Luta dos povos e unidade anti-imperialista!

Foi no famoso Théâtre de la Main d’Or, em Paris, que o “Dia de apoio a Saif al-Islam Gaddafi” foi organizado pelo Comitê Revolucionário Internacional, que assumiu a continuidade política da Jamahiriya (“Estado das massas”) líbia, juntamente com o grupo militante parisiense do movimento nacionalista corso Leia Nazionle. Em abril de 2017, Saif al-Islam Gaddafi foi eleito Guia do Jamahiriya pelo Conselho Supremo de Tribos e das Cidades. Entre os convidados e palestrantes deste encontro anti-imperialista estavam a Federação dos Sírios da França, a Rede Voltaire e ativistas pan-africanos (pró-Gbagbo).

A queda da Jamahiriya e o assassinato do Coronel Gaddafi após a agressão à Líbia por uma coalizão ocidental-islamista e, em seguida, a tentativa de derrubar a Síria nacionalista pelos mesmos atores, trariam para a Europa consequências drásticas: uma onda de terrorismo islamista sem precedentes e um tsunami migratório que ameaça a própria sobrevivência dos povos europeus. A Líbia sofreu durante vários anos com o caos, o terror das milícias jihadistas e com o tráfico de migrantes organizado em colaboração com ONGs ocidentais, a União Europeia e as máfias que operam em ambos os lados do Mediterrâneo.

No entanto, a Jamahiriya e seus princípios emancipadores ainda estão vivos no coração do povo líbio e se, por um lado, a insurreição geral ainda não está em curso, por outro lado, as forças anti-islamistas estão recuperando terreno em todo o país.

O discurso e as intervenções do porta-voz da Leia Nazionle, Vincent Perfetti, tiveram como foco o inimigo global que existe para além dos contextos singulares. O inimigo global é o que alguns chamam de Sistema, outros de a Nova Ordem Mundial e, para os iniciados nas doutrinas geopolíticas e metafísicas, o Leviatã: essa entidade globalista polimórfica que trabalha para destruir todas as identidades, todas as nações, todas as transcendências. Seu objetivo é o estabelecimento de uma sub-humanidade indiferenciada, escravizada por oligarquias financeiras. O Sistema que fabrica Sarkozy, Cameron, Merkel e tipos como Macron, mas que também gera, de forma mais oculta, Bin Laden e fenômenos como o Daesh. Todas essas criaturas atuam juntas, visam aos mesmos alvos, da Líbia à Rússia, passando pela Europa e pela Síria.

Vincent Perfetti rememorou a oposição do povo corso às operações terroristas perpetradas pela OTAN desde seu território (base aérea Solenzara) na Sérvia (1999) e na Líbia (2011), bem como o tradicional posicionamento anti-imperialista do nacionalismo corso. Nosso camarada insistiu na necessidade de fortalecer e desenvolver redes operacionais de resistência às forças globalistas em prol de uma luta unitária em direção a um mundo multipolar, pluralista e ordenado pela aspiração à transcendência. Ele expressou a solidariedade de todo o campo antiglobalista com Kemi Seba, líder pan-africano de língua francesa, militante da remigração e do desenvolvimento de civilizações separadas e autocentradas, atualmente perseguido pela República Francesa e por seus valets africanos.

É vital que todas as resistências aprendam a se conhecer, a colaborar, a organizar-se em solidariedade, unitariamente, agrupadas em um eixo internacional antiglobalista apoiado por uma “força exterior” alternativa. É somente a partir desta perspectiva que as lutas dos povos históricos da Europa, bem como suas aspirações nacionalistas, terão algum sentido, sem a qual estes serão neutralizados, dilapidados, assim como os povos serão diluídos em massas anômicas e desenraizadas. Tais intervenções, nos debates e nos trabalhos, foram apreciadas por todos. Reuniões semelhantes já estão sendo planejadas em outros lugares da Europa nos próximos meses. Leia Nazionle defende uma concepção global e ideológica da luta nacional corsa, visando à emancipação mental e política de um Sistema que condena nosso povo à morte.

Texto da intervenção de Vincent Perfetti:

Camaradas,

Primeiramente, gostaria de agradecer ao Comitê Revolucionário Internacional, na pessoa de seu coordenador na Europa e meu amigo, Franck Pucciarelli, por seu convite para participar desta reunião.

Estou aqui para representar Leia Naziunale (National Lien), um movimento nacionalista corsa que integra a luta de libertação nacional do nosso povo. Vocês sabem que a situação política da Córsega evoluiu nos últimos anos na direção correta: os patriotas detêm uma maioria no Conselho Territorial e, na última [eleição] legislativa, 3 de 4 deputados serviram-se de uma insígnia nacionalista.

No entanto, consideramos que nossa emancipação não deve ser apenas institucional, mas também espiritual. O que um corso recuperaria de soberania (perdida em 1769 na batalha de Ponte Novu) se, simultaneamente, não se libertar da ideologia globalista que irriga o Estado francês e todas as nações ocidentais?

Nós, corsos, somos mediterrânicos como vocês, líbios, atados aos valores tradicionais e familiares. Nós não queremos o orgulho gay ou o LGBT: recusamos tais inversões que caracterizam a era das trevas. Como vocês, respeitamos os laços sanguíneos, tribais, clânicos e não consideramos que tais palavras são vãs!

Os homens não são intercambiáveis, todos têm direito de ser respeitados de igual forma, mas não são nada sem suas identidades, sem suas raízes e sem sua Pátria.

Hoje, na Córsega, na Líbia e em todo o mundo, nossas terras vivenciam o perigo da destruição. A luta é global e seria um erro virar o rosto e ignorar o camarada que, ao nosso lado, luta contra o mesmo inimigo.

Mas, especificamente, quem é esse inimigo?

Para a Líbia é apenas o colonialismo neoeuropeu encarnado por Sarkozy, para a Córsega, o Estado francês. Para os russos de Donbass, é o banderista ucraniano, para o sérvio é apenas o combatente albanês ou bósnio?

O conflito vai muito além desses antagonismos locais, e é desempenhado entre duas percepções completamente irreconciliáveis ​​do mundo.

O verdadeiro inimigo é a nova ordem mundial, que alguns chamam de Império e que iniciados designam pelo nome de Leviatã. Esta entidade quer a destruição de todas as identidades, de todas as nações, de todas as transcendências. Seu objetivo é o estabelecimento de uma humanidade indiferenciada, seu triunfo será o reinado indiviso das finanças internacionais e do mercado único.

Onde esse monstro se hospeda? Vou dizer que sua cabeça está em Washington, seu coração em Wall Street e seu braço armado em Bruxelas, sede da OTAN. A este respeito, gostaria de recordar que Leia Naziunale milita pelo fechamento da base de Solenzara, uma fortaleza da OTAN a partir da qual os aviões do criminoso Sarkozy bombardearam o povo líbio.

Este monstro também pode ser encarnado em alguns de seus servos. Todos nesta sala conhecem Bernard Henri Lévy, um falso filósofo, mas um verdadeiro belicista que pediu o fogo da OTAN contra os nossos irmãos sérvios nos Balcãs em 1999, desejando em 2011 a destruição da Jamahiriya Árabe da Líbia e apoiando em 2014 o golpe de Maidan, para trazer o caos aos portões da Rússia. Nós, corsos, não somos poupados: em Kiev, ao lado de Bernard Henri Lévy, a semear confusão em benefício da OTAN, se encontrava Henri Malosse, comissário europeu e influente agente das redes atlânticas.

Malosse agora age em nossa ilha, tentando infiltrar-se nos círculos nacionalistas a fim de neutralizar os desejos de resistência de um dos poucos povos europeus suscetíveis de se opor aos esforços dos globalistas.

Como vocês podem ver, corsos e líbios, nossos inimigos são os mesmos. Eles são poderosos, eles estão por trás das finanças, das forças armadas, da mídia. Isso significa que somos impotentes?

Certamente não! Às redes do Leviatã devem responder as redes da resistência multipolar. Esse foi o significado da nossa reunião em Sousse, Tunísia, em março de 2017, onde com uma delegação corsa e um representante da República de Lugansk, meu camarada Sergei Chpak, tivemos a honra de ouvir os testemunhos de Taher Daech, Coordenador Geral do Comitê Internacional Revolucionário, e Dr. Abdessalam Milad Abughrara, do Conselho Supremo de Tribos e Cidades.

Conseguimos aprender sobre o sofrimento do povo líbio e a imensa esperança para a libertação de Saif El Islam. Esperamos o restabelecimento da Jamahiriya e a chegada ao poder do herdeiro do Coronel Gaddafi. Isso será uma enorme bofetada para a Nova Ordem Mundial.

Também será uma garantia para os europeus que a onda migratória que ameaça trazer o caos étnico no nosso continente será levada ao fim. Cada nação, Cada pólo civilizador, para falar como Aleksandr Dugin, deve defender suas fronteiras. Estamos lutando pela Europa europeia, mas com a mesma convicção para a África africana. Gostaria de pensar a respeito do nosso camarada Kemi Seba, injustamente preso por queimar publicamente um projeto de lei do franco CFA e que hoje é ameaçado de ser entregue ao sistema de justiça francês.

Finalmente, podemos esperar que a nova Líbia mais uma vez se torne o santuário, o pulmão exterior, para usar a palavra de Jean Thiriart, a partir da qual toda a resistência pode ser organizada.

Camaradas, não estamos sozinhos, o inimigo pode ser batido. Na Síria, a aliança do Exército Nacional Sírio, do Hezbollah, do Irã e da Rússia impediu o inevitável. O Daesh está sendo derrotado e os Estados Unidos são obrigados a evacuar seus auxiliares jihadistas de Deir ez Zor por helicópteros.

No Donbass, malgrado o poder da ajuda americana, as repúblicas de Donetsk e Lugansk continuam afrontando a nova ordem mundial e se recusam a se misturar na cloaca ocidental.

Na Venezuela, o presidente Maduro permanece firme apesar das manobras da CIA e do “Deep State”.

É vital que todas essas resistências aprendam a se conhecer, a se organizar, a colaborar entre si. Há algumas semanas, os professores Yves Bataille e Aleksandr Dugin pediram a criação de um novo “Comintern” anti-imperialista. Em Sousse, com os camaradas do CRI, o Donbass e o Mourabitoune, lançamos o mesmo clamor. O fato de que estamos de volta a esta sala hoje mostra que há vontade de perseverar. Espero sinceramente que em breve haverá uma reunião em Belgrado ou Donbass, um encontro com as redes euroasiáticas e, acima de tudo, que um dia todos poderemos nos encontrar na Líbia à sombra da bandeira verde da Jamahiriya.

Camaradas, eu gostaria de concluir com as palavras do Coronel Gaddafi: “Continuem lutando até a vitória, mesmo que vocês não ouçam mais minha voz!”

Deixe uma resposta