Sarah Abed – Uma História de Violência – Rumo a um Curdistão patrocinado pelos EUA na Síria (Parte III)

É fundamental desconstruir todos os mitos ocidentais que cercam os curdos e o projeto do Curdistão. Neste texto traduzido por nós, última parte de uma série, a participação dos curdos no genocídio armênio e em limpezas étnicas contra assírios e árabes é exposta, sepultando de vez a visão dos curdos como os “mocinhos” no Oriente Médio.

Curdos e Assírios: Um Passado e um Presente Tumultuados

Muito do que os curdos reivindicam como sua própria cultura é emprestado de culturas mais antigas, como os assírios, armênios e arameus. De fato, grande parte, se não todas, as terras no leste da Turquia que os curdos reivindicam como suas pertenceram outrora aos armênios. Não surpreende, portanto, que os curdos tenham ajudado no genocídio turco dos assírios e no genocídio de 1915 dos armênios.

A group of men excavate the remains of victims of the Armenian genocide in modern day, Deir ez-Zor, Syria, 1938. (Photo: Armenian Genocide Museum Institute)

Também conhecido como “Shato du Seyfo”, ou o “Ano da Espada”, esse genocídio teve como alvo cristãos no Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial, principalmente em 1915. O tamanho da população assíria foi reduzido em 75% como resultado.

Nas planícies de Nínive, no norte do Iraque, os curdos vivem em cidades como “Dohuk” (anteriormente conhecida pelo nome assírio de Nohadra). Mas essas cidades são “deles” apenas porque eles estabeleceram uma presença relativamente recente lá.

Empregando os critérios de identidade cultural e milhares de anos de autenticidade histórica, essas terras são e foram unicamente assírias. Os curdos essencialmente “ganharam” essas terras no início dos anos 70, como forma de desviar os olhos das terras ricas em petróleo nos arredores da cidade iraquiana de Kirkuk. Para esse fim, houve grandes migrações de curdos para Dohuk que deslocaram, muitas vezes à força, assírios que tinham reivindicações legais e históricas muito maiores nessas terras.

Essa é uma tática comumente empregada pelos curdos ao tentar atribuir validação à sua “busca sagrada” de estabelecer um Estado curdo – algo que nunca existiu em nenhum momento da história registrada. Ao definir “Curdistão” como qualquer lugar onde os curdos moram em um determinado momento, eles parecem estar seguindo a máxima “posse é nove décimos da lei” – o que pode funcionar bem na determinação da responsabilidade criminal, mas não tão bem na determinação da sua pátria.

No início da década de 1970, os curdos de Nínive começaram a cair no que se tornaria um padrão familiar de serem usados como peões dos interesses dos EUA. Nesse caso, eles traíram seu país anfitrião quando os EUA – através de seu boneco, o xá do Irã – começaram a armá-los e encorajá-los a se levantarem contra o governo.

O governo iraquiano reprimiu, o que resultou na expulsão de muitos curdos das terras que haviam adquirido apenas recentemente. O Iraque e o Irã chegaram a uma resolução diplomática e os curdos ficaram com a bolsa proverbial no que também se tornaria um cenário recorrente. Quase o mesmo fenômeno ocorreu nas décadas de 1980 e 1990, quando, durante a Primeira Guerra do Golfo, foi estabelecida uma zona de exclusão aérea que concedia aos curdos uma medida tangível de apoio e proteção internacional.

“Apesar da opressão que os curdos sofreram nas mãos dos turcos, eles não aprenderam a ser tolerantes. Na região autônoma curda do norte do Iraque, o governo regional curdo (KRG) age da mesma maneira que o governo turco há 90 anos contra curdos e assírios. Relatos de abusos sistemáticos contra assírios dentro da autonomia curda no Iraque estão constantemente aumentando em número. Há assédio organizado, sancionado pelas autoridades curdas. Obviamente, o objetivo é o mesmo dos turcos: assimilar ou expulsar os povos indígenas assírios que vivem nessas partes do país há mais de 7.000 anos”, escreveu Augin Haninke em seu artigo “Os curdos: vítimas e opressores” com a Assyrian International News.

Vejam: O assassinato de um líder assírio por forças curdas:

Conforme explicado no vídeo acima, as forças de segurança curdas na Síria torturaram e assassinaram o comandante militar assírio David Jindo após um falso convite sob o pretexto de cooperação. Essa foi uma ação que lembra o assassinato pelo líder curdo Simko Shikak em 1918 do patriarca assírio Mar Shimun XXI Benyamin, que ocorreu quando ele convidou o patriarca para sua casa.

O governo regional do Curdistão (KRG), no norte do Iraque, afirma que possui uma dívida de US $ 25 bilhões, apesar de ter negociado seus próprios acordos com o petróleo e recebido quantidades significativas de ajuda externa. É preciso questionar quanta corrupção existe dentro da administração curda para que ela esteja na situação financeira em que afirma estar. Isso resultou em circunstâncias em que pequenos grupos de caridade são deixados para distribuir ajuda aos assírios e iezidis, que supostamente deveriam estar sob a proteção do governo do KRG.

Sporting a revised version of the phrase "Mesopotamia: The Cradle of Civilization," this sign is located near the Assyrian heritage site of Khinis in Dohuk Province. Such sites are typically unguarded and are often vandalized. (Courtesy of aina.org)

Em 2011, os imãs de Dohuk incentivaram os curdos sunitas a destruir igrejas e empresas cristãs. Em resposta, lojas foram atacadas e clubes foram sitiados por multidões, numeradas nas centenas. Hotéis e restaurantes foram atacados com armas de pequeno porte.

Nos últimos anos, os curdos continuaram agindo de maneira dissimulada em relação às minorias cristãs, incluindo assírios e até iezidis. Seus abusos foram muito além do revisionismo histórico – um exemplo disso pode ser visto na figura abaixo. Isso também foi visto quando eles se refugiaram no norte da Síria no início do século 19 e começaram a expulsar árabes e armênios de numerosas cidades.

Horrores modernos enquanto os curdos permitem que o ISIS extermine assírios

Em julho de 2014, quando o ISIS iniciou sua incursão no território iraquiano, o Partido Democrata do Curdistão (KDP) iniciou seu desarmamento sistemático de assírios e vários outros grupos étnicos para que ele pudesse usar suas armas em sua própria luta.

A disarmament order that was circulated by the KRG in Assyrian towns on the Nineveh plains. (Courtesy of ankawa.com)

Circularam avisos ameaçando severas punições por descumprimento. Foram dadas garantias de que os Peshmerga forneceriam algum grau de proteção.

Mas, à medida que o ISIS avançava, os Peshmerga pegaram as armas e fugiram, seguindo o mesmo exemplo do Exército Iraquiano.

Isso deixou os assírios e iezidis sem meios de resistir ou se defender contra o ISIS. Surgiram relatos desses mesmos Peshmerga matando iezidis, que tentavam impedi-los de fugir com todas as armas.

Haydar Shesho, um comandante iezidi que conseguiu adquirir armas do governo iraquiano, foi preso pelas autoridades do KDP por organizar uma milícia “ilegal”.

Essa cena foi repetida em outras partes do país, quando 150 mil assírios foram forçados a fugir das planícies de Nínive, sua terra ancestral.

Essas ações só podem ser vistas como uma manobra deliberada da liderança curda para permitir que forças estrangeiras limpem violentamente essas áreas de todos os residentes não curdos e, em seguida, com a ajuda de seus aliados dos EUA, retomam e “libertam suas terras”.

Vejam: Assírios exigem o fim da ocupação curda de suas terras:

Em 13 de abril de 2016, as forças de segurança curdas impediram centenas de assírios de participarem de um protesto fora do edifício do Parlamento do Governo Regional do Curdistão. O protesto foi planejado em resposta ao confisco em curso de terras assírias pelos curdos no norte do Iraque.

Muitos testemunhos vieram à tona, como uma declaração dada pelo ex-prisioneiro iezidi Salwa Khalaf Rasho ao Parlamento do Reino Unido, na qual se diz que os Peshmerga, ansiosos por fugir primeiro à frente dos civis iezidi, recusaram pedidos para ficar e proteger os iezidis ou pelo menos deixar suas armas. Eles até garantiram aos iezidis que deveriam voltar para suas casas, onde seriam defendidos.

Alguns Peshmerga finalmente começaram a disparar contra os iezidis quando seus protestos se intensificaram – matando alguns deles – a fim de abrir caminho para o comboio de veículos passar sem impedimentos. A Yazda, uma organização que faz campanha pelo reconhecimento do genocídio iezidi, escreveu em seu último relatório em janeiro de 2016:

“Se eles [iezidis] tivessem sido defendidos por um dia, eles poderiam ter sido evacuados com segurança e os massacres e a crise de escravidão poderiam ter sido evitados.”

A seguir, trecho do testemunho de Rasho ao Parlamento do Reino Unido, no qual ela pediu ajuda depois de escapar de oito meses de escravidão, estupro e várias tentativas de suicídio no Estado Islâmico.

“Meu nome é Salwa Khalaf Rasho. Nasci em 1998 e estava na nona série. Eu estava levando uma vida simples e modesta com minha família até o dia em que o ISIS atacou Shengal em 3 de agosto de 2014. Gostava muito da minha cidade, Shengal. Cresci sob o princípio da convivência com todas as sociedades da comunidade, independentemente da religião ou seita, porque os valores da minha religião não permitem odiar os outros e discriminá-los.

Portanto, Shengal era conhecida como a cidade da tolerância e da diversidade étnica. O que aconteceu foi chocante e inesperado, porque víamos o ISIS como nossos irmãos. Com isso, quero dizer as tribos árabes das aldeias que pertencem a Shengal. De repente, eles se tornaram monstros e lobos. Eles colaboraram com o ISIS quando mulheres e crianças iezidi foram escravizadas e homens foram mortos.

Havia cerca de 9 mil Peshmerga na minha cidade que estavam armados com vários tipos de armas. Eles nos disseram: ‘Vamos proteger e defender Shengal, e o ISIS só entrará em Shengal sobre nossos corpos. Vamos defender Shengal até a última bala.’

Infelizmente, eles fugiram sem resistência e sem avisar aos civis para que pudéssemos escapar de cair nos braços de monstros do ISIS. Eles deixaram mulheres e crianças à nossa sorte a sangue frio. Eu e as pessoas comigo tentamos fugir para as montanhas como os outros”.

Uma história de violações dos direitos humanos

À luz desses horrores, deve-se entender facilmente por que os curdos teriam um grande interesse em reivindicar a história árabe, assíria ou armênia como sua. Fracassando nesse empreendimento, eles frequentemente recorrem à destruição de qualquer história relevante. Nesse aspecto, eles operam de maneira semelhante ao ISIS.

Toda vez que os curdos fracassavam em um ataque contra a Turquia, eles migravam para a Síria e tentavam reivindicar a terra síria como sua. Por exemplo, eles tentaram reivindicar a cidade síria de Ayn al Arab, chamando-a de “Kobani”. A origem do nome é a palavra “companhia”, uma referência a uma companhia ferroviária alemã que construiu a ferrovia Konya-Bagdá. Os curdos também reivindicaram Al Qamishli, outra cidade síria, como sua capital ilegal e a renomearam Qamishlo.

Vale ressaltar que os curdos nem sequer são maioria nas terras que reivindicam como suas ao nordeste da Síria. Por exemplo, na província de Al Hasakah, eles representam cerca de 30 a 40% da população. Esse número diminuiu desde o início do atual conflito sírio, como muitos curdos migraram para os países europeus.

A maioria fugiu para a Alemanha, onde seus números são de cerca de 1,2 milhão, um pouco menos que o número de curdos que vivem na Síria. No entanto, eles não parecem preocupados em buscar autonomia lá. Eles só a procuram nos países do Oriente Médio que os refugiaram todos esses anos – esses são os países que eles querem apunhalar pelas costas em vez de lhes agradecer por sua hospitalidade.

As muitas alegações refutáveis ​​da Anistia Internacional contra o governo sírio e o Exército Árabe da Síria não podem ser consideradas verdadeiras na ausência de outros relatórios corroboradores. Em alguns casos, no entanto, eles denunciam com sinceridade, como quando divulgaram um relatório em 2015 acusando o YPG, a milícia da população curda da Síria, de uma série de violações de direitos humanos.

“Esses abusos incluem deslocamento forçado, demolição de casas e apreensão e destruição de propriedades”, escreveu o grupo. “Em alguns casos, vilas inteiras foram demolidas, aparentemente em retaliação ao apoio percebido de seus residentes árabes ou turcomenos ao grupo que se autodenomina Estado Islâmico (IS) ou outros grupos armados não estatais”.

A Anistia Internacional também documentou o uso de crianças-soldados, de acordo com Lama Fakih, consultora sênior de crises do grupo.

Os curdos afirmam que o “Curdistão” é “multicultural e multirreligioso”, o que é falso quando você considera que essas culturas adicionais consistem em pessoas que agora moram entre uma maioria curda em terras que os curdos tomaram à força. Essas pessoas serão confrontadas com a perspectiva de darem votos sem sentido na independência curda, já que, mesmo que todas votassem “não”, elas ainda seriam derrotadas pelo “sim” majoritário curdo e, como resultado, ainda se encontrariam sujeitos a um governo e a uma agenda curdos.

Por que eles não têm Estado?

O acordo de Sykes-Picot, oficialmente conhecido como Acordo da Ásia Menor, foi um acordo secreto de 1916 entre o Reino Unido e a França, ao qual o Império Russo consentiu. Ele estabeleceu as fronteiras para países como Síria, Iraque e Jordânia, mas os curdos tiveram pouca ou nenhuma influência. O principal objetivo do acordo para franceses e britânicos era reforçar sua própria influência e poder na região. Os curdos argumentaram que a terra lhes foi prometida na época, mas que a promessa foi cancelada no último minuto.

A história curda no século 20 é marcada por um crescente sentimento de nação curda, focada no objetivo de estabelecer um Curdistão independente, de acordo com o Tratado de Sèvres de 1920. Países como Armênia, Iraque e Síria conseguiram alcançar a estatalidade, mas o Curdistão prospectivo estava no caminho do recém-fundado Estado da Turquia, estabelecido por Mustafa Kemal Ataturk. O Estado do Curdistão simplesmente nunca existiu.

Kurds leave Kirkuk, Iraq for Erbil on March 28, 1991 after the Iraqi army bombarded the area, to reclaim it from Kurdish rebels. (AP/str)

As únicas áreas no Oriente Médio onde os curdos conseguiram estabelecer alguma aparência de autonomia legal são o Governo Regional Curdo (KRG) no Iraque – onde as minorias estão bem protegidas sob novas leis – e Israel.

Como resultado da disparidade entre as áreas de assentamentos curdos e as fronteiras políticas e administrativas da região, não foi possível chegar a um acordo geral entre os curdos em relação às fronteiras. No entanto, o Tratado de Sèvres não foi implementado e foi substituído pelo Tratado de Lausanne. A atual fronteira Iraque-Turquia foi acordada em julho de 1926. Enquanto o artigo 63 do Tratado de Sèvres concedia explicitamente salvaguardas e proteções completas à minoria assírio-caldeia, essa referência foi descartada no Tratado de Lausanne.

Vale a pena notar que os curdos iraquianos estão situados nos campos ricos em petróleo do país. A província de Hasakah, na Síria – que os curdos reivindicam ilegalmente como seu território e que inclui sua capital autodeclarada, Al Qamishli – também contém alguns dos campos de petróleo mais valiosos da Síria. Portanto, não é por acaso que os EUA estão colocando seu dinheiro nos curdos.

Tratamento violento e antiético de minorias, particularmente de cristãos

Segundo a Aina.org, em um artigo escrito em 2014,

“No ano passado, Ahmed Turk, um político curdo na Turquia, declarou que os curdos também têm sua parcela de ‘culpa no genocídio’ e pediu desculpas aos armênios. ‘Nossos pais e avós foram usados ​​contra assírios e yazidis, bem como contra armênios. Eles perseguiram essas pessoas; suas mãos estão manchadas de sangue. Nós, como descendentes, pedimos desculpas’, disse Turk.”

Os curdos têm uma história de séculos de perseguição de grupos minoritários, tendo cometido genocídio contra eles com frequência alarmante. Relatos históricos de atos de genocídio pelos curdos de 1261 a 1999 estão documentados em “Genocídios Contra a Nação Assíria”.

Em 1261 d.C., no que foi descrito como “a vinda dos curdos”, milhares de assírios fugiram das aldeias das planícies de Nínive de Bartillah, Bakhdida (Qaraqosh), Badna, Basihra e Karmlis, movendo-se em direção à cidadela de Arbil para escapar de uma substancial migração curda. O rei Salih Isma’il ordenou que um grande número de curdos se mudasse das montanhas da Turquia para as planícies de Nínive. Aldeias assírias nas planícies foram saqueadas e os milhares de assírios que não conseguiram escapar para Arbil foram massacrados pelos recém-chegados curdos. Um mosteiro para freiras em Bakhdida foi invadido e seus habitantes brutalmente massacrados.

A New York Times article from 1915 addressing the mass slaughter of Christians at the hands of Turks and Kurds. (Courtesy of armenian-genocide.org)

Tribos curdas na Turquia, Síria e Irã realizaram ataques regulares e até mesmo ataques paramilitares contra seus vizinhos cristãos durante a Primeira Guerra Mundial. Os curdos, agindo de acordo com uma longa tradição de um suposto direito curdo de saquear aldeias cristãs, foram responsáveis por muitas atrocidades cometidas contra cristãos assírios. Um chefe curdo assassinou o patriarca da Igreja de Aast em um jantar de negociação em 1918, após o que a população cristã foi ainda mais dizimada.

Cumplicidade Curda no Genocídio Armênio

O genocídio armênio foi realizado durante e depois da Primeira Guerra Mundial e implementado em duas fases: a matança em massa da população masculina saudável através de massacres e da sujeição de recrutas do exército a trabalhos forçados, seguida da deportação de mulheres, crianças, idosos e doentes em marchas de morte que levaram ao deserto sírio. Impulsionados por escoltas militares, os deportados foram privados de comida e água e submetidos a roubos, estupros e massacres periódicos.

Outros grupos étnicos indígenas e cristãos, como os assírios e os gregos otomanos, foram igualmente alvo de extermínio pelo governo otomano no genocídio assírio e no genocídio grego, e seu tratamento é considerado por alguns historiadores como parte da mesma política genocida que visou os armênios. A maioria das comunidades da diáspora armênia em todo o mundo surgiu como resultado direto do genocídio.

Nas províncias orientais, os armênios estavam sujeitos aos caprichos dos seus vizinhos turcos e curdos, que os sobrecarregavam regularmente, submetendo-os a saques e raptos, forçando-os a converterem-se ao Islã e explorando-os sem a interferência das autoridades centrais ou locais.

Amparados pelos seus governantes otomanos, os chefes tribais curdos estupraram, assassinaram e pilharam o seu caminho através das províncias do sudeste, onde durante séculos haviam coexistido, ainda que de forma desconfortável, com os armênios e outros não-muçulmanos. Henry Morgenthau, que serviu como embaixador dos EUA em Constantinopla na época do derramamento de sangue, descreveu a cumplicidade dos curdos em sua arrepiante memória escrita em 1918, “História do Embaixador Morgenthau”:

“Os curdos avançariam de suas casas nas montanhas. Correndo até as jovens garotas, eles levantavam seus véus e levavam as bonitas para as colinas. Roubavam as crianças que lhes agradavam e roubavam impiedosamente todo o resto da multidão… Enquanto cometiam essas depredações, os curdos massacravam livremente e os gritos das mulheres e dos velhos aumentavam o horror geral”.

Discriminação contra curdos feyli no Iraque

É importante reiterar que há muitos curdos aos quais algumas das caracterizações apresentadas nesta análise não podem e não devem ser aplicadas. Há curdos que se assimilaram em suas sociedades culturais atuais e rejeitam os ideais dos curdos separatistas. Suas preocupações são principalmente de natureza política e específicas para as nações em que residem.

Eles não estão interessados em estabelecer um país curdo unido nos quatro países que ocupam, através da balcanização, roubo de terras, genocídio ou qualquer outra violação contra a humanidade que tenha sido abordada aqui. De fato, esses curdos têm enfrentado discriminação por parte da comunidade curda como resultado de sua relutância em apoiar o estabelecimento de um Estado curdo.

Os curdos de Feyli, no norte do Iraque, são um excelente exemplo. Muitos deles manifestaram oposição a um referendo sobre a independência anunciado pelo Governo Regional do Curdistão (KRG) em 7 de junho de 2017, por recearem que isso pudesse conduzir a uma escalada da atual crise na região.

O primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi apresentou a posição oficial do governo iraquiano em 18 de junho, afirmando:

“O referendo regional do Curdistão sobre a secessão é ilegal, e o governo federal não o apoiará, não o financiará nem participará nele.”

Os Estados Unidos e os vizinhos do Iraque, incluindo Turquia, Irã e Síria, se opõem à divisão territorial do país.

Fouad Ali Akbar, membro do conselho provincial de Bagdá, disse a Al-Monitor:

“Eles são curdos xiitas… nem os xiitas nem os curdos fizeram justiça ao feylis. A maioria dos feylis são moderados e culturalmente diversos, o que os impediu de ganhar a confiança dos curdos e dos xiitas, que, por razões étnicas e sectárias, não quiseram que eles tivessem uma identidade estável com direitos normais como outros cidadãos iraquianos”.

O ativista feyli Hassan Abdali disse:

“Nós, os curdos feyli, consideramo-nos iraquianos originais. Temos raízes históricas e sociais profundas no Iraque. Defendemos o país e seu povo em todos os movimentos de libertação iraquianos, na revolta iraquiana contra os britânicos, e participamos de movimentos curdos e revoluções xiitas e também na luta contra o Estado Islâmico (EI). E enfrentamos a perseguição dos movimentos nacionalistas árabes e curdos”.

Ali Akbar também disse à Al-Monitor:

“A maioria dos feylis está expressando preocupações sobre o possível deslocamento, assassinato, confisco de fundos e saque sistemático que eles podem enfrentar no caso da declaração de independência do Curdistão como resultado das ameaças que recebem sempre que uma disputa entre o governo central e o GRC irrompe”.

Sarwa Abdel Wahid, chefe de um bloco parlamentar do GRC no Gorran (um partido político curdo iraquiano), disse em uma conferência de imprensa conjunta com representantes dos feyli, incluindo legisladores:

“O referendo a ser realizado em setembro no Curdistão é um referendo partidário que não representa a ambição de todo o povo curdo, pois não passou pelas instituições nacionais legítimas”.

Racismo curdo contra os árabes – especialmente os sírios

O jornalista investigativo finlandês Bruno Jantti descreveu sua experiência de trabalho no Curdistão iraquiano enquanto investigava o ISIS:

“Ao trabalhar no Curdistão iraquiano, fiquei impressionado com a prevalência de atitudes regressivas, incluindo racismo e sexismo. Voltei recentemente do Curdistão iraquiano, onde passei algumas semanas investigando o grupo do Estado Islâmico (IS). Trabalhando principalmente nas proximidades de Sulaymaniyah e Dohuk, não pude deixar de notar um grande número de características sociais e culturais que me surpreenderam um pouco.

Considerando o que está acontecendo bem ao lado na Síria, o nível de racismo antissírio me pegou desprevenido. Deparei-me com esse preconceito quase diariamente. Um motorista de táxi disse em Sulaymaniyah: “Estes sírios estão arruinando o nosso país”. Outro motorista de táxi ficou bastante chateado com as crianças sírias que estavam lavando as janelas dos carros e vendendo tacos. “São crianças sujas”, disse ele. Não era incomum que pessoas deslocadas internamente de descendência iraquiana ou síria árabe que tinham fugido para o Curdistão iraquiano fossem mencionadas usando tal linguagem.

Não eram apenas motoristas de táxi. No prédio da governadoria de Sulaymaniyah, um oficial considerou apropriado nos prepararmos para nossas entrevistas em campos de refugiados na área. Ela me disse, literalmente, que os refugiados sírios “reclamam de tudo”. Em outra cidade, um chefe de polícia ficou surpreso e desapontado por meus colegas e eu estarmos solicitando uma permissão para trabalhar em um campo que abrigava refugiados sírios. O chefe da polícia declarou: “Mas estes são refugiados sírios!” Não faltou desprezo na sua voz.

Eu tinha plena consciência de que o nacionalismo curdo flerta com retratos altamente questionáveis de árabes, persas e turcos. No Curdistão iraquiano, fiquei surpreso com a prevalência de algumas dessas atitudes”.

Um mito bem curado

Os curdos ganharam popularidade através do marketing eficaz para o público ocidental como revolucionários, feministas, marxistas “combatentes da liberdade” que têm um desejo ardente de criar a sua versão de uma utopia onde a paz para todos reine – uma imagem que Stephen Gowans criticou recentemente em “O Mito da Excelência Moral do YPG Curdo”.

U.S.-backed, Kurdish-led Syria Democratic Forces raise their flag in the center of the town of Manbij after driving ISIS out of the area, in Aleppo province, Syria. (ANHA via AP)

O que eles realmente procuram criar é um Estado autônomo ilegal esculpido a partir de países soberanos existentes. A liberdade que eles buscam é a de matar nativos nos países que querem balcanizar e dividir em linhas sectárias. Eles começaram a desocupar áreas de povos indígenas, utilizando medo e força apoiados por seus patrocinadores, mas em violação dos direitos humanos globalmente aceitos. Concordar com sua causa é concordar com ações genocidas que, em essência, arrancam as pessoas de suas casas e terras enquanto se encaixam convenientemente nas visões imperiais das nações ocidentais.

Até recentemente, os curdos com ambições separatistas eram vistos sob uma luz positiva. Mas sua agenda oculta foi agora exposta e suas verdadeiras intenções reveladas. Sua aliança passada e presente com Israel e os Estados Unidos é indicativa dessas intenções. Isto não pode ser descartado ou subestimado, pois é a base oculta sobre a qual eles construíram sua missão. O projeto da Grande Israel está em pleno andamento e precisa ser travado antes de fazer mais progressos. Apoiar os pedidos de autonomia dos curdos e a criação de uma federação à custa de outros na região é ilegal, profundamente ilógico e uma violação dos direitos humanos por todas as razões que aqui foram discutidas. E é bom lembrar também que um dos principais líderes do ISIS era um curdo. Se os curdos querem realmente viver em paz e conviver com os outros, devem acabar com o revisionismo histórico excessivo em que participam incessantemente; devem renunciar a alianças que ameaçam a estabilidade dos países em que residem atualmente; e devem trabalhar juntos e se unir com seus irmãos que compartilham a mesma terra geográfica. Só então os curdos terão verdadeiramente outros amigos além das montanhas.

Esta é a última parte em uma série.

Fonte: Global Research

Deixe uma resposta