Por Que o Fato de Klaus Schwab ter um Busto de Lênin em seu Escritório Não é Irrelevante?

Em uma recente entrevista, Klaus Schwab, figura de proa do Fórum Econômico Mundial e principal porta-voz da ideia do Grande Reset, aparece com um busto de Lênin ao fundo. Indício de algum suposto “comunismo”? Ou algum outro tipo de mensagem mais sutil? De fato, é importante atentar para o fato de que a arrumação e estruturação dos escritórios de pessoas públicas nunca é por acaso.

Em uma recente entrevista, Klaus Schwaab, propagador e popularizador do conceito do “Grande Reset”, foi visto com um busto de Lênin atrás de si.

Para aqueles que conhecem um pouco sobre comunicação política, o cenário de um escritório, ou de uma sala, em que uma declaração é dada, não é deixado ao acaso. Títulos de livros, símbolos, imagens e fotos devem comunicar um contexto cultural, devem ser o bemol ou a diesis da própria declaração. Isso vai desde a foto de família para sugerir normalidade até o Treccani intocável para comunicar a cultura, mesmo que a declaração diga respeito ao anel rodoviário Barberino-Roncobilaccio.

Aquele busto de Lênin na distância certa para ser simultaneamente ignorado e notado não está, portanto, lá inteiramente por acaso.

A melhor acusação que a Alt-Right (uma simplificação necessária) fez contra o mundo de Schwaab e à triáde governos progressistas/OMS/corporações tem sido a de ter tomado o suposto método e estrutura política “comunista”(dirigismo/intolerância à liberdade econômica + denuncismo + eticismo estatal) e esvaziado de seu conteúdo anticapitalista. Diz-se: a tríade recolheu o testemunho da intelectualidade ocidental dos anos 70 e os sonhos de Wall Street dos anos 90 e os colocou juntos.

Deixando de lado se isto é verdade (e é opinião do escritor que não é), o roteiro não é novo. Nas décadas de 1920 e 1930, as economias de mercado ocidentais pensaram seriamente sobre, e às vezes implementaram, formas de dirigismo parassoviético para superar as consequências da guerra e da Crise de 29. A transição do mundo do maoísmo radical e do trotskismo para os escalões superiores do poder financeiro moderado (Barroso) ou a adoção libertário-corrosiva/burguesa de teorias inicialmente relativas ao operariado e aos movimentos de extrema esquerda não é um acidente. Sobre isto, ler a sempre verde “Teoria em Pedaços” e “Estações de Niilismo” de Costanzo Preve.

É possível que os intérpretes subjetivamente individuais de Davos e da empresa estejam convencidos de que podem ajustar o capitalismo através desta mistura de dirigismo e eticismo e que se sintam como sinceros hibridizadores da tradição de esquerda do século XX. Isto permanece verdadeiro em suas pequenas cabeças enquanto os verdadeiros estatistas/formiguistas/vermelho-marrons marcam o terreno. Sem vigilância sobre as traduções políticas não é sem sentido que o mundo libertário vê coisas idênticas onde não há diferenças marcantes suficientes.

Nunca devemos esquecer que essas classes dirigentes burguesas, por mais distantes que estejam do contexto produtivo, por mais que sejam excrescências das agências mundiais e, portanto, não apegadas às “baixas” necessidades capitalistas, por mais superficialmente empenhadas em dizer coisas de bom senso para nós, vermelho-marrons, elas querem manter o sistema disfuncional com o qual lutamos. Eles querem hibridizá-lo, restringi-lo, usando a doce arma de apontar problemas muito reais. Eles provocam nossas partes erógenas do coletivismo, mas querem nos usar para sustentar mais um sistema que não supere o problema fundamental da propriedade desigual dos meios de produção e da livre reprodução das escolhas econômicas.

Houve um tempo em que um punhado de Guardas Vermelhos os teria chamado de “Desviadores de Direita”. Cabe a nós marcar a diferença em cada esfera. Porque os cowboys de Michigan passaram, os Schwabs e Bezos permanecem.

Imagem padrão
Lorenzo Centini

Bacharel em História pela Faculdade de Firenze.

Artigos: 120

Deixar uma resposta