O Conceito de Política Externa como a Apoteose do Multipolarismo e o Catecismo da Soberania

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia publicou uma nova doutrina oficial de política externa, em que ela enfatiza conceitos fundamentais como o da multipolaridade e do Estado-Civilização. O filósofo Alexander Dugin comenta sobre essa transformação ideológica da Rússia.

Em 31 de março, o presidente russo Vladimir Putin aprovou um novo conceito de política externa. Este documento pode ser visto como o acordo final dessas mudanças na consciência geopolítica e cívica das autoridades russas que começaram há 23 anos com a ascensão de Putin ao poder. Somente agora, nesta versão, a doutrina de política externa da Rússia assume uma aparência claramente contrastante e inequívoca. Desta vez, ela está livre de ambiguidade e sutileza.

É um verdadeiro programa de ação aberto de uma grande potência continental soberana que declara sua visão da próxima ordem mundial, seus parâmetros e fundamentos e, ao mesmo tempo, expressa a vontade de ferro de construir esta mesma arquitetura, apesar de qualquer nível de confronto com aqueles que tentariam impedi-la rigidamente e impor um plano externo à Rússia, até e incluindo um ataque nuclear preventivo.

A espinha dorsal da soberania estratégica em todos os aspectos

O conceito introduz e utiliza todos os termos fundamentais coerentes e congruentes com a teoria do mundo multipolar e a interpretação eurasiática da essência civilizatória da Rússia. Assim, a vitória dos defensores do caminho soberano da existência histórica da Rússia foi finalmente consagrada em um documento-chave de política estratégica. Tal clareza e consistência total e incomum na formulação e definições é certamente o resultado da guerra com o Ocidente coletivo, que entrou numa forma direta e feroz, onde a própria existência da Rússia está em jogo. E não apenas vencer, mas simplesmente conduzir tal guerra sem princípios, regras e atitudes claras é simplesmente impossível.

O novo conceito estabelece claramente as regras que a Rússia aceita e concorda. Além disso, ele as formula pela primeira vez. Estas regras são diretamente opostas à estratégia globalista, ao unipolarismo e à teoria liberal das relações internacionais. Enquanto antes, a Rússia tentava encontrar formulações de compromisso que refletissem tanto o desejo de soberania quanto a busca de um compromisso com o Ocidente, agora ele é diferente: A Rússia é um Estado mundial, um país-continente que é uma civilização independente – com suas próprias orientações, objetivos, origens, valores, com sua própria identidade imutável que não depende de nenhuma força externa. Por mais que os ocidentais e os liberais russos tenham lutado contra o “caminho especial”, ele agora foi aprovado em lei e é a principal disposição da política externa. Os dissidentes terão que aceitá-lo ou se opor abertamente a ele.

Em 31 de março de 2023, patriotas, eurasianistas e defensores da plena soberania civil alcançaram provavelmente a vitória mais impressionante e visível da era pós-soviética. A ideia de um caminho eurasiático russo na política externa triunfou. O conceito foi desenvolvido no Ministério das Relações Exteriores e assinado pelo Presidente. É sobre este arco que o assunto russo agora se mantém – a espinha dorsal da soberania estratégica em todos os aspectos.

A adoção de um conceito tão sério e consistente internamente exigirá mudanças correspondentes na doutrina militar também, e um enorme trabalho organizacional para alinhar as instituições do poder executivo, bem como a educação e a informação, com as linhas de poder completamente novas. O Conselho também tem um papel a desempenhar neste processo.

Se o país agora não apenas segue seu caminho particular russo, mas o declara explicitamente, então, em essência, tudo muda. Mesmo flertar com o Ocidente e suas “regras” e “critérios” não faz sentido. O Ocidente liberal e globalista cortou a Rússia de si mesmo e, além disso, entrou em confronto militar direto com ele. Com sua nova doutrina de política externa, a Rússia está apenas corrigindo este estado de coisas.

As máscaras foram descartadas: somos resolutamente a favor de um mundo multipolar, enquanto aqueles que são contra ele, que procuram preservar a ordem mundial unipolar a qualquer custo, não são chamados de “parceiros”, “colegas” ou “amigos”, mas inimigos diretos, contra os quais a Rússia está preparada para lançar um ataque nuclear preventivo, se necessário.

Desta forma, toda a estrutura da política externa e os processos que se desdobram no cenário internacional entraram em foco e se tornaram completamente simétricos. As elites globalistas do Ocidente moderno não fazem segredo de sua intenção de destruir a Rússia, de derrubar e trazer seu líder à justiça, de destruir qualquer iniciativa em direção a um mundo multipolar. Elas estão fornecendo massivamente armas aos neonazistas ucranianos e fomentando a russofobia em todos os lugares, dando a si mesmas o direito de agir como acharem melhor em qualquer parte do mundo.

A Rússia finalmente está respondendo a eles da mesma forma. Nós entendemos suas intenções e sua lógica. Mas nós a rejeitamos totalmente. Pretendemos defender nossa existência e soberania por qualquer meio, estamos prontos para lutar por ela e pagar qualquer preço.

O conceito de política externa adotado se baseia em uma posição fundamental: A Rússia é proclamada:

  • “um Estado-civilização distinto”,
  • “uma vasta potência eurasiática e euro-pacífica”,
  • “um eixo em torno do qual “o povo russo e outros povos estão unidos”,
  • “o núcleo de uma ‘comunidade cultural e civilizacional especial do mundo russo'”.

Este é o ponto principal. É a resposta a uma pergunta que é tudo menos tão simples quanto parece: quem somos nós? É desta autodefinição que deriva a multipolaridade na qual tudo o mais se baseia. Se é uma civilização, então ela não pode fazer parte de outra civilização. Portanto, a Rússia não faz parte da civilização ocidental (como argumentado em versões anteriores do conceito de política externa), mas é uma civilização independente, soberana, não ocidental, ou seja, o Mundo Russo. Este é o princípio principal no qual a política externa da Rússia se baseia a partir de agora.

O longo caminho para uma civilização soberana

Putin percorreu um longo caminho em 23 anos, desde as primeiras tentativas cautelosas mas resolutas de restaurar a soberania da Rússia como Estado, quase completamente perdida nos anos 90, reconhecendo que a Rússia (embora soberana) é parte do mundo ocidental, parte da Europa (de Lisboa a Vladivostok) e geralmente compartilha valores, regras e atitudes ocidentais, até o choque frontal com o Ocidente coletivo, rejeitando abertamente sua hegemonia, recusando-se a reconhecer seus valores, princípios e regras como universais e estritamente aceitos pela Rússia.

A assinatura de Putin em 31 de março de 2023 com o novo conceito de política externa significa que o caminho de um Estado soberano no contexto de uma civilização liberal globalista ocidental comum para uma civilização soberana, o mundo russo e um pólo independente foi definitivamente passado. A Rússia não é mais o Ocidente. O Ocidente foi o primeiro a proclamar isto, lançando uma guerra de aniquilação contra nós. Após um ano de operação militar especial, nós também a afirmamos. Não com pesar, mas com orgulho.

Na definição acima da Rússia há quatro níveis, cada um representando o conceito mais importante na política externa.

A afirmação de que a Rússia é um Estado-civilização significa que não estamos lidando com um simples Estado-nação de acordo com a lógica do sistema vestfaliano, mas com algo muito maior. Se a Rússia é um Estado-civilização, então não deve ser comparada com um país ocidental ou não ocidental em particular, mas com o Ocidente como um todo, por exemplo. Ou com outro Estado-civilização, como a China ou a Índia. Ou simplesmente com uma civilização representada por muitos Estados (como o mundo islâmico, a América Latina ou a África). Um Estado-civilização não é apenas um Estado muito grande, é como os antigos impérios, os reinos dos reinos, um Estado de Estados. Dentro do Estado-civilização podem existir várias entidades políticas, mesmo as bastante autônomas. De acordo com Konstantin Leontiev, esta é uma complexidade na construção, não uma unificação linear, como nos Estados-nações comuns da Nova Era.

Ao mesmo tempo, porém, a Rússia é descrita como uma “vasta potência eurasiática e euro-pacífica”, ou seja, como um forte Estado soberano de dimensões continentais. Os eurasianistas se referem a ela como um “Estado continental”. O adjetivo “vasto” não é usado como puramente descritivo. A verdadeira soberania só pode ser possuída por “vastos” poderes. Aqui vemos uma referência direta à noção de “vasto espaço”, que é um componente necessário da soberania estratégica em seu próprio direito. Um poder que não cumpre estes requisitos não pode ser verdadeiramente soberano. O caráter eurasiático e euro-pacífico da Rússia aponta diretamente para o pleno reconhecimento da geopolítica eurasiática e de suas disposições básicas. A Rússia-Eurásia na filosofia eurasiática é um conceito oposto à interpretação da Rússia como um dos países europeus. O próprio termo “poder” deve ser interpretado como um sinônimo de império.

Muito importante é a referência ao povo russo e a outros povos que compartilham com os russos seu destino histórico, geopolítico e civilizacional. O povo russo tornou-se um povo de várias tribos eslavas orientais, fino-úgricas e túrquicas precisamente no processo de construção histórica da nação. Ao construir um Estado, a nação também se construiu a si mesma. Daí o elo indissolúvel entre os russos e sua independência e a condição de Estado. Mas, ao mesmo tempo, é também uma indicação de que o Estado foi criado pelo povo russo, preservado e sustentado por ele.

A introdução do conceito do “mundo russo” no corpo do conceito de política externa é altamente reveladora. O Estado nunca coincide – com raras exceções – com as fronteiras da civilização. Cada vez em torno de suas fronteiras estabelecidas existem zonas de intensa influência desde o início da civilização. O mundo russo é uma área histórica e cultural circunscrita, que certamente pertence à Rússia como civilização, mas nem sempre faz parte do poder russo. Em alguns casos, com relações harmoniosas e amistosas entre países, o mundo russo pode existir harmoniosamente em ambos os lados da fronteira. Mas na presença de conflitos interestatais, o Estado-civilização, que é o que a Rússia é (de acordo com este conceito de política externa), tem todos os motivos para defender sua civilização – e, nos casos mais críticos, ignorar as próprias fronteiras. Assim, o conceito do mundo russo no contexto geral da definição da Rússia esclarece a lógica de suas ações no espaço pós-soviético e, em particular, dá à operação militar especial legitimidade doutrinária e validade ideológica.

O Ocidente perdeu seu direito moral à liderança

Tudo o mais deriva da definição principal do status da Rússia como uma civilização soberana. Ela não sente mais a necessidade de se conformar ao Ocidente global, Moscou em seu novo conceito de política externa diretamente e ataca duramente o eurocentrismo, rejeita a hegemonia ocidental e equaciona a globalização com um novo ciclo de imperialismo e colonialismo.

O texto do conceito afirma que o centro da humanidade está se deslocando constantemente para regiões não ocidentais do planeta – Ásia, Eurásia, África, América Latina.

O modelo de desenvolvimento global desequilibrado, que durante séculos garantiu um crescimento econômico superior ao das potências coloniais, apropriando-se dos recursos dos territórios e Estados dependentes na Ásia, na África e no Hemisfério Ocidental, está se tornando irreversivelmente uma coisa do passado. A soberania e as oportunidades competitivas das potências mundiais não ocidentais e dos líderes regionais foram fortalecidas.

Esta é a essência do multipolarismo. O Ocidente não só perdeu a capacidade técnica de permanecer como hegemônio mundial em política, economia e indústria, como também perdeu o direito moral de liderar.

A humanidade está passando por uma era de mudanças revolucionárias. A formação de um mundo mais equitativo e multipolar continua.

Neste contexto, a aspiração da Rússia de fortalecer ainda mais a multipolaridade, cooperar ativamente com outros Estados-civilizações (principalmente China e Índia) e apoiar plenamente várias alianças e associações de integração regional é declarada uma agenda positiva.

“Para ajudar a adaptar a ordem mundial às realidades de um mundo multipolar, a Federação Russa pretende priorizar (… ) o fortalecimento do potencial e o aumento do papel internacional da associação interestatal BRICS, da Organização para Cooperação de Xangai (SCO), a Comunidade de Estados Independentes (CEI), a União Econômica Eurasiática (EEU), a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), o RIC (Rússia, Índia, China) e outras associações interestatais e organizações internacionais, bem como mecanismos com significativo envolvimento russo.

O mundo está se tornando irreversivelmente multipolar, mas a velha ordem unipolar não vai desistir sem lutar. Esta é a principal contradição da era moderna. Ela explica o significado dos principais processos da política mundial. O fato é que, explica o conceito, o Ocidente liberal e globalista, percebendo que os dias de sua liderança estão contados, não está pronto para aceitar as novas realidades e no auge da agonia começa a lutar desesperadamente pela preservação de sua hegemonia.

Isto explica a maioria dos conflitos mundiais e, sobretudo, a política hostil das elites ocidentais em relação à Rússia, que se tornou objetivamente um dos pólos mais óbvios e consistentes da ordem multipolar. Precisamente porque a Rússia se declarou um Estado-Civilização, recusando-se a reconhecer a universalidade da ordem mundial ocidental e suas regras, ou seja, o modelo unipolar da ordem mundial, tornou-se objeto de ataque do Ocidente, que construiu uma ampla coalizão de países hostis à Rússia e estabeleceu diretamente o objetivo de privar a Rússia de sua soberania.

Os Estados Unidos da América (EUA) e seus satélites, vendo o fortalecimento da Rússia como um dos principais centros de desenvolvimento do mundo moderno e considerando sua política externa independente uma ameaça à hegemonia ocidental, usaram as medidas tomadas pela Federação Russa para proteger seus interesses vitais na Ucrânia como pretexto para agravar sua própria política anti-russa de longa data e desencadearam um novo tipo de guerra híbrida. O objetivo é enfraquecer a Rússia de todas as maneiras possíveis, inclusive minando seu papel criativo como civilização, seu poder, suas capacidades econômicas e tecnológicas, limitando sua soberania na política externa e interna, e destruindo sua integridade territorial. Este caminho do Ocidente se tornou abrangente e está consagrado na doutrina.

Diante deste confronto, que é o principal conteúdo da transição do unipolarismo para o multipolarismo, enquanto o Ocidente tenta de todas as maneiras retardar ou interromper esta transição, a Rússia como um Estado-civilização soberano, como um pólo mundial multipolar estável e confiável, já estabelecido, declara sua firme intenção de não se desviar de seu rumo escolhido, custe o que custar.

Isto, naturalmente, inclui o direito de uso contra o inimigo (que nas circunstâncias atuais é o Ocidente coletivo, que procura manter a unipolaridade a todo custo e estender sua hegemonia) no caso de um ataque direto e também para fins preventivos qualquer tipo de arma – até e incluindo armas nucleares e armas de desenvolvimento avançado. Caso a própria existência da Rússia soberana e do mundo russo seja ameaçada por um perigo mortal, a Rússia está preparada para ir tão longe quanto for necessário neste caso.

Condições para cooperação

O novo conceito identifica também as condições para a normalização das relações com os países ocidentais. Os países anglo-saxões, que são particularmente hostis à Rússia nesta escalada, são particularmente destacados. Uma parceria renovada só é possível se os países ocidentais hostis e seus satélites renunciarem à russofobia. Na realidade, este é um ultimato, pedindo ao Ocidente que aceite as condições de multipolaridade, pois a essência da russofobia no contexto geopolítico nada mais é do que a recusa obstinada das elites globalistas ocidentais em reconhecer o direito dos Estados soberanos civilizados de seguir seu próprio caminho. Esta é a única razão pela qual a Rússia está lutando hoje na Ucrânia. Sem controle sobre a Ucrânia, como todo geopolítico sabe, a Rússia não terá plena soberania geopolítica e civilizacional.

Este é o significado do mundo russo, que não coincide com as fronteiras dos Estados-nações, mas quando o pólo e a transição para o Estado-civilização se formam, suas partes não podem permanecer sob o controle de estruturas geopolíticas hostis. Amigável e neutro – sim (como mostra o exemplo da União Bielorrussa), e então sua soberania nacional não é ameaçada. Pelo contrário, a Rússia está pronta para agir como garantidora e contribuir para seu fortalecimento de todas as formas possíveis, econômica, política e militarmente estratégica. Mas qualquer tentativa de separar uma parte do mundo russo do continente russo será reprimida por qualquer meio. E isto é exatamente o que está acontecendo agora.

Prioridades, vetores e objetivos finais

A segunda parte do conceito de política externa descreve estratégias específicas para desenvolver as relações entre a Rússia e as regiões do mundo: a integração eurasiática do espaço pós-soviético, construindo uma parceria prioritária com a China, a Índia, o mundo islâmico, a África e a América Latina. Em cada área, as prioridades, os vetores e os fins são destacados. O discurso para o Ocidente é discreto. Mas por baixo das pesadas fórmulas diplomáticas, é fácil ler o seguinte:

Se os povos do Ocidente encontrarem a força para se erguer e abandonar a ditadura de uma elite hegemônica maníaca que está conduzindo a civilização ao abismo, para apresentar verdadeiros líderes e levar ao poder aquelas forças que verdadeiramente defenderão seus interesses nacionais, não encontrarão melhor amigo e aliado do que a Rússia. Entretanto, a Rússia não deseja ajudar ativamente interferindo nos processos internos da vida política dos países hostis e enfatiza seu respeito por qualquer escolha soberana das sociedades ocidentais. A Rússia também tem uma resposta apropriada no caso de confronto direto com as potências hostis se estas atravessarem a linha fatal. Mas seria melhor se ninguém cruzasse a linha.

A nova versão do conceito de política externa é um ato fundamental no processo de descolonização da própria Rússia, sua libertação do controle externo.

Para que suas disposições sejam levadas a sério, já é necessário alinhar as atividades do Ministério de Relações Exteriores e das instituições educacionais básicas (especialmente o MGIMO, que ainda é dominado por paradigmas completamente diferentes), reformar a Rossotrudnichestvo e o Mundo Russo, e promover novas correntes de diplomacia pública que reconheçam a Rússia como uma civilização soberana, como o Movimento Russófilo Internacional (IRD), mas a afirmação da Rússia como um Estado-civilização é de grande e decisiva importância também para a política interna. Afinal, não se pode agir como um Estado-civilização na política externa e permanecer como parte de um sistema liberal centrado no Ocidente, compartilhando suas abordagens, valores e princípios na política interna e ao mesmo tempo ser soberano. A política externa está sempre intimamente ligada à política interna. E é aqui que a Rússia, a fim de defender sua soberania, terá que empreender reformas sérias e profundas num futuro próximo. Se podemos dizer com certeza que temos uma política externa soberana, a necessidade de uma política interna soberana ainda não foi adequadamente compreendida.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 52

Deixar uma resposta