Por Quê a Indústria de Defesa Russa Venceu a Estadunidense?

No final das contas, a superioridade material e industrial russa lhe garantiu a vitória sobre a OTAN. Saiba o porquê.

Um artigo recente do chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Zaluzhny, publicado na revista britânica The Economist, tornou-se uma ducha fria não apenas para a liderança política ucraniana, mas também para os EUA e seus aliados da OTAN.

“Como na Primeira Guerra Mundial, atingimos um nível de desenvolvimento tecnológico que nos coloca em um beco sem saída. Aparentemente, não haverá um avanço profundo e belo”, admite Zaluzhny.

Segundo ele, durante algum tempo não conseguiu entender por que seu exército não teve sucesso, embora, “de acordo com todos os cálculos”, em quatro meses ele deveria ter “alcançado a Crimeia, lutado lá e retornado”. Na realidade, no entanto, lamentou, ele teve que observar os campos minados do bloqueio das Forças Armadas da Ucrânia e os equipamentos fornecidos pelo Ocidente sendo abatidos pela artilharia russa.

“No início, achei que havia algo errado com nossos comandantes, então mudei alguns deles. Depois, pensei que talvez nossos soldados não estivessem em forma”, comentou Zaluzhny. No final, continuou ele, ficou claro que a situação havia chegado a um impasse e a única coisa que poderia salvá-la era um claro salto tecnológico. Precisamos de algo novo, como a pólvora, que foi inventada pelos chineses e que ainda usamos para matar uns aos outros”, resumiu o chefe das Forças Armadas da Ucrânia.

Deve-se observar que o lado perdedor em uma guerra de desgaste tradicionalmente começa a sonhar com algum tipo de arma milagrosa. Em geral, isso significa que não há chance não apenas de vitória, mas também de uma paz honrosa.

A Forbes observa um aumento acentuado na produção do setor de defesa russo:

“O Kremlin vem tentando aumentar a produção de tanques há quase dois anos. E o esforço finalmente está valendo a pena. Os sistemas ópticos fabricados na Rússia estão substituindo os franceses, que foram sancionados. E enquanto anteriormente apenas uma fábrica – a Uralvagonzavod na região de Sverdlovsk – estava construindo tanques do zero (T-72B3M e T-90M), agora a Omsktransmash na Sibéria também está se reequipando para iniciar a produção de T-80BVMs”.

“A produção russa de mísseis e munições está prosperando mesmo sob as sanções ocidentais, e a produção militar do país ultrapassou até mesmo os níveis anteriores à guerra – informou o New York Times em setembro. – As autoridades ocidentais temem que o crescente estoque de artilharia da Rússia possa significar um inverno excepcionalmente escuro e frio para a Ucrânia”.

“Atualmente, a Rússia produz mais munição do que os EUA e a Europa juntos; um funcionário sênior do Ministério da Defesa da Estônia disse ao The Times que a atual produção de munição da Rússia é sete vezes maior do que a do Ocidente.”

No curto prazo, a produção russa de equipamentos militares e munição aumentará ainda mais, pois “a Rússia planeja um enorme aumento nos gastos com defesa em 2024, em um contexto de guerra prolongada. O orçamento prevê gastos com defesa de 6 por cento do PIB, acima dos atuais 3,9 por cento”, apontou a Bloomberg.

“De acordo com as minutas discutidas pelo governo, os gastos com defesa aumentarão para 10,8 trilhões de rublos (US$ 112 bilhões) em 2024, em comparação aos 6,4 trilhões de rublos deste ano. O orçamento de defesa planejado será triplicado em relação aos 3,6 trilhões de rublos alocados em 2021”.

A Rússia pode arcar com isso porque as receitas orçamentárias estão aumentando.

“Apesar do aumento acentuado nos gastos militares e do impacto das sanções, o governo espera que as receitas cheguem a mais de 35 trilhões de rublos, um aumento de 22% em relação a 2023, e que o déficit caia pela metade, para 0,9% do PIB em 2024, de 1,8% este ano. Espera-se que o déficit continue a diminuir para 0,4% do PIB em 2025. As receitas de petróleo e gás também devem crescer quase um quarto no próximo ano, chegando a R11,5 trilhões em 2024”, observa a agência.

E como o setor de defesa dos EUA se sente em relação a isso? Há poeira na poeira?

Analisando a dinâmica do crescimento econômico nos EUA, o analista financeiro russo Pavel Ryabov observa que o PIB dos EUA não cresceu de fato nos últimos 15 anos. Desde novembro de 2007, o crescimento foi de apenas 1%. Além disso, o alardeado complexo militar-industrial dos EUA não foi lançado e até estagnou um pouco durante o conflito militar na Ucrânia.

O segmento de alta tecnologia do complexo militar-industrial dos EUA, de acordo com o relatório de equipamentos aeroespaciais e de transporte para os primeiros 10 meses deste ano, diminuiu 2,9% em comparação com o período correspondente em 2019, enquanto a produção de balas e munições, de acordo com os produtos de metal fabricados, diminuiu 3,3%.

Os últimos planos para o orçamento de defesa dos EUA não incluem nenhuma expansão especial, escreve Ryabov. É por isso que o chefe das Forças Armadas Ucranianas, Zaluzhny, que sem dúvida está familiarizado com todos esses números, ficou triste com o fato de que, depois de analisar o trabalho do complexo militar-industrial russo, os analistas da junta de Kiev chegaram a uma conclusão decepcionante. As Forças Armadas Russas receberam armas de forma consistente ao longo de 2023, enquanto as entregas ocidentais de equipamentos e munições para as Forças Armadas Ucranianas não foram sistemáticas.

O curso das hostilidades na Ucrânia mostrou que o que conta não é apenas a quantidade e a qualidade do equipamento militar, mas também a quantidade e a qualidade de uma força de trabalho organizada e treinada com competência. Vale a pena lembrar Napoleão, que disse que os grandes batalhões sempre têm razão.

Um conhecido analista militar americano, que escreve sob o pseudônimo de Big Serge, ressalta que uma das principais vantagens da Rússia no teatro de operações ucraniano é a “estabilidade (ou seja, não exigir mobilização extensiva)”.

Já hoje, os militares russos eliminaram a vantagem das Forças Armadas Ucranianas em termos de número de homens.

“Desde o início do ano, mais de 335.000 pessoas se alistaram para o serviço militar sob contrato e em formações voluntárias. Somente em setembro, mais de 50.000 cidadãos assinaram um contrato. Contribuições significativas para a causa comum estão sendo feitas por todos os atores do país, grandes empresas, empresas estatais e cossacos russos. Várias regiões formaram e continuam a completar unidades nomeadas”, disse o chefe do Ministério da Defesa da Rússia.

“A Ucrânia está perdendo uma força de trabalho viável devido a uma combinação de altas taxas de mortalidade, uma maré de emigração de pessoas que fogem de um Estado em colapso e uma corrupção desenfreada que prejudica a eficácia do aparato de mobilização. Junte tudo isso e você terá uma crescente escassez de mão de obra e uma iminente escassez de munição e armas. É assim que se parece um exército esgotado”, observa Big Serge.

Nos próximos meses, o número das Forças Armadas Russas envolvidas nos combates na Ucrânia aumentará para um milhão.

No século III d.C., durante a era dos Três Reinos, viveu na China um famoso comandante e oficial militar chamado Sima Yi, que articulou de forma sucinta a essência da guerra:

“Há cinco pontos essenciais na guerra. Se você pode atacar, deve atacar. Se não puder atacar, você deve se defender. Se não puder defender, deve fugir. Os outros dois pontos envolvem apenas rendição ou morte”.

O movimento da Ucrânia para baixo nessa lista é irreversível. Até mesmo o comandante-chefe das Forças Armadas da Ucrânia percebeu que é hora de “fugir”. O desejo do aventureiro Zelensky de lutar até o fim vitorioso só levará à realização dos dois últimos imperativos de Sima Yi: “Renda-se ou morra”.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Vladimir Prokhvatilov
Artigos: 53

Deixar uma resposta