, para entender completamente como chegamos ao precipício sombrio de hoje, devemos primeiro revisitar o passado.

Em 2009, durante um período de cinco meses, a GCCA/TckTckTckTck e parceiros afiliados registaram 15,5 milhões de nomes em todo o mundo na sua petição online para um “acordo justo, ambicioso e vinculativo sobre alterações climáticas”. Muitas empresas de marketing além da Havas ajudaram a conseguir isso, incluindo a agência de comunicação corporativa e assuntos públicos Hoggan & Associates, da qual o cofundador do DeSmogBlog Jim Hoggan é presidente e fundador. A lista de clientes da Hoggan inclui a criação corporativa TckTckTckTck, Canadian Pacific Railway, Shell e ALCOA. O DeSmogBlog pode “expor” a Shell ocasionalmente, mas a Hoggan & Associates não tem problemas com, em suas próprias palavras, “…ajudar os clientes a identificar o quadro ideal e a estabelecê-lo na mente do público”. [Fonte: http://www.theartofannihilation.com/keystone-xl-the-art-of-ngo-discourse-part-ii/]

“O PROBLEMA AMBIENTAL MAIS PREMENTE QUE ENFRENTAMOS HOJE NÃO É A MUDANÇA CLIMÁTICA. É a poluição na praça pública, onde um nevoeiro de retórica contraditória, propaganda e polarização sufoca a discussão e o debate, criando resistência à mudança e frustrando nossa capacidade de resolver nossos problemas coletivos”. – Jim Hoggan, cofundador do DeSmogBlog [Fonte: https://www.hoggan.com/publications]

[Leia o EYES WIDE SHUT/dossiê sobre a TckTckTck, 6 de janeiro de 2010: http://www.theartofannihilation.com/eyes-wide-shut-tcktcktck-expose-january-6th-2010/]

No dia anterior do início das negociações climáticas internacionais em Cancun, a campanha global TckTckTck e suas parceiras apresentaram a sua secretária executiva Christiana Figueres
Kelly Rigg, diretora executiva da TckTckTck, fala durante a cerimônia de abertura da Semana Climática NYC em Nova Iorque, 20 de setembro de 2010

Em 2014, Kelly Rigg, diretora executiva da TckTckTckTck de 2009 a 2014, foi creditada como a principal organizadora da Marcha Climática do Povo de 2014:

“Grandes grupos, como 350.org, Avaaz ou o Sierra Club, e as numerosas organizações de base (1.300, segundo algumas estimativas) não começam a trabalhar magicamente em conjunto para alugar ônibus, obter licenças da polícia e fazer sinais específicos para seus interesses. Tem que haver uma visão que todos possam comprar, um guarda-chuva grande o suficiente sob o qual todos possam ficar de pé. Construir esse guarda-chuva – especialmente para as organizações internacionais – era o trabalho de Rigg, um trabalho que inclui importantes lições de liderança relevantes para qualquer pessoa que tente mobilizar grandes grupos com interesses e agendas diversos. Seu trabalho pode ser visto como um roteiro para arrebanhar gatos”. Forbes, 25 de setembro de 2014: Lições de Liderança da Marcha Climática do Povo.

Antes de sua função na GCCA/TckTckTckTckTck, Rigg atuou como diretora adjunta de campanhas do Greenpeace International de 1998 a 2003, e como coordenadora de projetos de 1982 a 1993. Além disso, Rigg é diretora fundadora da consultoria internacional do Grupo Varda cofundado em 2003 com Rémi Parmentier. A GCCA/TckTckTckTckTck é identificada como um cliente da Varda, tal como a Greenpeace, Ceres, Anistia Internacional, Amigos da Terra, WWF, Nature Conservancy, WCBSD, UNEP, etc. [Lista de Clientes: http://www.vardagroup.org/our-clients]

Tendo iniciado sua carreira na Amigos da Terra França, Parmentier também tem uma extensa história com o Greenpeace, abrangendo 27 anos, bem como extensas relações com organismos multilaterais:

“Rémi Parmentier esteve envolvido no processo da Rio +20 desde o início. Ele participou das reuniões de interseção e do Comitê Preparatório em Nova Iorque com ‘consultas informais’ em nome de várias organizações e alianças internacionais. Anteriormente, como Diretor Político do Greenpeace International, na Cúpula de Johannesburg em 2002,  Parmentier foi o negociador e protagonista do acordo entre o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável e o Greenpeace International sobre o Protocolo de Quioto”. [Fonte: https://www.revistaesposible.org/phocadownload/esposible26_eng.pdf]

Parmentier também atuou como vice-secretário executivo da Comissão Global dos Oceanos (2013-2016), que foi lançada em fevereiro de 2013. Inés de Águeda, que atua como diretora de comunicação da Comissão Global dos Oceanos, também é associada do Grupo Varda.

Os comissários da Comissão Global dos Oceanos incluem ou incluíram José María Figueres (copresidente), presidente da Costa Rica de 1994 a 1998, irmão de Christina Figueres, ex-presidente da Sala de Guerra do Carbono, David Miliband, John Podesta (presidente do Centro para o Progresso Americano e ex-chefe de gabinete da Casa Branca), Sri Mulyani Indrawati (diretor administrativo do Banco Mundial), Pascal Lamy, diretor-geral da Organização Mundial do Comércio e outros indivíduos de alto nível.

Aqui podemos acrescentar que José María Figueres foi diretor do World Wildlife Fund, do World Resources Institute e do Instituto Ambiental de Estocolmo. Ele também foi o primeiro CEO do Fórum Econômico Mundial e depois atuou como CEO da Concordia 21. [Fonte: https://rmi.org/people/jose-maria-figueres/]

Leia mais: Under One Bad Sky | TckTckTckTck’s 2014 People’s Climate March: This Changed Nothing, September 23, 2015 [http://www.theartofannihilation.com/under-one-bad-sky-tcktcktcks-2014-peoples-climate-march-this-changed-nothing/]

E as seguintes informações também não seriam nenhuma surpresa, se apenas a população pudesse ver através do nevoeiro do falso ambientalismo.

Alnoor Ladha é sócio fundador e chefe de estratégia da Purpose. Com a sua experiência em mudança de comportamento, a Purpose é mais conhecida pela sua campanha White Helmets – uma ONG híbrida do século XXI que serve aos Estados da OTAN. Ladha é membro fundador e diretor executivo do projeto Purpose, The Rules. Ladha faz parte do conselho do Greenpeace USA, onde a sua diretora executiva, Annie Leonard, foi cofundadora da Earth Economics. Mais uma instituição criada para ajudar, incitar e, mais importante ainda, lucrar com o esquema de financeirização da natureza, agora bem encaminhado, como demonstrado nesta série. A Earth Economics [4] de Leonard é membro do parceiro de desinvestimento CERES, que por sua vez é parceiro do Conselho Empresarial Mundial para Desenvolvimento Sustentável (WBCSD). Purpose (braço PR da Avaaz) gerencia a B Team (cofundadora da We Mean Business), cujo endereço oficial é o escritório da Purpose.

A ligação entre a maioria, se não todas essas ONGs, instituições e indivíduos de alto nível, é o desejo comum por mercados de carbono e/ou a implementação de pagamentos por serviços ambientais (PSA).

“Desde a década de 1970, várias ondas de privatização varreram o mundo. Em 2017, o Barômetro da Privatização concluiu que ‘a onda de privatização global massiva que começou em 2012 continua inabalável’. Segundo o especialista em direitos, essa onda tem sido impulsionada não só pelos governos e pelo setor privado, mas também por organizações internacionais, especialmente pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), pelo Banco Mundial e pelas Nações Unidas. – Direitos humanos em risco de tsunami de privatização, Third World Network, 16 de novembro de 2018

Acima: Kelly Rigg, diretora-fundadora, Grupo Varda, US: A Economia do Desenvolvimento Sustentável, 16-19 de Junho, 2012/Rio de Janeiro, Brasil

“A segunda questão é a questão da redução das emissões. Deve haver reduções radicais de emissões a partir de agora. Em nossa opinião, até 2017 devemos reduzir, os países desenvolvidos devem reduzir em 52%, 65% até 2020, 80% até 2030, bem acima de 100 até 2050. E isto é muito importante porque quanto mais adiarmos a ação, mais condenamos milhões de pessoas a um sofrimento incomensurável”. – Lumumumba Di-Aping, negociador-chefe do G77, 11 de dezembro de 2009, COP 15

Em 2008, como diretora de mudanças climáticas globais da E3G, Jennifer Morgan (diretora executiva do Greenpeace International) desempenhou um papel central e catalisador líder na formação e lançamento da AGAC – a referida coalizão conceituada pela primeira vez em 2006. 1] Com ampla experiência no processo da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática(UNFCCC), Morgan foi a escolha ideal.

“Com um orçamento global de 6,8 milhões de dólares – mais de 95% dos quais foram financiados por fundações – a GCAA foi, sem dúvida, a campanha climática global mais bem financiada de 2009. As subvenções para a campanha GCCA/TckTckTckTckTck 2009 (criada pela Havas Worldwide/Euro RSGG em colaboração com o Fórum Humanitário Global de Kofi Annan) ascenderam a 11 milhões de dólares. [2]

Em 2013, a International Policies and Politics Initiative (IPPI) foi criada por cinco fundações: a Fundação Europeia Climática(ECF), a Fundação ClimateWorks, a Fundação Oak, a Fundação do Fundo de Investimento Infantil (CIFF) e a Fundação Mercator. A iniciativa funcionaria “como uma plataforma onde fundações e donatários se reuniriam para definir estratégias sobre como alavancas políticas internacionais podem catalisar políticas mais ambiciosas em nível nacional”. A Fundação ClimateWorks foi amplamente operada pela McKinsey & Company, uma assessora interina da Sala de Guerra do Carbono de Richard Branson. [3]

A GCCA beneficiaria grandemente o IPPI:

“A GCAA e a campanha TckTckTckTck oferecem um exemplo potente de como os fundos de fundações – e mais significativamente os da Fundação Oak – foram mobilizados para fins de capacitação no período que antecedeu Copenhaguem. – [Fonte, p. 73: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835]

Morgan, por esta altura ao serviço do World Resources Institute, era a pessoa ideal para coordenar a plataforma IPPI na preparação e durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21) de 2015, realizada em Paris. Morgan foi escolhida para liderar a IPPI devido à sua vasta experiência no domínio do clima internacional, juntamente com a sua afiliação ao World Resources Institute (WRI). Em essência, isso foi um sinal para o poder corporativo de que seus interesses seriam protegidos. [“O WRI, dadas as ligações do seu diretor com governos e instituições internacionais como o Banco Mundial, era visto como um parceiro legítimo aos olhos dos financiadores”.] [Fonte: The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, 2016, p. 101].

E enquanto IPPI e GCCA controlavam o “movimento”, as mesmas forças também controlavam a mensagem através do Carbon Briefing Service (CBS). O serviço de notícias foi lançado por Jennifer Morgan (WRI) e Liz Gallagher (E3G) no final de 2014 com financiamento adicional da Fundação ClimateWorks, da Fundação Hewlett, da Fundação Oak, da Fundação Villum e da Avaaz. [Fonte: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835]

A descrição no sítio virtual da E3G descreve o CBS como “uma plataforma conjunta E3G-WRI que fornece análises políticas e informações a uma vasta gama de intervenientes na perspectiva das negociações sobre as alterações climáticas de Paris 2015”. Considere que as comunicações distribuídas através da rede “sem proprietário” CBC começaram com o seguinte aviso: “Este briefing é confidencial e não se destina à circulação pública. Você o recebeu devido às suas relações com os membros e redes da CBS”. Participantes da CBS incluíram: Iain Keith (Avaaz), Jamie Henn (350), Camilla Born (E3G), Liz Gallagher (E3G), Mohamed Adow (ChristianAid), Monica Araya, Martin Kaiser (Greenpeace Alemanha), Farhana Yamin (TrackO), Wael Hmaidan (CAN International), Bill Hare (Climate Analytics), Pascal Canfin (WRI), Michael Jacobs (Grantham), Alden Meyer (UCS), Tim Nuthall (ECF), Alix Mazounie (RAC-França). [Fonte: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835]

“O IPPI está focado em usar o ‘momento de Paris’ para aumentar a escala e o ritmo da mudança.” – Jennifer Morgan, World Resources Institute. [Fonte, p. 5: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835]

Ao utilizar a GCCA, IPPI, CBS e a “mídia progressista” externa, em conjunto com ONGs colaboradoras e instituições que compõem o complexo industrial sem fins lucrativos, a criação do “momento Paris” seria alcançada.

A Havas Worldwide (criadora da campanha TckTckTckTck) foi reconhecida como parceira convocadora da campanha COP21 Terra-Paris com parceiros colaboradores identificados como 350.org e Avaaz (fundadores da GCCA/TckTckTck), Ceres, The Climate Reality Project, The Nature Conservancy, We Mean Business, o Banco Mundial (via Connect4Climate) e muitos outros. Muito antes de a conferência ter sido concluída, foi anunciado que durante uma reunião ao vivo nos dias 7 e 8 de dezembro, os parceiros da Terra-Paris entregariam “um novo acordo universal sobre mudanças climáticas”. [Fonte: http://www.wrongkindofgreen.org/2015/12/07/cop21-its-showtime-earth-to-paris-event-launch/]

Comunicado de Imprensa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 29 de outubro de 2015:

“Terra-Paris, uma coalizão de parceiros que ajudam a conscientizar sobre a conexão entre as pessoas e o planeta, bem como a necessidade de uma ação climática forte, anunciou que receberá o ‘Terra-Paris-Le Hub’, uma cúpula de dois dias, de alto impacto e ao vivo, em 7 e 8 de dezembro, em Paris, durante a COP21 – a conferência das Nações Unidas sobre o clima para apresentar um novo acordo universal sobre mudança climática”.

O fato de que um “novo acordo universal sobre mudança climática” foi anunciado em 29 de outubro de 2015, um mês antes da conferência realmente realizada, não foi percebido pela população. [Da TckTckTckTck à Air France, à “Terra- Paris”, a Havas Worldwide continua a hipnotizar.]

“À medida que a rave do establishment em Paris termina, a quimera da energia limpa impulsiona as sociedades industriais rumo à destruição do futuro. A dança fantasma da nova era, como uma expressão do desespero social, conduziu à auto-ilusão progressista que nos promete o mundo, se simplesmente acreditamos. Atravessando o espelho, pode-se examinar as métricas das mensagens das mídias sociais estabelecidas e da filantropia, que, combinadas, são a força motriz do complexo industrial sem fins lucrativos”. – Jay Taber, Rave New World

A IPPI, coordenada pela Morgan, foi criada como um “programa discreto do Fórum Economico Mundial” que “funcionaria nos bastidores”. “Embora o Fórum Econômico Mundial tenha dado origem à ideia original e enquanto abrigou sua equipe dedicada, o IPPI foi muito bem apresentado como uma iniciativa autônoma e “sem marca” (“sem marca” como não vinculada a nenhuma organização em particular”). [Fonte, p. 101: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835]

Vídeo: Beyond Davos, 2015 – Mobilizando consumidores e movimentos sem líder, como explicado pelo cofundador da Avaaz/Purpose Jeremy Heimans. Introdução por Paul Hilder:

“Embora se assuma que os grupos da sociedade civil estão normativamente motivados […], eles estão, no entanto, inseridos numa economia capitalista global e têm requisitos materiais bastante específicos que devem ser cumpridos para que possam operar com sucesso”. – Lipschutz e McKendry, Social Movements and Global Civil Society, agosto de 2011

Lipschutz e McKendry (citados acima) elaboram mais: “para ter sucesso, uma organização deve sobreviver e, em um ambiente baseado no mercado, isso significa encontrar maneiras de gerar os fundos necessários para sustentar as operações”. 5] No entanto, é mais do que isso. Aqueles ao leme, como esta série tem demonstrado, compartilham as mesmas ideologias e mentalidades ocidentais que os capitalistas e corporações cujos interesses eles servem.

O IPPI reuniu os atores influentes: Greenpeace, WWF, 350.org, Avaaz, CAN International, Oxfam, E3G, The Climate Group e World Resources Institute. A formação da GCCA foi um ponto em comum entre muitas dessas ONGs e grupos de reflexão, juntamente com um amplo envolvimento na arena climática internacional, juntamente com fortes afiliações com os negociadores e o secretariado da UNFCCC. Fonte: The Price of Climate Action – Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, 2016 [p. 101 e p. 118: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835].

“O papel do Avaaz é particularmente revelador a este respeito. Em outras palavras, não se tratava de promover uma abordagem entre muitas, mas de garantir que a abordagem IPPI fosse a única abordagem, mantendo um falso senso de pluralismo, tanto dentro como à margem das negociações climáticas. Os principais contribuintes para a estratégia do IPPI se esforçaram ao máximo para evitar que outros atores não-estatais ‘atrapalhassem’ um resultado diplomático positivo em Paris”. – The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, 2016, Edouard Morena] [p. 133: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835].

As Fundações Centrais

Para ser claro, o IPPI não é o único caso de envolvimento e influência das fundações no domínio da política climática. No entanto, é um dos mais “bem-sucedidos”, dada a sua influência comprovada. A maioria das políticas (se não todas) é conduzida por corporações através das maiores e mais influentes fundações e think tanks criados e financiados pelos lucros dessas mesmas entidades corporativas.

O campo da filantropia climática reagrupa um número bastante pequeno de grandes atores.  Um estudo de 2010 para o Centro de Fundações mostrou que, em 2008, 25 fundações representavam mais de 90% de todo o financiamento para mudanças climáticas. Dados mais recentes da mesma fonte revelam que seis fundações – Oak, Packard, Hewlett, Sea Change, Energy, Rockefeller – representavam aproximadamente 70% do financiamento da política de mudanças climáticas em 2012. Fonte, p. 10: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835].

Em 1989, o Fundo de Defesa Ambiental, o WWF e o Greenpeace, com o apoio de fundações, lançaram a Rede de Ação Climática (CAN), que Jennifer Morgan também presidiu em sua carreira na USCAN. Uma fundação, o Fundo Irmãos Rockefeller, que financiou as filiais regionais da CAN, comentaria em sua revisão anual de 1993, que esses “pregadores globais” “tiveram um papel central, começando nos primeiros dias do debate sobre a mudança climática”. Fonte, p. 32: https://www.palgrave.com/gp/book/9783319424835.

É aqui que devemos saltar para a frente, para o dia de hoje.

No artigo “A Filantropia se une com Investidores Institucionais para Combater a Mudança Climática”, publicado em 7 de setembro de 2017, destaca-se a necessidade de uma nova abordagem que desbloqueie capital para uma nova infraestrutura climática em escala:

“Se as mudanças climáticas representam uma ameaça tão extraordinária, é imperativo que comprimamos a dinâmica de inovação e escala através de novas abordagens. É por isso que a Fundação Planet Heritage…é uma empresa global de consultoria em investimentos que trabalha com investidores institucionais para canalizar capital para setores de ‘infraestrutura climática’, como energia limpa, água e transformação de dejetos. Esses investidores – fundos soberanos, pensões, doações, companhias de seguros, family offices e fundações – representam mais de 80 trilhões de dólares em ativos e são os únicos interessados além dos governos com capacidade de investir em uma escala… Após apenas um ano, o modelo Aligned Intermediary já está se demonstrando promissor a esse respeito…”

“Em parceria com Sarah Kearney (PRIME) e Alicia Seiger (Universidade de Stanford), inicialmente atraímos um financiamento total de 500 mil dólares de quatro filantropias – Fundação Hewlett, Fundação MacArthur, Fundação ClimateWorks e Fundação Planet Heritage – para pesquisas que demonstraram o potencial do nosso modelo”.

Um ano depois, na Cúpula Um Planeta em Nova Iorque, em 26 de setembro de 2018, a Parceria Climática Financeira, coordenada pela Força-Tarefa sobre Inovação Filantrópica e pela Aligned Intermediary, anunciou os novos instrumentos para desbloquear capital em escala:

“Os esforços para misturar capital a fim de engajar e mobilizar capital institucional em larga escala para soluções climáticas deram um passo notável em 26 de setembro na Cúpula Um Planeta em Nova Iorque, quando o presidente francês Emmanuel Macron e Larry Fink, da BlackRock, anunciaram a Parceria para o Financiamento do Clima (CFP). A CFP consiste em uma combinação única de filantropia, governos, investidores institucionais e um dos principais gestores globais de ativos. As partes, incluindo a BlackRock, os governos da França e da Alemanha, e as fundações Hewlett, Grantham e IKEA, comprometeram-se a trabalhar em conjunto para finalizar o design e a estrutura do que prevemos que será um veículo de investimento de capital misto no final do primeiro trimestre de 2019.

A parceria, coordenada pela Força-Tarefa de Inovação Filantrópica e pelo Aligned Intermediary, um grupo consultivo de investimentos, foi concebida e estruturada especificamente para usar uma camada de capital governamental e filantrópico para maximizar a mobilização de capital privado para os setores relacionados ao clima nos mercados emergentes”.

A Força-Tarefa Financeira Mista (ATO IV desta série) inclui cinquenta ícones das finanças, incluindo a Fundação MacArthur (World Resources Institute), a Fundação Rockefeller e a Fundação ClimateWorks. [Lista completa: https://www.blendedfinance.earth/steering-committee/]

O mesmo artigo lança luz sobre o “acordo violento” para desbloquear 100 triliões de dólares:

“Uma análise detalhada do Banco Mundial constatou que, embora 100 trilhões de dólares sejam detidos por fundos de pensão e outros investidores institucionais, esses mesmos investidores alocaram menos de 2 trilhões de dólares durante um período de 25 anos em investimentos em infraestrutura em mercados emergentes. E a fração desse investimento que poderia ser considerada verde, limpa ou amiga do clima foi insignificante.

Então, o que pode ser feito? Quer você opte por olhar através da lente de um desafio sem precedentes ou de uma oportunidade sem precedentes, há um acordo violento de que o capital institucional precisa ser ‘desbloqueado’ (uma palavra favorita no circuito das conferências climáticas) e mobilizado rapidamente e em escala”.

As fundações envolvidas na política climática desde o início, que continuam a trabalhar lado a lado com ONGs seletas e líderes de ONGs, são as mesmas fundações que se beneficiam da Parceria Financeira Climática. O roteiro para desbloquear 100 trilhões de dólares está identificado nos fundos de pensão. O roteiro para a privatização e financeirização da natureza, em escala global, é a diretoria interligada do complexo industrial sem fins lucrativos, uma matriz de rodovias hegemonistas sobrepostas.

Em 12 de dezembro de 2017, na Cúpula Um Planeta, Frank Bainimaramai, presidente da COP23 e primeiro-ministro de Fiji, afirmou:

“…afinal, quando falamos em aproveitar as enormes quantidades de capital institucional para soluções climáticas, estamos falando em grande parte das poupanças para a aposentadoria dos cidadãos comuns trabalhadores e precisamos honrar a expectativa de sermos bons administradores com o dinheiro…”

Para ser claro: O dinheiro para corporações multimilionárias – para criar serviços e indústrias privatizadas, sob o pretexto de proteção ambiental, será PAGO PELO PÚBLICO – MAS O PÚBLICO NÃO OS POSSUIRÁ. (Pois isso seria comunismo – uma ideia detestável no mundo ocidental.) Para o setor corporativo, não há nenhum risco – só lucro. Qualquer coisa que dê errado – é o público está no gancho.

John D. Rockefeller indicou uma vez que, “a habilidade de lidar com pessoas é um produto tão comprável quanto o açúcar ou o café e eu pagarei mais por essa habilidade do que por qualquer outra sob o sol”. Palavras mais verdadeiras talvez nunca tenham sido proferidas.

A habilidade e a precisão em conseguir a proteção e a expansão do sistema econômico capitalista são hoje nada menos que extraordinárias. Ao utilizar o complexo industrial sem fins lucrativos, os oligarcas mais poderosos do mundo não precisam forçar sua vontade na sociedade. Em vez disso, semelhante ao que Aldous Huxley profetizou em seu romance fictício “Admirável Mundo Novo”, fomos manipulados e projetados para exigir as próprias “soluções” que irão capacitar ainda mais aqueles que nos destroem.

“As celebridades climáticas, como, por exemplo, M. Bloomberg, L. DiCaprio, N. Stern, C. Figueres, A. Gore, M. Carney. Todas estas pessoas têm enormes pegadas de carbono e voam ao redor do mundo em jatos privados para nos informar sobre o que fazer em relação às mudanças climáticas. Elas são apoiadas por todo um quadro de acadêmicos que promovem compensações, emissões negativas, geoengenharia, CCS, crescimento verde, etc. Tudo isso é ‘uma evolução dentro do sistema’”. – Kevin Anderson, Centro Tyndall para Pesquisa em Mudanças Climáticas [Fonte: https://www.counterpunch.org/2019/02/14/capitalisms-ownership-of-global-warming/]

A Caminho: A Monetização do Capital Social

André Hoffmann é um industrial suíço que pertence a uma das dinastias mais ricas da Europa. Foi vice-presidente da WWF de 2007 a 2017 e presidente honorário da WWF de 1998 a 2017. É presidente da Fundação MAVA (um dos principais financiadores da Coalizão Capital Natural) e vice-presidente do conselho de administração da Roche, a gigante farmacêutica e química fundada pela sua família. [Biohttps://www.weforum.org/agenda/authors/andre-s-hoffmann/]

A Roche é a maior empresa de biotecnologia do mundo. Tem sede na Suíça e operações em mais de 100 países. Como um dos primeiros a adotar o Protocolo do Capital Natural, o relatório piloto resumido mencionou que “um ponto importante levantado pelo estudo foi o fato de a Roche gerar um valor social positivo considerável não contabilizado do uso dos seus produtos e outras atividades socialmente responsáveis, que provavelmente ultrapassam em muito quaisquer impactos ambientais negativos”. [Fonte: https://naturalcapitalcoalition.org/roche-natural-capital-protocol-pilot-summary-report/]

A divulgação acima abre mais uma camada de depravação. Se pudermos atribuir valores monetários à natureza – podemos também atribuir valores monetários à cultura. Entre a atribuição de valores monetários ao “capital social” na linguagem dos “mercados de capital social”. [Social Capital Markets website: “dedicado a catalisar a mudança mundial através de soluções baseadas no mercado.”]

O NextBillion foi lançado em maio de 2005 pelo World Resources Institute. O projeto de “desenvolvimento através do empreendedorismo” compartilha um interesse no desenvolvimento do capital social. Em 2010, o William Davidson Institute (WDI) da Universidade de Michigan juntou-se ao World Resources Institute como parceiros na propriedade do NextBillion. Em 4 de dezembro de 2012, o NextBillion é gerido exclusivamente pela WDI, que está focado em fornecer soluções do setor privado em mercados emergentes.

“A Social Capital Markets está dedicada a acelerar um novo Mercado global na intersecção entre dinheiro + significado”.  – Site do Social Capital Markets

O Protocolo do Capital Social de 2017 afirma que, “as abordagens integradoras entre capital social e capital natural” são impulsionadas pelo mesmo propósito e baseadas nos mesmos conceitos e princípios que o Protocolo do Capital Natural desenvolvido pela Coalizão do Capital Natural. [p. 6]

Embora o conceito de capital social ainda esteja na sua infância [“a medição e avaliação do capital social é um conceito relativamente novo”], os seus objetivos são claros: “Nos próximos anos, a iniciativa do Protocolo de Capital Social irá moldar e impulsionar a ação colaborativa para alcançar quatro objetivos. O último objetivo pode ser descrito como o que será o golpe de misericórdia para os últimos vestígios da normalidade humana: “Permitir que as empresas capitalizem a implementação do Protocolo de Capital Social, assegurando que a comunidade financeira e os mercados de capitais reconheçam e recompensem a criação de valor social”. [p. 5]

Novamente, assim como no projeto/coalizão Capital Natural, o World Resources Institute desempenha um papel fundamental: “Esses princípios se alinham com os princípios atuais do Protocolo de Capital Natural, que se baseia na orientação da Global Reporting Initiative (GRI), do World Resource Institute (WRI)/WBCSD Greenhouse Gas Protocol, e do Climate Disclosure Standards Board (CDSB)”. [p. 10]

Um novo sistema financeiro que permita a uma empresa como a Roche, a maior empresa de biotecnologia do mundo, medir e contabilizar o valor social positivo” como meio de compensar “impactos ambientais negativos” é, de fato, uma grande ferramenta. Não é de admirar que Hoffman tivesse investido no seu desenvolvimento.

Hoffmann também atua como consultor sênior na Chatham House e em vários outros conselhos, incluindo o Fórum Econômico Mundial, o Centro para a Quarta Revolução Industrial e o SYSTEMIQ.

Aqui pode-se notar que Jeremy Oppenheim, o líder e antigo diretor de programas da Nova Economia Climática, é o fundador e sócio-gerente da SYSTEMIQ: “Ao mesmo tempo em que dão pleno valor ao ecossistema natural, essas alternativas precisam ser economicamente viáveis e capazes de se replicar em escala… Prevemos modelos bem-sucedidos que se tornem rapidamente uma ‘classe de ativos financiáveis’ para os investidores regulares”. Oppenheim também atua como presidente da Força-Tarefa Financeira Mista. John E. Morton, que atua como consultor sênior da Força-Tarefa Financeira Mista, é membro da Fundação Climática Europeia. Dois associados da SYSTEMIQ atuam como líderes do projeto para a Força Tarefa Financeira Mista. [Fonte] Basta dizer que todos os caminhos levam à Parceria Financeira Climática e à Nova Economia Climática.

O pai de André Hoffmann, Luc Hoffmann, fez parte do primeiro conselho internacional da WWF (os co-fundadores incluem Goddfrey Rockefeller). Além de suas contribuições para a fundação da WWF, Luc Hoffmann também fundou a WWF França e a WWF Grécia. Foi vice-presidente honorário da WWF até à sua morte em 2016. [Fonte: https://www.wwf.it/?24300]

Além do apoio à WWF, Luc Hoffmann foi diretor da Wetlands International, vice-presidente da IUCN (World Union of Nature Conservation) e estabeleceu o Banco Internacional da Fundação Arguin na Mauritânia. Isto é importante reconhecer já que em 2013 este projeto recebeu o “primeiro pagamento internacional por serviços de ecossistemas marinhos” [O caso do Parque Nacional Banc d’Arguin, Mauritânia: https://www.researchgate.net/publication/259138336_First_international_payment_for_marine_ecosystem_services_The_case_of_the_Banc_d’Arguin_National_Park_Mauritania].

Outubro 29, 2018, WWF Press Release, “WWF Report Revela a Extensão Impressionante do Impacto Humano no Planeta”:

“Um acordo global para a natureza, semelhante ao Acordo Climático de Paris, pode garantir que métodos de conservação eficazes continuem e que sejam estabelecidos objetivos mais ambiciosos”.

O relatório afirma que “os maiores impulsionadores da atual perda de biodiversidade são a superexploração e a agricultura, ambas ligadas ao aumento contínuo do consumo humano”. No entanto, em lugar algum se mencionam os impactos ecológicos do militarismo. Como coletivo, estamos tão condicionados a este incrível “esquecimento”, que já não nos damos conta de sua omissão. O relatório chama a atenção para a agricultura, mas não para a pecuária industrial com seus impressionantes impactos ecológicos e sua grotesca crueldade. Ele chama a atenção para o número crescente de gorilas de montanha – pouco antes do apoio promocional de Jane Goodall a uma quarta revolução industrial em janeiro de 2019 em Davos. Uma revolução que, consequentemente, exige o quíntuplo dos minerais e metais que já estamos usando o mais rápido possível. Os mesmos metais que causam o conflito e a consequente morte de homens, mulheres e crianças congoleses – e gorilas. Aqui só podemos concluir aquilo que os do Sul Global sempre souberam: o “progresso” tecnológico está sempre destinado a servir o Ocidente à custa do que resta da vida e dos recursos.

Ao descascarmos as camadas, o “New Deal for Nature” é ainda mais flagrante do que o “Green New Deal”. No entanto, se as ONGs podem criar suficiente propaganda coletiva em torno do New Deal Verde, em servidão aos seus financiadores, o acordo mais sinistro pode ser transformado em legislação sem oposição. Isso se assemelha às campanhas de ONGs anti-oleoduto. Enquanto os americanos eram hipnotizados por um único oleoduto, o magnata de negócios americano Warren Buffett construiu uma dinastia ferroviária do século 21 para transportar petróleo via trem, e o petróleo continuou a fluir – apenas ainda mais rápido.

Construir Narrativas

“… e direi isto aos nossos colegas da sociedade civil ocidental – vocês definitivamente tomaram o partido de um pequeno grupo de industriais e seus representantes e seus ramos representativos. Nada mais do que isso. Vocês se tornaram um instrumento de seus governos”. – Lumumumba Di-Aping, negociador-chefe do G77, 11 de dezembro de 2009, COP15

Na palestra de 2012 de David Blood (vídeo), “Fórum Breakthrough Capitalism – David Blood”, pode-se ver o patrocínio no fundo. No topo da tela, podemos identificar os palestrantes/patrocinadores Jeremy Leggitt da Solar Century & Carbon Tracker e Jennifer Morgan da WWF, para falar em dois. [Ver lista completa de parceiros da Breakthrough Capitalism: https://www.breakthroughcapitalism.com/] [Fonte: http://www.theartofannihilation.com/mckibbens-divestment-tour-brought-to-you-by-wall-street-part-xvi-of-an-investigative-report-beautiful-delusions/]

Para demonstrar um exemplo de “construção de narrativas” utilizado para apaziguar o público e fingir oposição aos que destroem o nosso planeta, podemos ver o seguinte comunicado de imprensa do Greenpeace International: 25 de janeiro de 2019, “’O Lucro, e não as Pessoas, permanecem claramente sendo a prioridade das elites de Davos’. Enquanto o Fórum Econômico Mundial em Davos se aproxima do fim, a Diretora Executiva do Greenpeace International, Jennifer Morgan, declarou:

“O Greenpeace veio a Davos em busca de liderança moral, empresarial e política, e não a encontramos. É profundamente perturbador que, à medida que o mundo se prepara para uma catástrofe climática, evitar um novo aumento da temperatura não esteja no centro de todas as reuniões dos CEOs e líderes mundiais. As soluções estão diante deles e eles precisam priorizar a resolução desta crise, juntar-se aos jovens que estão liderando o caminho a seguir e, portanto, estar no lado certo da história.

Ontem houve 32 mil estudantes em greve escolar nas ruas da Bélgica e hoje as crianças estão saindo às ruas de Berlim clamando por uma eliminação progressiva do carvão. Os jovens exigem ser ouvidos, a pergunta é: porque é que a elite de Davos não está respondendo na escala e no ritmo necessários? Os interesses empresariais a curto prazo e a obtenção de maiores lucros, qualquer que seja o custo para os outros, continuam a ser claramente a prioridade das elites de Davos. Não temos tempo a perder. Nas palavras poderosas de Greta Thunberg, precisamos ‘ficar zangados, e transformar essa raiva em ação'”.

Um trecho do comunicado de imprensa de 16 de janeiro de 2019 pela Morgan uma semana antes, como uma preparação para o Fórum Econômico Mundial em Davos, afirmou:

“Não se enganem, estamos em uma emergência climática e essa emergência deve dominar a reunião anual do Fórum Econômico Mundial nas próximas semanas em Davos… A Quarta Revolução Industrial poderia reimaginar totalmente a forma como abordamos as soluções para a crise climática. Mas só se esta revolução estiver ao serviço da resolução das mudanças climáticas”. [Fonte: https://www.greenpeace.org/international/press-release/20295/global-risks-report-climate-emergency-world-economic-forum-davos/]

Esta é, em grande medida, a luz verde para as greves climáticas em que o Greenpeace desempenha o papel principal – como pano de fundo.

7 de fevereiro de 2019, UKYCC. Usuários taggeados: Extinction Rebellion, Greenpeace, Greta Thunberg, People & Planet (maior rede estudantil do Reino Unido), UKSCN, YouthStrike4Climate e Friends of the Earth

Voz para o Planeta

“Voice for the planet foi lançado no Fórum Econômico Mundial em Davos, em 2019, pela Global Shapers. O objetivo é mostrar o movimento crescente de pessoas ao redor do mundo pedindo um novo acordo para a natureza e as pessoas: ação global urgente para enfrentar a atual crise para a natureza”. [Fonte: https://voice.ourplanet.com/info/]

As vinte e duas organizações que apoiam a campanha (registadas na WWF-UK) incluem: The Climate Reality Project, World Resources Institute, WWF, Conservation International, the Nature Conservancy e UNDP. [Acessado em 20 de fevereiro de 2019] [Lista completa: https://voice.ourplanet.com/info/]

Moldadores Globais

A Voice for the Planet nos leva à Global Shapers, uma comunidade global de “fazedores de mudanças” – apoiada por subsídios e parceiros comunitários. Fundada em 2011 por Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, a Global Shapers é um centro de treinamento de fato para jovens com menos de 30 anos que podem moldar o mundo como idealizado pelo Fórum Econômico Mundial, Al Gore, Jack Ma et al. Com mais de 7.000 membros, a comunidade Global Shapers abrange 369 centros urbanos em 171 países.

Aqui novamente temos os jovens sendo treinados para destruir seus próprios futuros como cordeiros sacrificiais ao capitalismo.

David M. Rubenstein, co-fundador e co-presidente executivo do Carlyle Group, e Jack Ma, presidente executivo do Alibaba Group e co-fundador da Breakthrough Energy Coalition, fazem parte do conselho de administração da Global Shapers.

Os parceiros incluem The Climate Reality Project, Coca-Cola, Salesforce, Procter and Gamble, Reliance Industries, Oando, GMR Group, Hanwha Energy Corporation, Rosamund Zander e Yara International.

“Finalmente, graças à colaboração com o Climate Reality Project, mais de 292 Global Shapers puderam se juntar ao vice-presidente dos EUA Al Gore no treinamento do Climate Reality Leadership Corps. A Global Shapers juntou-se ao treinamento que aconteceu em Berlim, Pittsburgh, Cidade do México e Los Angeles, bem como durante eventos regionais do SHAPE, para aprender como liderar a luta global por soluções climáticas”. – Relatório Anual Global Shapers 2017

O Global Shapers é uma grotesca exibição de malfeitorias corporativas disfarçadas como boas. Como exemplo, sob o título “acelerando a mudança”, está o “Desafio Bolsa Coca-Cola Moldando um Futuro Melhor”. Em 2017 o prêmio foi entregue ao pólo de Bogotá com o objetivo de “promover a paz e a reconciliação em áreas devastadas por conflitos na Colômbia”. O que não será dito aos jovens encantados pela Global Shapers é que a Coca-Cola tem uma longa e sórdida história de assassinato de líderes sindicais na Colômbia.

Como discutido no adendo “O Branding de Alexandria Ocasio-Cortez – Por Quaisquer Meios Necessários” (15 de fevereiro de 2019), cada vez mais, os jovens estão sendo reconhecidos e direcionados como os principais motores do crescimento econômico e da influência:

“Estamos cada vez mais conscientes de que as soluções para os nossos desafios globais devem envolver propositadamente a juventude, em todos os níveis – local, regional, nacional e global. Esta geração tem a paixão, o dinamismo e o espírito empreendedor para moldar o futuro”. – Klaus Schwab, fundador e presidente executivo, Fórum Econômico Mundial

Este conjunto crescente de pesquisas não se perde na elite do poder que se reúne anualmente em Davos, nem no Fórum Econômico Mundial que os acolhe. Nature Conservancy, 4 de janeiro de 2019, Dez Grupos a Observar em 2019:

“A Revolução Será por Snapchat”. Esqueça os seus estereótipos dos filmes de John Hughes. Os adolescentes de hoje são civilmente ativos, com uma mente global – e eles concordam quase unanimemente que precisamos fazer mais para lidar com as mudanças climáticas. Um estudo de 31.000 jovens de 186 países descobriu que a mudança climática é sua preocupação número um (superando o terrorismo, a pobreza e o desemprego). Mais de 90% concordam que a ciência tem provado que os humanos estão causando as mudanças climáticas, e quase 60% planejam trabalhar em sustentabilidade”.

A pesquisa Nature Conservancy tem sido conduzida pela Global Shapers. Ela não tem nada a ver com a boa vontade ou o bem-estar da juventude. Esta é uma métrica simples para identificar, compreender e, em última análise, explorar o público alvo.

Na sondagem realizada para o relatório anual da pesquisa de 2017 da Global Shapers, uma área de interesse é a seção relativa ao “senso de responsabilidade e capacidade de resposta”. Quando se pergunta quem tem a maior responsabilidade em fazer do mundo um lugar melhor e, portanto, o poder de abordar as questões globais e locais mais importantes, a primeira escolha é ‘indivíduos’ (34,2%)”. Compare isso com 9% dos votos sentindo que a responsabilidade é de “empresas globais e grandes empresas nacionais”. [“A primeira escolha é constante, independentemente do sexo, idade, regiões, Índice de Desenvolvimento Humano, Índice de Percepções de Corrupção ou nível de rendimento”].

Em essência, temos jovens – muitos de Estados cuja contribuição para as mudanças climáticas é quase nula – que foram convencidos de que seu próprio impacto é muito maior para a devastação ecológica do que o das corporações, do próprio sistema econômico ou mesmo da indústria global da guerra.

Outra percepção colhida da pesquisa: “Será que o sentimento de responsabilidade se traduz em alguma ação concreta? Foi perguntado aos jovens se estariam dispostos a mudar seu estilo de vida para proteger a natureza e o meio ambiente, ao que 78,1% responderam sim”. E esta é a principal razão para a preocupação fingida pelos capitalistas mais poderosos do mundo – como os jovens podem ser explorados como consumidores.

Enquanto isso, na Frente “Levar o Público ao Modo de Emergência”.

“SE NÃO HOUVER AÇÃO antes de 2012, é tarde demais. O que fizermos nos próximos dois ou três anos determinará o nosso futuro. Este é o momento decisivo.” – Rajendra Pachauri, chefe do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, 17 de novembro de 2007

“Ainda temos uma chancer de dar a volta nas coisas, no entanto. Um grande conjunto de pesquisas liderado pela The Nature Conservancy mostra que ainda é possível alcançar um futuro sustentável para as pessoas e para a natureza – se tomarmos medidas massivas nos próximos 10 anos”. – 4 de janeiro de 2019

Enquanto isso, em termos das autoridades na frente “Levar o Público ao Modo de Emergência”, nós temos os mesmos grupos que trouxeram a campanha TckTckTck 2009 para a COP15 (“um movimento que consumidores, anunciantes e a mídia usariam e explorariam”) – que foram capazes de “arrebanhar os gatos” para a Marcha Climática do Povo orquestrada em 2014 – e agora são encarregados de mobilizar novamente a população para o crescendo final, exigindo números ainda maiores sem precedentes. Por isso, temos manchetes como “A Cúpula da Sobrevivência Humana”: A Próxima Onda de Protestos da Mudança Climática está chegando – Greenpeace e Anistia Internacional se unem em busca de maior desobediência civil”. [25 de janeiro de 2019]

A ironia aqui é que tanto o Greenpeace quanto o TckTckTck empurraram todos os cidadãos mais vulneráveis do mundo pra baixo do ônibus em 2009 durante o mandato de Kumi Naidoo, que atuou como diretor executivo de ambas as organizações. Hoje, uma década depois, Naidoo lidera agora a Anistia Internacional como seu secretário-geral. Em 2011, a Anistia Internacional, ao utilizar a economia comportamental do ódio, foi fundamental para liderar a guerra ilegal contra a nação soberana da Líbia – sendo a Líbia o país mais próspero da África, sob a liderança do revolucionário líbio Muammar Kadhafi. A Líbia rapidamente se tornou uma nação dilacerada pela guerra num estado permanente de caos, à medida que centenas de milhares de cidadãos pereceram (e continuam a perecer até hoje). No entanto, as instituições da elite e oligarcas que as financiam, controlam e empunham como arma ao serviço do imperialismo, gostariam que você acreditasse que eles realmente se preocupam com o clima e os direitos humanos:

“O Greenpeace Internacional, que tradicionalmente tem se concentrado em questões ambientais, e a Anistia Internacional, que tem se concentrado nos direitos humanos, estão co-lançando uma Cúpula para a Sobrevivência Humana no final deste ano para encorajar protestos não violentos e outras intervenções que forcem uma maior ação sobre a mudança climática.

A ideia da Cúpula, disse Naidoo, não é que ela dite ou tente coordenar ações centralizadas, mas sim que una indivíduos e organizações para que possam colaborar na promoção da mudança. Ele apontou para novas formas de protesto, como o movimento Rebelião Extinção, um dos muitos movimentos de desobediência civil liderados por jovens, focado nas mudanças climáticas. Ele começou no Reino Unido e agora está lançando capítulos em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. Naidoo acrescentou que as grandes ONGs internacionais não estão organizando essa mobilização e que esse tipo de descentralização deve ser encorajado”.

E isto também é uma mentira.

Tendo inicialmente a intenção de escrever extensivamente neste segmento sobre a Rebelião Extinção, a necessidade de o fazer já não é primordial. Basta simplesmente apontar o fato de que a ONG Mobilização Climática (cujo fundador é o autor do artigo acima mencionado “Levando o Público ao Modo de Emergência”, que colabora com 350.org, The Leap e muitos outros) tem trabalhado com a Rebelião Extinção desde pelo menos setembro passado [6]. Isto revela porque o grupo Rebelião Extinção foi catapultado para o superestrelato internacional pelo The Guardian et al enquanto ações muito mais relevantes por defensores da terra no Sul Global são perpetuamente ignoradas.

Se isso não é substanciação suficiente para alguns leitores, é um fato que o 350.org, a Avaaz, o Amigos da Terra e o Greenpeace tem estado em diálogo com os co-fundadores da Rebelião Extinção, que, com a Mobilização Climática, são muito favoráveis a essa colaboração. [Entrevista com os co-fundadores da RE pelo fundador da Mobilização Climática, 6 de dezembro, 2018]:

Bradbrook: “…no início desta campanha, no início de outubro, fizemos uma ocupação dos escritórios do Greenpeace. Foi muito amigável.  Levamos bolo e flores e todos esconderam os chifres do Roger para que ele não pudesse andar por aí soprando os chifres porque queríamos mantê-lo muito bonito…

Estamos tendo conversas com organizações, [] conversas com [] algumas das [] maiores plataformas online até mesmo do que o 350.org. É sempre um equilíbrio importante descobrir como você tem um relacionamento com qualquer tipo de ONG para que não haja grandes compromissos sendo solicitados, e veja este espaço nessa frente. Eu acho que eu não deveria pré-anunciar aqui coisas que ainda não estão sendo combinadas com todos os outros, mas sim, nós definitivamente estamos conversando com outras organizações. Mais complicado do que você pensa, com bastante frequência”.

Hallam: “…então este é um tipo de proposta muito séria que estamos levando a algumas das [] ONGs que são, penso que muitas das pessoas nas ONGs também sabem disso. Muitas pessoas sabem o que está por vir e eu acho que isso abre um espaço realmente interessante na cultura progressista dos países em que estamos. Pela primeira vez para uma ou duas gerações é basicamente criar uma frente unida como se fossem pessoas trabalhando juntas em uma agenda comum e eu fiquei pessoalmente muito surpreso com a abertura que algumas pessoas têm tido no Greenpeace e na Avaaz e em várias outras organizações à noção de que, sim, precisamos ter como participação em massa na desobediência civil e isso vai ser o futuro, ficamos sem outras opções”.

As relações das ONGs formadas com a Rebelião Extinção explicam as três demandas deliberadamente vagas por trás do “movimento” da Rebelião Extinção – uma indefinição que passa em grande parte despercebida – enquanto uma demanda em particular é tão clara quanto a luz do dia. Enquanto o imperialismo, o capitalismo e o militarismo – os principais motores da devastação ecológica e da mudança climática – não se encontram em lado nenhum, há algo que se encontra enterrado na seção de FAQ:

Pergunta: “POR QUE VOCÊS NÃO TÊM OBJETIVOS MAIS PALPÁVEIS E TANGÍVEIS QUE LEVANTARIAM A MORAL À MEDIDA QUE VOCÊS VENCESSEM?”

Rebelião Extinção: “Nós temos. Dizemos que o Governo deve reverter as políticas atuais inconsistentes com o reconhecimento da emergência climática – há muito a ser alcançado aí. Por exemplo, banir os planos de fracking e derrubar os planos para uma terceira pista de aterragem em Heathrow. E inverter a sua decisão de esmagar o investimento em energias renováveis enquanto duplicam os combustíveis fósseis. Um New Deal Verde maciço é absolutamente vital, possível e necessário”.

Aqui alguém deveria perguntar por que um grupo do Reino Unido identificaria uma campanha dos EUA como o principal ponto focal de suas demandas. A resposta é que não só as ONGs americanas já estavam oficialmente envolvidas com a Rebelião Extinção em setembro de 2018, ao mesmo tempo em que eram defensoras agressivas do New Deal Verde, mas, mais importante ainda, essas ONGs, por herança de seus benfeitores, também tinham projetos globais para o New Deal Verde. O New Deal For Nature seria auxiliado após popularizar a linguagem do “New Deal”, a fim de mascarar sua intenção nefasta. O New Deal For Nature, saturado de linguística holística e ganchos emotivos, está nas sombras escuras do New Deal Verde e das greves climáticas – esperando.

No artigo de 31 de outubro de 2018 sobre a primeira ação da Rebelião Extinção, publicado pelo já mencionado DesmogBlog, uma referência a um “New Deal for Nature” passa despercebida:

“A declaração da Rebelião Extinção vem um dia depois que um relatório da WWF descobriu que as populações de muitas espécies diminuíram em média 60% entre 1970 e 2014, em grande parte devido à atividade humana.

O relatório dizia: ‘Os decisores em todos os níveis precisam fazer as escolhas políticas, financeiras e de consumo certas para alcançar a visão de que a humanidade e a natureza prosperam em harmonia com nosso único planeta’.

O WWF apelou a ‘um novo acordo global para a natureza e as pessoas’ para deter o declínio da vida selvagem, combater o desmatamento, as mudanças climáticas e a poluição por plásticos e é apoiado por ‘compromissos concretos de líderes e empresas globais'”.

O fato de a Rebelião Extinção não incluir o capitalismo, o imperialismo ou o militarismo – os principais motores do ataque ecológico contra a Terra, em conjunto com a omissão de outras causas estruturais subjacentes, levantou questões importantes sobre se este veículo ainda pode talvez ser utilizado para organizar e construir comunidade.

Aqui a questão deve ser, por que escolheríamos emprestar nosso nome para fortalecer uma MARCA que cita “um novo acordo massivo é absolutamente vital”, mas omite deliberadamente o fato de que deter o capitalismo, o imperialismo e o militarismo e outras formas de opressão são igualmente vitais. Isto é pior do que uma omissão. É uma vergonha. Ainda mais trágico é o fato de termos sido coletivamente condicionados a tal ponto que já nem sequer reconhecemos tais hipocrisias flagrantes.

À medida que se acelera um golpe contra o Estado soberano da Venezuela liderado pelos EUA e pelo Canadá – a Rebelião Extinção não mobiliza os seus grupos, agora de âmbito internacional. Eles não só falham em se mobilizar, como também não falam disso. Com os braços abertos para as ONGs imperiais como a Avaaz e a Anistia Internacional, a escrita já estava na parede antes da primeira ação.

A isto se soma o fato de que a Rebelião Extinção é mais um grupo que opta por ficar em absoluto silêncio sobre a mercantilização e a objetificação da natureza – mais um sinal de alerta.

Devemos dar nosso apoio e nos engajar em pequenos mas conectados grupos de resistência que trabalham juntos para derrubar as estruturas que oprimem não só a nós mesmos – mas principalmente aos nossos irmãos e irmãs no Sul Global. Isto significa esmagar os impulsionadores do imperialismo.

[Leitura essencial para a juventude: CHE GUEVARA FALA COM OS JOVENS. “Entre 1959 e 1964, o combatente pela liberdade Che Guevara fez vários discursos a grupos de jovens e estudantes para inspirá-los e educá-los sobre a revolução”. Esta é uma coleção desses discursos – uma coleção de pensamentos tão icônicos quanto a imagem de Che Guevara. Ele permanece um herói para muitos, e representa uma forma de socialismo que é difícil de negar”]. [Download: https://www.academia.edu/38435005/Che_Guevara_Talks_To_Young_People]

Os Últimos Vestígios da Ética e a Captura Corporativa da Natureza

Esta série revelou verdades muito feias. É nosso dever ético e moral partilhar este conhecimento. Só então, a maré pode mudar. A era da “vergonha verde” deve chegar ao fim. Ela tem sido usada como uma arma para assegurar o nosso silêncio por tempo suficiente.

Isto é o 350 – nascido da Fundação Rockefeller. Este é o Avaaz – um instrumento do império – afundado até ao pescoço no sangue de homens, mulheres e crianças líbios e sírios enquanto fazem campanha por ação climática, uma vez que isso cria aquiescência para guerras. Este é o Greenpeace que citou que o mundo não deve exceder um aumento da temperatura global de 1°C em 1997 para exigir 2°C completos em 2009. Este é o Amigos da Terra, que tem servido no conselho da Ceres, desde o seu início – que também citou 1°C em 2001 como a temperatura global que a Terra não deve exceder. Esta é uma cabala que tem colocado o capital e os interesses corporativos por cima da proteção ambiental e dos direitos indígenas – de novo e de novo.

“Muitos de vocês igualmente, e direi isto, e eu nunca teria pensado que um dia eu acusaria uma sociedade civil de tal coisa. Dividir o G77, ou ajudar a dividir o G77, é simplesmente algo que deve ser deixado para as CIAs, os KGBs e o resto [não as ONGs].- Lumumumba Di-Aping, negociadora chefe do G77, 11 de dezembro de 2009, COP15

Clive L. Spash, da Universidade de Viena de Economia e NEgócios, Viena, Áustria, escreve: “O Acordo de Paris significa compromisso para o crescimento industrial sustentado, gestão de risco sobre prevenção de desastres, e futuras invenções e tecnologia como salvador. O principal compromisso da comunidade internacional é de manter o sistema social e econômico atual. O resultado é a negação de que combater as emissões de GHG é incompatível com o crescimento econômico sustentado. A realidade é que os Estados nacionais e corporações internacionais estão engajados em uma expansão incessante e contínua da exploração, extração e combustão de energia fóssil, e a construção de infraestrutura relacionada para produção e consumo. As metas e promessas do Acordo de Paris não têm relação com a realidade biofísica ou social e econômica”. [Isso Não Muda Nada: O Acordo de Paris para Ignorar a Realidade, Globalizations, 2016 Vol. 13, No. 6, 928-933].

Thunberg declarou repetidamente que a sua greve vai continuar “até a Suécia estar alinhada com o Acordo de Paris”. Portanto, por suas próprias declarações, este é o propósito e objetivo singular e geral das greves, agora globais em escala. Um Acordo de Paris que desbloqueia tudo o que foi revelado em pormenor dentro desta série.

Em 21 de fevereiro de 2019, a Comissão Européia foi a última a abraçar e promover Thunberg: “A adolescente abriu um evento da Comissão Europeia diante do Presidente Jean-Claude Juncker onde disse aos políticos para pararem de ‘varrer a sua confusão para debaixo do tapete para a nossa geração limpar.” Também aqui, as exigências de Thunberg, em nome dos jovens que participam das greves climáticas, são identificadas:

“Queremos que sigam o acordo de Paris e os relatórios do IPCC, não temos outros manifestos ou exigências. Basta nos unirmos atrás da ciência. Essa é a nossa exigência”. [Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=sVeYOPJZ8oc&feature=youtu.be]

Aqui temos três atores-chave da hegemonia capitalista, o Banco Mundial, o Fórum Econômico Mundial e a Comissão Europeia – todos promovendo Thunberg de forma sem precedentes. Instituições que abrigam indivíduos que sistematicamente pilham o planeta em troca de crescimento econômico, poder e lucros têm sido movidas magicamente a proteger o planeta.

O que é desconhecido para a população é o fato de que todas essas três instituições são arquitetos/parceiros fundadores da Parceria Financeira Climática que está alinhada com a Força-Tarefa Financeira Mista. A Parceria financeira Climática foi formada sob a liderança do presidente francês Emmanuel Macron, que anunciou a parceria em 26 de setembro de 2018, na Cúpula Um Planeta realizada em Nova Iorque. Os parceiros da Parceria Financeira Climática incluem os governos da França e da Alemanha. A Cúpula Um Planeta é organizada pelo Governo da França em conjunto com a ONU, o Grupo Banco Mundial e a Filantropia Bloomberg. [Fonte: http://sdg.iisd.org/events/one-planet-summit/]

A Parceria Financeira Climática foi criada com o objetivo de impulsionar a Nova Economia Climática. Ambos são veículos chave para desbloquear os 100 trilhões de dólares identificados nos fundos de pensão e ao mesmo tempo implementar a valorização econômica e o pagamento por serviços ambientais escondidos dentro dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A privatização da natureza transformará as finanças globais. Os mais responsáveis pela destruição serão designados como os novos “cuidadores do capital natural nacional”.

Só se pode esperar que esta série tenha finalmente divulgado de uma vez por todas quem e o que estas poderosas ONGs representam: oligarcas, finanças corporativas e capital. As ONGs ao leme do complexo industrial sem fins lucrativos devem ser reconhecida como o braço de lobby mais poderoso do mundo pela tecnologia verde. Isto vem às custas da natureza, não para a proteção da natureza. Mais uma vez, a realidade virou de cabeça para baixo. É por isso que o complexo industrial sem fins lucrativos tem que ser esfomeado até desaparecer – retirando o nosso consentimento. Até este ponto, o seu poder deriva da sua falsa pretensão de representar a sociedade civil. Devemos deixar claro que ele não o faz.

Uma combinação de fotos mostra o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, saudando a ativista ambiental sueca Greta Thunberg, de 16 anos, em uma conferência em Bruxelas, Bélgica, em 21 de fevereiro de 2019.

Temos limites planetários dentro dos quais devemos viver se quisermos que a vida na Terra continue de alguma forma. Estes limites não são negociáveis. Podemos mentir para nós mesmos o quanto quisermos, em toda a nossa glória antropocêntrica, mas isso não vai mudar a realidade. Podemos pintar tudo de verde, podemos compartilhar nossas ilusões em folhetos brilhantes e viralizá-los em telas brilhantes – a biosfera não dá a mínima para isso. Se a nossa sociedade fosse realmente sã, reconheceríamos estas ditas “soluções” como ilusões – mas infelizmente não é esse o caso. Desconectados da natureza – e, cada vez mais, desconectados uns dos outros – estamos perdidos.

A natureza não negocia.

“E essa é a verdadeira questão que os ativistas brancos enfrentam hoje. Eles podem derrubar as instituições que nos colocaram todos nós na situação em que temos estado durante as últimas centenas de anos?” – “Black Power”, de Stokely Carmichael, 1966

Podemos pôr fim a esta apresentação sombria refletindo sobre o que a escritora indiana Arundhati Roy resumiu tão articuladamente há quase quinze anos, em 16 de agosto de 2004: “A ONGuização da resistência.” Podemos dizer que tragicamente, mas de forma inequívoca, a ONGuização da resistência no Ocidente é um fato consumado.

A ONGuização da resistência, Arundhati Roy, 16 de agosto de 2004 [Tempo de duração: 5m:51s]:

Notas:

[1] “Oficialmente lançada em 2008, as origens da GCCA remontam a abril de 2006, quando representantes de alguns dos maiores grupos ambientais e de desenvolvimento – Oxfam, Greenpeace International, Greenpeace Brasil, WWF International, WWF Índia, Conselho Mundial de Igrejas, Amigos da Terra e União de Cientistas Preocupados – se reuniram em Woltersdorf (Alemanha) para discutir a possibilidade de desenvolver uma plataforma comum para mobilizar o público em geral e, assim, reforçar as negociações climáticas”. [p. 70]

“Em 2009, os seus principais financiadores foram a Fundação Oak, a Fundação Sea Change, o Fundo Better World, da Turner-affiliated, a Fundação Príncipe Alberto II do Mônaco e o Governo do Quebec. Com uma contribuição total de 5 milhões de dólares em 2009, a Fundação Oak foi de longe o principal doador da GCCA (a Fundação Sea Change ficou em segundo lugar com 1,5 milhões de dólares). [p.69]

Ela foi fundada para “[conectar] a coleta de informações e a advocacia sofisticada fornecida por numerosas ONGs a fim de visar e maximizar o impacto coletivo de grupos em todos os continentes” (GCCA 2009)”. [p.71]

[Fonte: The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, publicado em 2016 por Edouard Morena].

[2] A GCCA concedeu mais de 3 milhões de dólares a organizações parceiras em apoio às suas atividades de comunicação e de campanha. Como explicam no seu Relatório Anual de 2009, “a maioria dos subsídios foi concedida para apoiar campanhas nacionais e regionais (inclusive para ações de resposta rápida e centros nacionais), com os fundos restantes para campanhas globais e ações de comunicação”. Em outras palavras, a GCCA, embora não seja uma fundação em si, atuou como uma organização de bolsas de fato, distribuindo seletivamente os fundos para fazer passar uma mensagem comum. Além disso, os subsídios da GCCA tiveram um efeito de alavancagem ao permitir que os parceiros mobilizassem mais fundos – tanto internos como externos – para atividades relacionadas à GCCA. De acordo com seu Relatório Anual de 2009, “os parceiros reportaram um total adicional de mais de oito milhões em fundos alavancados de suas próprias organizações mais fontes adicionais para atividades realizadas com o apoio financeiro da GCCA”. [Fonte: The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, publicado em 2016 por Edouard Morena] [p.72]

[3] “O IPPI é apresentado como “uma nova plataforma de cooperação filantrópica para catalisar maior ambição sobre o clima através de atividades e processos que ocorrem em nível internacional” (ECF 2014, 26). É “concebida para ajudar a filantropia a identificar oportunidades de colaboração internacional, desenvolver estratégias conjuntas e reunir e alinhar a concessão de subsídios para alcançar um maior impacto global”. Atua como uma plataforma onde fundações e bolsistas se reúnem para definir estratégias sobre como as alavancas políticas internacionais podem catalisar políticas mais ambiciosas a nível nacional. [Fonte: The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, publicado em 2016 por Edouard Morena] [p. 5]

4] “A Earth Economics, com o apoio dos nossos Parceiros e Conselheiros Comunitários, mantém o maior repositório, espacialmente explícito, baseado na web, de valores econômicos publicados e inéditos para serviços ecossistêmicos. Com generoso financiamento de nossos patrocinadores, em 2012 a Earth Economics começou a portar nossa base de dados interna para um serviço baseado na web. O portal Ecosystem Service Valuation Toolkit (EVT) foi lançado na Rio +20 em junho de 2012. A Biblioteca do Pesquisador e os SERVES foram pré-visualizados na Conferência da ACES em dezembro de 2012”.

[5] São necessários fundos tanto para financiar a participação como para facilitar as atividades de lobby – através de iniciativas conjuntas, plataformas, diálogos, relatórios, campanhas, atividades de divulgação, e a criação e manutenção de relações informais de confiança entre ONGs e o secretariado da UNFCCC e/ou membros de delegações governamentais (Caniglia et al. 2015 , 241; Caniglia 2001 ; Dodds e Strauss 2004 ). [Fonte: Dodds e Strauss 2004]: The Price of Climate Action-Philanthropic Foundations in the International Climate Debate, publicado em 2016 por Edouard Morena] [p. 6].

[6] Gregory Schwedock, EUA é o diretor de organização digital do Projeto de Mobilização Climática (2011-presente). Ele se identifica como coordenador do Rebelião Extinção de setembro de 2018 até hoje. [Fonte: LinkedIn]

Deixe uma resposta