A crise política paquistanesa: por que os inimigos de Imran Khan o querem fora do jogo?

Imran Khan não é um primeiro-ministro comum. Mostrando coragem excepcional, ele desafiou interesses estabelecidos. Tentou erradicar a corrupção. Forjou uma nova política externa independente. Para seu imenso crédito, até mesmo colocou em risco seu governo ao se recusar à queima-roupa a ser um peão dos EUA. Acima de tudo, Khan quebrou o molde do sistema bipartidário fedorento, corrupto e podre que dominou a política democrática do Paquistão por décadas.

Isso significou fazer inimigos. Muitos deles. Alguns são internos, e outros, externos. E agora, eles vieram atrás dele. Por que agora? Peter Oborne explica em maior detalhes em seu artigo.

Por Peter Oborne

A decisão do primeiro-ministro Imran Khan de dissolver o parlamento paquistanês para impedir um voto de desconfiança foi recebida com choque e perplexidade global.

Essa perplexidade está mal direcionada. Eu cobri a política paquistanesa ao longo de duas décadas. Como um estudante de longa data (e admirador) do país, posso afirmar com confiança que o verdadeiro choque não é que o Paquistão tenha sido atingido por uma crise política; mas o tanto que isso demorou.

Poucos líderes democraticamente eleitos do Paquistão duram muito. De fato, nenhum dos antecessores de Khan sobreviveu a um mandato completo desde a fundação do país, há 75 anos.

Imran Khan não é um primeiro-ministro comum. Mostrando coragem excepcional, ele desafiou interesses estabelecidos. Tentou erradicar a corrupção. Forjou uma nova política externa independente. Para seu imenso crédito, até mesmo colocou em risco seu governo ao se recusar à queima-roupa a ser um peão dos EUA. Acima de tudo, Khan quebrou o molde do sistema bipartidário fedorento, corrupto e podre que dominou a política democrática do Paquistão por décadas.

Isso significou fazer inimigos. Muitos deles. Alguns são internos, e outros, externos. E agora, eles vieram atrás dele.

Mas antes de analisar o impasse atual, é importante entender que Khan está vulnerável a ataques desde que o partido que fundou, o Paquistão Tehreek-i-Insaf (PTI, traduzido como Movimento pela Justiça), assegurou o poder em 2018. O PTI não venceu a maioria que Khan ansiava, o que significava que, desde o início, ele foi obrigado a montar um governo de coalizão.

Nos últimos meses, essa coalizão precária desmoronou, já que os apoiadores por conveniência sucumbiram às súplicas dos inimigos — e, segundo alguns relatos, ao suborno ou ao encorajamento disfarçado de diplomatas americanos.

Khan tem muitos pontos fortes como político, mas no contexto da política paquistanesa, uma fraqueza permanente. Fiel a sua própria natureza e aos preceitos de sua profunda fé islâmica, ele não é corrupto. Essa qualidade não é simplesmente incomum na política paquistanesa; é uma desvantagem incapacitante.

A honestidade de Khan o torna fundamentalmente inadequado para os métodos degradados que são uma segunda natureza para muitos políticos paquistaneses bem-sucedidos. No fim de semana passado, quando os inimigos de Khan pensaram que estavam prestes a destruí-lo, o primeiro-ministro em apuros simplesmente dissolveu o parlamento, abrindo caminho para as eleições. Esta decisão fez os oponentes de Khan na Liga Muçulmana do Paquistão (Nawaz) e no Partido Popular do Paquistão (PPP) agarrarem suas pérolas com horror.

Que ultrajante, eles dizem agora, que o futuro do Paquistão deve ser decidido pela vontade democrática do povo, em vez de por acordos sórdidos feitos em salas escuras. Estou quebrando a cabeça para pensar em um precedente, não apenas no Paquistão, mas em qualquer país, para a decisão de Khan de se afastar em um momento de crise profunda. Eu falhei.

Na Grã-Bretanha, meu próprio país, seria muito melhor se, em 1990 (quando Khan ainda era capitão do time de críquete paquistanês), osconspiradores do partido conservador tivessem escolhido uma eleição, em vez de conspirar em salas fechadas cheias de fumaça para destruir Margaret Thatcher.

Teria sido a coisa certa a fazer, e muito mais democrática. É claro que é por isso que os conspiradores não queriam uma eleição. Eles temiam secretamente que Thatcher fosse mais popular do que eles.

Não vi nem Bilawal Bhutto Zardari nem Shehbaz Sharif, os líderes dos dois principais partidos da oposição que pretendem expulsar Khan, tentarem explicar o que há de errado com o voto popular. Ambos homens sabem que Khan vai lutar e que é mais forte do que eles admitem.

Desastre econômico

Sharif sabe especialmente que Khan herdou um desastre econômico quando assumiu o cargo há quatro anos – o legado da notória má administração de seu próprio partido, a Liga Muçulmana do Paquistão. Um homem altamente inteligente e talentoso, Sharif deve estar dolorosamente ciente de que seu partido foi o arquiteto da enorme dívida e da incompetência econômica que Khan tem lutado para enfrentar desde que assumiu o cargo.

O novo líder herdou um Tesouro público praticamente vazio, um sistema tributário falido e apenas dois meses de reservas cambiais. Para lidar com as dívidas externas do Paquistão, o governo Khan aumentou os preços da energia e do combustível, afetando mais fortemente os pobres. O descontentamento popular era inevitável e Khan certamente não resolveu todos os problemas do país.

Mas ele se saiu razoavelmente bem, dada a necessidade de lidar (ao lado de todos os outros líderes mundiais) com a pandemia de Covid-19. É especialmente injusto, como seus oponentes fizeram, culpar Khan pela violenta inflação, que é uma característica da economia global em geral, e não apenas do Paquistão

No entanto, em meio a essas dificuldades, Khan trouxe otimismo e confiança a seu alto cargo. Ele tem uma presença mais dominante no cenário internacional do que qualquer líder paquistanês desde Zulfikar Ali Bhutto, o brilhante e carismático fundador do PPP (e avô do atual oponente de Khan, Zardari, chefe do PPP).

Como Ali Bhutto, Khan trabalhou para moldar o Paquistão como uma nação independente. Ali Bhutto afastou o Paquistão da dependência covarde dos EUA que caracterizou a longa ditadura de Mohammad Ayub Khan. Imran Khan procurou fazer o mesmo, construindo alianças com a China e a Rússia, ao mesmo tempo em que dialogava com estados muçulmanos como Irã, Malásia e Turquia. Mesmo seus apoiadores devem reconhecer que esta política teve apenas um sucesso parcial.

Influência saudita

A situação econômica do Paquistão o deixou dependente de seus credores, especialmente a Arábia Saudita e a China, dois regimes com princípios muito diferentes dos seus. Essa dependência é a principal razão pela qual Khan não se manifestou publicamente contra os maus-tratos chineses aos muçulmanos uigures em Xinjiang. Khan também ficou em silêncio sobre a tragédia em curso no Iêmen, onde centenas de milhares de pessoas morreram como resultado direto ou indireto da guerra liderada pela Arábia Saudita.

O fato de o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman (MBS) ser para todos os efeitos o gerente do banco de Khan o impede de falar — e não apenas sobre o Iêmen. Quando Khan quis juntar-se à Malásia e à Turquia em uma aliança islâmica, MBS interveio.

Também é importante notar que Khan decepcionou antigos apoiadores que o viam como um feroz defensor dos direitos humanos. Eles agora o acusam de sancionar ataques a jornalistas e à liberdade de imprensa, permitindo tornar-se um instrumento voluntário dos militares paquistaneses.

No entanto, Khan mostrou diplomacia na Caxemira, onde seus esforços pela paz foram frustrados pelo primeiro-ministro indiano Narendra Modi.

Khan também estabeleceu uma linha independente sobre o Afeganistão. Desde a queda de Cabul em Agosto do ano passado, há tensão com Washington sobre os sobrevôos dos EUA no Paquistão. Mais importante, Khan e os EUA estão em desacordo sobre os bens estatais afegãos congelados por Washington, em um momento em que os fundos são desesperadamente necessários para aliviar a fome e a pobreza no Afeganistão.

Crucialmente, como aconteceu com Ali Bhutto, essa independência enfureceu Washington, que desde sua derrota militar no Afeganistão tem uma necessidade ainda maior de o Paquistão retomar seu papel tradicional como estado cliente dos EUA.

Estado vassalo

Da minha perspectiva aqui em Londres, não tenho ideia se as alegações de Khan de que os EUA estão trabalhando para miná-lo são verdadeiras, mas qualquer um com mais do que uma familiaridade passageira com a história do Paquistão sabe que elas não são, para dizer o mínimo, absurdas.

Os EUA tratam o Paquistão como um estado vassalo desde sua independência em 1947. A CIA projetou o golpe que pôs fim a 11 anos de governo civil em 1958 e instalou o primeiro ditador militar do Paquistão, o brutal Ayub Khan. Com entusiasmo indecente, o ex-presidente Dwight Eisenhower sinalizou a aprovação dos EUA ao regime ditatorial ao visitar o Paquistão pouco depois.

É revelador que apenas cinco presidentes dos EUA tenham visitado o Paquistão – Eisenhower, Lyndon Johnson, Richard Nixon, Bill Clinton e George W Bush – e nunca durante períodos de governo civil. A ajuda dos EUA ao Paquistão sempre dispara durante as ditaduras militares, zombando das alegações dos EUA de apoiar instituições democráticas.

Quanto ao presidente Joe Biden, Imran Khan disse a David Hearst e a mim, quando o entrevistamos para o Middle East Eye no outono passado, que o líder dos EUA nunca ligou para ele. Incrível, dada a crise no Afeganistão — e punição, sem dúvida, por não seguir a linha americana.

Não se esqueça de que Khan primeiro ganhou reputação como um crítico do papel dos EUA no Paquistão e, em particular, da aquiescência de seu país aos ataques de drones americanos contra supostos líderes do Talibã.

Superando as adversidades

Também é altamente relevante que o ministro das Relações Exteriores de Khan, Shah Mahmood Qureshi, tenha os mesmos princípios, demonstrando isso uma década antes, quando atuou como ministro das Relações Exteriores no governo de Asif Ali Zardari, pai do atual líder do PPP.

Em 2011, o então contratado da CIA Raymond Davis atirou em dois paquistaneses pelas costas nas ruas de Lahore e depois reivindicou imunidade diplomática. Em vez de garantir que ele enfrentasse a justiça, Zardari vergonhosamente permitiu que os EUA contrabandeassem Davis para fora do país. Eu estava no Paquistão na época e me lembro vividamente do sentimento nacional de vergonha, e até mesmo horror moral, diante da covarde súplica de Zardari à criminalidade dos EUA.

Qureshi compartilhou desse sentimento, renunciou e se juntou ao PTI de Khan pouco depois.

Os críticos de Khan, tanto no Paquistão quanto no exterior, têm feito pouco caso de suas alegações de que os EUA podem ser responsáveis ​​por seus atuais problemas políticos. Essa atitude reflete ingenuidade, ignorância ou ingenuidade. Embora os fatos ainda sejam obscuros e possam nunca ser totalmente conhecidos, a história mostra que Khan é inteiramente razoável em temer a interferência dos EUA no país que governa.

Trinta anos atrás, Khan disse a seu time de críquete paquistanês que eles precisavam lutar como “tigres encurralados”, quando todos pareciam perdidos na Copa do Mundo de Críquete de 1992.

A tarefa que Khan enfrenta é ainda mais espantosa hoje — mas não o descarte ainda. Ele superou imensas adversidades de vencer aquela Copa do Mundo.

Acredito que ele merece a chance de terminar a tarefa que começou há três anos e meio, quando venceu as eleições de 2018. Ou, pelo menos, para defender seu histórico em novas eleições.

Fonte: Middle East Eye

Imagem padrão
Peter Oborne

Jornalista e analista político, notório por denunciar as ligações entre seu antigo The Daily Telegraph e o mercado financeiro.

Artigos: 451

Deixar uma resposta