In Memoriam – Juan Domingo Perón

A dedicatória que se segue foi escrita pelo poeta Juan Pablo Vitali. Juan Pablo vem de uma família militante peronista de longa data, presente nos eventos mais importantes do movimento em seu auge. Tendo militado durante a juventude, começa a escrever poesia épica e ler autores como Evola, Guénon, Alain de Benoist, Steucker, Faye etc. Também explora concepções filosóficas negligenciadas pela maioria do nosso tempo, como a Revolução Conservadora Alemã, o movimento völkisch, paganismo, o ciclo cultural indo-europeu e a obra de Nietzsche.

Perón morreu em 1 de julho de 1974. Me lembro bem desse dia.

Perón estava sozinho. Não confiava mais em seus velhos suboficiais ou em Isabel Perón.

Estava sozinho e doente, mas era um general, o último general romano, o último prussiano.

Nada era como antes: nem camaradas de armas, nem sindicatos leais. Cada um jogava seu próprio jogo.

A traição da guerrilha, de seu velho amigo Cámpora (o mais traidor dos traidores). Os generais que queriam ser Perón, mas disciplinando o povo, o extremismo de direita com seus padres e cruzes, o extremismo de esquerda com suas teorias foquistas guevaristas, marxistas de salão, da classe alta.

As lojas e as máfias, a P2 cujo representante, López Rega, havia entrado em ação após o colapso da Loja na Europa. Esse esoterismo barato tão típico da América do Sul, de gurus populares para ignorantes.

Perón estava totalmente sozinho: eu sei disso muito bem. Me foi dito pelos que lhe eram próximos, que ainda eram leais, mas que não tinham poder. O povo tampouco tinha poder.

O último general crioulo, de um povo e de um exército que já não existem. Ficamos órfãos e começamos a vagar por um deserto árido demais, até deixarmos de ser, até esquecermos o que fomos.

A Argentina é um cadáver disputado por um punhado de bandos. Se apossam de seus pedaços tal como os que profanaram a tumba de Perón e cortaram suas mãos, para levá-las como troféu macabro e sinal do que estava por vir.

O velho peronismo morreu com Perón. Por isso decidi trilhar outros caminhos, com dor mas com a certeza de que o peronismo não voltaria.

O peronismo morreu com Perón. Os jovens peronistas são multiculturalistas, abortistas, indigenistas, progressistas como qualquer progressista de qualquer lugar do mundo. Também sobra essa direita residual de um nacionalismo católico reacionário e imbecil, detestável e hipócrita. Isso sim: são todos ladrões.

Perón pertenceu a outra época, a outros valores, a outro tecido social, histórico e político.

Para que haja peronismo tem que haver um exército nacional sul-americano, um povo militante que não queira ser marxista ou liberal. Para ser peronista como se era antes, seria necessário deixar de ser economicista ou confessional. E isso não existe mais.

Agora se enfrenta uma massa marginal de ressentidos contra um grupo da sociedade liberal: marxistas e liberais, que finalmente acabam sendo a mesma coisa, em termos de povo livre, de comunidade nacional, de identidade cultural.

Perón morreu em 1 de julho de 1974, a Argentina que já agonizava morreu com Perón.

Deixe uma resposta