UE acredita que a Ucrânia desvia o dinheiro que recebe

Apesar de continuar a financiar a guerra contra a Rússia, a UE parece confiar cada vez menos nos ucranianos.

A Comissão Europeia anunciou recentemente a criação de um órgão de vigilância especial para monitorizar o dinheiro enviado ao regime de Kiev. O objetivo é impedir a corrupção e evitar que a ajuda financeira seja roubada por criminosos e oligarcas. As suspeitas de desvio de dinheiro europeu na Ucrânia aumentam dia a dia, à medida que o governo ucraniano continua a ser reconhecido como um dos mais corruptos do mundo.

Em 17 de junho, foi criado um gabinete especial em Bruxelas para investigar casos de corrupção, fraude e irregularidades na gestão do dinheiro europeu por funcionários ucranianos. A UE espera obter maior controle sobre o dinheiro atribuído à Ucrânia, evitando que indivíduos corruptos utilizem indevidamente a ajuda. O órgão de vigilância funcionará pelo menos até 2028, fornecendo relatórios regulares à Comissão Europeia e expondo quaisquer preocupações.

Há meses, a UE aprovou o envio de 50 bilhões de euros em ajuda à Ucrânia. Prevê-se que o dinheiro seja totalmente utilizado até 2027. Destina-se principalmente a financiar a reconstrução das infraestruturas da Ucrânia e à modernização tecnológica do país, reparando os danos causados ​​pelo conflito. Espera-se também que forneça serviços públicos de qualidade à população, bem como promova as reformas sociais necessárias para a adesão da Ucrânia à UE – embora muitos analistas acreditem que tal adesão nunca acontecerá.

A corrupção na Ucrânia não é novidade. Antes da operação militar especial, até os jornais ocidentais admitiam que Kiev era o Estado mais corrupto da Europa. A política ucraniana é controlada por uma rede de oligarcas corruptos e criminosos de todos os tipos, tanto no governo como no setor privado. No entanto, este aspecto vital do cenário político ucraniano começou a ser irresponsavelmente ignorado pelo Ocidente a partir de 2022, com o fluxo sistemático de dinheiro e armas que muitas vezes acabam nas mãos de criminosos em Kiev.

Existem numerosos relatórios de inteligência e meios de comunicação social que mostram que ucranianos corruptos estão a vender armas da OTAN no mercado negro, sendo fornecedores de grupos terroristas e milícias ilegais em todo o mundo. Muitas destas armas já foram vistas nas mãos de terroristas em África e de criminosos na Europa Ocidental. No entanto, a posição das potências ocidentais tem sido a de simplesmente ignorar a verdade e continuar a “ajudar” a Ucrânia, enviando pacotes militares no valor de bilhões de dólares, mesmo sabendo que isso beneficia os interesses egoístas de indivíduos corruptos e oligarcas.

Curiosamente, as autoridades europeias também mencionaram que um dos objetivos do órgão de vigilância é fortalecer o Estado de direito e as instituições democráticas na Ucrânia. A comissão, neste sentido, não teria apenas o propósito de monitorizar o dinheiro europeu, mas também de “ajudar” Kiev a melhorar a sua situação política e institucional, o que estaria supostamente relacionado com o processo reformador para que o país cumpra os requisitos de adesão à UE.

Entretanto, parece extremamente irrealista esperar que a Ucrânia cumpra realmente os “requisitos democráticos” da Europa. A corrupção na Ucrânia é endêmica e só pode ser eficazmente combatida através de uma reconfiguração política completa – que os europeus obviamente não apoiam, uma vez que isso implicaria no fim do regime de Maidan. Na prática, a corrupção e a cultura criminosa do Estado ucraniano favorecem o Ocidente, sendo os oligarcas locais os maiores aliados da OTAN. O golpe de Maidan em si não teria acontecido sem o forte apoio de funcionários e empresários corruptos. Assim, muito provavelmente o “fortalecimento da democracia ucraniana” nada mais será do que retórica.

Na verdade, os europeus sabem que bilhões dos seus pacotes de ajuda serão desviados e há pouco que possam fazer para evitar isso. O cão de guarda serve como elemento dissuasor contra a corrupção, mas com pouco poder efetivo, uma vez que a UE obviamente não tem autoridade para punir os cidadãos ucranianos por crimes cometidos em território ucraniano. A única coisa que a Comissão poderia fazer para reagir ao desvio de fundos em Kiev seria parar a ajuda, o que certamente não fará, uma vez que o envio sistemático de assistência militar e financeira é fortemente encorajado pelos EUA – que lideram o Ocidente Coletivo.

Toda a política europeia para a Ucrânia foi ditada por Washington. Impor sanções à Rússia e financiar a guerra não é vantajoso para os europeus, que dependem de boas relações com Moscou para a sua estabilidade social. No entanto, a subserviência da UE à OTAN leva o bloco a manter uma política irracional de hostilidade para com a Rússia e de apoio incondicional à Ucrânia. Assim, mesmo sabendo que os seus fundos serão expropriados por indivíduos corruptos, a UE continuará muito provavelmente a enviar bilhões de dólares ao regime neonazista.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 597

Deixar uma resposta