Mélenchon é um Holograma

Jean-Luc Mélenchon era visto como uma figura antissistema por muitos analistas políticos, graças a suas críticas ao sistema político-econômico francês. O posicionamento vergonhoso de Mélenchon em favor de Macron no segundo turno das eleições presidenciais, porém, o revelou como o que ele sempre foi: uma farsa.

Mélenchon é um mágico eleitoral que transforma as derrotas em vitórias. “Peço aos franceses que me elejam primeiro-ministro”. Sonhando com uma coabitação improvável, ele lançou uma OPA à esquerda: a fusão na confusão, a aquisição na debandada. Em bom jargão corporativo, sua Nova União Popular, Ecológica e Social é uma operação de scalping. O scalping é a blitzkrieg tal como concebida pelos traders. Por enquanto, os “insubmissos” subjugaram a esquerda oferecendo-lhe um punhado de eleitores nas eleições legislativas, tantos prêmios de consolação para todos aqueles que foram a Canossa para ajoelhar-se diante do comandante dos crentes, o xeque dos “insubmissos”, o grande mufti de Marselha, o imã do islamo-esquerdismo: chamado Jean-Luc Mélenchon. Eles lhe terão custado apenas trinta negadores. Você sempre tem que comprar na baixa.

A 21,95%, todos marcham à sua frente: os verdes falidos, os socialistas fracassados, os comunistas em perigo de extinção. É uma grande vingança para o homem que nunca escondeu sua amargura e que conseguiu chamar a atenção dos velhos libertários que engoliram seu “Nem Deus nem Mestre”. Eles encontraram Deus nos subúrbios do Islã, onde o chamado do muezim exigia um voto para Mélenchon; e sofreram o domínio do caporalismo de Mélenchon.

O Líder Mínimo do Islamo-Esquerdismo

Sem o seu carisma, seria de se perguntar como Mélenchon consegue coagular todas as forças centrífugas que ele reuniu ao seu redor. Aymeric Caron, que não gosta de carne, Taha Bouhafs, que só gosta de halal, Fabien Roussel, que só gosta de rara, e Alice Coffin, que só gosta da sangrenta. Buscamos denominadores comuns e encontramos apenas um: o oportunismo. Eu sonho com um debate entre Alice Coffin e Houria Bouteldja: lesbianismo e islamismo.

2017 parece longe. Na época, Mélenchon balançava a ritmos latinos: o populismo de Ernesto Laclau, uma espécie de zapatismo tropicais em Paris Plages com a voz rouca de Raquel Garrido. A “França Insubmissa” realizou a síntese do barrete frígio e do gorro peruano, com Mélenchon à cabeça da gôndola na roupa de Chávez-sur-Seine. Ele poderia cumprir o Líder Mínimo, não o Líder Máximo, com a promessa de uma VIª República cidadã e kolkhoziana.

Em 2022, a geografia do melenchonismo mudou: a creolização e a islamização obrigam, e se baseia na geminação de Seine-Saint-Denis e Meca. Adeus barrete revolucionário, olá hijab reacionário e ecofeminismo em burkini!

Robespierre com a voz de Georges Marchais

Buscando o natural, ele volta a galopar. Mélenchon retornou à rota de seu esquerdismo orgânico e de suas tentações autocráticas. Não se muda de ideia assim sem mais nem menos. Um verdadeiro pequeno chefe. Como a Marine, ele só trabalha bem em família com sua parceira Sophia Chikirou, que o cobra demais por seus serviços de acordo com a unidade de investigação da Radio France. Sua Nova União Popular até empregou seu genro Gabriel Amard, companheiro de Maryline Mélenchon, sua filha. Este é seu lado Jean-Marie Le Pen.

Além disso, desde a aposentadoria de Jean-Marie, ele sempre venceu o concurso de eloquência política, alternadamente amuado, charmoso, ladrador, desfrutador. Ele cita Paul Éluard, Victor Hugo, Émile Zola e Éric Drouet. Tese, antítese, síntese, mas como as do Partido Socialista de onde ele vem. É na tribuna que ele dá o melhor de si, ele recita um texto que poderia ter sido escrito por Robespierre com a voz de Georges Marchais. O problema é que o povo desapareceu dessas reconstruções históricas paródicas. Quanto mais Mélenchon convoca os proletários, mais a burguesia-boêmia corre em sua direção.

Em 2012, ele foi desafiado por Marine em sua terra natal, em Hénin-Beaumont. A classe trabalhadora branca lhe deu uma bofetada na cara. Desde então, ele tem estado dançando com companhia de cor, exceto na sexta-feira, dia da oração. Como a periferia da França o rejeitou, ele colocou sua visão sobre as populações dos dois lados do periférico, segundo a receita Terra Nova.

O desprezo da classe pelos primeiros da classe

Mélenchon se sai bem, como dizem os pesquisadores, nas grandes cidades, os subúrbios do Islã, os DOM, as categorias populares e intermediárias dos regimes especiais, os trabalhadores intermitentes na indústria do entretenimento, a profissão docente, os intelectuais precários, os criativos culturais, os estudantes que vegetam na universidade, mais a famosa geração climática, aquela que se pauta em Nova Iorque ou Berlim e toma o avião com a mesma frequência de um filme de Cédric Klapisch.

Portanto, aqui está um eleitorado com excesso de instrução. Com isto, não é surpreendente que 800 acadêmicos tenham chamado voto para Mélenchon. Tal é a “esquerda brâmane”, nas palavras daquele charlatão multirecidivista Thomas Piketty. Piketty é um pouco de economista, um pouco de astrólogo, um pouco de fumante, um pouco de marido abusivo (basta perguntar a Aurelie Filippetti que apresentou queixa contra ele por violência doméstica). Na Índia tradicional, os brâmanes representam a casta mais alta, a dos padres e intelectuais. Piketty não pensa assim: o esquerdismo é uma aristocracia sacerdotal que já nem sequer finge estar interessada nos intocáveis, os marginais que votam Marine. É surpreendente – e revelador – que Piketty tenha recorrido a esta comparação. Os brâmanes, com sua pele branca, desprezam a pele de cobre, são fundamentalmente hierárquicos, inegualitários e concebem o mundo somente em termos de pureza (eles) e impureza (outros).

O Jurassik Marx do esquerdismo

Os melenchonianos vivem em um Jurassik Marx, um parque temático onde cada um vem com seu próprio disfarce, quer como comunardo, quer como marinheiro de Kronstadt, quer como Gavroche estilo Netflix, quer como sufragista, quer como guerrilheiro zapatista, quer em uma djellaba. A esquerda adora simulacros fetichizados e liturgias embalsamadas. O mausoléu de Lênin é seu modelo. Ela é incapaz de admitir para si mesma o que se tornou: pudica, liberticida, farisaica, mccarthyista. Ela vive apenas no “duplipensar” orwelliano, sendo o islamo-esquerdismo sua obra-prima. Em 1984, o duplipensar torna possível abolir as contradições: ser e não ser, ao mesmo tempo, como diz o outro. Exemplos de duplipensar: antirracismo que autoriza o racismo antibranco, sexo que não existe exceto em pessoas trans, etc.

Karl Marx disse que a história sempre se repete duas vezes: a primeira vez como tragédia, a segunda vez como farsa. Graças à Mélenchon, sabemos que ela se repete uma terceira vez, como pegadinha.

Fonte: Éléments

Imagem padrão
François Bousquet

.

Artigos: 120

Deixar uma resposta