Alexander Dugin – “Kemi Seba: esperança africana de um mundo multipolar”

Fonte: https://www.senenews.com/actualites/afrique/alexandre-douguine-kemi-seba-lespoir-africain-dun-monde-multipolaire_273419.html

Até alguns anos atrás, a África estava em um impasse. Após a primeira onda de descolonização na década de 1960, os novos regimes africanos tentaram todas as ideologias políticas da chamada era “moderna”. Esse processo levou ao surgimento de sociedades liberais, nacionalistas, comunistas ou socialistas em países pós-coloniais.

Infelizmente, a aplicação rigorosa desses paradigmas políticos exógenos arrastou dramaticamente as nações africanas para um inevitável declínio, com cada ideologia político-social dependente de um contexto matricial específico. Ao impor os princípios da modernidade ocidental na vida cotidiana das massas, embora tão distantes dessas correntes epistemológicas, as elites africanas destruíram e perverteram as profundas identidades dos povos, enquanto pensavam, paradoxalmente, em adensá-las. Eles se libertaram do colonialismo físico, mas não do colonialismo mental.

Do ponto de vista semântico, ontológico e espaço-temporal, a África, por sua completa alienação, constituiu, durante séculos de opressão, o mundo à parte ou os mundos separados, considerando que este continente é um universo plural e policêntrico. Mundo à parte, note-se, mas cujos recursos minerais ainda servem, infelizmente, para o resto dos poderes predatórios. Mas parece que, nos últimos anos, a roda está gradualmente se voltando para a direção correta. A revolução político-cultural da reapropriação de si parece surgir no horizonte, na África. E se o processo parece engajado, é que ele tem, entre outros, encontrado motor na pessoa do chamado Kemi Seba, jovem líder carismático, atípico, africano, nascido e criado na França, antes de voltar a viver na África e fazer da defesa deste continente a missão da sua vida.

Kemi Seba é um homem do seu tempo. Falando alto, ecoando a raiva das camadas proletarizadas do continente negro e sua diáspora. Seus discursos são a trilha sonora de pessoas que não podem mais ser anestesiadas, sua resistência é o espelho de uma jovem que foi tão esfaqueada que não sente mais os golpes que tentam infligir-lhe.

No espaço das ex-colônias francesas, desde a morte de Lumumba e Sankara, nós não vimos, na África, jovens africanos despertando o entusiasmo das massas e expressando o desejo de total soberania do povo como Seba faz em parte de sua luta pela autodeterminação das populações da África francófona.

E se ele consegue tornar o Dasein africano palpável na cena política internacional, é porque além de seu dom oratório para capturar a escuta de multidões, ou o seu destemor, ele tem, acima de tudo, intuitivamente apreendido as condições sine qua non do despertar de seu povo.

O líder pan-africanista entendeu que o estudo combinado da história de sua população, da geopolítica e da metafísica era o pré-requisito fundamental para uma verdadeira luta pela independência.

Ele conseguiu, pela força da estratégia e do conhecimento das ruas africanas, domesticar um conceito ainda desenhado e concebido por/para o Ocidente, que vem a ser a sociedade civil. Ao fundir sua circunferência (geralmente composta de ONGs alimentadas com os seios da Europa ou dos Estados Unidos) com a rua real, ela brutalmente descompartimentou um espaço metapolítico que não pertencia a povos enraizados, mas na verdade, para as elites apátridas globalizadas.

Ele entendeu o status ideológico das três principais teorias políticas modernas, que são o liberalismo, comunismo e nacionalismo.

Seguindo essa lógica, ele acabou, por meio do progresso intelectual, a chegar à Quarta Teoria Política, baseada na busca da tradição primordial em sua acepção africana e no domínio dos mecanismos conceituais da multipolaridade político-civilizacional.

O futuro da África e, mais amplamente, dos povos enraizados, é posto em evidência. Em nossa opinião, e considerando todos esses elementos, no início do século XXI, Kemi Seba não é apenas uma chance para a África. Ele é uma esperança para todas as forças da resistência multipolar.

*Este texto foi retirado do prefácio de Alexander Dugin para o livro “Free Africa or Death” (África Livre ou Morte) de Kemi Seba.

Deixe uma resposta