Cinco Frentes contra o Globalismo Unipolar

O filósofo russo Alexander Dugin contextualiza as atuais tensões em relação à Guiana Essequiba como parte de um enfrentamento planetário contra a hegemonia unipolar dos EUA.

Às vésperas de 2024, vale a pena dar uma olhada na situação geral do mundo e nas principais tendências geopolíticas. De modo geral, estamos passando da unipolaridade para a multipolaridade. Este ano, a multipolaridade se tornou mais estruturada dentro do BRICS-10 (a Argentina, que acabou de entrar para essa organização, foi expulsa às pressas por um novo palhaço globalista, Javier Miléi).

A recente visita triunfante de Vladimir Putin aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita, seguida de longas conversas com o presidente iraniano Raisi, mostra como a Rússia leva a sério a multipolaridade. Especialmente no período que antecede 2024, quando a Rússia assume a presidência do BRICS por um ano.

No final do ano, desta vez na América Latina, surgiu uma nova síndrome de multipolaridade. O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou a reivindicação de seu país ao território da Guiana Britânica. Maxim Medovarov, em seu canal tg “Zapiski Traditionalist”, aponta corretamente que a própria Guiana foi um produto do gênio atlantista maligno de Lord Palmerston, que planejou e executou “o desmembramento da Grande Colômbia em pedaços após a morte de Bolívar, incluindo a anexação da província de Essequibo à Guiana Britânica (Guiana)”. A Guiana-Essequibo Britânica (juntamente com as Malvinas) é outra frente de multipolaridade versus unipolaridade.

No total, já estamos lidando com cinco frentes potenciais ou reais:

  1. A Rússia está em guerra com o Ocidente coletivo e o globalismo americano (anglo-saxão) na Ucrânia. Trata-se essencialmente de uma guerra civil de russos – russos imperiais contra russos atlantistas que traíram sua identidade russa. Os “russos” atlantistas estão sendo usados pelas forças unipolares do Ocidente.
  2. O mundo islâmico está se consolidando (com um sério atraso) contra Israel, que está sistematicamente genocidando a população árabe. Ao mesmo tempo, o Ocidente unipolar está mais uma vez do lado de Israel (seu representante no Oriente Médio).
  3. O bloco de países anticoloniais na África Ocidental (Mali, Burkina Faso, Níger, RCA, Gabão) está unido contra os regimes pró-coloniais (atlantistas) e contra a França globalista de Macron. Aqui também, um conflito aberto pode eclodir a qualquer momento.
  4. A possível frente de Taiwan contra a China continental talvez seja o que mais preocupa os EUA (e aqui é provável que haja um conflito direto).
  5. A declaração de direitos da Venezuela sobre Essequibo, a parte ocidental da Guiana Britânica, que é uma criação artificial colonialista e atlantista. A questão das Malvinas, que pode muito bem se tornar aguda após a expulsão do degenerado que chegou ao poder (isso é o que acontece quando o peronismo revolucionário se mistura com o liberalismo, como fez o perdedor Sergio Massa).

A Índia (Bharat) ocupa um lugar especial na heptarquia multipolar. É um Estado-civilização independente que está estrategicamente mais próximo dos Estados Unidos (devido ao conflito com a China e o Paquistão e, de modo mais geral, ao fator islâmico). Ao mesmo tempo, a Índia é amiga da Rússia, da África e da América Latina. Não há áreas de conflito direto com os globalistas (além da lembrança da monstruosa era da colonização britânica). O Ocidente costumava apoiar o Islã radical e o Paquistão. Os globalistas precisam da Índia para enfrentar a China.

É importante que os atlantistas e os defensores de um mundo unipolar a todo custo percebam isso. Em abril de 2022, quando era Secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss falou sobre o “retorno da geopolítica”. Recentemente, a ex-primeira-ministra da Inglaterra, que foi primeira-ministra por um período recorde, a Sra. Truss, durante sua turnê americana para tentar influenciar os republicanos de uma perspectiva atlantista a alocar fundos para continuar a guerra de Kiev contra a Rússia, declarou que “Ucrânia, Israel e Taiwan não são guerras diferentes, são a mesma guerra”.

Essa é a visão geopolítica correta das coisas. E as tensões na África Ocidental e perto do Essequibo também são frentes da “mesma guerra”.

Toda a heptarquia (o Ocidente, a Rússia, a China, a Índia, o mundo islâmico, a África e a América Latina) está dividida em uma linha principal – o Ocidente contra os outros Seis. Os próprios globalistas veem isso de forma clara e distinta. Para eles, existe apenas um polo, o próprio Ocidente. Os outros deveriam ser seus vassalos (não polos soberanos) e se opor uns aos outros, não a ele.

É importante que a estrutura do confronto global de seis contra um também seja bem compreendida na Rússia. Em seu artigo “2024 – o ano do despertar geopolítico” na revista “Razvedchik”, o chefe do SVR russo, Sergey Naryshkin, afirma

“O próximo ano no cenário mundial será marcado por uma maior intensificação do confronto entre os dois princípios geopolíticos descritos acima: o princípio anglo-saxão, ou insular, de “dividir para reinar” e o princípio continental diretamente antagônico de “unir para reinar”. As manifestações desse confronto feroz no próximo ano serão vistas em todas as regiões do mundo, mesmo as mais remotas: do espaço pós-soviético, que é o mais importante para nós, à América do Sul e ao Oceano Pacífico”.

Portanto, teremos que “unir e liderar” (inclusive unir e liderar os territórios eurasiáticos – em primeiro lugar a Ucrânia, que foi traída). E o inimigo continuará tentando “dividir para reinar”, tentando semear a inimizade entre os polos da heptarquia – os seis “mundos” emergentes – russo, chinês, islâmico, indiano, africano e latino-americano. Os inimigos querem que haja apenas um mundo, o deles. Eles rejeitam e demonizam a existência de outros mundos, diferentes do mundo ocidental. Em particular, o mundo russo. Devemos entender que as cinco frentes na luta contra a ordem mundial unipolar e a hegemonia ocidental são todas frentes de nossa guerra.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 53

Deixar uma resposta