Trump, Putin e a Guerra Fria 2.0

Germán Gorráiz López
Fonte: https://www.geopolitica.ru/es/article/trump-putin-y-la-guerra-fria-20?fbclid=IwAR2zuEtXd8QrxnEMNN33w33ls6VL5jZncuYvPQJBvkxpN1jaKzljVCsuan0

A erupção midiática de Edward Snowden, ex-técnico da Booz Allen, subcontratada da CIA, confessando ser o autor dos vazamentos para o The New York Times e The Guardian sobre o programa PRISM (espionagem de telecomunicações encarregada da Agência Nacional de Segurança (NSA), teria desencadeado todos os alarmes na CIA em face do perigo óbvio de descobrir os segredos dos porões secretos do establishment. Putin teria jogado com maestria seus truques e depois de conceder a Snowden asilo temporário, apareceu ante o mundo como defensor dos Direitos Humanos, embora consciente da nova dinâmica ação-reação característica dos cenários da Guerra Fria, nos quais as relações russo-americanas estarão envolvidas a partir deste momento (Guerra Fria 2.0).

A Guerra Híbrida

A nova doutrina geoestratégica conhecida como “Guerra Híbrida” seria atribuível ao Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Russas, Valery Gerasimov, que afirmou que “é cada vez mais comum dar prioridade a um uso conjunto de medidas não militares, políticas, econômicas, informacionais e outras que seriam apoiadas pela força militar”. Estes são os chamados métodos híbridos “, um conceito que teria sido colocado em prática pela primeira vez durante as recentes eleições presidenciais dos EUA. Assim, no site de pesquisa “Mother Jones” apareceu uma versão abreviada do relatório dos serviços de inteligência dos EUA em que acusaram diretamente o governo Putin de estar por trás de “supostos ataques cibernéticos por hackers russos para desequilibrar a campanha eleitoral de Hilary Clinton e inclinar a balança em favor do suposto “submarino russo, Donald Trump”.

Nova corrida armamentista

estabeleceu como prioridade após sua primeira nomeação como Presidente em 2000, a Modernização das Forças Armadas, Infra-estruturas de Transportes e Energia e o Desenvolvimento de Novas Tecnologias (aeroespacial, robótica, biomedicina, biocombustíveis e nanotecnologia) aproveitando a exuberante liquidez proporcionada pelas receitas do petróleo. Assim, Moscou orçou mais de US $ 550.000 milhões para os próximos cinco anos (25% para arsenal nuclear), destacando o novo caça de quinta geração Sukhoi T 50, o novo míssil balístico intercontinental RS-28 Sarmat (Satã II) (“o assassino de escudos anti-misséis dos EUA “), juntamente com o mais recente em tecnologia de interceptação de aeronaves, (sistema de mísseis antiaéreos S-500) com o objetivo declarado de igualar aos EUA como uma superpotência mundial no horizonte de 2020.

Por sua parte, os EUA teriam planejado um programa nuclear com duração de trinta anos e custou um bilhão de $ e um sistema projetado para detectar mísseis de cruzeiro em território norte-americano (JLENS), corrida armamentista que por mimetismo irá expandir o espaço geográfico que se estende de Israel à Coreia do Norte (incluindo países como Irã, Paquistão, Índia e China), deixando a América Latina e as armas nucleares do Caribe livres sob o Tratado de Tlatelolco (1967), apesar do risco potencial da presença de submarinos nucleares britânicos nas Malvinas. Além disso, Putin teria restaurado a Doutrina Brejnev (também chamada doutrina da soberania limitada), doutrina que estabeleceu que “a Rússia tem o direito de intervir (mesmo militarmente) nos assuntos internos dos países em sua área de influência” e conjugando habilmente a ajuda à minorias étnicas russas oprimidas (Crimeia, Ossétia, Akjasia), a chantagem energética, a ameaça de dissuasão nuclear, a intervenção militar cirúrgica, a desestabilização dos governos vizinhos “non gratos” e o afogamento da oposição política interna, será colocada sob sua órbita a maioria dos países que se separaram da extinta União Soviética integrada na futura União Euro-Asiática.

Conferência em Genebra e divisão da Síria e Ucrânia

A nova geopolítica da Rússia no Oriente Médio seria, portanto, um forte apoio para o governo sírio de Al-Assad e do Irã, a fim de estabelecer a sua posição como um parceiro essencial na busca de um acordo global para todo o Oriente PROME (Próximo e Médio) e consciente de que jogaria com vantagem ante à incapacidade dos EUA e seus aliados europeus de marcar a iniciativa nos conflitos do Oriente Próximo e Médio (Egito, Síria, Palestina e Irã), Putin aproveitou a grande oportunidade que se apresentou para recuperar a influência internacional que havia perdido nos últimos anos. Assim, o golpe de mestre de Putin ao convencer Assad a entregar o seu arsenal de armas químicas e o pouco apoio internacional recebido por Obama para lançar a operação militar contra a Síria vai obrigar as partes a uma nova Conferência de Genebra para elaborar atas da divisão “de facto” da Síria em três partes (recordando a Guerra do Laos e os Acordos de Genebra de 1954 com Khrushchev).

Assim, teremos a Síria alauíta, um protetorado russo que cobriria desde a costa do Mediterrâneo até Aleppo, o Curdistão Sírio protegido pelos EUA e a área sunita do sul da Síria que seria incluído no novo sunistão sírio-iraquiano, com a qual a crise síria seria limitada no momento a uma encenação em que os atores participantes usarão o cenário sírio como um teste para um conflito posterior em larga escala que abrangerá Israel e o Egito e que poderia reiniciar a Guerra dos Seis dias no horizonte dos próximos cinco anos. Em contrapartida, assistiremos a divisão da Ucrânia em duas metades quase simétricas separadas pelo meridiano 32 leste, deixando o sul e o leste do país (incluindo a Criméia) sob a órbita russa, enquanto o centro e o oeste da atual Ucrânia navegarão na esteira da UE.

Divisão na OTAN?

Na última cúpula da OTAN realizada em Bruxelas, que contou com a presença de Donald Trump, foi analisado o “reforço do flanco oriental da OTAN” e a implantação de “unidades de intervenção rápida” (Speardhead Force) na Polónia, Roménia, Bulgária e os Estados Bálticos, bem como a assunção pela Otan da nova doutrina “Defesa Inteligente”: este conceito operacional implicará a transferência parcial da soberania dos países membros para a coordenação da defesa com a OTAN e do aumento dos itens de despesa dos países europeus, já que a contribuição econômica desses países europeus seria de apenas 2% do PIB nacional, deixando a maior parte do financiamento nas mãos dos EUA (70% dos bilhões $ do orçamento total). Isso significará um retorno à Doutrina da Contenção (Doutrina Truman), cujas bases foram expostas por George F. Kennan em seu ensaio “Fontes do Comportamento Soviético”, publicado na revista Foreign Affairs em 1947 e cujas principais idéias estão resumidas na citação “o poder soviético é impermeável à lógica da razão, mas muito sensível à lógica da força”.

Além disso, estacionado por agora a quinta fase da implantação do Euro, assistimos a algumas declarações surpreendentes do ministro das Relações Exteriores britânico Philip Hammond, recolhidas pelo jornal “The Telegraph”, em que afirma que “Londres pode hospedar mísseis nucleares norte-americanos em solo britânico em meio a tensões com a Rússia”, que poderia ser visto como um retorno a uma corrida armamentista e mantido durante a Guerra Fria com a URSS (revivendo o projeto de parceria entre os EUA e Europa para fornecer ao Reino Unido mísseis polares, de julho de 1962) e ter como efeito colateral uma possível divisão dentro da OTAN. Assim, poderíamos assistir a excisão e liquidação final da atual OTAN, da qual surgiria uma nova estrutura militar, que incluiria os EUA, Canadá, Grã-Bretanha, os países bálticos, a Polónia, Hungria, Bulgária, Eslováquia, República Checa, Roménia, Espanha, Itália, Portugal, Malta, Chipre, Grécia e Turquia, com o objetivo inequívoco de ser um bloco de contenção dos “ideais expansionistas de Putin”. Por outro lado, vamos testemunhar o fortalecimento do eixo Berlim-Paris, liderados pela França e Alemanha, que resultaria na Agência Europeia de Defesa e que terá gravitando em sua órbita de influência países da sua área de influência primordial (Holanda, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Luxemburgo e Áustria), o resultado da correção das soberanias nacionais francesas e alemãs como uma estratégia defensiva ante a deriva do antigo “parceiro americano” (revivendo o Tratado do Eliseu entre de Gaulle e Adenauer (1963).

Nova guerra no Oriente Médio?

O Plano Biden-Gelb, aprovado pelo Senado dos EUA em 2007 e rejeitado por Condoleezza Rice, secretária de Estado de George W. Bush, previa o estabelecimento no Iraque de um sistema federal para evitar o colapso do país após a retirada das tropas dos EUA e a proposta de separar o Iraque em entidades curdas, xiitas e sunitas, sob um governo federal em Bagdá encarregado dos serviços de fronteira e administração das receitas do petróleo. Assim, testemunharemos o surgimento do Curdistão livre presidido por Masoud Barzani com capital em Kirkust e que incluirá áreas anexadas aproveitando o vácuo de poder deixado pelo Exército iraquiano como Sinkar ou Rabia na província de Ninive, Kirkuk e Diyala, bem como todas as cidades curdo-étnicas da Síria (exceto Hasaka e Qamishli) ocupados pela insurgência curda do BDP.

O novo Curdistão terá as bênçãos dos EUA e terá autonomia financeira ao possuir 20% das participações na exploração do petróleo iraquiano com a “conditio sine qua non” de abastecer a Turquia, Israel e Europa Oriental de petróleo curdo através do oleoduto de Kirkust que deságua no porto turco de Ceyhan. Além disso, o Sunistão com capital em Mosul e que incluiria cidades sunitas de Ramadi, Falluja, Mosul, Tal Afar e Baquba (triângulo sunita), com fortes ligações com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos e referem-se mais tarde a um movimento pan-islâmico radical que usará a arma do petróleo para estrangular as economias ocidentais no horizonte dos próximos cinco anos. Finalmente, como a terceira perna do tripé, teríamos o Iraque xiita com capital em Bagdá que atuará como um contrapeso ao wahabismo saudita e que gravitará na órbita de influência do Irã, o que tornará o Irã uma potência regional em claro conflito com a Arábia Saudita e Israel.
No entanto, após a aprovação pelo Congresso dos EUA e do Senado de uma declaração preparada pelo senador republicano Lindsey Graham e pelo democrata Robert Menendez, que afirma categoricamente que “se Israel for forçado a se defender e agir (contra o Irã), os EUA estarão ao seu lado para apoiá-lo militar e diplomaticamente “, vamos testemunhar o aumento da pressão do lobby pró-israelense dos EUA (AIPAC) para proceder à desestabilização do Irã por métodos expeditos. Esta guerra será um novo episódio local que seria enquadrado em um retorno ao endemismo da Guerra Fria russo-americana recorrentes e irá envolver duas superpotências tendo como colaboradores necessários poderes regionais (Israel, Egito, Arábia Saudita e Irã), abrangendo o espaço geográfico que se estende do arco do Mediterrâneo (Líbia, Síria e Líbano) ao Iêmen e Somália e tendo o Iraque como epicentro (recordando a Guerra do Vietnã com Lindon B. Johnson (1963-1969).

Deixe uma resposta