Com a Reforma da Previdência, você morre trabalhando!

A Reforma da Previdência permanece a pauta principal da Junta Temer. O povo brasileiro tendo sido derrotado na questão do teto de gastos e na questão da Reforma Trabalhista (além de várias outras derrotas), todo o aparato propagandístico do governo e de seus aliados empresariais e bancários se concentra na defesa da Reforma da Previdência.

Não passa um dia sem alguma notícia na Rede Globo sobre questões previdenciárias, sempre ressaltando a necessidade e inevitabilidade da reforma. Não raro apela-se a supostas crises e tragédias causadas em países estrangeiros pela demora em se empreender reformas neoliberais em seus sistemas previdenciários.

A mídia se revela novamente como aparato de propaganda e não como veículo de difusão de informações. Do contrário, não é verdade que haveria grande divulgação midiática do fato de que a CPI da Previdência não encontrou qualquer déficit? Não receberia ampla divulgação o fato de que nas contas que encontram déficit na Previdência não são levadas em consideração várias fontes de contribuição constitucionalmente determinadas?

Na verdade, a Reforma da Previdência é uma bandeira ideológica, cujo objetivo é enfraquecer a Previdência Pública e fortalecer as corporações da previdência privada, muitas das quais possuem ligações íntimas com políticos de vários partidos.

Quem sofrerá, como sempre, será o trabalhador brasileiro. Querem, por exemplo, que o trabalhador rural, que já sofre com o esforço físico extenuante e com a exposição a agrotóxicos, que ele trabalhe mais anos. Pelas novas regras defendidas na Reforma metade das mulheres não conseguirão mais se aposentar.

Levando-se em consideração a expectativa de vida do povo brasileiro e as novas regras que exigem 40 anos de contribuição para a aposentadoria “integral” (que não é realmente integral), o que se pretende, realmente, é que boa parte do povo brasileiro morra trabalhando.

Construiu-se um projeto para garantir que boa parte do povo brasileiro nunca chegue a se aposentar. Naturalmente, apenas os pobres e a classe média sairão prejudicados. Para os políticos e para os ricos não haverá problema algum. Os primeiros ainda têm sua aposentadoria garantida, os segundos não terão problema em depender da previdência privada.

Há prova maior de que o Estado brasileiro é comandado por inimigos do povo? Há demonstração maior de que precisamos expurgar essa casta de parasitas?

Deixe uma resposta