Dugin — Sobre a morte de Zakharchenko

Hoje, as Repúblicas de Donetsk e de Lugansk são apenas fagulhas da Nova Rússia que existiu em 2014 – quando o leste ucraniano, fundado sobre suas próprias forças, reagiu às investidas dos elementos pró-ocidentais em Kiev, durante o Golpe.

Zakharchenko foi um dos últimos símbolos da Primavera Russa. Todos os líderes milicianos, como a Motorola, Givi, Mozgovoi, Mamiev, tal como diversos intelectuais pacíficos – Oles Buzina e vários cossacos (como Dremov) – estão mortos.

Zakharchenko foi o representante desta primeira onda, sendo também seu último vestígio: o que é muito triste, porque o levante da Nova Rússia naufragou e não recebeu de nós o apoio que o povo esperava. Por conseguinte, eles – de Odessa a Kharkov – não foram capazes de resistir efetivamente à repressão vinda de Kiev (ainda que RPD e RPL tenham se mantido firmes em suas posições).

Alexander Zakharchenko foi o último símbolo de uma geração. E a História é constituída precisamente por tais símbolos, sendo esta a razão de sua morte configurar uma enorme perda simbólica. No entanto, falando francamente, não penso que sua morte mudará algo no status quo da República Popular de Donestk.

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa e um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta