Outubro de 93 na Rússia – Nacionalistas e Comunistas se unem em defesa da Pátria

Anualmente, em outubro, a sociedade russa rememora os acontecimentos que marcaram a chamada Crise Constitucional de 93 — período de forte impasse entre o Executivo do país, dirigido pelo pró-ocidental Boris Yeltsin, e o Legislativo, o Soviete Supremo, que eclode na dissolução deste por aquele, em 21 de setembro daquele ano, gerando uma onda de protestos, conflitos armados, e deixando um lastro de sangue na história da Rússia (de acordo com os números oficiais, 57 pessoas foram mortas e outras 384 ficaram feridas).

Imagem: riafan.ru

Em entrevista á Agência Federal de Notícias, concedido à jornalista Natalia Makeeva, o professor Aleksandr Dugin, que participou dos acontecimentos de 93, fez algumas considerações sobre o significado político-histórico do conflito:

Nos eventos de 1993, participei do lado dos defensores da Casa do Governo: algo de que nunca voltei atrás e nem nunca lamentei. Tratou-se de uma escolha absolutamente consciente, profunda e ontológica. Aqueles que apoiavam Boris Yeltsin eram inimigos, traidores, lixo, e aqueles que se opunham a ele eram verdadeiros patriotas e heróis. Eles lutaram pela Santa Rússia, pela nossa História, pela nossa Identidade, pela nossa Soberania: lutaram contra alguém que usurpou o poder, contra um bando errante de liberais pró-ocidentais que roubaram um país e quase o destruíram.

Todos se lembram do contexto: as reformas de Yeltsin, que destruíram os últimos vestígios da justiça no país, não receberam apoio da grande maioria da população. Porém, embora Yeltsin concentrasse um poder a nível quase que ditatorial em suas mãos, legalmente, ele estava limitado, tanto pelo Soviete Supremo, quanto pelo vice-presidente. Assim, quando as forças patrióticas e eurasianas se reuniram em torno do Parlamento, o poder absoluto da ditadura pró-ocidental e pró-americana dos liberais, representada em Yeltsin, encontrou mais uma barreira. Uma tensão, então, se desencadeou para além do campo legal: ou Yeltsin e seus associados mais próximos seriam presos como traidores, ou a violência recairia sobre as cabeças dos defensores do Soviete Supremo. Legalmente, havia um impasse insolúvel, e a questão acabou sendo resolvida pela violência, que os apoiadores de Yeltsin aplicaram brutalmente.

Em se tratando do significado histórico da crise de outubro, Dugin ressaltou:

Ao meu ver, tanto os eventos 93, quanto os de 91 [tentativa de golpe de Estado na URSS], como o Donbass, são episódios históricos sobre os quais possuo uma postura integral. Embora muitos gostem de enxergar neles uma espécie de fenômeno relativo, onde você pode tomar uma posição e, no futuro, dar o braço a torcer para o outro lado em alguns pontos, em meu modo de encarar as coisas, a perspectiva de tomar partido não é algo contingente. Continuo a vivenciar os acontecimentos de 1993 de forma bastante aguda e creio que ali se manifestaram forças políticas fundamentais, plasmadas nos apoiadores do Soviete Supremo, de um lado, e nos partidários de Yeltsin (que com ele comungavam do poder). Ali se conflagrava o Nós contra Eles — Bem e Mal, Luz e Trevas. E a Escuridão triunfou. Ela venceu, não apenas um grupo, mas venceu a Nós.

Obviamente, não estou idealizando e nem nunca idealizei os líderes do Soviete Supremo. Em geral, foram políticos medíocres, inconsistentes, que não conseguiram dar conta da situação em seu momento drástico. Me refiro a linha das barricadas do outono de 1993 — que, para mim, não mudou. Havia, ali, traidores e heróis. Havia partidários de um liberalismo completamente assassino, sem Deus, diabólico, reunido sob a capa de Yeltsin e de todas as forças que o respaldavam — e havia o povo insurgente, que se reuniu aos arredores da Casa do Governo, em torno do Soviete Supremo. Havia os representantes da Quinta Coluna, que levavam informações sobre nós à Embaixada Americana, e havia aqueles que defendiam as fronteiras da nossa Pátria (verdadeiros e sinceros filhos da Rússia).

Os traidores venceram. A escória russofóbica e pró-americana triunfou. Foram eles que reescreveram a História e colocaram sobre os perdedores o rótulo de “vermelho-marrom”. Até agora, vivenciamos um estado de coisas baseado nessa vitória, e não na vitória dos defensores do Soviete — fomos obrigados a vê-los descreverem os fatos a partir de suas perspectivas, atribuindo papéis, dizendo o que é verdadeiro e o que é falso, sobre quem e quando querem.

Essa “linha das barricadas” de que fala Dugin, em 93, foi ocupada tanto por comunistas, quanto pelos nacionalistas russos da organização terceiro-posicionista Unidade Nacional Russa (que, em várias ocasiões, impediu o genocídio daqueles), fundada por Alexander Barkashov. Ambas as frentes ideológicas, juntas, a despeito de suas diferenças radicais de princípios, lutaram em armas contra as forças pró-liberais e pró-ocidentais que visavam implementar uma agenda de Choque Neoliberal na Rússia, fragmentando-a e a transformando em um Estado Falido. Algo semelhante ocorreu na China, durante a Guerra Civil, quando os nacionalistas do Kuomintang e os comunidades do Partido Comunista Chinês interromperam parcialmente o conflito para fazer frente à invasão japonesa do país. Outro exemplo atual pode ser encontrado no conflito do Donbass, que reuniu movimentos de diferentes matrizes ideológicas (“vermelhos, brancos e marrons”, conforme a classificação de Marlene Laruelle, em seu artigo Novorossiya: A Launching Pad for Russian Nationalists) contra os pró-ocidentais da Junta de Kiev.

Membros da UNR, em armas, durante os eventos de Outubro de 1993.

Em um artigo comemorativo dos 16 anos do conflito, Barkashov delineou o posicionamento de sua organização (que segue atuando, ainda que na clandestinidade, na Rússia atual, tendo participado da guerra do Donbass) sobre esses eventos. Traduzimos na íntegra abaixo:

 Outubro de 1993 — Nós vencemos essa batalha!

Por Alexander Barkashov

Todos os os que participaram da defesa armada do Soviete Supremo, em setembro-outubro de 1993, merecem ser lembrados.

Passados ​​16 anos desde aquele período tenso e dramático, muitos eventos se desencadearam em nosso país (e em todo o mundo). Mas não importa qual seja a magnitude desses eventos, todos os anos, durante 16 anos seguidos, no início de outubro, todos recordam o que aconteceu em 1993. Todos os anos, com uma regularidade invejável, os meios de comunicação mostram, lembram e tentam explicar as causas e o significado do que aconteceu, cada um seguindo uma determinada perspectiva, com diferentes graus de envolvimento e parcialidade.

Ao nosso povo, porém, mesmo aquela fatia que era contrária a nós há 16 anos, cada vez mais fica claro que estávamos certos naquele momento. Considerando o modo como a maioria das pessoas teve de viver suas vidas nesses anos, bem como o distanciamento temporal, as pessoas ficam mais sujeitas ao convencimento da verdade.

Há 16 anos, pegamos em armas e defendemos o Soviete Supremo. Apesar de muitos de nós termos convicções políticas diferentes, nos unimos em torno de alguns pontos: a consciência do terrível perigo que pairava sobre a Rússia. A lealdade à Pátria e ao Povo. A lealdade ao juramento militar: o que nos obrigou a proteger tanto a Pátria como o Povo, “[…] se necessário, às custas da nossa vida”, e todos nós estávamos dispostos a pagar esse preço (e muitos pagaram).

Todos nós compreendíamos muito bem que, em nosso país, sob o pretexto da introdução forçada das relações capitalistas de produção, do “mercado livre”, sob a capa de slogans sobre liberdade e democracia, o que queria-se implementar eram os planos estratégicos dos Estados Unidos para a rápida e final liquidação da Rússia. De acordo com esse plano, pretendia-se, no menor tempo possível, derrubar o sistema financeiro do país e, como resultado, destruir completamente a indústria e a agricultura e enfraquecer e desmoralizar ao máximo as forças armadas da Rússia. Uma consequência direta e rápida dessas ações seria uma acentuada deterioração da situação social da população, que, no contexto de determinadas tendências separatistas que vinham crescendo rapidamente — às quais os serviços secretos dos EUA apoiavam —, deveria ter levado ao colapso da Rússia em vários “Estados nacionais soberanos e independentes”. Obviamente, satélites dos Estados Unidos.

O vetor de ação dos EUA para o nosso país era operado, em grande parte, pelo Poder Executivo mais alto da Rússia, consolidado na onda do colapso da URSS com a participação direta de agências de inteligência dos EUA. Na verdade, a maioria das autoridades executivas mais elevadas da Rússia, coletivamente, tornaram-se agentes de influência dos EUA, de modo aberto e sem qualquer pudor. Foi assim que a implementação dos planos supracitados, incluindo neles a desintegração territorial da Rússia, foi enquadrada sob prazos muito curtos, ou seja, dentro de um espaço de tempo em que a maioria dos cidadãos russos estaria em estado de choque — considerando o recente colapso da URSS e a alteração das diretrizes ideológicas às políticas de Terapia de Choque (como cínica e obscenamente os altos funcionários daquele período denominavam sua política interna).

Hoje, a maioria das pessoas em nosso país entendem que o alto poder executivo daquela época serviu, não à “escolha livre e democrática da Rússia”, mas ao plano estratégico dos EUA para a destruição da Rússia. Mas naquele período, diferentemente dos dias atuais, a maioria dos cidadãos russos, por conta das políticas de Terapia de Choque e sob a influência das promessas de um futuro capitalista acelerado e brilhante, não eram capazes de perceber adequadamente o que estava acontecendo — nós sabíamos muito bem o que realmente estava acontecendo e o quão rapidamente a equipe pró-americana de Yeltsin precisaria concentrar mais poder para implementar um tal plano destrutivo em um curto espaço de tempo.

A única autoridade estatal que não permitiu a submissão da Constituição aos altos poderes do Presidente e de sua equipe foi o órgão legislativo supremo do país, o Soviete Supremo dos Representantes do Povo, eleito pelo Povo. Foi a oposição do Soviete Supremo à política adotada pelo poder executivo pró-americano que causou o conflito, que atingiu seu ponto mais alto em setembro de 1993. A propósito, fala-se muito na defesa do Soviete Supremo, mas a verdade é que saímos em armas contra os Estados Unidos e contra os planos americanos de colapso e destruição da Rússia e, claro, contra aqueles que operavam esses planos americanos dentro da Rússia. Defendemos em armas, não apenas e não tanto o Soviete Supremo, mas nosso país contra o colapso — o nosso Povo contra destruição, mesmo considerando que grande parte desse Povo nem ao menos compreendia as reais razões para essa luta.

Foi nossa a árdua resistência armada, bem como a probabilidade de uma insurreição popular em larga escala que amedrontou os EUA e, é claro, seus agentes internos à própria Rússia. Como resultado, os americanos tiveram que mudar suas táticas em relação à Rússia e cancelar seus planos de desmembrar rapidamente nosso país. Hoje, pode-se afirmar claramente que, se não tivesse havido revolta armada em outubro de 1993, nenhuma Federação Russa existiria, antes, ao contrário, pouco mais de uma dúzia de “Estados nacionais absolutamente livres e completamente independentes” teriam sido formados em nosso território. E embora, na Rússia atual, a maioria dos cidadãos não viva de modo adequado, não fosse pelo Levante armado de outubro de 1993, a vida seria muito mais incomparavelmente difícil atualmente: essa é a nossa vitória naquela batalha. E todos os que participaram da Revolta provaram merecer o título de herói.

Os planos táticos dos Estados Unidos para o rápido colapso da Rússia foram frustrados em outubro de 1993, mas, ainda que os presidentes americanos apareçam e desapareçam, esses planos estratégicos dos Estados Unidos permanecem existindo. É preciso ser extremamente ingênuo para pensar e sustentar publicamente que os Estados Unidos podem alterar ou abandonar seus planos de dominação em todo o mundo. Estamos falando de um país que, em todas as suas manifestações, representa o Sistema Financeiro (economicamente) e está alinhado à ideologia da elite dominante e às perspectivas de poder globais: sem esses objetivos, sem esses planos, os Estados Unidos simplesmente se desintegrarão e, portanto, pode-se dizer que a Rússia ainda lhe é um grande obstáculo.

Acima de tudo, há heróis na Rússia e Deus julgará quem é quem.

Deus está conosco!
Glória à Rússia!
Glória aos heróis!

Alexander Barkashov, outono de 2009.

Deixe uma resposta