34 indígenas foram presos em Colima por protestar contra a mineração

Fonte: Encarcelan a 34 indígenas en Colima por protestar contra minera

O governo age sob as ordens da Mineradora Peña Colorada. Os indígenas Nahuas de Ayotitlán, Jalisco, exigem a restituição de suas terras ocupadas pela empresa. Presos em Colima, o Procurador do Estado ameaça: “acusado de sequestro, podem pegar sentenças de 40 anos. “Crimes fabricados” pelo governo, diz o advogado dos ejidatarios.

O Procurador Geral de Justiça de Colima (PGJE) deteve 34 indígenas depois de eles terem se manifestado na mineradora Peña Colorada e reterem três empregados daquela empresa.
Apesar das negociações entre os secretários do governo de Jalisco e Colima, a procuradoria do Ministério Público consignou 34 nahuas de Ayotitlán detidos em violento despejo.

Mais de 300 indígenas do ejido de Ayotitlán, município de Cuautitlán de García Barragán, Jalisco, compareceram na área de acesso daquela companhia, no município de Minatitlán, Colima, para exigir um bilhão de pesos por 50 anos de usufruto de mil e duzentos hectares que, segundo eles, são de sua propriedade.

Os ejidatarios são acusados de sequestro, despojos e danos, o que impede sua libertação sob fiança e podem receber sentenças de até 40 anos de prisão.

Deste modo, mais de 500 indígenas nahua foram despejados quando exigiram a restituição de dois mil hectares da mineradora Peña Colorada.

Embora os ejidatarios de Ayotitlán tivessem um amparo, o secretário do Governo de Jalisco, Roberto López Lara, disse que estavam “desinformados” porque os 192 hectares em que a mineradora trabalha não fazem parte da suspensão que foi ditada a seu favor.

No entanto, o funcionário reconheceu que o governo estadual está apenas revisando o escopo da resolução emitida em favor do ejido de Ayotitlán, mas, de acordo com as informações que possui, a mineradora não violou o mandato judicial.

Lopez Lara não esclareceu se haverá consequências para a entrada da Polícia de Colima em território de Jalisco para despejar os ejidatarios e disse que há um “bom relacionamento” com o governo daquela entidade.

Segundo Félix Monroy Rutilio, um dos ejidatarios, no dia do protesto, a empresa pagou 14 milhões e 805 mil pesos, não pela liberação dos três trabalhadores da Peña Colorada, mas como pagamento do aluguel de 2015-2016. Ele explicou que o depósito foi feito por transferência em duas edições: uma às 14:00 e outra às 17:30.

Segundo Monroy Rutilio, os ejidatarios partiram para Minatitlán e, por volta das 18 horas, foram auxiliados pelo assessor jurídico de Peña Colorada, David Cárdenas, “Estão fabricando crimes contra eles. A Procuradoria Geral da República atuou por ordens da mineradora” disse ele.

Ele disse que minutos depois, policiais estaduais chegaram com um tanque, começaram a atirar pedras neles e os camponeses responderam da mesma maneira. Então houve tiros e um jovem camponês foi ferido em uma perna e permanece hospitalizado.
O procurador-geral da Colima, Marco Santana Montes, informou que os 34 nahuas poderiam chegar a sentenças de até 40 anos de prisão, sem fiança.

Edijo: Um ejido é uma porção de terra não cultivada e de uso público, também é considerada, em alguns casos, como propriedade do Estado ou dos municípios. Para o México, o ejido é uma propriedade rural de uso coletivo de grande importância na vida agrícola do país.
Ejidatarios: Responsáveis pela administração do eijido.

Deixe uma resposta