Alguns Fatores por trás da Crise Ucraniana

Para entender a crise ucraniana é fundamental compreender o papel desempenhado pelas redes internacionais de ONGs, Fundações e laboratórios de ideias que tem financiado, há décadas, programas de “ativistas”, “jornalistas” e “direitos humanos” em território ucraniano, para construir um clima propícia para a subversão ocidentalista.

Apesar da postura moral da OTAN, da UE e dos EUA de nunca ter havido nenhum projeto externo, a Ucrânia foi manipulada como uma adaga destinada ao coração da Rússia. Através de planejamento externo e financiamento maciço, a Ucrânia foi desligada de sua relação orgânica com a Rússia.

A medida em que a rede globalista tem visado a Rússia através da Ucrânia é prontamente vista ao examinar os relatórios financeiros anuais de ONGs como o National Endowment for Democracy [NED], os institutos Open Society, ad infinitum. Aqui podemos discernir o real significado por trás da retórica de que a Ucrânia é um modelo brilhante de “democracia”, “liberalismo” e “sociedade aberta”.

Entre eles, os globalistas se vangloriam dos papéis que desempenham na Ucrânia. Em 2016, Carl Gershman, presidente do NED, um veterano esquerdista do tipo que afluiu ao lado americano durante a Guerra Fria, declarou que o NED tinha sido ativo na Ucrânia desde os anos 80: “O NED estava lá desde o início, alimentando as raízes ativas da sociedade civil na década de 1980”. [1]

Em 2015 Gershman, no ano seguinte à derrubada do governo ucraniano alinhado com a Rússia, escreveu no World Affairs que a Ucrânia é fundamental para os objetivos dos EUA em cercar e subverter a Rússia, citando o estrategista geopolítico Brzezinski:

“… Sem a Ucrânia, a Rússia deixa de ser um império, como Zbigniew Brzezinski tem dito muitas vezes. É possível que após a crise atual a Rússia se torne um país mais normal, até mesmo uma democracia, onde a preocupação central não será mais expandir o poder da Grande Rússia, mas prover o bem-estar de seu povo.

Portanto, o objetivo estratégico para as pessoas que querem ver um mundo mais pacífico e democrático é uma Rússia que, como a Ucrânia, quer ser democrática e uma parte da Europa. Neste momento, tal cenário parece muito improvável. Mas se a Ucrânia for bem sucedida, há a possibilidade de um resultado melhor. É por isso que a luta da Ucrânia pela democracia, independência e integridade territorial tem consequências para o mundo inteiro. E é por isso que os EUA têm um profundo interesse em seu sucesso. Ao estarmos com a Ucrânia, não estamos apenas apoiando sua luta. Estamos também defendendo nossa própria segurança nacional e fazendo avançar os valores da liberdade humana que os Estados Unidos, com todos os seus problemas, continuam a representar”[2].

Gershman deixou claro que deve ser criado um racha com a Ucrânia que prejudicaria a Rússia. Este racha tem grandes implicações no processo de globalização e americanização, segundo Gershman.

Saltando para os dias atuais, o orçamento da NED gasto na Ucrânia durante 2021 atingiu mais de US$ 5.500.000. O foco está consistentemente no treinamento de “jovens ativistas”, e no financiamento de veículos de propaganda, eufemisticamente nos termos de “jornalismo independente”. [3] Por exemplo:

  • Apoio ao Jornalismo Investigativo em Donbass: $35.000: Para fortalecer a mídia independente que reporta sobre os gastos públicos na região de Donbass na Ucrânia. …
  • Instituto de Informação de Donetsk – Fomentando a mídia independente no Donbass: $100.000: Para fomentar a mídia independente no leste da Ucrânia. A organização produzirá notícias, investigações e relatórios analíticos sobre os desenvolvimentos em regiões afetadas por conflitos na Ucrânia. O grupo publicará materiais em seu website e os distribuirá através da mídia social e de boletins informativos por e-mail. Também produzirá e transmitirá episódios de seu programa semanal de televisão Donbass Today, promovendo-o através de videoclipes na mídia social. O grupo continuará a monitorar a mídia impressa e online nas áreas controladas pelos separatistas para combater a desinformação.
  • Centro de Pesquisa sobre as Perspectivas Sociais do Donbass – Apoio à Mídia Regional Independente: $50.500: Para promover o acesso a notícias independentes e informações sobre os desenvolvimentos no leste da Ucrânia. O site de notícias populares da organização expandirá sua reportagem analítica sobre o conflito, continuará a monitorar a mídia e os eventos dentro dos territórios controlados pelos separatistas, e desmascarará narrativas de propaganda. Para atingir o público internacional com informações objetivas sobre o conflito, a organização traduzirá seus materiais mais importantes para o inglês.
  • Caritas Mariupol – Promoção de reportagens independentes no Donbass: $39.000: Para promover reportagens independentes e fomentar o jornalismo cidadão no Donbass. O grupo organizará programas de treinamento e mentoria para jornalistas rurais das áreas afetadas pelo conflito no leste da Ucrânia. Após as oficinas, os participantes escreverão e contribuirão com reportagens sobre questões locais urgentes para o jornal local, bem como para os veículos de comunicação regionais.
  • Centro de Mídia Anti-Crise – Fomentar a Mídia Independente em Donbass: $50.000: Para promover a mídia independente e o debate público em Donbass. O Centro produzirá reportagens em vídeo sobre os desenvolvimentos sociais e políticos nas regiões de Lugansk, Donetsk e Dnipropetrovsk. Também realizará eventos públicos, incluindo discussões, conferências de imprensa, mesas redondas e seminários para tratar de questões locais. O Centro publicará o conteúdo produzido em seu website e nas mídias sociais, e transmitirá seus eventos públicos, de modo que também servirá como plataforma de convocação para a interação entre jornalistas, governo e público.
  • Truth Hounds – Monitoramento e Documentação de Violações de Direitos Humanos: $58.000: Monitorar, documentar e destacar as violações dos direitos humanos. Com foco em crimes de guerra cometidos nas regiões de Donetsk e Lugansk, a organização treinará e realizará 10 missões de monitoramento para documentar violações relacionadas a conflitos. Com base nas descobertas e nas provas coletadas, produzirá uma série de relatórios e os apresentará às instituições ucranianas e internacionais. A organização também trabalhará com agências de aplicação da lei para melhorar seu conhecimento e implementação do direito humanitário internacional.
  • Organização beneficente “East-SOS” – Documentar e Conscientizar sobre Violações dos Direitos Humanos: $47.000: Aumentar a conscientização pública sobre as violações dos direitos humanos no Donbass. As organizações identificarão as políticas de perseguição e colonização da Rússia na região, e documentarão casos ilustrativos. O observatório dos direitos humanos compilará um relatório abrangente, o promoverá através de eventos públicos na Ucrânia e o apresentará a organismos internacionais, incluindo o Conselho de Direitos Humanos da ONU, os tribunais europeus de direitos humanos e o Tribunal Internacional de Justiça.
  • Desenvolvimento Profissional de Kharkiv – Fortalecendo o Ativismo Cívico entre os Jovens: $110.000: Para fortalecer o ativismo juvenil e o engajamento cívico. O grupo apoiará o desenvolvimento organizacional de ONGs recém-estabelecidas em toda a Ucrânia. Por meio de treinamentos on-line, o grupo melhorará a gestão, a comunicação e as habilidades de defesa dos jovens ativistas. A organização concederá minisubsídios aos participantes para implementar projetos que promovam maior participação dos jovens na coesão social e na transformação democrática nas comunidades locais.
  • Centro Analítico da Universidade Católica Ucraniana – Fomentando o Diálogo Político: $39.000: Para promover o diálogo político sobre questões-chave relacionadas com os territórios ocupados da Ucrânia. O grupo de reflexão continuará sua pesquisa aprofundada sobre a política estatal em relação aos territórios ocupados da Ucrânia, organizará uma série de mesas-redondas temáticas e divulgará materiais analíticos para estimular o diálogo entre a sociedade civil, funcionários do governo e o público. A organização desenvolverá recomendações políticas e defenderá sua implementação junto às principais partes interessadas e instituições relevantes, promovendo uma abordagem baseada em valores para a elaboração de políticas públicas.
  • Rede Nacional de Defesa de Interesses ANTS – Apoiando Inovações Sociais para Governança Local: $78.000: Para promover soluções inovadoras de governança local e fomentar uma nova geração de líderes. O grupo organizará uma hackathon para facilitar a colaboração entre ativistas e autoridades locais enquanto desenvolvem em conjunto soluções inovadoras para a governança local. Uma equipe de especialistas em TI, gerentes de projeto e especialistas em governança será a mentora das equipes participantes. O grupo fornecerá apoio técnico e financeiro a três vencedores da hackathon para a implementação do projeto. Também realizará eventos de networking para promover conexões inter-regionais entre ativistas.

Alvo dos Globalistas

Em 2014, foi criada uma situação na Ucrânia que seguiu o mesmo cenário que outros Estados que foram trazidos para o quadro globalista. Os tumultos nas ruas de Kiev e de outros lugares constituíram uma “revolução colorida” por procuração que passou como uma dose de sais pelos Estados do antigo bloco soviético, e pelo norte da África na chamada “Primavera Árabe”.

Curiosamente, enquanto em 2014 surgiram tumultos na Ucrânia, tumultos patrocinados pelos globalistas também estavam ocorrendo em dois outros Estados alinhados com a Rússia, Venezuela [4] e Síria. [5]

A “Guerra Fria” contra a Rússia desde 1945, após os planos globalistas de Stálin para um Estado mundial sob os auspícios das Nações Unidas[6], teve apenas um breve descanso durante os anos de Gorbachev e Iéltsin, Gorbachev tendo desde então mostrado suas verdadeiras cores como um globalista[7]. Por isso, a longa série de crises fabricadas sobre a Ucrânia não representa um “retorno à Guerra Fria”, como os especialistas em política externa têm afirmado; a “Guerra Fria” mal parou. Os formuladores de políticas dos EUA declararam claramente que a Rússia continua sendo um inimigo e que qualquer um que pretenda reafirmar a Rússia como potência mundial – como Putin o fez – é um alvo legítimo dos EUA[8]. De fato, como argumento na Rússia e na Luta contra a Globalização, o conflito entre a Rússia e os EUA é um conflito existencial, onde duas missões mundiais colidem[9].

O National Endowment for Democracy, estabelecido com o patrocínio do Congresso em 1983 por adeptos da facção shachtmanita do trotskismo e outros “social-democratas”[10], tendo assumido alguns dos papéis de “Guerra Fria” de projetos desacreditados da CIA, sempre teve um interesse especial na Ucrânia.

Por exemplo, o NED tinha patrocinado avidamente “ativistas juvenis” em vários setores da sociedade, inclusive “educando” os eleitores sobre como votar nas eleições de outubro de 2012. O relatório financeiro de 2012 do NED lista as ONGs da Ucrânia que receberam US$ 3.380.834 durante aquele ano [11]. A quantia representa a parte superior dos fundos enviados pelo NED em todo o mundo, e como mostra o relatório 2021 acima citado, a quantia só aumentou.

A Ucrânia estava entre os Estados alvo de uma “revolução colorida” em 2004; a chamada “Revolução Laranja”. Com o fracasso dessa revolta, orquestrada de fora, subiu o grito de que a Ucrânia não era tão “democrática” o suficiente, um eufemismo por não estar suficientemente sob a influência da hegemonia EUA/globalista.

Um simpósio sobre a Ucrânia realizado pelo Fórum Internacional de Estudos Democráticos ligado ao NED lamentou que “após seu fracasso em consolidar os ganhos democráticos da tão celebrada ‘Revolução Laranja’ de 2004, a Ucrânia sob o regime do presidente autoritário Viktor Yanukovych sofreu numerosos reveses em sua luta para alcançar um sistema mais democrático”[12].

Avaliação de Brzezinski em 2014

Zbigniew Brzezinski, conselheiro veterano globalista em política externa, enquanto um consultor do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, quando entrevistado pelo ucraniano Pravda, um jornal ligado ao NED, elogiou os jovens revoltosos que precipitaram a destituição do Yanukovych, alinhado com a Rússia. Brzezinski elogiou seu senso de “nação”, como “um sinal otimista”[13]. Este elogio ao nacionalismo ucraniano por Brzezinski foi estranho, vindo de alguém que passou uma vida inteira, desde seus dias como jovem acadêmico, condenando o nacionalismo e afirmando que o capitalismo internacional, fundado sobre uma elite globalista que transcende as fronteiras territoriais, é a próxima fase da evolução histórica. Brzezinski não acreditava nem mesmo na “nação independente”. No entanto, é a linha seguida por todos os outros porta-vozes da globalização, incluindo os EUA e a UE, e todos os defensores das Nações Unidas, que estavam, e estão agora, condenando a Rússia e defendendo esta “nação ucraniana”.

Nenhum, é claro, é defensor do nacionalismo, que eles consideram como um anátema. Trata-se de outro meio de minar a Rússia como o Estado primário que permanece no caminho do “admirável mundo novo”, ou da “nova ordem mundial”, como foi chamada. Portanto, o “nacionalismo” é usado apenas como estratégia dialética, como parte de uma agenda globalista.

Brzezinski aludiu ao que é o verdadeiro “bicho-papão” dos globalistas: o medo de que a Rússia lidere um bloco eurasiático que, podemos acrescentar, também encontraria aliados em todo o mundo, da Índia à Venezuela e à Síria [15]. Daí as ações simultâneas contra os dois últimos Estados em 2014, fomentadas pelas mesmas forças que na época, e agora, estão fomentando a crise sobre a Ucrânia.

Brzezinski, como porta-voz principal dos globalistas, falou de uma “expansão da Europa”. Ele afirmou que os globalistas querem que a Ucrânia faça parte da UE como o início de um processo que integrará também a Rússia. Ele afirmou que esta é a onda do futuro, e que uma “união eurasiática” liderada pela Rússia fracassará. No entanto, se a UE representasse uma terceira força verdadeiramente independente, ela teria sido alvo tão avidamente pelos globalistas quanto a Rússia. Infelizmente, a UE não surgiu como uma terceira força, mas como um apêndice da política externa dos EUA.

Das declarações de Brzezinski em 2014, podemos ver porque os globalistas estavam tão ansiosos para expulsar o regime de Yanukovych, sob o qual havia uma perspectiva de a Ucrânia se aproximar da Rússia em vez de optar pela U.E. A Ucrânia é claramente uma parte importante da agenda globalista.

Soros Onipresentes

A rede globalista de fundações e ONGs sob o patrocínio de George Soros tem tido, como a NED, um interesse particular pela Ucrânia.

A rede Soros opera na Ucrânia principalmente através da Fundação Internacional Renascentista. [16]

A rede Soros afirma do presente que,

“A invasão militar russa da Ucrânia é um atentado à democracia e uma violação do direito internacional. Também tem representado uma grave ameaça para a sociedade civil do país – incluindo o pessoal, parceiros e bolseiros da International Renaissance Foundation, uma parte da Open Society Foundations, que trabalha no país desde 1990” [17].

Pode-se, por outro lado, dizer que talvez a Ucrânia tenha finalmente uma chance de libertação, pela Rússia, dos globalistas e predadores internacionais. Um realinhamento de volta à Rússia significaria certamente que todo o bando de subversivos e agitadores da “sociedade civil”, a vanguarda da globalização, teria que fazer as malas, como na Rússia por Putin. É isso que o aparato Soros quer dizer quando lamenta que existe uma “grave ameaça à sociedade civil”.

Viorel Ursu, diretor de divisão do programa Europa e Eurásia da Open Society, elogiou Soros em termos messiânicos, como a grande esperança e querido amigo da Ucrânia:

“Trabalhamos na Ucrânia há mais de 30 anos. Fomos uma das primeiras fundações da Ucrânia após o fim da União Soviética. Nosso fundador, George Soros, tem um lugar especial em seu coração para a Ucrânia, e tem dedicado muito tempo, emoção e recursos ao país” [18].

Ursu afirma que a rede Soros foi a primeira ONG a entrar na Ucrânia pós-soviética, e se concentrou na reeducação dos jovens, a partir da idade do jardim de infância. Ele afirma o vazio ideológico deixado pela implosão do bloco soviético,

“Assim, fizemos da educação uma prioridade, desde o jardim de infância até o ensino superior, passando pelas bolsas de estudo que permitem estudar no exterior para trazer novas perspectivas. As bibliotecas eram um grande foco, e a publicação de livros didáticos”[19].

Eles tiveram trinta anos para doutrinar os ucranianos para se tornarem cidadãos obedientes em um mundo globalizado. Eles se concentraram em controlar a educação, os livros didáticos e o que entrava nas bibliotecas.

Com o que Ursu chama de “eleições livres e justas” após os tumultos de 2014, a “sociedade civil” havia sido “fortalecida”. Ele afirma que o atual conflito não é apenas um assunto militar, mas “uma guerra de informação” onde “a mídia desempenha um grande papel ao contar a história real, e ao chamar a Rússia pelo nome, como o agressor;” [20] ou seja, a mídia de massa está em conformidade e pode ser confiada a seguir a agenda globalista. Os meios de comunicação de massa estão sendo mobilizados na “guerra de informação” contra a Rússia. Como vimos com o orçamento do NED, por exemplo, há muito tempo o dinheiro tem sido gasto na criação dessa conformidade da mídia, especialmente com o treinamento de jornalistas, editores, produtores e outros, e a captura da mídia social a ponto de ser um fator primordial no fomento e organização de “revoluções coloridas”.

Ursu está correto ao ver o atual conflito como sendo de importância mundial.

Notas

[1] Carl Gershman’s remarks to the Washington conference 2016; “Ukraine’s success after 25 years,” https://www.ned.org/ukraines-success-after-25-years/
[2] Gershman, “A fight for democracy: why Ukraine matters,” World Affairs, Jan. 22, 2015; https://www.ned.org/a-fight-for-democracy-why-ukraine/
[3] NED Grants, Ukraine 2021, https://www.ned.org/region/central-and-eastern-europe/ukraine-2021/
[4] See for example, National Endowment for Democracy, ‘Venezuela’, 2012 annual report, http://www.ned.org/where-we-work/latin-america-and-caribbean/venezuela
[5] K. R. Bolton, ‘Attack on Syria planned nearly two decades ago’, Foreign Policy Journal, September 16, 2013, http://www.foreignpolicyjournal.com/2013/09/16/attack-on-syria-planned-nearly-two-decades-ago/
[6] K. R. Bolton, Stalin: The Enduring Legacy (London: Black House Publishing, 2012), 125-139.
[7] K. R. Bolton, Russia and the Fight Against Globalisation (London, 2018), 139-156.
[8] K. R. Bolton, Stalin, 137-139.
[9] K. R. Bolton, Russia and the Fight Against Globalisation.
[10] K. R. Bolton, Revolution from Above (London: Arktos Media Ltd., 2011), 218.
[11] National Endowment for Democracy, NED 2012 Annual report, http://www.ned.org/where-we-work/eurasia/ukraine
[12] ‘Ukraine’s Lessons Learned: From the Orange Revolution to the Euromaidan’, National Endowment for Democracy, February 12, 2014, http://www.ned.org/events/ukraine-lessons-learned-from-the-orange-revolution-to-the-euromaidan
[13] Segei Leshchenko, ‘Zbigniew Brzezinski: Yanukovych understand that has no chance of fair elections. So went under the umbrella of Putin’, Ukrainian Pravda, January 15, 2014, http://www.pravda.com.ua/articles/2014/01/15/7009577/Leshchenko, who conducted the Brzezinski interview, is a NED Fellow.
[14] Zbigniew Brzezinski, Between Two Ages: America’s Role in the Technotronic Era (New York: The Viking Press, 1970), 29.
[15] K. R. Bolton, Geopolitics of the Indo-Pacific: Emerging Conflicts, New Alliances (London: Black House Publishing, 2013), 174-180.
[16] Open Society Foundations, http://www.opensocietyfoundations.org/about/offices-foundations/international-renaissance-foundation
[17] Standing up for Ukraine, Open Society Foundations, February 24, 2022; https://www.opensocietyfoundations.org/voices/q-and-a-standing-up-for-ukraine
[18] Ibid.
[19] Ibid.
[20] Ibid.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Kerry Bolton

Escritor e ativista político neozelandês.

Artigos: 120

Deixar uma resposta