Justin Murphy – A Estrutura Formal do Esquerdismo Paranoico

Como funciona a mente dos antifas? Por que eles são tão sectários? O que explica a sua tendência a inquisições internas permanentes que estão sempre desintegrando os seus grupos, bem como a sua maior propensão a atacarem outras organizações anti-imperialistas? Na tentativa de compreender esse comportamento patológico e paranoico traduzimos um texto que traduz em termos lógico-formais o comportamento típico dos antifas.

Pessoas que querem pensar, escrever ou agir fora do que é percebido como normal dentro de círculos de esquerda atualmente constituídos são agora comumente mencionadas como possíveis simpatizantes fascistas. Tipicamente, se você detalhar o que está sendo dito exatamente, elas não são acusadas de serem fascistas, eles são acusadas de não se diferenciarem de forma suficientemente clara do fascismo, em um grau que excede as expectativas atualmente estabelecidas de como o antifascismo é visto. Quando você esmiúça a questão, a raiz do problema (e às vezes reconhecidamente) é a reputação: “Eu sei que você não é um fascista, mas essas outras pessoas vão se perguntar, então eu devo repudiá-lo como inadequadamente antifascista”.

O problema é que este modelo de mudança de cultura tem como premissa a aceitação e promoção voluntárias de juízos incorretos. A cultura contemporânea de esquerda tem como premissa a crença de que se pode mudar o mundo através de erros nobres. Mas, como regra geral, não se pode mudar o mundo para melhor concordando em cometer erros. Você ou não mudará nada porque está operando em uma terra de fantasia, ou tornará o mundo muito pior ao tentar deformá-lo à força em torno de seus erros. Não existe tal coisa como um erro nobre. Todo erro ou juízo equivocado que é tolerado ou promovido na cultura de esquerda como “solidariedade”, levará direta e comprovadamente a uma menor probabilidade de alcançar igualdade e liberdade.

Como eu tentei argumentar no passado, mas tipicamente para ouvidos fechados, o objetivo deste post é demonstrar o problema da forma mais clara, demonstrável e inegável, usando alguns conceitos básicos da minha formação como cientista social. Basicamente, a questão é que para os seres humanos os erros são inevitáveis, mas existem diferentes tipos de erros e, quer queiramos quer não, fazemos escolhas sobre que tipos de erros estamos mais ou menos dispostos a aceitar antes de agirmos com base em um juízo. Ainda mais utilmente, podemos gerar algumas previsões sobre resultados futuros com base em que tipos de erros decidimos tolerar. Atualmente, a cultura de esquerda está profundamente investida na redução de um tipo de erro, ao mesmo tempo que é quase infinitamente confortável com um tipo diferente de erro. Como eu tento mostrar a seguir, o único resultado possível é que a participação na esquerda radical organizada tende a cair para zero, um processo que acredito estar em andamento. Eu também sou capaz de gerar algumas previsões sobre a forma temporal deste evento de extinção que eu temo que esteja em andamento. Eu acredito que em breve este post não será sequer necessário, conforme os resultados previstos que eu esboço abaixo se tornam realidade; mas como esses resultados ainda não chegaram totalmente, é minha aposta que posts como esse podem ser suficientes para fazer com que as estratégias atualmente fracassadas entrem em colapso de uma vez por todas.

Vou me concentrar no exemplo particular do antifascismo porque ele oferece uma estrutura atrativamente simples e bem conhecida de diferenciação grupal esquerda/direita. Mas tudo o que eu digo aqui pode ser aplicado a uma variedade de atitudes e comportamentos dominantes na cultura de esquerda.

Dois tipos diferentes de erro e o exemplo do antifascismo

Os cientistas distinguem entre erros de Tipo 1 (falsos positivos, você acha que algo existe quando realmente não existe) e erros de Tipo 2 (falsos negativos, você acha que algo não está lá quando realmente está). Se você é uma daquelas pessoas que acreditam genuinamente que não há realidade objetiva fora de nossas interpretações dela, aperte o cinto.

Sempre que somos confrontados com uma pergunta sobre algo no mundo, há algum risco de ambos os tipos de erro. Se você talvez apenas viu uma cobra no mato, há alguma probabilidade de você estar certo e alguma probabilidade de você estar errado. E você tem que decidir o que fazer, então o que está em jogo aqui não é uma teoria científica obscura: estou falando de desafios básicos inevitáveis de ser um humano. Nós podemos agir de forma inteligente e agir no mundo de forma eficaz (esquivar de cobras quando elas estão lá e relaxar quando elas não estão lá), ou podemos fingir que não temos que enfrentá-las e basicamente nos inscrever para sermos vítimas indefesas do nosso ambiente (nunca realmente correr e nunca realmente relaxar, mas apenas aceitar que você provavelmente vai ser comido por uma anaconda, então tanto faz).

Esse cenário é exatamente análogo ao problema do antifascismo. Se há alguém em nosso movimento por igualdade coletiva que realmente simpatiza com o fascismo ou que provavelmente diz/faz coisas que ajudam o fascismo, então provavelmente não vamos querer trabalhar com eles. Isso é suficientemente razoável, e é amplamente visto como uma questão séria e urgente. Mas há também outro problema, que é sintomaticamente não discutido como urgente ou sério, que é que você às vezes se recusará incorretamente a trabalhar com alguém que realmente, na rede, ajudaria sua equipe a chegar onde ela está tentando ir. As pessoas da esquerda gostam de agir como se isso não fosse um problema genuíno de juízo; é apenas como as coisas são, há normas, se alguém quer quebrar essas normas, então não pode trabalhar com grupos da esquerda, “não depende de mim”. Mas isso é o que Sartre chamou de má fé. Depende de você, depende de inevitavelmente todo mundo na luta por mudanças políticas decidir com quem vai e com quem não vai trabalhar. Todos na esquerda radical têm que fazer juízos individuais e grupais que carregam um risco inevitável de serem falsos, seja não ejetando forças do mal ou ejetando forças do bem. Você também pode ver facilmente como essa estrutura básica é observada em muitas outras questões particulares de como nos comportarmos ao tentarmos produzir mudanças sociais.

Portanto, pensamos que podemos ter visto uma cobra – pensamos que alguém em nossos grupos fará mais mal ao nosso projeto do que bem – mas não podemos ter certeza. A ideia de que a pessoa X é basicamente boa e seria um contribuinte líquido para a liberação coletiva se trabalhássemos juntos, chamaremos isso de “hipótese zero” (geralmente denominada H0). A ideia de que a pessoa X seria um prejudicador líquido do projeto de libertação coletiva se fosse permitido permanecer no grupo, e deveria ser rotulada como fora do projeto para fins de relações públicas, chamaremos a “hipótese alternativa” (geralmente denominada H1). Para qualquer pessoa, deve existir alguma distribuição que defina a probabilidade de cada cenário ser verdadeiro. Imagine que é assim.

A visual representation of the trade-off between Type 1 and Type 2 errors

A sobreposição das duas distribuições reflete um trade-off entre falsos positivos e falsos negativos. Se você está realmente preocupado em tornar um tipo de erro o mais improvável possível, você aumenta a probabilidade do outro. Nunca podemos saber com certeza, então a ideia de estar exatamente certo em todos os casos não é possível. Portanto, temos de decidir o limiar de confiança de que precisamos para excluir alguém do nosso grupo. Será que nos sentimos confortáveis com uma probabilidade de 5% de estarmos incorretos? Uma probabilidade de 50% de estarmos incorretos? No gráfico acima, “qualquer média” se refere à frequência com que você está disposto a estar errado depois de operar o seu juízo em um grande número de casos. Para decidirmos quão confortáveis devemos estar com falsos positivos e falsos negativos, precisamos ter uma noção dos custos de cada tipo de erro.

Qual é o custo real de um fascista não detectado em nosso grupo?

Qual é o custo real de ejetar alguém que poderia e ajudaria a fazer a revolução?

Agora, estas são questões muito interessantes e altamente discutíveis. Os futuros revolucionários terão de se dedicar a responder a estas questões. Atualmente, o principal ponto a compreender é que a cultura de esquerda contemporânea não pensa, muito menos debate, estas questões. A atual cultura de esquerda opera no pressuposto de que o custo de um falso negativo é muito elevado e que o custo dos falsos positivos é muito baixo. Não é preciso ser um cientista social para prever o que vai acontecer: você será muito eficaz em garantir que nenhum nazista esteja se escondendo em seus grupos, mas você também vai garantir que muitas pessoas boas sejam expulsas.

A Dinâmica Temporal Não-Linear do Esquerdismo Paranoico

Então, o que acontecerá se operarmos com base neste conjunto de suposições? Digamos que começamos com um número considerável de camaradas antifascistas, 100, digamos. No começo, talvez você encontre algumas pessoas na rua que se parecem com nazistas, então você diz a eles que não podem estar em seu movimento e eles vão para casa muito tristes. Essas pessoas acabam sendo boas pessoas, então na verdade você perdeu alguns apoiadores em potencial, mas seu grupo ainda é de 100 pessoas, então nada demais. Essas pobres pessoas são dispensáveis, um custo infeliz de sua nobre responsabilidade de manter as ruas limpas. Mas algumas semanas depois, alguém acusa um de seus próprios membros de ter simpatias fascistas, então o grupo decide expulsá-lo. Acontece que eles eram um membro secreto da KKK, então todo mundo está encantado com o seu bom senso! Você decide que todos devem estar ainda mais atentos aos fascistas, então você aumenta sua taxa de erro de Tipo 1 permitida ainda mais para cima. Então, na semana seguinte, você expulsa dois membros que mais tarde se provariam boas pessoas que teriam feito muito mais bem do que mal se tivessem ficado no grupo. Aqui, o poder do seu grupo diminui concretamente, devido aos seus erros, mas apenas um pouco. Ele diminui em uma quantidade de 2 unidades de potência, digamos, o poder perdido dessas duas pessoas. Algumas preocupações sobre isso são levantadas dentro do grupo, mas todos decidem que é apenas um infeliz subproduto de manter o grupo seguro. É aqui que você começa a obter efeitos não-lineares que poucos radicais querem levar em consideração.

Agora, algumas das outras pessoas boas do grupo percebem que existe uma boa chance de eu se tornar um falso positivo. Percebendo isso, elas ou deixam o grupo pelo medo muito razoável de serem injusta e incorretamente caluniadas, ou se sair não é uma opção (se, por exemplo, sua identidade e relacionamentos são dependentes do meio radical esquerdista), o que elas farão? Elas farão tudo o que puderem para encontrar um fascista em seu meio, para demonstrar ao seu grupo sua credibilidade antifascista destemida e apaixonada! Felizmente, como elas acreditam que nada de ruim realmente acontece se diagnosticarmos incorretamente uma boa pessoa como fascista, proteger sua credibilidade antifascista nem sequer é uma tarefa muito trabalhosa: basta adivinhar entre qualquer outro membro, se eles são fascistas você é um herói vigilante e se não são, bem, isso é apenas um subproduto inevitável de você manter o grupo seguro corajosamente. Bem, para se ver o resultado desta situação, considere a figura seguinte, que traça o tamanho previsto de seu nobre projeto de esquerda como uma função de seu conforto com falsos positivos. O ponto de inflexão onde o tamanho de seu grupo rapidamente se aproxima de zero pode ser pensado como aquela taxa de erro falso-positivo em que bons membros têm boas razões para temer serem incorretamente rotulados como fascistas. Assim que isso acontece, todo o projeto está condenado.

The hypothesized non-linear effect of over-zealous enemy identification on movement size

O esquerdismo paranoico pode ser formalmente definido como a insistência patológica em taxas de erro de Tipo 1 subotimamente elevadas.

Há apenas uma extensão não óbvia que eu gostaria de fazer. Penso que a Internet agrava o problema da subestimação do custo dos falsos positivos. Por quê? Pela simples razão de que a internet aumenta o número de pessoas com quem se pode comunicar e estabelecer afiliações, e há um número muito pequeno de fascistas em relação ao número de pessoas boas, às quais temos acesso mais ou menos igual e direto. Os radicais têm de se lembrar que tudo o que dizem e fazem tem efeitos não só em cada indivíduo com quem interagimos, mas também, rapidamente, no grande número de indivíduos com quem o indivíduo interage. Assim, os efeitos reputacionais cortam em ambos os sentidos: ejetar boas pessoas como inadequadamente antifascistas faz perder a confiança entre muitas pessoas que simplesmente não te informam sobre isso. Se você ejetar acidentalmente uma boa pessoa por ser inadequadamente antifascista, você perderá a confiança do grupo muito maior de pessoas que confiam nessa pessoa, mas que simplesmente estão sociologicamente distantes de você. Portanto, o antifascismo paranoico finge ser sobre a preservação da confiança com pessoas oprimidas, mas é realmente sobre evitar conversas difíceis com atores socialmente próximos. Falsos positivos claramente destroem a confiança em relação à própria noção de organizar uma mudança social radical. A maioria das pessoas nos países ricos vem a ver os grupos radicais como perdedores ridículos sem credibilidade, em parte porque andamos por aí devorando uns aos outros de uma maneira que qualquer outra pessoa que não nós pode ver que é estúpida e insana.

O esquerdista paranoico valoriza seu próprio desconforto com a impureza e sua própria reputação dentro de um pequeno meio mais do que a perspectiva de gerar dinâmicas culturais emancipatórias em grande escala, tendendo para a dissolução do fascismo e a promoção do igualitarismo e da abundância. O neonazista é um fascista de curto prazo; o esquerdista paranoico é um fascista de longo prazo. É uma forma de estar tão preocupado em sinalizar a aparência de oposição às “Pessoas Más” que você prefere ver o poder do seu próprio movimento diminuir do que assumir a responsabilidade de simplesmente explicar os seus juízos fundamentados em conversas difíceis com um pequeno número de pessoas que possam estar “preocupadas”.

Fonte: https://jmrphy.net/blog/2017/04/24/the-formal-structure-of-paranoid-leftism/?fbclid=IwAR3UYlpvIu5wBR7UifmF1fIw8oQ2AZJT8CnkAWvlK9-ml-A1sD2uHIBCrPg

Deixe uma resposta