Pearse e o poeta por trás das armas

Fonte: https://durasletras.wordpress.com/2018/08/27/pearse-e-o-poeta-por-tras-das-armas/?fbclid=IwAR1IBSUlN5RHAQoi6u9zU_xii1i43DZcIWZAihXYY4okPoCYkTSL50kQDzk

Por Marina Naves

Patrick Pearse (ou Pádraig Mac Piaraisc, em gaélico irlandês), é tido hoje como um dos principais nomes do nacionalismo irlandês. Tendo lutado e morrido pela independência da Irlanda — até então colônia britânica — sua imagem se tornou tal como a de um mártir; afinal, Pearse não apenas participou da chamada “Revolta da Páscoa” (insurgência rebelde e separatista que tomou as ruas de Dublin em abril de 1916), mas também a liderou ao lado de Éamon de Valera e Michael Collins.

Todavia, pouco se fala sobre o poeta que existia ao lado do uniforme verde e das armas de fogo, o que decerto faz perder parte do entendimento e compreensão da questão humana por trás do conflito político e histórico. Portanto, proponho uma breve análise de alguns trechos do poema The Rebel, que é importante para compreender os sentimentos de insatisfação e revolta que tanto alimentaram os insurgentes.

Começando pelo desejo de independência propriamente dito, os versos iniciais do poema já apontam para o contraste entre a pobreza e sofrimento de um povo negligenciado com o imaginário de uma Irlanda gloriosa, “pré-normanda” (e, consequentemente, “pré-anglicizada”) da época dos ard-ríor (altos- reis) — que, embora fossem grandes figuras do folclore e da literatura irlandesa, “não detinham poder político real” (ORPEN, 1911, p. 23-24).

“I am come of the seed of the people, the people that sorrow,
That have no treasure but hope,
No riches laid up but a memory
Of an Ancient glory”

que pode ser traduzido como:

“Eu vim do seio das pessoas, pessoas que sofrem,
que ouro algum tem, senão fé,
riqueza alguma, mas memória
de uma Anciã glória”

Vale lembrar que a Irlanda, poucas décadas antes do poema ser escrito, havia passado por um período que viera a ser conhecido como An Gorta Mór, “Grande Fome”em que mais de um milhão de pessoas morreram por inanição ou pestilência, e cerca de dois milhões abandonaram a ilha rumo, principalmente, aos Estados Unidos da América. Tal evento não apenas foi devastador em índices demográficos, mas causou uma grave diminuição no falantes de gaélico irlandês, enfraquecendo a língua e abrindo espaço para uma maior dominação cultural por parte dos ingleses.  

Prosseguindo com a análise, outro aspecto importante do poema está em como o sujeito lírico se coloca como portador das dores e dos desejos das pessoas por quem fala; seu papel é, portanto, tal como o de um porta-voz que irá falar e lutar em favor do seu povo, assumindo um papel de mártir cuja imagem é, talvez, tal como a de Jesus Cristo:  

(…) I that have a soul greater than the souls of my people’s masters,
I that have vision and prophecy and the gift of fiery speech,
I that have spoken with God on the top of His holy hill (…)

em tradução própria:

(…) Eu que maior alma tenho que os mestres da minha gente,
Eu que tenho visão, profecia e o dom do bravo grito,  
Eu que com Deus falei, no alto de Sua santa colina (…)

2016-01-21_iri_16135948_I1
Marcus Lamb como Patrick Pearse para o drama Rebellion, produzido pela Raidió Teilifís Éireann (RTÉ)

potato famine memorial
Famine memorial, em Dublin.
aca4d7e44b30b0a4640f30c8798fcc2a
11th Station of the Cross, por Robert Ferri.

A associação com imagens do ideário cristão não é aleatória; os irlandeses possuem uma forte tradição católica, e Pearse não era diferente. Durante a Revolta de 1916, sabia-se que o poderio militar britânico era superior, e que a morte era certeira, mas acreditava-se que o sangue dos rebeldes seria como o sangue de Cristo: morre e ressurge — salvando os homens do pecado e a Irlanda dos grilhões. Assim, pode-se dizer que o sacrifício dos insurgentes fora, ao menos em suas mentes convictas, tal qual o sacrifício de Jesus ao ser crucificado.

Por fim, o autor conduz os versos, ainda, ao sentimento de insurreição e revolta que se fortalece a cada pulso, endossando ainda mais o desejo de revolução e mudança, bradando aos mestres do seu povo — os burgueses, os britânicos — um aviso do que poderia estar por vir na realidade além-lírica.

And I say to my people’s masters: Beware,
Beware of the thing that is coming, beware of the risen people,
Who shall take what ye would not give.
Did ye think to conquer the people,
Or that Law is stronger than life and than men’s desire to be free?
We will try it out with you, ye that have harried and held,
Ye that have bullied and bribed, tyrants, hypocrites, liars!

E eu digo aos mestres do meu povo: cuidado,
cuidado com o que logo vem, com o povo que já se ergue,
que tomarão o que não lhes foi dado.
Achais ter conquistado esta gente,
ou que a Lei mais forte é que a vida — que um corpo libertado?
Provaremos convosco — que abusaram e oprimiram,
coagiram e subornaram — tiranos, hipócritas!

Referências

ORPEN, G. H. Ireland under the Normans, Oxford, 1911.

Obs: Traduções feitas pela autora.

1 Comment

Deixe uma resposta