A Provocação em Bucha como Esquema para uma Intervenção Ocidental

Considerando o modus operandi ocidental, todos já esperavam alguma acusação de crimes de guerra, com direito a encenações e acusações falsas. Finalmente, em Bucha, tudo foi organizado para pintar os russos como monstros e criminosos. Trata-se de algo tão óbvio que a sanidade de qualquer pessoa que acredita na versão oficial narrada no Ocidente deve ser posta em dúvida.

O mundo está indignado com as fotos e vídeos da cidade de Bucha, perto de Kiev, capital ucraniana. O lado ucraniano, os governos ocidentais e as principais agências midiáticas dizem que as forças russas mataram brutalmente ali centenas de civis ucranianos. A Rússia nega as acusações. O ministro russo das relações exteriores, Sergey Lavrov, chamou de “ataque informacional”. A Rússia solicitou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU sobre esta questão, mas o pedido foi recusado duas vezes pelo Reino Unido, que detém a presidência do Conselho de Segurança da ONU em abril.

Apesar de ainda não ter sido realizada nenhuma investigação independente, o Presidente dos Estados Unidos Joe Biden apressou-se a culpar o Presidente russo Vladimir Putin, chamando-o de criminoso de guerra. Líderes da França, Alemanha, Reino Unido e outros países europeus fizeram o mesmo, imediatamente após o vídeo das pessoas assassinadas ter aparecido na Internet.

Inconsistências na versão ucraniana

Estamos no meio da guerra informacional, onde ninguém pode ser realmente neutro, porque suas impressões e análises são formadas pelos fluxos de informação aos quais se está conectado. Entretanto, a cobertura informativa da mídia ocidental carece dos maiores detalhes que desafiam seriamente a narrativa ocidental sobre os russos maus que matam todo mundo porque eles só querem matar.

As tropas russas deixaram Bucha em 30 de março, após as conversas entre os lados russo e ucraniano em Istambul, onde o lado russo anunciou a vontade de desescalar a situação perto da capital ucraniana. Nos quatro dias desde que as tropas russas deixaram Bucha, não houve um único sinal de atrocidades, nem uma única menção delas na mídia. Em 31 de março, o prefeito Anatoly Fedoruk, de Bucha, filmou um vídeo sobre a saída das forças armadas russas da cidade. Ele não disse nada sobre as ruas estarem cheias de cadáveres. O fotógrafo Konstantin Liberov esteve na cidade de Bucha (região de Kiev, Ucrânia) nos dias 1 e 2 de abril. Enquanto filmava um vídeo e falava sobre a cidade, ele não menciona nada sobre os cadáveres dos residentes locais. O homem estava lá como voluntário. Em sua história, o fotógrafo nunca mencionou os cadáveres em Bucha. Ele também não viu nenhum corpo em seus numerosos vídeos. No entanto, ele percorreu a cidade inteira.

No dia 2 de abril, a Polícia Nacional da Ucrânia entrou na cidade. Há um longo vídeo deles limpando a cidade na Internet. Não há corpos espalhados pela cidade, exceto um soldado russo que foi morto.

Entretanto, assim que o exército ucraniano entra na cidade, os cadáveres subitamente aparecem.

No mesmo dia (2 de abril), unidades da Defesa Territorial de Kiev entram em Bucha de outra direção – para uma operação de limpeza. Entre elas estava um destacamento de “Botsman” – o proeminente neonazista russo Serghei Korotkih, que escapou da justiça russa na Ucrânia. Suas imagens de vídeo mostram um dos combatentes perguntando: “Aqueles caras ali sem as braçadeiras azuis, podemos atirar neles?”. “Pode apostar!” – responde alegremente o outro.

Nas filmagens de 3 de abril, vemos pessoas mortas com as braçadeiras brancas. Era uma marca distintiva das forças armadas russas (como braçadeiras azuis para os ucranianos). Os civis nos territórios controlados pelos russos também estavam usando-as. Pode-se juntar duas coisas e tirar a conclusão de que algumas pessoas mostradas podem ter sido mortas (intencionalmente ou não) pelas forças ucranianas durante a operação de limpeza. Também está claro pelo sangue e pela ausência de rigor mortis em muitos vídeos que eles não foram assassinados em 30 de março, mas mais tarde.

Nenhuma filmagem mostra claramente quem realmente mata as pessoas (e se estas aparecerem ultimamente será claro que estão encenadas), talvez vejamos vítimas de bombardeios, cujos corpos foram usados para provocação, talvez as pessoas tenham sido mortas durante a operação de limpeza, talvez haja pessoas que tenham apoiado a Rússia e depois que a cidade foi perdida foram mortas pelos nacionalistas ucranianos. Sabemos que há uma verdadeira caça às bruxas nas cidades controladas pela Ucrânia, onde supostos “sabotadores” e “saqueadores” são presos, espancados e amarrados a postes nas ruas. Os próprios militares ucranianos distribuem vídeos deles matando prisioneiros russos, inclusive os que estão amarrados. Da mesma forma, eles podem ter massacrado os suspeitos de colaborar com as tropas russas em Bucha. Os militares ucranianos e os serviços secretos têm tal experiência: Em 5 de março, a mídia ucraniana noticiou que o Serviço de Segurança da Ucrânia matou Denys Kireyev, membro da delegação ucraniana para as negociações com a Rússia. Kireyev era suspeito de traição e foi morto pelo Serviço de Segurança da Ucrânia. Anteriormente, o prefeito da cidade de Kreminna, Volodymyr Struk, foi sequestrado e morto. Anton Gerashchenko, conselheiro do Ministro do Interior da Ucrânia, endossou o assassinato, dizendo que ele foi executado por “patriotas desconhecidos”.

Não há provas convincentes de que houve crime de guerra (e não uma encenação com o uso de cadáveres de pessoas mortas acidentalmente antes) e se foi realmente cometido que a Rússia é responsável. Os nacionalistas ucranianos nunca sentiram pena de seus próprios cidadãos, e foram eles que mataram 14.000 pessoas no Donbass, onde as valas comuns de suas vítimas ainda são encontradas até hoje. São os ucranianos que agora estão usando civis como reféns em Mariupol. Foram os nacionalistas ucranianos que exterminaram impiedosamente ucranianos, poloneses, judeus e russos nos anos 40, colaborando com a Alemanha nazista e nos anos 50 em coordenação com os serviços secretos britânicos e americanos. As forças armadas ucranianas estão sofrendo grandes perdas de mão-de-obra e equipamento e estão dispostas a fazer qualquer coisa para obter mais apoio dos países ocidentais.

Outra razão para a provocação: para esconder, para cobrir os fatos de que as tropas ucranianas estavam torturando e matando prisioneiros de guerra russos. Os vídeos sádicos causaram indignação na Rússia, mas nunca foram exibidos no Ocidente.

Pegadas ocidentais

Na provocação em Bucha, há um rastro ocidental. Em 3 de abril, a Human Rights Watch (HRW) foi a primeira organização que se apressou a acusar a Rússia.

Também não pode haver confiança na HRW. Ela é uma parte da máquina propagandista ocidental, financiada por George Soros, usada para contratar ex-funcionários do governo dos EUA e foi recentemente encorajada por Antony Blinken a promover a democracia na Ucrânia e na Rússia. Esta organização é totalmente tendenciosa e não é de confiança. Ken Roth, diretor da HRW, apoiou o golpe militar de extrema-direita na Bolívia em novembro de 2019, em 2011 o diretor da HRW escreveu uma peça editorial glorificando a doutrina da “responsabilidade de proteger”, justificando as operações militares dos EUA no exterior, “Roth ajudou a justificar a execução extrajudicial pela Administração Trump do general iraniano Qassem Soleimani”, comparou a China à Alemanha nazista e espalhou “um vídeo falso de um treinamento de efeitos especiais que ele insinuou retratando “robôs assassinos” chineses, diz Ben Norton, de Grayzone.

O arquiteto da Guerra do Iraque, Colin Powell, chamou as ONGs de direitos humanos de “multiplicadores de força” para os militares dos EUA, chamando-os de “uma parte importante de nossa equipe de combate”. As elites ocidentais compreendem que a Rússia luta não contra a Ucrânia como tal, mas contra o mundo unipolar e a hegemonia ocidental e é por isso que o Ocidente usará de todos os meios para deter a Rússia.

Testemunhamos o mesmo padrão na Iugoslávia, Síria e Líbia, onde o Ocidente acusou os líderes que eles queriam derrubar de crimes contra a humanidade. A nova guerra ou ataques se seguiram a essas provocações. Portanto, devemos esperar o envolvimento mais profundo da OTAN na crise ucraniana que pode levar a consequências desastrosas quando a guerra se espalhar sobre a atual zona de guerra. Também devemos esperar mais provocações, incluindo acusações de uso de armas químicas, como foi o caso na Síria.

Lembrem-se do papel dos Capacetes Brancos ligados ao Reino Unido na cobertura da Guerra Síria na mídia ocidental e veja agora que foi o Reino Unido que se recusou a discutir a posição russa sobre Bucha no Conselho de Segurança da ONU. Isso já estimula as reflexões.

Em vez de uma comissão independente, os EUA estão prontos para enviar seus especialistas a Bucha e está apoiando uma “equipe internacional de promotores e especialistas para coletar e analisar provas de atrocidades”. Isto mostra claramente que os EUA e seus aliados não estão interessados em uma investigação independente sobre o que realmente aconteceu em Bucha. Em vez de uma investigação independente, a opinião pública mundial será alimentada com informações de americanos, ucranianos, investigadores da Bellingcat e outras estruturas similares, que são financiadas pelos fundos dos países da OTAN. Entretanto, mesmo a Comissão de Inquérito da ONU sobre a Ucrânia foi criada pela iniciativa dos EUA e apoiará a narrativa de seus patrocinadores.

Síria e Iugoslávia: a experiência das provocações

No passado, na Síria (incidente Douma de 2018), as evidências dessas equipes de investigação não eram tão evidentes e foram até mesmo desmascaradas pelos analistas independentes e os documentos vazados mostraram que algumas das evidências que não confirmavam a versão principal (o malvado Assad) foram negligenciadas. Entretanto, antes disso, os EUA, o Reino Unido e a França bombardearam a Síria culpando Assad pelo ataque químico. Em julho de 2018 a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) emitiu um relatório que apoiava a versão ocidental do que havia acontecido em Douma.

Apenas um ano depois, o especialista da OPCW Ian Henderson que era membro da equipe de investigação enviada pela OPCW expôs a verdade dizendo que o relatório da OPCW de julho de 2018 sobre o incidente de Douma era contraditório e “contrário ao consenso que havia sido alcançado dentro da equipe”. De acordo com ele, não houve nenhum ataque químico na cidade de Douma.

Outro exemplo onde a mídia ocidental enganou seus próprios meios de comunicação e o público mundial foi a Iugoslávia, em 1999. Depois, os sérvios foram acusados de matar 45 civis albaneses na aldeia de Racak, no Kosovo. A história completa do massacre foi apresentada como um crime de guerra óbvio e não comprovado cometido pelo exército sérvio. Os sérvios negaram os fuzilamentos e, por sua vez, apontaram que os mortos eram membros do Exército de Libertação do Kosovo que haviam morrido em combate. Os sérvios concordaram com uma investigação internacional do incidente, na condição razoável de que os especialistas fossem neutros: não dos Estados membros da OTAN. O episódio de Racak foi a razão para o início do bombardeio da Iugoslávia e da intervenção humanitária no país. Em 2006, o episódio de Racak foi retirado pelos promotores de justiça da lista de crimes considerados pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia.

O que se segue?

Uma comissão independente é necessária para investigar completamente o que aconteceu em Bucha. Entretanto, nas circunstâncias atuais, isso é impossível. Como observa o filósofo geopolítico russo Alexander Dugin:

“Quando o exército deixa o território que havia tomado anteriormente, há inevitavelmente uma ‘Bucha’. Quem controla o território, ‘prova’ o que quer nele. E depois há a questão da escala da campanha da mídia de massa”.

A mídia ocidental usa a provocação de Bucha para demonizar a Rússia e desumanizar os russos. Tal abordagem expande o alcance de soluções aceitáveis com respeito à Rússia até um bloqueio comercial e até mesmo o início de uma ação militar em seu território (a região de Kaliningrado como a localização mais possível). Sem dúvida, haverá mais provocações pela frente, incluindo, possivelmente, armas químicas em território ucraniano. Estas poderão ser seguidas de novos passos em direção à escalada, incluindo o desencadeamento de uma guerra nuclear. Declarações hipócritas de humanismo por parte do Ocidente sempre escondem o desejo de iniciar uma nova agressão.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Alexander Bovdunov

Doutor em Sociologia pela Universidade de Moscou, liderança do Movimento da Juventude Eurasianista.

Artigos: 120

Deixar uma resposta