A Operação Especial da Rússia na Ucrânia Restaurará a Estabilidade Estratégica Global

A “comunidade internacional” se lançou em uivos de fúria e drama após o início das operações especiais russas de pacificação e desmilitarização da Ucrânia. Essas operações têm início após 8 anos de bombardeios e ataques dirigidos pela Ucrânia contra a população russa do leste do país e após 8 anos de negociações e acordos de paz violados unilateralmente pela Ucrânia. Nesse sentido, a operação russa visa restaurar ordem, paz e estabilidade, aumentando a segurança internacional e reduzindo os riscos de uma Terceira Guerra Mundial.

O autor advertiu no início desta semana que “Kiev deve se retirar de Donetsk & Lugansk se realmente quiser evitar a guerra”, ressaltando que Moscou apoiará decisivamente seus novos aliados no Donbass com meios militares a fim de garantir a segurança de suas populações civis se a Ucrânia mantiver sua ofensiva genocida e não provocada contra eles. Lamentavelmente, os EUA não conseguiram controlar seus proxies da Europa Oriental, o que levou a Rússia a iniciar sua operação especial em andamento na Ucrânia.

O embaixador russo na ONU Vasily Nebenzya articulou as razões por trás da decisão do presidente Putin no início da manhã de hoje. Acusando o Ocidente liderado pelos EUA de explorar o povo do Donbass como uma “moeda de troca no jogo geopolítico que busca enfraquecer a Rússia e aproximar a OTAN de nossas fronteiras”, ele atacou a sua duplicidade em relação aos mesmos direitos humanitários que eles até então afirmavam ser sagrados, embora apenas quando afirmar isso promovia seus próprios objetivos geoestratégicos.

A contínua recusa de Kiev em implementar os Acordos de Minsk apoiados pelo CSNU provocou diretamente a intervenção decisiva de Moscou no resto da Ucrânia que a Rússia ainda reconhece como vinculada ao governo anterior. Para ser exato, o Kremlin realmente acredita que o governo ucraniano não exerce mais soberania prática ao ser tomado pelos EUA após o golpe de Estado de 2014 que se seguiu à onda de meses de terrorismo urbano popularmente conhecido como “EuroMaidan”.

Semântica à parte, a operação em andamento tem o objetivo de forçar as autoridades ucranianas pós-golpe americanófilo a voltar ao seu pré-mudança de regime de políticas pacíficas para com seu próprio povo, a Rússia, e o resto da região. O discurso do Presidente Putin à nação na quinta-feira de manhã declarou os objetivos de seu país como garantir a desmilitarização, desnazificação e levar à justiça aqueles que praticaram crimes contra civis, inclusive contra cidadãos russos.

O contexto maior em que isto está ocorrendo é a crise não declarada dos mísseis provocados pelos EUA na Europa, iniciada pelo desejo de Washington de neutralizar as capacidades nucleares de segundo ataque de Moscou, de modo a colocá-lo perpetuamente em uma posição de chantagem nuclear. O Presidente Putin já havia elaborado anteriormente estas preocupações muito críveis durante sua “Reunião Expandida do Conselho do Ministério da Defesa” de 21 de dezembro, bem como na “Reunião do Conselho de Segurança” de 21 de fevereiro e posterior discurso à nação mais tarde naquela noite.

O objetivo final é revisar a arquitetura de segurança europeia através de meios militares na ausência do desrespeito do Ocidente aos pedidos de garantia de segurança da Rússia, de modo a torná-lo mais receptivo aos interesses de segurança nacional de Moscou. Isto está de acordo com o princípio de segurança indivisível da OSCE que tem sido violado ao longo das décadas pela expansão da OTAN para o leste, às suas custas. Esse é o único resultado que pode restaurar a estabilidade estratégica de segurança que os EUA minaram.

Sergey Karaganov, presidente honorário do altamente influente Conselho de Política Externa e de Defesa da Rússia, publicou uma peça analítica muito detalhada na RT, na quarta-feira, intitulada “A Nova Política Externa da Rússia, a Doutrina Putin”. Todos os leitores interessados são fortemente encorajados a lê-la na íntegra, pois é semelhante à versão russa do século XXI do “Longo Telegrama” de Kennan no sentido de que descreve meticulosamente os meios pretendidos por Moscou para conter de forma sustentável as ameaças dirigidas pelos EUA à sua segurança nacional.

Os observadores devem se lembrar que não era preciso chegar a isso, mas que a Rússia literalmente não tinha escolha, para que não acabasse sendo chantageada pelos EUA por meios nucleares. O Presidente Putin insinuou isso em seu evento citado de 21 de dezembro, quando admitiu que “o que eles estão fazendo, ou tentando ou planejando fazer na Ucrânia, não está acontecendo a milhares de quilômetros de distância de nossa fronteira nacional. Está na porta de nossa casa. Eles devem entender que simplesmente não temos mais para onde nos retirar”.

Com “nenhum outro lugar para recuar” e os EUA se recusando a recorrer aos meios diplomáticos propostos pela Rússia para resolver aquela crise de mísseis que a própria América iniciou, era óbvio, em retrospectiva, que Moscou seria obrigada a agir através dos mesmos meios técnico-militares sobre os quais advertiu vagamente antes, a fim de garantir a integridade de suas linhas vermelhas de segurança nacional. Este fato confirma a legitimidade da referência do Presidente Putin ao artigo 51 da Carta das Nações Unidas para justificar sua operação.

Aqueles que verdadeiramente apoiam o direito democrático inerente de todos os Estados de governar e se desenvolver de acordo com o que seus líderes internacionalmente reconhecidos julgarem adequado, bem como de garantir defensivamente sua segurança nacional diante de ameaças estrangeiras não provocadas, devem, portanto, apoiar a operação especial da Rússia na Ucrânia. Os objetivos de Moscou não são de desestabilizar ainda mais o mundo, mas de finalmente restaurar a estabilidade após Washington ter minado unilateralmente o estado estratégico de coisas.

A Grande Potência Eurasiática está empregando seu direito legal internacional de autodefesa, não apenas na proteção de suas próprias linhas vermelhas de segurança nacional e dos interesses humanitários do povo do Donbass, mas também para o bem de todo o mundo. Se a Rússia tivesse se submetido à tentativa de chantagem nuclear dos Estados Unidos, Washington teria imediatamente colocado seus olhos sobre a China, após o que teria restaurado sua hegemonia unipolar declinante sobre o planeta se posteriormente conseguisse neutralizar estrategicamente também aquele país.

Por estas razões, a causa da Rússia é justa e está totalmente de acordo com o espírito da Carta da ONU que decreta oficialmente a igualdade das nações e a inadmissibilidade de um país como os EUA, alegadamente garantindo sua própria segurança às custas de qualquer outro como a da Rússia (e da China também). Moscou não é uma suposta “potência revisionista”, Washington que é, pois tudo o que a Rússia quer fazer é retornar à ordem internacional consagrada pela ONU e anteriormente acordada pelos próprios EUA também naquela época.

Foi somente a busca global desestabilizadora por hegemonia unipolar dos EUA após a dissolução da URSS no final da velha Guerra Fria, que resultou em tudo chegar ao ponto terrível em que se encontra atualmente. A América é, portanto, inquestionavelmente a verdadeira potência revisionista que tenta enganosamente fazer o mundo pensar que a Rússia é a culpada, através de sua rede global de “gestores de percepção”. O sucesso iminente da operação especial da Rússia na Ucrânia irá, portanto, restaurar a estabilidade no mundo.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Artigos: 120

Deixar uma resposta