Gaza: A Guerra dos Túneis

Após a Operação Tempestade de Al-Aqsa do movimento palestino Hamas e a resposta de Israel, especialistas militares de vários países começaram a falar sobre o fenômeno da “guerra de túneis”. O conhecido estrategista militar Edward Luttwak publicou um artigo, “The Battle of the Tunnels is about to begin in Gaza” (A batalha dos túneis está prestes a começar em Gaza), em 25 de outubro de 2023.

“As redes subterrâneas [na Palestina] têm muitos usos, com tudo, desde perfurações de armas escondidas de balões aéreos ou radares de abertura sintética (que produzem imagens semelhantes a fotos em todos os graus de visibilidade) até quartéis-generais improvisados e até mesmo áreas de descanso protegidas de ataques aéreos. Construída com cimento e vergalhões doados pela União Europeia, pelo Catar e por instituições de caridade islâmicas e ocidentais ‘para construir moradias para refugiados’ e entregue a Gaza por meio do porto israelense de Ashdod – os governos israelenses que tentaram limitar as importações de cimento foram bombardeados com exigências de ‘direitos humanos’ –, a rede de túneis cresceu exponencialmente na última década. Os analistas-soldados israelenses até se referem a ela como ‘o metrô’, em referência à rede labiríntica de metrô de Londres.”

Não era segredo para Israel que essas comunicações subterrâneas seriam usadas para travar uma guerra contra eles. Mas Luttwak adverte que, se Israel concentrar seus esforços na destruição dos túneis em Gaza, ficará praticamente impotente. Porque a guerra de túneis exige habilidades muito específicas de detecção e monitoramento, equipamentos, armas de curto alcance (até mesmo rifles de assalto compactos são muito longos), o uso de escudos e respiradores especializados e um tempo de reação muito rápido.

Os especialistas dizem que há vários tipos de túneis na região. Ao longo da fronteira norte com o Líbano, o Hezbollah usou brocas com ponta de diamante para cortar passagens na rocha. Na fronteira sul, os túneis de Gaza para o Egito são usados há muito tempo para contrabandear mercadorias, enquanto os túneis para Israel foram usados para atacar vilarejos israelenses e, em 2006, para sequestrar o soldado israelense Gilad Shalit.

Um líder do Hamas, Yehya Sinwar, afirmou recentemente que eles têm 500 quilômetros de túneis escavados sob a Faixa de Gaza, uma área de cerca de 360 quilômetros quadrados, aproximadamente duas vezes o tamanho de Washington, D.C. O Hamas sobreviveu a bombardeios, ataques aéreos e grandes incursões terrestres das IDF em 2009 e 2014. Portanto, ao longo dos anos de experiência, eles se certificaram de que a estrutura de comando, a mão de obra e os depósitos de munição usados para atacar Israel a partir de pontos de disparo ocultos podem sobreviver às incursões, à artilharia e aos ataques aéreos israelenses.

De acordo com a IDF, a estrutura subterrânea de defesa e ofensiva do Hamas está bem abastecida com alimentos e combustível. Isso permitirá que os combatentes do Hamas resistam a um cerco prolongado. Para agravar a situação, há o fato de que as entradas dos túneis geralmente estão em residências, vários prédios, campos no deserto ao redor de Gaza e uma encontrada em uma máquina de lavar. Encontrá-los é como procurar uma agulha em um palheiro. De acordo com as IDF, o centro de comando e controle de todo o labirinto de túneis está localizado sob o maior hospital de Gaza, o Al-Shifa. Aparentemente, essas declarações de Israel são dadas para justificar os ataques a igrejas, mesquitas e hospitais na Faixa de Gaza.

É importante observar que Israel não tem ilusões sobre os perigos que enfrenta ao atacar os túneis do Hamas. Já travou uma batalha difícil em suas profundezas durante a invasão terrestre de 50 dias em Gaza lançada em 2014 para destruir os túneis para Israel (Operação Unbreakable Rock).

Durante essa campanha, as tropas israelenses entraram nos túneis nos arredores de Gaza e sofreram baixas porque não estavam preparadas para o que viria pela frente. Os soldados israelenses enfrentaram enormes dificuldades tecnológicas para localizar, combater e destruir os túneis ocultos do Hamas.

Em resposta aos esforços do Hamas, Israel havia criado anteriormente uma unidade especial do Corpo de Engenheiros, conhecida informalmente como Yahalom (Diamante). A unidade de guerra de túneis é chamada de “Samur”, que significa “doninha” em hebraico e são as iniciais das palavras “Slikim” (esconderijos) e “Minharot” (cavernas ou túneis).

Em seu site, a “Unidade Avançada Yahalom” descreve sua missão da seguinte forma: missões especiais de sabotagem, demolição e explosão de edifícios, sabotagem da infraestrutura inimiga, manuseio de explosivos, preparação de dispositivos explosivos e bombas, neutralização de dispositivos explosivos inimigos, limpeza de campos minados complexos e localização e destruição de túneis terroristas. A unidade às vezes utiliza robôs e muitos dispositivos de controle remoto.

Um centro de treinamento subterrâneo secreto foi criado para treinar a unidade, com uma maquete dos túneis do Hamas construída para “detectar, mapear e neutralizar túneis subterrâneos que ameaçam qualquer país”. As unidades de túneis israelenses praticaram a guerra subterrânea na cidade palestina artificial de Baladiya, localizada em uma base militar no deserto de Negev.

No entanto, até o momento, a IDF não teve nenhum sucesso especial na destruição dos túneis. Somente o uso de bombas anti-bunker com um forte efeito destrutivo lhes dá alguma esperança. No entanto, isso ocorre ao custo de um grande número de vítimas civis. Em um mês de combates na Palestina, mais de 10.000 pessoas foram mortas.

A própria questão do uso de várias passagens e estruturas subterrâneas como ferramenta de guerra não é algo novo ou extraordinário. Nos tempos antigos, túneis e estruturas subterrâneas também eram usados em guerras.

Por exemplo, os judeus os usaram para atacar as legiões romanas durante a revolta de 66-70 d.C. Os romanos encontraram táticas semelhantes nos Bálcãs e nas florestas das tribos germânicas. Ainda mais cedo, os túneis subterrâneos foram construídos pelos persas para minar cidades e também foram usados para limpar os soldados que avançavam com enxofre aceso (o protótipo de um ataque com gás).

Durante a Idade Média e o Renascimento, a técnica de escavação de túneis e o uso de cargas de pólvora foram bastante aprimorados na Europa. A Ásia também usou a escavação de túneis até as guerras do século XX – os chineses construíram túneis entre as casas dos vilarejos para atacar os japoneses durante a ocupação. Mais tarde, os próprios japoneses começaram a criar sistemas de comunicação semelhantes que foram usados contra os fuzileiros navais dos EUA. A famosa linha defensiva Maginot na França também tinha um sistema de túneis e bunkers subterrâneos. Em 1940, os alemães não a atacaram, mas simplesmente a contornaram, tomando-a sem um único tiro, e a França foi forçada a capitular.

O Vietnã, a Coreia do Norte e o Afeganistão são locais onde os militares dos EUA já se depararam com a guerra de túneis. Entretanto, antes dos americanos no Afeganistão, os soldados soviéticos já estavam familiarizados com eles. Durante a Guerra Fria, sistemas de bunkers subterrâneos foram ativamente criados tanto na URSS quanto nos EUA e foram projetados para acomodar centros de comando.

Além de Israel, os EUA também estão muito interessados nesse tipo de ação.

O primeiro manual que descreve táticas e procedimentos de combate em estruturas subterrâneas é o FM 90-10-1, “An Infantryman’s Guide to Combat in Built-Up Areas” (Guia do soldado de infantaria para combate em áreas construídas), datado de 1993.

Antes das guerras do Iraque e do Afeganistão, a missão de capturar grandes complexos militares subterrâneos era atribuída a unidades de operações especiais de primeira linha, como a Força Delta do Exército e a Equipe SEAL 6 da Marinha, bem como o 75º Regimento de Rangers do Exército dos EUA.

No entanto, depois que os EUA designaram a Coreia do Norte, a Rússia, o Irã e a China como ameaças, os requisitos mudaram.

No final de 2017, o Exército dos EUA gastou cerca de US$ 572 milhões para treinar e equipar 26 de suas 31 brigadas de combate ativas para lutar em estruturas subterrâneas de grande escala sob áreas urbanas densamente povoadas em todo o mundo. A Circular de Treinamento TC 3-20.50, “Treinamento de pequenas unidades em ambientes subterrâneos”, foi lançada na época.

Em 2018, a DARPA lançou o projeto Subterranean Challenge (Desafio Subterrâneo) para treinar combatentes e socorristas explorando sistemas de túneis artificiais, metrôs urbanos e redes de cavernas naturais.

No mesmo ano, um centro de treinamento de guerra subterrânea foi construído em Fort Bragg, Carolina do Norte. Ele foi construído no Range 68 e apresenta mais de um quilômetro de túneis com espaços apertados e elementos inesperados.

Em novembro de 2019, o Exército dos EUA emitiu outro documento doutrinário sobre o tema da guerra subterrânea. Ele afirmava que existem mais de 10.000 túneis táticos no mundo e que as estruturas subterrâneas serão cada vez mais usadas nos conflitos armados modernos.

Também foi dito que, para combater esse novo tipo de combate, as unidades de infantaria precisam saber como navegar, se comunicar, superar obstáculos difíceis e atacar as forças inimigas de forma eficaz em labirintos subterrâneos que variam de corredores estreitos a túneis tão largos quanto ruas residenciais. Os soldados precisarão de novos equipamentos e treinamento para operar em condições como escuridão total, ar ruim e falta de cobertura contra fogo inimigo em áreas onde os equipamentos de comunicação padrão do exército não funcionam.

Os EUA também chamaram a atenção para a experiência na Síria, onde os terroristas do ISIS (proibido na Rússia) e outros grupos antigovernamentais usaram comunicações subterrâneas (incluindo a criação de túneis) para atacar postos de controle, explodir prédios e outras infraestruturas em várias cidades.

Mas, além das ameaças hipotéticas, já existem centenas de túneis nos Estados Unidos ao longo da fronteira com o México, que são usados pelos cartéis de drogas para contrabandear drogas e migrantes ilegais através da fronteira. Em janeiro de 2011, o governo dos EUA construiu um túnel especial em Yuma, Arizona, para estudar esse problema e desenvolver medidas para combatê-lo. Várias tecnologias “antitúnel” começaram a ser praticadas lá. Elas usavam detectores acústicos, geradores de ondas eletromagnéticas, robôs equipados com sensores e bombas especiais anti-bunker.

É provável que Israel já tenha recebido algum apoio de seus colegas americanos quando os primeiros aviões com equipamentos e munição chegaram em outubro.

É claro que a probabilidade de conflitos armados usando infraestrutura subterrânea não está relacionada apenas a Israel e aos Estados Unidos.

Em 2015, Paul Springer, professor de história militar comparativa na Faculdade de Comando e Estado-Maior da Força Aérea dos EUA, alertou que “se a guerra irregular continuar sendo comum nas próximas décadas, como tem sido em muitos conflitos recentes, os túneis provavelmente desempenharão um papel cada vez mais importante. As potências convencionais dominantes, principalmente os Estados Unidos, têm uma enorme vantagem informativa proporcionada pela vigilância aérea. Uma maneira de compensar alguns dos efeitos desse domínio de informações é simplesmente ocultar as atividades, principalmente as subterrâneas. Os túneis podem criar um pesadelo defensivo para os atacantes e anular muitas das vantagens de uma força convencional tecnologicamente superior. O processo de desobstrução e destruição de uma rede de túneis é caro, demorado e provavelmente causará muito mais baixas do que um combate acima do solo. Os túneis também oferecem um uso duplo em tempos de paz, pois fornecem rotas de infiltração e contrabando. Se as entradas e o layout dos túneis puderem ser mantidos em segredo, sua existência criará uma grande ameaça à segurança.”

Aparentemente, Springer estava se referindo ao Irã quando falou sobre compensação por causa dos recursos de inteligência dos EUA. E o Irã tem uma extensa infraestrutura subterrânea de bunkers, que abrigam mísseis e drones.

O exército russo também enfrentou uma guerra de túneis quando expulsou os neonazistas ucranianos do Batalhão Azov (uma organização terrorista proibida na Rússia) dos subterrâneos da fábrica Azovstal. Por outro lado, a infraestrutura industrial ainda é diferente das comunicações militares especialmente projetadas. Portanto, no atual confronto com o Hamas, Israel não tem ferramentas eficazes para destruí-los. Por isso, a IDF está usando táticas de terra arrasada em uma tentativa de obter um efeito de intimidação.

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 53

Deixar uma resposta