A Perigosa “Pop Science” de Yuval Harari

Uma das faces do globalismo hoje é Yuval Harari, “pensador” e “divulgador científico”, que tem defendido o controle genético do ser humano por parte de uma Tecnocracia mundial. O problema é que as ideias de Harari, além de pseudo-científicas, também são perigosas.

Assista aos vídeos de Yuval Noah Harari, o autor do livro de enorme sucesso Sapiens: Uma Breve História da Humanidade, e você ouvirá as perguntas mais surpreendentes que lhe são feitas.

  • “Daqui a cem anos, você acha que ainda nos preocuparemos em ser felizes?” (jornalista canadense Steve Paikin, em “The Agenda with Steve Paikin”).
  • “O que eu faço ainda é importante?, e como me preparo para o meu futuro?” (um estudante de idiomas da Universidade de Antuérpia).
  • “No final de Sapiens, disse que deveríamos fazer a pergunta: ‘O que queremos querer? Bem, o que você acha que devemos querer?” (um membro da audiência nos Diálogos TED, Nacionalismo vs. Globalismo: a nova divisão política).
  • “Você é alguém que pratica Vipassana – isso o ajuda a se aproximar da força? É aí que você se aproxima da força?” (o moderador do Conclave India Today 2018).

O modo de falar de Harari é suave, mesmo tímido, nesses encontros. Ocasionalmente, ele diz, bem-humorado, que não possui poderes divinatórios, então passa rapidamente a responder à pergunta com uma autoridade que nos faz pensar se, de fato, ele possui. Daqui a cem anos é bem provável que os humanos desapareçam e que a Terra seja povoada por seres muito diferentes como ciborgues e Inteligência Artificial (IA), disse Harari à Paikin, afirmando que é difícil prever “que tipo de vida emocional ou mental tais entidades terão”. Diversificar, ele aconselhou o estudante universitário, pois o mercado de trabalho de 2040 será muito volátil. Devemos “querer saber a verdade”, anunciou ele na Conferência TED. “Eu pratico a meditação Vipassana para ver a realidade mais claramente”, disse Harari ao Conclave India Today, sem sequer sorrir para o absurdo da pergunta. Momentos depois, ele esclareceu: “Se eu não posso observar a realidade da minha própria respiração por 10 segundos, como posso esperar observar a realidade do sistema geopolítico?”.

Se você ainda não está inquieto, considere o seguinte: entre o rebanho de Harari estão algumas das pessoas mais poderosas do mundo, e elas afloram a ele como antigos reis a seus oráculos. Mark Zuckerberg perguntou a Harari se a humanidade estava se tornando mais unificada ou fragmentada pela tecnologia. O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional lhe perguntou se os médicos dependerão da Renda Básica Universal no futuro. O CEO da Axel Springer, uma das maiores editoras da Europa, perguntou a Harari o que as editoras deveriam fazer para ter sucesso no mundo digital. Um entrevistador da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) lhe perguntou que efeito a COVID teria na cooperação científica internacional. A favor dos decretos semielaborados de Harari, cada um subverteu sua própria autoridade. E o fizeram não para um especialista em nenhuma de suas áreas, mas para um historiador que, em muitos aspectos, é uma fraude, especialmente quando se trata de ciência.

*

Os tempos são difíceis e estamos – todos nós – em busca de respostas a perguntas que são literalmente de vida ou morte: será que os humanos sobreviverão às próximas ondas de pandemias e mudanças climáticas? Será que nossos genes têm a chave para entender tudo sobre nós? Será que a tecnologia nos salvará ou nos destruirá? O desejo de um guia sábio, uma espécie de profeta que ousadamente salta através de múltiplas disciplinas para fornecer respostas simples, legíveis e confiáveis, amarrando tudo isso em uma narrativa envolvente, é compreensível, mas será realista?

Assusta-me que, para muitos, esta questão pareça irrelevante. O livro mais vendido de Harari, Sapiens: Uma Breve História da Humanidade, é uma saga arrebatadora da espécie humana, do nosso humilde começo como macacos a um futuro no qual desenvolveremos os algoritmos que nos destronarão e nos dominarão. Sapiens foi publicado em inglês em 2014 e, em 2019, havia sido traduzido para mais de 50 idiomas, vendendo mais de 13 milhões de cópias. Ao recomendar o livro na CNN em 2016, o Presidente Barack Obama disse que Sapiens, assim como as Pirâmides de Gizé, lhe deu “um sentido de perspectiva” sobre nossa extraordinária civilização. Harari publicou dois bestsellers subsequentes: Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã (2017) e 21 Lições para o Século XXI (2018). No total, seus livros já venderam mais de 23 milhões de exemplares em todo o mundo. Ele pode ter o direito de ser o intelectual mais buscado do mundo, adornando cenários por todo lado, ganhando centenas de milhares de dólares para cada performance.

Fomos seduzidos por Harari pelo poder não de sua verdade ou bolsa de estudos, mas de sua narrativa. Como cientista, sei como é difícil transformar assuntos complexos em narrativas convincentes e precisas. Também sei quando a ciência é sacrificada ao sensacionalismo. Yuval Harari é o que eu chamo de um “populista da ciência”. (O psicólogo clínico canadense e guru do YouTube Jordan Peterson é outro exemplo). Os populistas da ciência são contadores de histórias dotados que tecem histórias sensacionalistas sobre “fatos” científicos em linguagem simples e emocionalmente convincente. Suas narrativas são em grande parte limpas de nuances ou dúvidas, o que lhes dá um falso ar de autoridade, e torna sua mensagem ainda mais convincente. Como seus pares na política, os populistas científicos são fontes de desinformação. Eles promovem falsas crises, ao mesmo tempo em que se apresentam como tendo as respostas. Eles compreendem a sedução de uma história bem contada – procurando incansavelmente expandir seu público – independentemente de a ciência subjacente ser distorcida na busca da fama e da influência.

Hoje, contar boas histórias é mais necessário do que nunca, mas também mais arriscado, particularmente quando se trata de ciência. A ciência informa as decisões médicas, ambientais, legais e muitas outras decisões públicas, bem como nossas opiniões pessoais sobre o que devemos cuidar e como conduzir nossas vidas. Ações sociais e individuais importantes dependem de nossa melhor compreensão do mundo ao nosso redor, agora mais do que nunca, com peste em todas as nossas casas e pior ainda para vir com a mudança climática.

É hora de submeter nosso profeta populista, e outros como ele, a um sério escrutínio.


Isto pode ser surpreendente, mas a validade factual do trabalho de Yuval Harari tem recebido pouca avaliação por parte dos principais estudiosos ou publicações. O próprio conselheiro de tese de Harari, o professor de Oxford Steven Gunn – que orientou a pesquisa de Harari sobre “Memórias Militares Renascentistas: Guerra, História e Identidade, 1450-1600” – fez uma admissão surpreendente: que seu ex-aluno conseguiu essencialmente esquivar-se do processo de verificação de fatos. No perfil de 2020 de Harari no The New Yorker, Gunn supõe que Harari – especificamente, com seu livro Sapiens – “contornou” a crítica especializada “dizendo: ‘Vamos fazer perguntas tão amplas que ninguém possa dizer: Achamos que tem algo equivocado aqui e algo errado acolá’… Ninguém é especialista no significado de tudo, ou na história de todos, durante um longo período.

No entanto, eu mesmo tentei minha sorte de fato checando Sapiens, o livro que deu início a tudo. Consultei colegas da comunidade de neurociência e biologia evolutiva e descobri que os erros de Harari são numerosos e substanciais, e não podem ser descartados como um exercício de pieguice. Embora ele se venda como não-ficção, algumas de suas narrativas estão mais próximas da ficção do que dos fatos – todos sinais de um populista científico.

Considere a “Parte I: A Revolução Cognitiva”, onde Harari escreve sobre o salto de nossa espécie para o topo da cadeia alimentar, saltando, digamos, sobre os leões.

“A maioria dos principais predadores do planeta são animais majestosos. Milhões de anos de domínio os encheram de autoconfiança. Sapiens, pelo contrário, é mais como o ditador de uma república das bananas. Tendo sido até muito recentemente um dos mais desfavorecidos da savana, estamos cheios de medos e ansiedades sobre nossa posição, o que nos torna duplamente cruéis e perigosos”.

Harari conclui que “muitas calamidades históricas, de guerras mortais a catástrofes ecológicas, resultaram deste salto muito apressado”.

Como biólogo evolucionista, devo dizer: esta passagem faz com que meus cabelos fiquem de pé. O que faz exatamente um leão se sentir confiante? Um rugido alto? Um grupo de leoas? Um aperto de mão firme? A conclusão de Harari é baseada em observações de campo ou experimentos de laboratório? (O texto não contém nenhuma pista sobre suas fontes.) Será que a ansiedade realmente torna os humanos cruéis? Será que ele está insinuando que, se tivéssemos tomado nosso tempo para chegar ao topo da cadeia alimentar, este planeta não teria guerras ou mudanças climáticas causadas pelo homem?

A passagem evoca cenas de O Rei Leão: o majestoso Mufasa olha para o horizonte e diz a Simba que qualquer que tudo que a luz toca é seu reino. A narrativa de Harari é vívida e envolvente, mas desprovida de ciência.

A seguir, tomemos a questão da linguagem. Harari afirma que “[muitos] animais, incluindo todas as espécies de macacos e símios, têm linguagem vocal”.

Passei uma década estudando comunicação vocal nos titis, um macaco do Novo Mundo. (Ocasionalmente, sua comunicação comigo envolvia borrifar sua urina na minha direção). ) No Princeton Neuroscience Institute, onde recebi meu PhD, estudamos como o comportamento vocal emerge da interação de fenômenos evolutivos, de desenvolvimento, neurais e biomecânicos. Nosso trabalho conseguiu quebrar o dogma de que a comunicação do macaco (ao contrário da comunicação humana) é pré-programada em códigos neuronais ou genéticos. De fato, descobrimos que os macacos bebês aprendem a “falar”, com a ajuda de seus pais, de forma semelhante à forma como os bebês humanos aprendem.

Entretanto, por todas as suas semelhanças com os seres humanos, não se pode dizer que os macacos tenham uma “linguagem”. A linguagem é um sistema simbólico vinculado a regras, no qual símbolos (palavras, frases, imagens, etc.) referem-se a pessoas, lugares, eventos e relacionamentos no mundo, mas também evocam e referem-se a outros símbolos dentro do mesmo sistema (por exemplo, palavras que definem outras palavras). Os chamados de alarme dos macacos e os cantos das aves e baleias podem transmitir informações; mas nós – como disse o filósofo alemão Ernst Cassirer – vivemos em “uma nova dimensão da realidade” que é possível graças à aquisição de um sistema simbólico.

Os cientistas podem ter teorias concorrentes sobre como a linguagem surgiu, mas todos eles – desde linguistas como Noam Chomsky e Steven Pinker até especialistas em comunicação como Michael Tomasello e Asif Ghazanfar – concordam que, embora precursores possam ser encontrados em outros animais, a linguagem é única para os humanos. É uma máxima que é ensinada nas aulas de biologia de graduação em todo o mundo e pode ser encontrada através de uma pesquisa fácil no Google.

Meus colegas cientistas também não concordam com Harari. O biólogo Hjalmar Turesson ressalta que a afirmação de Harari de que os chimpanzés “caçam juntos e lutam lado a lado contra babuínos, guepardos e chimpanzés inimigos” não pode ser verdadeira porque chitas e chimpanzés não vivem nas mesmas partes da África. “É possível que Harari confunda guepardos com leopardos”, diz Turesson.

Talvez, à medida que os detalhes se desdobram, conhecer a distinção entre guepardos e leopardos não seja tão importante. Afinal de contas, Harari está escrevendo a história dos humanos. Mas, infelizmente, seus erros também se estendem à nossa espécie. No capítulo de Sapiens intitulado “Uma Revolução Permanente”, na seção “Paz em Nosso Tempo”, Harari usa o exemplo do povo waorani do Equador para argumentar que, historicamente, “a redução da violência se deve, em grande parte, à ascensão do Estado”. Ele nos diz que os waorani são violentos porque “vivem nas profundezas da selva amazônica, sem um exército, polícia ou prisões”.

É verdade que os waorani já tiveram alguns dos maiores índices de assassinatos do mundo, mas eles têm vivido em relativa paz desde o início dos anos 70. Falei com Anders Smolka, um geneticista de plantas, que passou um tempo com os waorani em 2015. Smolka me informou que a lei equatoriana não se aplica na selva e que os waorani não têm polícia ou prisões próprias. “Se as lanças ainda tivessem sido uma preocupação, tenho certeza absoluta que teria ouvido falar sobre isso”, diz ele. “Eu estava lá como voluntário para um projeto de ecoturismo, então a segurança de nossos hóspedes era uma questão muito importante”. Aqui Harari usa um exemplo extremamente fraco para justificar a necessidade do nosso famoso Estado policial.

Estes detalhes podem parecer inconsequentes, mas cada um deles é um bloco fraturado no que Harari falsamente apresenta como uma base inatacável. Se uma leitura superficial revela esta ladainha de erros básicos, acredito que um exame mais completo levará a rejeições por atacado [1].


Muitas vezes Harari não está apenas descrevendo nosso passado; ele está fazendo previsões sobre o futuro da humanidade. Todos, é claro, têm o direito de especular sobre nosso futuro. Mas é importante descobrir se essas especulações são válidas, especialmente se uma pessoa tem acesso ao ouvido de nossas elites decisórias, como é o caso de Harari. As falsas projeções têm consequências reais. Elas podem induzir os pais esperançosos a pensar que a engenharia genética erradicará o autismo, levará a enormes quantias de dinheiro sendo investidas em projetos sem saída, ou nos deixará terrivelmente despreparados para ameaças tais como pandemias.

Agora, aqui está o que Harari disse sobre pandemias em seu livro Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã, de 2017.

“Assim, na luta contra calamidades naturais como a AIDS e o Ebola, o equilíbrio se inclina a favor da humanidade (…) Portanto, é provável que no futuro haja grandes epidemias que continuem a colocar a humanidade em perigo, mas somente se a própria humanidade as criar, a serviço de alguma ideologia impiedosa. O tempo em que a humanidade estava indefesa contra as epidemias naturais, provavelmente acabou. Mas podemos vir a sentir a falta disso”.

Quem me dera que tivéssemos sentido falta disso. Em vez disso, mais de 6 milhões de nós já morreram de COVID por números oficiais, e algumas estimativas situam a contagem real entre 12 e 22 milhões. E se você acha que o SARS-CoV-2 – o vírus responsável pela pandemia – veio diretamente da natureza ou através do Instituto Wuhan de Virologia, todos nós podemos concordar que a pandemia não foi criada a “serviço de uma ideologia impiedosa”.

Harari não poderia estar mais errado; no entanto, como um bom populista científico, ele continuou a oferecer seu suposto status de especialista ao aparecer em numerosos programas durante a pandemia. Ele apareceu na National Public Radio (NPR), falando sobre “como lidar tanto com a epidemia quanto com a crise econômica resultante”. Ele participou do programa de Christiane Amanpour para destacar as “questões-chave decorrentes da epidemia do coronavírus”. Ele então mudou para a BBC Newsnight, onde ele ofereceu “uma perspectiva histórica sobre o coronavírus”. Ele mudou as coisas para o podcast de Sam Harris, onde nos falou sobre “as implicações futuras” da COVID. Harari também encontrou tempo para aparecer na Iran International com Sadeq Saba, na India Today E-Conclave Corona Series e em uma série de outros canais de notícias ao redor do mundo.

Aproveitando a oportunidade para promover uma falsa crise – outro traço central de um populista da ciência – Harari emitiu avisos terríveis de “vigilância sob a pele” (reconhecidamente, um conceito preocupante). “Como uma experiência de pensamento”, disse ele, “considere um governo hipotético que exige que todos os cidadãos usem uma pulseira biométrica que monitore a temperatura corporal e o ritmo cardíaco 24 horas por dia”. A vantagem, disse ele, é que tal governo poderia potencialmente usar esta informação para deter uma epidemia em questão de dias. A desvantagem é que poderia fornecer ao governo um sistema de vigilância reforçado, porque “se você puder monitorar o que acontece com minha temperatura corporal, pressão arterial e frequência cardíaca enquanto estou assistindo a um vídeo, você pode saber o que me faz rir, o que me faz chorar e o que me deixa muito, muito irritado”.

As emoções humanas, e nossas expressões de emoções, são altamente subjetivas e variáveis. Existem diferenças culturais e individuais na forma como interpretamos nossas sensações. Nossas emoções não podem ser inferidas a partir de medidas fisiológicas despojadas de informações contextuais (um velho inimigo, um novo amante e a cafeína podem fazer nosso coração bater mais rápido). Isto é verdade mesmo quando monitoramos medidas fisiológicas mais amplas do que a temperatura corporal, a pressão arterial e o ritmo cardíaco. Isto é verdade até mesmo quando se monitoram movimentos faciais. Cientistas como a psicóloga Lisa Feldman Barrett estão descobrindo que – ao contrário da crença antiga – mesmo emoções como a tristeza e a raiva não são universais. “Os movimentos faciais não têm nenhum significado emocional inerente para serem lidos como palavras em uma página”, explica Feldman Barrett. É por isso que não temos sido capazes de criar sistemas tecnológicos que possam inferir como você ou eu nos sentimos a qualquer momento (e por que talvez nunca sejamos capazes de construir tais sistemas oniscientes).

As emoções humanas, e nossas expressões de emoções, são altamente subjetivas e variáveis. Existem diferenças culturais e individuais na forma como interpretamos nossas sensações. Nossas emoções não podem ser inferidas a partir de medidas fisiológicas despojadas de informações contextuais (um velho inimigo, um novo amante e a cafeína podem fazer nosso coração bater mais rápido). Isto é verdade mesmo quando monitoramos medidas fisiológicas mais amplas do que a temperatura corporal, a pressão arterial e o ritmo cardíaco. Isto é verdade até mesmo quando se monitoram movimentos faciais. Cientistas como a psicóloga Lisa Feldman Barrett estão descobrindo que – ao contrário da crença antiga – mesmo emoções como a tristeza e a raiva não são universais. “Os movimentos faciais não têm nenhum significado emocional inerente para serem lidos como palavras em uma página”, explica Feldman Barrett. É por isso que não temos sido capazes de criar sistemas tecnológicos que possam inferir como você ou eu nos sentimos a qualquer momento (e por que talvez nunca sejamos capazes de construir tais sistemas oniscientes).

***

As especulações de Harari são consistentemente baseadas em um mal-entendido da ciência. Suas previsões sobre nosso futuro biológico, por exemplo, baseiam-se em uma visão da evolução centrada nos genes, uma forma de pensar que tem (infelizmente) dominado o discurso público graças a figuras públicas como ele. Tal reducionismo promove uma visão simplista da realidade e, pior ainda, desvia perigosamente para o território eugênico.

No capítulo final de Sapiens, Harari escreve:

“Por que não voltar à tábua de desenho de Deus e projetar um sapiens melhor? As capacidades, necessidades e desejos do homo sapiens têm uma base genética, e o genoma dos sapiens não é mais complexo que o dos camundongos e ratos (o genoma do rato contém cerca de 2,5 bilhões de nucleobases, o do sapiens cerca de 2,9 bilhões de bases; ou seja, este último é 14% maior que o do rato) (…) Se a engenharia genética pode criar ratos que são gênios, por que não humanos que são gênios? Se podemos criar ratos que são monogâmicos, por que não humanos programados para permanecerem fiéis a seus companheiros?”[2].

Seria conveniente, sem dúvida, se a engenharia genética fosse uma varinha mágica, cujos movimentos rápidos poderiam transformar os mulherengos em parceiros fiéis, e todos em Einsteins. Infelizmente, este não é o caso. Digamos que queremos nos tornar uma espécie não-violenta. Os cientistas descobriram que a baixa atividade genética da monoamina oxidase-A (MAO-A) está ligada ao comportamento agressivo e ao crime violento, mas no caso de sermos tentados a “voltar à prancheta de desenho de Deus e desenhar um sapiens melhor” (como diz Harari), nem todas as pessoas com baixa atividade MAO-A são violentas, nem todas as pessoas com alta atividade MAO-A são não-violentas. As pessoas que crescem em ambientes extremamente abusivos frequentemente se tornam agressivas ou violentas, independentemente de seus genes. Ter alta atividade da MAO-A pode protegê-lo deste destino, mas não é um dado adquirido. Em contraste, quando as crianças são criadas em ambientes de amor e apoio, mesmo aquelas com baixa atividade de MAO-A muitas vezes se desenvolvem bem.

Nossos genes não são nossos marionetistas, puxando os cordelinhos certos no momento certo para controlar os eventos que nos criam. Quando Harari escreve sobre alterar nossa fisiologia, ou “engenharia” humana para ser fiel ou inteligente, ele pula sobre os muitos mecanismos não genéticos que nos moldam.

Por exemplo, mesmo algo tão aparentemente programado como nossa fisiologia – células que dividem, se movem, decidem seu destino e se organizam em tecidos e órgãos – não é projetado apenas pelos genes. Nos anos 80, o cientista J.L. Marx conduziu uma série de experimentos com o Xenopus (um sapo aquático nativo da África subsaariana) e descobriu que eventos biofísicos “mundanos” (tais como reações químicas nas células, pressões mecânicas dentro e sobre as células e gravidade) podem ligar e desligar os genes, determinando o destino celular. Os corpos animais, concluiu ele, são o resultado de uma dança intrincada entre genes e eventos físicos e ambientais que mudam.

Considere o sabor. Lendo alguém como Harari, pode-se pensar que o comportamento de recém-nascidos humanos, por exemplo, é dominado quase que exclusivamente por seus genes, já que os bebês quase não têm “nutrição” relevante. Mas a pesquisa mostra que bebês de seis meses de idade de mulheres que beberam muito suco de cenoura no último trimestre de sua gravidez apreciaram mais cereais com sabor de cenoura do que outros bebês. Estes bebês gostam do sabor das cenouras, mas não por causa dos genes “amantes da cenoura”. Quando as mães (biológicas ou adotivas) amamentam seus bebês, os sabores dos alimentos que comeram se refletem no leite materno e seus bebês desenvolvem uma preferência por esses alimentos. Os bebês “herdam” as preferências alimentares comportamentais de suas mães.

Há gerações, as novas mães na Coreia são instruídas a beber tigelas de sopa de algas, e as mulheres chinesas comem pés de porco guisados com gengibre e vinagre logo após o parto. Crianças coreanas e chinesas podem herdar preferências gustativas específicas da cultura sem a necessidade de genes de “comer gengibre” ou “desejar vinagre”.

Neste mundo moderno, não importa onde vivamos, consumimos açúcares processados. Uma dieta prolongada e rica em açúcar pode levar a padrões alimentares anormais e obesidade. Os cientistas usaram modelos animais e descobriram um mecanismo molecular através do qual isto acontece. Dietas com alto teor de açúcar ativam um complexo proteico chamado PRC2.1, que depois regula a expressão gênica para reprogramar os neurônios gustativos e reduzir a sensação de doçura, prendendo os animais a padrões alimentares mal adaptados. Aqui, os hábitos alimentares estão alterando a expressão gênica – um exemplo de “reprogramação epigenética” – levando a escolhas alimentares insalubres.

A nutrição molda a natureza, e a natureza molda a nutrição. Não é uma dualidade; é mais como uma faixa de Moebius. A realidade de como as “capacidades, necessidades e desejos do Homo sapiens” emergem é muito mais sofisticada (e elegante!) do que o que Harari retrata.

Os geneticistas Eva Jablonka e Marion J. Lamb dizem isso melhor em seu livro Evolução em Quatro Dimensões:

“A ideia de que existe um gene para a aventura, doença cardíaca, obesidade, religiosidade, homossexualidade, timidez, estupidez ou qualquer outro aspecto da mente ou do corpo não tem lugar na plataforma do discurso genético. Embora muitos psiquiatras, bioquímicos e outros cientistas que não são geneticistas (mas que se expressam com notável facilidade sobre questões genéticas) ainda usam a linguagem dos genes como meros agentes causais e prometem ao seu público soluções rápidas para todos os tipos de problemas, eles não passam de propagandistas cujo conhecimento ou motivos devem cair em desconfiança”.

Os motivos de Harari permanecem misteriosos; mas suas descrições da biologia (e suas previsões sobre o futuro) são guiadas por uma ideologia predominante entre os tecnólogos do Vale do Silício como Larry Page, Bill Gates, Elon Musk e outros. Eles podem ter opiniões diferentes sobre se os algoritmos irão nos salvar ou nos destruir. Mas eles acreditam, no entanto, no poder transcendente da computação digital. “Estamos caminhando para uma situação em que a IA é muito mais inteligente que os humanos, e eu acho que esse prazo é daqui a menos de cinco anos”, disse Musk em uma entrevista de 2020 ao New York Times. Musk está errado. Algoritmos não farão todos os nossos trabalhos, não governarão o mundo, nem porão fim à humanidade em breve (se algum dia). Como diz o especialista em IA François Chollet sobre a possibilidade dos algoritmos alcançarem autonomia cognitiva: “Hoje e no futuro próximo, isto é coisa de ficção científica”. Ao ecoar as narrativas do Vale do Silício, o cientista populista Harari está mais uma vez promovendo uma falsa crise. Pior, ele está desviando nossa atenção dos danos reais dos algoritmos e do poder desenfreado da indústria tecnológica.

No último capítulo do Homo Deus, Harari nos fala de uma nova religião, “A Religião dos Dados”. Os praticantes desta religião – os “dataístas”, como ele os chama – percebem o universo inteiro como fluxos de dados. Eles vêem todos os organismos como processadores bioquímicos de dados e acreditam que a “vocação cósmica” da humanidade é criar um processador de dados onisciente e todo-poderoso que nos entenda melhor do que nós mesmos. A conclusão lógica desta saga, prevê Harari, é que os algoritmos assumirão autoridade sobre todas as facetas de nossas vidas: eles decidirão com quem nos casaremos, que carreiras seguiremos e como seremos governados. (O Vale do Silício, como você pode imaginar, é um centro da religião dos dados).

“O Homo sapiens é um algoritmo obsoleto”, diz Harari, parafraseando os dataístas.

“No final, qual é a vantagem dos seres humanos sobre as galinhas? Somente que as informações fluem em padrões muito mais complexos nos seres humanos do que nas galinhas. Os humanos absorvem mais dados e os processam usando melhores algoritmos (…) Bem, se pudéssemos criar um sistema de processamento de dados que absorvesse ainda mais dados do que um humano e os processasse ainda mais eficientemente, esse sistema não seria superior a um humano exatamente da mesma forma que um humano é superior a uma galinha?”

Mas um humano não é uma galinha melhorada, nem é necessariamente superior em todos os sentidos a uma galinha. Na verdade, as galinhas podem “absorver mais dados” do que os humanos e “processar melhor”, pelo menos no domínio da visão. A retina humana possui células fotorreceptoras sensíveis aos comprimentos de onda vermelho, azul e verde. As retinas das galinhas têm estas mesmas células, mais as células cônicas para comprimentos de onda violeta (incluindo alguns ultravioletas), mais receptores especializados que podem ajudá-las a rastrear melhor o movimento. Seus cérebros estão equipados para processar todas essas informações adicionais. O mundo das galinhas é uma extravagância tecnicolor que não podemos nem mesmo sondar. Meu ponto aqui não é que uma galinha é melhor que um humano – isto não é uma competição – mas que as galinhas são unicamente “galinhas” da mesma forma que nós somos unicamente “humanos”.

Nem as galinhas nem os seres humanos são meros algoritmos. Nosso cérebro tem um corpo, e esse corpo está situado em um mundo. Nossos comportamentos surgem por causa de nossas atividades mundanas e corporais. Os seres vivos não apenas absorvem e processam fluxos de dados de nosso ambiente; estamos continuamente alterando e criando nosso próprio ambiente, e o dos outros, um processo chamado “construção de nicho” em biologia evolutiva. Quando um castor constrói uma represa sobre um riacho, ele cria um lago, e todos os outros organismos agora têm que viver em um mundo com um lago. Os castores podem criar zonas úmidas que persistem por séculos, mudando as pressões de seleção às quais seus descendentes estão expostos, o que poderia causar uma mudança no processo evolutivo. O homo sapiens tem uma flexibilidade inigualável; temos uma extraordinária capacidade de adaptação a nossos ambientes, assim como de modificá-los. Nossos atos de vida não apenas nos diferenciam dos algoritmos; eles tornam quase impossível para os algoritmos prever com precisão nossos comportamentos sociais, tais como quem vamos amar, como vamos nos sair bem em trabalhos futuros [3], ou se é provável que cometamos um crime.

Harari tem o cuidado de se apresentar como um escriba objetivo. Ele se esforça para nos dizer que está apresentando a visão de mundo dos dataístas, e não a sua própria visão. Mas então ele faz algo muito inteligente. A visão do dataísta “pode parecer uma ideia excêntrica e marginal”, diz ele, “mas na verdade ele já conquistou a maior parte dos escalões superiores da ciência”. Ao apresentar a visão do mundo dos dados como conclusiva (tendo “conquistado a maioria dos escalões superiores da ciência”), ele nos diz que é “objetivamente” verdade que os humanos são algoritmos, e nossa marcha rumo à obsolescência – como receptores passivos de decisões tomadas por melhores algoritmos – é inescapável, porque está integralmente ligada à nossa humanidade. Voltando à nota de rodapé em apoio a esta afirmação radical, descobrimos que dos quatro livros que ele cita, três foram escritos por não-cientistas: um publicitário musical, um lançador de tendências e uma editora de revistas [4].

Não há nada predeterminado sobre o destino da humanidade. Nossa autonomia está sendo corroída não pelo carma cósmico, mas por um novo modelo econômico inventado pelo Google e aperfeiçoado pelo Facebook, uma forma de capitalismo que encontrou uma maneira de nos manipular para fazer dinheiro. A cientista social Shoshana Zuboff deu a este modelo econômico o nome de “capitalismo de vigilância”. As empresas capitalistas de vigilância – Google, Facebook, Amazon, Microsoft e outras – constroem as plataformas digitais das quais dependemos cada vez mais para viver, trabalhar e se divertir. Elas monitoram nossas atividades online com detalhes surpreendentes e usam as informações para influenciar nossos comportamentos para maximizar seus lucros. Como um subproduto, suas plataformas digitais têm ajudado a criar câmaras de eco que resultam em negação generalizada do clima, ceticismo científico e polarização política. Ao nomear o inimigo e caracterizá-lo como uma invenção do homem – não um fato da natureza ou uma inevitabilidade tecnológica – Zuboff nos fornece uma maneira de combatê-lo. Como pode ser imaginado, Zuboff, ao contrário de Harari, não é uma figura querida no Vale do Silício.

***

Em outubro de 2021, Harari lançou o Volume 2 da adaptação como história gráfica de Sapiens. O que se segue é um livro infantil de Sapiens, Imparáveis, uma experiência imersiva, assim como um programa de televisão de várias estações inspirado em Sapiens. Nosso profeta populista é implacável em sua busca de novos seguidores e, com eles, de novas alturas de fama e influência.

Harari nos seduziu com sua capacidade de contar histórias, mas um olhar atento ao seu histórico mostra que ele sacrifica a ciência ao sensacionalismo, muitas vezes comete graves erros factuais e retrata o que deveria ser especulativo como verdadeiro. A base sobre a qual ele faz suas reivindicações é obscura, pois raramente fornece notas de rodapé ou referências adequadas e é notavelmente mesquinho ao reconhecer os pensadores que formularam as ideias que ele apresenta como sendo suas [5]. O mais perigoso de tudo é reforçar as narrativas dos capitalistas de vigilância, dando-lhes um livre-trânsito para manipular nossos comportamentos de acordo com seus interesses comerciais. Para nos salvar desta crise atual e daqueles que estão pela frente, devemos rejeitar vigorosamente a perigosa ciência populista de Yuval Noah Harari.

Notas

[1] Minhas preocupações sobre a validade factual da obra de Harari ecoam uma resenha de outro livro muito vendido, Crise, Jared Diamond, do autor Anand Giridharadas. Giridharadas pergunta a Diamond: “Se não podemos confiar em você nas coisas pequenas e médias, como podemos confiar em você onde autores de livros com 10 quilômetros de altura realmente precisam de nossa confiança, nas grandes e difíceis de verificar”? Giridharadas também aponta a necessidade de uma verificação profissional dos fatos para a não-ficção em formato de livro, que eu aprendi, para minha surpresa, não é a norma.
[2] Um trecho semelhante do livro de Harari de 2017, Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã: “Uma vez que se torna possível corrigir genes letais, por que passar pelo incômodo de inserir um DNA estranho quando você pode simplesmente reescrever o código e transformar um gene mutante perigoso em sua versão benigna? Podemos então começar a usar o mesmo mecanismo para reparar não apenas os genes letais, mas também os responsáveis por doenças menos letais, autismo, estupidez e obesidade”
[3] Não há evidências revisadas por pares de que os algoritmos possam prever o desempenho laboral, mesmo que milhões de pessoas sejam examinadas por algoritmos para trabalhos em empresas como McDonald’s, Kraft-Heinz, Boston Consulting Group e Swarovski. O cientista da computação Princeton Arvind Narayanan criticou publicamente as empresas que oferecem serviços de triagem algorítmica de trabalhos (sendo HireVue e Pymetrics as duas principais) por “venderem óleo de cobra”.
[4] Os livros que Harari cita: Kevin Kelly, What Technology Wants (Nueva York: Viking Press, 2010); César Hidalgo, Why Information Grows: The Evolution of Order, from Atoms to Economies (Nueva York: Basic Books, 2015); Howard Bloom, Global Brain: The Evolution of Mass Mind from the Big Bang to the 21st Century (Hoboken: Wiley, 2001); Shawn DuBravac, Digital Destiny (Washington: Regnery Publishing, 2015).
[5] Um leitor casual que pegasse os escritos de Harari pensaria que todas as ideias vêm somente dele, mas as estruturas de pensamento de Harari são muitas vezes reminiscências de outras que vieram antes. Por exemplo: sua comparação de ideologias religiosas e seculares com um jogo de Pokémon Go é surpreendentemente semelhante a uma comparação anterior feita pelo filósofo esloveno Slavoj Zizek, em seu livro de 2017 Incontinência do Vazio, e discutido anteriormente em conferências. Em seu livro Homo Deus de 2017, Harari dedica um capítulo inteiro ao “dataísmo”, mas não agradece aos jornalistas David Brooks (que cunhou o termo dataísmo) ou Steve Lohr (que publicou um livro de 2015 intitulado Dataísmo).

Fonte: Conversacion sobre Historia

Imagem padrão
Darshana Narayanan

Neurocientista comportamental.

Artigos: 53

Deixar uma resposta