A Agonia da França sob Macron: Características Principais do Declínio Mundialista da França

A França está em franca decadência civilizacional e ninguém encarna melhor essa decadência do que Emmanuel Macron, recentemente envolvido em vários escândalos de corrupção de favorecimento de consultorias privadas, além de promover a substituição demográfica do povo francês por imigrantes e ter que lidar com a insatisfação generalizada dos franceses com a economia de seu país.

As situações das eleições presidenciais de 2017 e 2022 são muito diferentes. Em 2017, testemunhamos o confronto do candidato Macron, apresentado na época por todo o sistema político-mídia como “novo”, contra uma Marine Le Pen que carregava o “fardo” do passado: o do patrimônio familiar, mas também o do mundo dos partidos políticos. Um mundo político comido por minhocas em face do qual Macron se posicionou como a falsa novidade que resolveria todos os problemas acumulados ao longo das décadas.

Em 2022, estamos lidando com um Macron diferente – com uma enorme crise econômica sob seu cinturão e políticas neoliberais que afetaram negativamente o povo francês e a coesão social do país, bem como uma série de fracassos de política interna e externa, entre eles:

  • repressão sangrenta dos Coletes Amarelos
  • gestão autoritária e inadequada da crise sanitária (covidismo)
  • declínio da democracia e da liberdade de expressão no país
  • deterioração da situação migratória no país (do qual o assassinato do ativista nacionalista corso Ivan Colonna por um jihadista na prisão foi um episódio recente altamente simbólico do estado latente de guerra civil da França. Para não mencionar a hipótese de uma possível execução sob comando[1]).
  • fracasso em Mali e perda de influência no continente africano
  • quebra de contratos de submarinos com a Austrália
  • fracasso do processo de paz entre Moscou e Kiev

O escândalo McKinsey também foi muito significativo. Macron colocou efetivamente o país sob controle externo: o Senado francês constatou que a França estava perdendo sua soberania na esfera legislativa.

Deve-se lembrar que, de acordo com o relatório do Senado, “empresas de consultoria (incluindo a McKinsey) intervieram na maioria das grandes reformas do quinquênio, reforçando assim seu lugar nas decisões públicas”[2]. A comissão de inquérito cita, por exemplo, a reforma do auxílio moradia personalizado, na qual a McKinsey esteve envolvida para o componente de TI (um serviço no valor de quatro milhões de euros), a reforma da assistência jurídica, para a qual a Ernst & Young foi chamada, e a simplificação do acesso aos direitos das pessoas deficientes, na qual a Capgemini trabalhou. Roland Berger forneceu apoio na reforma do treinamento profissional. Sophie Taillé-Polian (Senadora pelo Val-de-Marne) caracterizou a McKinsey como uma ameaça real à soberania do Estado e à sua capacidade de agir [3].

Bloco de elite, bloco social-soberanista, bloco social-imigracionista: compreender a nova sociologia política da França

Além do aumento da popularidade de Marine Le Pen (também causado pela presença de uma série de elementos programáticos sócio-econômicos em seu projeto: aposentadoria, redução de impostos, atenção ao poder aquisitivo etc.), também houve um fortalecimento significativo do lugar de Jean-Luc Mélenchon na política francesa. Ambos os candidatos têm em comum que se concentram mais em estratégias para resolver a atual crise econômica na França e refletem sobre modelos para a introdução de regulamentação estatal parcial de vários setores da economia no período pós-Covid. Uma saída (temporária?) do Covid que é complicada pela série de sanções anti-russas que estão dificultando a recuperação econômica. A atitude crítica de ambos os candidatos em relação à OTAN também é significativa no contexto da inação e ineficácia da Macron na resolução do “conflito ucraniano”.

O sociólogo Emmanuel Todd observou em sua última entrevista que o eleitorado de Mélenchon havia formado um bloco político distinto. Todd também sublinha nesta entrevista a particularidade desta eleição que é a constituição de três blocos políticos homogêneos (ao mesmo tempo que o fim dos partidos tradicionais em favor dos candidatos populistas) [4].

No segundo turno, o desafio para Marine Le Pen e Emmanuel Macron é, naturalmente, capturar os votos dos melanchonistas, este terceiro bloco. Em questões econômicas, os melanchonistas estão, naturalmente, mais próximos de Le Pen do que de Macron. Entretanto, em questões de orientação política, tanto Macron quanto Mélenchon têm um software comum e são defensores de uma forma de “marxismo cultural” ao estilo francês; aqui suas agendas coincidem e convergem. Isto também se aplica à sedução e instrumentalização das minorias e sua visão multiculturalista sobre o futuro da sociedade francesa. É sobre este ponto que a divergência entre os eleitores melanchonistas e o Rassemblement National é mais marcante: o programa do RN sobre controle de imigração, que é mais próximo ao de Zemmour, afasta uma parte significativa do eleitorado melanchonista. E isto é, de certa forma, uma oportunidade para Macron, uma oportunidade que ele pretende agarrar.

Graças à sua política de imigração “de esquerda”, Mélenchon tornou-se o candidato indiscutível dos franceses de origem africana, segundo dados do IFOP para a Jeune Afrique[5]. Durante sua campanha, Mélenchon enfatizou o papel dos muçulmanos na França, por exemplo. Ele também expressou sua simpatia pela “crioulização” da sociedade; ele também pediu a legalização de todos os trabalhadores indocumentados e o abandono dos controles de fronteira no Mediterrâneo[6]. Isto significa uma política de “porta aberta” para todos os migrantes ilegais da África negra.

Para fortalecer sua posição, Macron prestou atenção especial em sua campanha eleitoral ao público da “esquerda” africana. Apesar do fracasso total da estratégia de política externa em relação à África – por exemplo, o fracasso do fórum França-África que não obteve uma reação positiva das diásporas africanas ou dos próprios políticos africanos – as diásporas africanas podem influenciar de forma decisiva o resultado das eleições presidenciais. Estes últimos avaliam negativamente as propostas de Marine le Pen e suas declarações antimigração. De fato, a IFOP estima que apenas 6% dos entrevistados da diáspora africana votariam em Le Pen, enquanto 36% poderiam votar em Mélenchon. Em sua busca por esses 36%, Macron tem tentado seduzir esse público africano.

A África “em movimento”? A estratégia de sedução das diásporas africanas pela Macronia

A este respeito, vale a pena notar uma recente investigação publicada no Mediapart Club[7]. Uma estranha agência de comunicação, sediada no Senegal ou em países vizinhos, criou uma rede de cidadãos africanos francófonos para fazer campanha dentro da diáspora africana na França. Usuários de redes sociais de países africanos francófonos se fizeram passar por negros franceses e se envolveram em “negações” de informações negativas sobre o Presidente Macron.

A investigação, inicialmente publicada no site Burkina 24 e posteriormente retomada no blog da Mediapart, relata que uma “Agência de marketing social e desenvolvimento na África” vinha procurando trabalhadores para as mídias sociais em língua francesa desde este outono e início de dezembro. O Senegal foi escolhido como um dos centros de atividade e Hassana Diallo foi reportado como um dos coordenadores ativos do programa[8]. Além disso, é revelado nesta investigação que um profissional do Mali (Ibidoun Oladélé Landry) também está envolvido nas atividades da agência[9]. Em vários grupos do Facebook e da Instagram, a equipe da agência publicou publicações com comentários positivos sobre Macron e simulações de apoio da população africana ao Presidente da República, incluindo demonstrações fotográficas de apoio no Senegal e no Benin[10].

Curiosamente, foram publicadas refutações do “McKinseygate” em vários desses grupos, e a investigação do Senado francês foi até chamada de falsa[11]. A investigação da Burkina 24 não mostra ligações diretas entre esta “Agência para Marketing Social e Desenvolvimento na África” e as equipes de campanha da Macron, mas é razoável supor que o pessoal de RP de Macron possa ter desenvolvido uma campanha para seduzir as populações africanas e possa ter iniciado uma colaboração com agências de comunicação africanas para este fim.

Isto seria uma continuação do trabalho empreendido pela Presidência da República com a cúpula França-África em outubro passado em Montpellier, por exemplo[12]. Afinal, a maioria da diáspora africana na França não é muito favorável à política africana de Macron, mesmo acusando-o de racismo e de uma política ruinosa em relação ao continente, apesar de todas as suas tentativas de soft power republicano e de blackwashing da França-África[13]. Este trabalho sombra na África conseguiu aumentar a popularidade de Macron entre as diásporas africanas na França? Muito possivelmente, sim. Afinal, diante das posições de Marine Le Pen, que são constantemente apresentadas como antiafricanas pelo aparato político-midiático dominante, Macron pode parecer mais atraente para os africanos na França.

É interessante notar que na África francófona, o assunto tem sido objeto de discussões bastante animadas, provocando alguma negatividade em Burkina Faso, como já vimos, bem como em Mali[14].

Quem está por trás desta campanha de mídia e desta agência? Por que isso está acontecendo na África em particular? O objetivo era ajudar Macron a atrair o eleitorado de esquerda da diáspora de Mélenchon? Como você caracteriza as atividades de tal rede nas mídias sociais como interferência eleitoral? É mesmo legal? Se se verificar que cidadãos da África francófona estavam dirigindo grupos de apoio para Macron, fazendo-se passar por cidadãos franceses, quem inventou esta estratégia para Emmanuel Macron, McKinsey?

Seria esta a agonia do macronismo? Uma tentativa desesperada de invadir o público de Mélenchon fazendo campanha pelo Macron de outro continente?

Mais uma vez, muitas perguntas e quase nenhuma resposta, nenhuma investigação, exceto por blogueiros e atores independentes da reinfosfera.

Isto deve ser cuidadosamente verificado e investigado. Mas como podemos ver, mesmo em um caso tão importante como o McKinsey, tudo será feito para afogar o peixe e seguir em frente.

Um paralelo também poderia ser traçado com a propaganda da mídia em torno da investigação lançada pelo OLAF, o escritório anti-fraude da UE, contra Marine Le Pen, sobre possível apropriação indevida de fundos públicos europeus entre 2004 e 2017 (na faixa de 140.000 euros). Silêncio de um lado, sirenes de mídia estridentes do outro.

A interferência em eleições de fora para favorecer Macron (pelas elites globalistas da UE contra Marine Le Pen e talvez do continente africano para fazer Macron vencer) parece ter se tornado uma norma aceita. Padrões duplos? Sim.

Por outro lado, é óbvio que após 5 anos de macronismo, covidismo e autoritarismo biopolítico, será difícil para as agências de comunicação França-África conquistar toda a diáspora africana para o macronismo. Também vale a pena notar o colapso de Emmanuel Macron nos departamentos e comunidades ultramarinas; territórios onde a maioria da população afrodescendente resistiu corajosamente à tirania covidiana e à vacinação forçada.

Além disso, embora ela seja cada vez mais atraente para uma parte significativa do público histórico da esquerda, Marine Le Pen afirma claramente sua posição: ela não é contra as diásporas africanas leais à cultura francesa. Ela não é tão radical como Éric Zemmour e, tendo transformado seu programa desde 2017, ela entende que terá que adaptar sua agenda aos novos desafios. O que estamos vendo hoje é uma batalha histórica entre dois franceses. Um deles – aquele que foi conquistado pelo globalismo – fará de tudo para reter o poder e esmagar a França popular do bem comum. Esta França histórica está sendo esmagada pela convergência do bloco de elite e do bloco imigracionista, os dois lados do globalismo na França.

Notas

[1] Djihadiste ou nationaliste : ce que le meurtre d’Yvan Colonna dit de la République – https://www.revue-elements.com/djihadiste-ou-nationaliste-ce-que-le-meurtre-dyvan-colonna-dit-de-la-republique/
[2] Relatório em nome da Comissão de Inquérito sobre a crescente influência das consultorias privadas nas políticas públicas « Un phénomène tentaculaire : l’influence croissante des cabinets de conseil sur les politiques publiques », Président M. Arnaud BAZIN, Rapporteure Mme Éliane ASSASSI, Sénateur et Sénatrice : http://www.senat.fr/rap/r21-578-1/r21-578-11.pdf
[3] http://www.senat.fr/rap/r21-578-1/r21-578-130.html
[4] https://youtu.be/m1x_HjDJQU8
[5] [Sondage exclusif] Présidentielle en France : Macron, Zemmour, Mélenchon… Pour qui votent les électeurs d’origine africaine ? – https://www.jeuneafrique.com/1330461/politique/presidentielle-en-france-macron-zemmour-melenchon-pour-qui-votent-les-electeurs-dorigine-africaine/
[6] Ver : « Refonder la politique européenne de contrôle des frontières extérieures, refuser la militarisation de la politique de contrôle des flux migratoires afin de sortir de l’impasse de Schengen et de Frontex. Il est donc nécessaire de mettre fin aux opérations de Frontex dont les missions et les actions ne sont pas compatibles avec le respect des droits fondamentaux – https://melenchon2022.fr/livrets-thematiques/migrations/ »
[7] Des trolls africains votent Macron sur les réseaux sociaux
https://blogs.mediapart.fr/j-h-lhotmailfr/blog/170422/des-trolls-africains-votent-macron-sur-les-reseaux-sociaux
[8] Les élections présidentielles en France : Des trolls africains votent Macron sur les réseaux sociaux
https://burkina24.com/2022/04/09/les-elections-presidentielles-en-france-des-trolls-africains-votent-macron-sur-les-reseaux-sociaux
[9] Idem
[10] https://twitter.com/_france_afrique/status/1516013713882599425
[11] Les élections présidentielles en France : Des trolls africains votent Macron sur les réseaux sociaux
https://burkina24.com/2022/04/09/les-elections-presidentielles-en-france-des-trolls-africains-votent-macron-sur-les-reseaux-sociaux
[12] Le sommet Afrique-France de Macron : la stratégie ratée de “blackwashing” de la Françafrique
https://strategika.fr/2021/10/23/le-sommet-afrique-france-de-macron-strategie-ratee-de-blackwashingde-la-francafrique/
[13] Idem
[14] Un simulacre des élections présidentielles : Retour vers 2017 – https://maliactu.net/un-simulacre-des-elections-presidentielles-retour-vers-2017/

Fonte: Strategika

Imagem padrão
François d'Avenel

Analista geopolítico francês

Artigos: 120

Deixar uma resposta