EUA não é Roma, EUA é Cartago

«A mentalidade americana só pode ser interpretada como um exemplo de regressão, que se manifesta em sua incapacidade de compreensão de toda sensibilidade superior. A mente americana tem horizontes limitados, reduzidos a tudo que é imediato e simplista, com a consequência inevitável de que tudo o que existe é banalizado, reduzido e nivelado até que perca todo seu caráter espiritual. A vida em sentido americano é inteiramente mecânica. O sentido do ‘eu’ na América é reduzido inteiramente ao plano físico-material da existência. O americano típico não tem dilemas, nem complicações espirituais: ele é um conformista natural que se integra facilmente ao resto do sistema sem rosto.»

– Julius Evola

Como foi explicado em um artigo recente, intitulado O Brasil não é Ocidente, a indicação do olavete Ernesto Fraga Araújo ao posto de Ministro de Relações Exteriores do futuro governo Bolsonaro despertou algumas reações de euforia histérica em certos setores que se consideram “nacionalistas”.

O fato de Ernesto citar renomados autores dissidentes em alguns de seus escritos, bem como suas constantes alusões à Roma e à Grécia, causaram em alguns jovens imberbes de pouca leitura a impressão de que o novo chanceler seria um autêntico “nacionalista” ou que o governo Bolsonaro estaria bem encaminhado na área geopolítica.

Como foi esclarecido antes, todas as citações e referências a Evola, Spengler ou Dugin em seus escritos estão descontextualizadas ou servem para tentar reforçar teses que estão nas antípodas do pensamento desses autores. Isso foi cabalmente provado com a demonstração de que, ao contrário do que afirmou o futuro chanceler olavético, o Brasil não é parte da civilização ocidental (felizmente!).

Agora abordaremos um outro ponto que parece pequeno, mas que possui uma relevância metafísica tamanha que chega a irradiar sobre questões fundamentais da geopolítica, da política, da cultura, da economia, etc.

O futuro chanceler olavético, em seu texto “Trump e o Ocidente”, tenta traçar um tipo de elo entre os EUA contemporâneos e antigas civilizações como as de Roma ou da Grécia. Seu intento não guarda novidade. É parte da narrativa clássica dos intelectuais neoconservadores americanos o estabelecimento desse tipo de paralelo. David Kagan (e seu filho Robert), Irving Kristol, Robert Kaplan e vários outros autores neocons (curiosamente, boa parte deles sendo ex-trotskistas e praticamente todos sendo judeus sionistas), inspirados nas leituras de Leo Strauss da obra de Tucídides, discorrem longamente sobre os supostos paralelos entre os EUA e a Grécia Antiga.

Antes ainda, vários “Pais Fundadores” dos EUA acreditavam piamente que seu país seria algum tipo de herdeira de Atenas e da República Romana, graças à leitura iluminista e enviesada que eles e outros intelectuais do início da modernidade fizeram da Antiguidade Clássica.

Os pensadores que Ernesto Fraga Araújo invocou, de Evola a Spengler, discordariam dele.

Spengler demonstrou com clareza o abismo que existe entre a civilização de que participaram gregos e romanos e a civilização que tem seus primórdios nos tempos de Carlos Magno: os gregos e os romanos não conheceram senso de nacionalidade no sentido moderno, diferentemente do que afirmou o futuro chanceler olavético. O patriotismo destes era o patriotismo da Cidade-Estado, e sempre que se falava em “helênicos” era no sentido de um agregado de homens (os de origem e cultura helênica) em oposição aos bárbaros.

Mais razão tinham os jacobinos quando, durante o período da Convenção, se referiam à Inglaterra como a “Nova Cartago”. Afinal, tratava-se de duas potências talassocráticas, cujo poder estava baseado fundamentalmente no comércio, e cujos valores eram essencialmente materialistas e individualistas. Essas analogias fazem sentido, e o fato de que os EUA herdaram e levaram até o limite os mesmos princípios que há séculos tem pautado a cultura anglo-saxã, só mostra que os EUA são Cartago, e não Roma.

Para Spengler, o paralelo entre EUA e Cartago é claro. Em ambos, o dinheiro fornecia o principal eixo axiológico. A ascensão de ambos era marcada pela vitória do poder financeiro sobre a Cultura, gerando uma civilização fundamentalmente estéril em seu intelectualismo abstrato e materialista.

Para estes e vários outros (Thiriart, Mosley, De Benoist, etc.) pensadores da Europa e sua civilização (a qual, para o futuro chanceler olavete, não passa de um “vazio”), essa “Nova Cartago” é caracterizada por ser desalmada, dedicada exclusivamente à busca da riqueza, dotada de uma cultura vagamente hipócrita: uma terra de comerciantes “espertos” e amorais.

A economia se sobrepõe à política. A força militar é usada, não a serviço de ideais transcendentes, mas para a mera garantia de fluxos financeiros.

A linha entre Cartago, Inglaterra e os EUA é clara. É a linha das civilizações talassocráticas. São as civilizações comerciais voltadas para a consecução de interesses materiais e fundadas sobre os princípios do liberalismo econômico. Independentemente das inúmeras variações, essas civilizações participam de uma mesma essência.

Também Julius Evola deixou claro que os EUA e sua “civilização” representavam um grau de decadência ainda mais profundo do que o dos governos social-democratas ou socialistas de seu tempo. Escrevendo no final dos anos 60, as tendências americanas (que só se concretizariam em plenitude após sua morte) já apontavam para o fato de que os EUA se constituíam como a vanguarda do Quinto Estado, ou seja, em sua analogia com a sociedade de castas da Índia, os EUA, coração da civilização judaico-cristã moderna, era uma sociedade de párias.

Hecatombe de bebês, bacanais oligárquicos, genocídios praticados por mercenários, vícios infinitos, sacrifícios humanos, usurários no poder. Eis os EUA.

Trump não inverte essa lógica. Ela é tão somente como um “vírus” capaz de causar um certo grau de caos no coração do Deep State americano, mas que não foi capaz de abalar o seu controle sobre os EUA.

O proletariado praticamente inexiste nos EUA contemporâneos, com exceção de alguns bolsões interioranos. A sociedade americana foi lumpemproletarizada e precarizada em níveis assombrosos. Sua religião não é mais que a adoração do dinheiro (e a Teologia da Prosperidade nunca poderia ter surgido em qualquer outro país). Sua cultura é o consumo e os seus heróis são as celebridades televisivas.

Mas nas antípodas de Cartago, historicamente, sempre deve haver uma Roma.

 

Assoma como principal representante espiritual e simbólica de Roma a Rússia, herdeira direta do Império Romano do Oriente. Mas contra o poder imenso da talassocracia neocartaginesa anglo-saxã, inchado por décadas de hegemonia, uma única Roma não basta.

Como preconizou, entre outros, Darcy Ribeiro, o Brasil também possui toda legitimidade para reivindicar a herança romana e se afirmar também como uma Nova Roma, a “Roma dos trópicos”. Esta seria, junto a nossos vizinhos hispano-americanos, a nossa grande missão civilizacional.

Definitivamente, o nosso grande inimigo ao longo dos últimos 200 anos tem sido o mesmo: o imperialismo anglo-saxão. Os desígnios da talassocracia atlantista da Nova Cartago, sediada em Nova Iorque e Washington. Mas a nossa história tem sido de tal forma que o nosso “Senado” é ocupado quase completamente por figuras compradas por Cartago. Todos os nossos personagens que tentaram se erguer como nosso Catão foram assassinados.

Se somos Roma, não há o que questionar. Se somos Roma e se os EUA são Cartago, todo o resto está claro, se encaixa e é evidente.

Se apresentar, no Brasil, como defensor de alianças com os EUA, de aprofundamento de relações com os EUA, de dependência em relação aos EUA, é se autodeclarar traidor da Pátria. É estar a serviço de forças insidiosas de uma subversão parasitária internacional.

Não. O único patriotismo brasileiro possível é aquele que aponta com clareza o nosso inimigo histórico ancestral: os EUA, a Nova Cartago.

E sabemos que, séculos após séculos, milênios após milênios, Cartago ainda deve ser destruída.

LIBERDADE! JUSTIÇA! REVOLUÇÃO!

1 Comment

  1. Finalmente, uma análise lúcida, corajosa e incisiva acerca dos EUA! Parabéns à Nova Resistência! Alegra-me saber que há hoje no Brasil um pólo nacional- revolucionário. Eu sou leitor do site francês voxnr há muitos anos e é muito oportuno que ideias semelhantes sejam divulgadas por aqui. Há esperança!

Deixe uma resposta