O Enigma do Sinai: O Egito de Al-Sisi entre Repressão e Terrorismo

O Egito vive hoje uma ditadura, mas a realidade é que o governo de Al-Sisi é a única barreira de ordem contra o caos do terrorismo generalizado. Hoje, o desafio do Egito é expulsar os grupos terroristas do Sinai, mas isso eles não pretendem fazer apenas com repressão, mas com investimentos em infraestrutura, para preencher os vazios deixados por governos anteriores.

O evento da libertação de Patrick Zaki voltou a chamar a atenção para o Egito e para as relações italianas com o país norte-africano. Nas diversas considerações feitas, além da felicidade necessária pela libertação de um menino preso de forma muito questionável, há grande falta de conhecimento. São repetidos artigos nos quais Abdel Fattah al-Sisi é comparado a Pinochet, nosso antigo aliado. A comparação é bastante surpreendente. Porque, ao lado destas considerações, há repetidos apelos para cortar as relações com o Cairo e com aqueles que encarceraram Zaki e mataram Regeni. Mas as mesmas vozes não abrem a boca em eventos escandalosos como o caso Assange ou a vergonha dos ataques de drones americanos contra civis. Também não há protestos sobre as ligações da Itália com nações como Arábia Saudita, Turcomenistão e Azerbaijão. Países governados por ditadores corruptos ou por famílias reais cleptocráticas que oprimem milhões de pessoas e prendem ativistas e jornalistas tanto ou mais do que o Egito. Mas o Cairo é um adversário conveniente e o caso Zaki, inicialmente trágico, mas agora felizmente resolvido, garante grande apelo da mídia. A hipocrisia se prova a si mesma.

Entender o Egito é mais complicado tal como entender o trabalho de al-Sisi. O presidente egípcio assumiu uma nação em caos após a defenestração de Mubarak e a turbulenta liquidação de Mohamed Morsi. O exército egípcio, o principal arquiteto do golpe de 2013, herdou uma situação econômica e social que beirava o colapso. A solução adotada por al-Sisi e sua junta foi um punho de ferro. Mas, ao lado da repressão, eles tomaram o caminho da normalização na clássica combinação de “cenoura e bastão”. Um exemplo desta política, que não é de todo negativa ou condenável, é a atitude do Cairo no Sinai. A península oriental foi, e em parte permanece, um verdadeiro espinho para o governo central. A partir daqui, são planejados ataques terroristas contra as principais cidades e atrações turísticas egípcias, resultando em uma tempestade de problemas para o Cairo. Em uma zona de guerra de fato, o Egito inicialmente tentou uma abordagem militar, mas se relata uma outra abordagem, símbolo da capacidade do Egito de promover políticas mais avançadas.

Turbulências e resposta militar

Nos últimos anos, dos 151 ataques terroristas com explosivos, 137 aconteceram no Sinai. As dimensões do problema são ampliadas pelo fato de que estes ataques, ataques a soldados e emboscadas estão concentrados principalmente no Norte do Sinai. Na parte sul, o território está sob o rigoroso controle do governo central e o turismo está bem desenvolvido na região. As táticas utilizadas pelas forças armadas egípcias são as de contenção e não as de erradicação. Eles tentam reagir ao invés de agir. Uma estratégia que envolve uma severa repressão militar com múltiplas tentativas de acordo com os clãs tribais da região. Isto se deve ao fato de que as filiações ao ISIS e às diversas organizações extremistas islâmicas têm seguido com regularidade. As táticas utilizadas pelos terroristas são típicas das insurreições: sequestros com o propósito de autofinanciamento, assassinatos, ataques de atiradores contra oficiais e membros da elite tribal. Os soldados são os alvos mais frequentemente atingidos. Mas muitas vezes as escaramuças evoluem em confrontos reais.

Em julho de 2020, o ISIS capturou cinco vilarejos no Sinai que foram posteriormente recapturados com o assassinato de 73 membros do Estado Islâmico. O problema é que a contenção acima mencionada implementada pelo exército do Cairo é acompanhada por pontos de controle, barreiras concentradas principalmente na área de fronteira com Gaza, patrulhas e técnica de terra arrasada. Todas essas contramedidas permitiram que o perigo diminuísse em comparação com os níveis emergenciais atingidos em 2015. Mas o terrorismo ainda está lá. Isto também se deve à estrutura da cadeia de comando do exército egípcio.

As operações no Norte do Sinai são extremamente centralizadas, com pouca contribuição de oficiais no campo. Na verdade, um decreto presidencial em 2015 criou um comando unificado e o segundo e terceiro exércitos também foram fundidos. Todo este conjunto de escolhas é direcionado para a centralização dos centros de tomada de decisão. A isto se soma a natureza político-militar do exército egípcio, que por um lado torna as forças armadas do Cairo incapazes de usar métodos de soft power de forma eficaz, pois não dispõem de ferramentas culturais para fazê-lo. Por outro lado, no entanto, a liderança militar centralizada também não consegue tornar seus homens militarmente dinâmicos, passando da fase de contenção para a de erradicação. Este limbo de insegurança no qual o Sinai vem mergulhando há uma década tornou todo o Egito perigoso. Mas um salto qualitativo na gestão do terrorismo na península entre o Norte da África e o Oriente Médio está surgindo com a vontade do Cairo de resolver o problema com investimentos econômicos.

Uma nova solução

Em 2019-2020, o Egito investiu 5,23 bilhões de libras egípcias ou 315 milhões de dólares no Sinai. Este número aumentou 75% em comparação com o ano anterior, o que é uma evidência da mudança de ritmo da administração egípcia. No norte do Sinai, a área mais atormentada pelo terrorismo islâmico, há 45.0000 habitantes e investimentos no valor de 2,85 bilhões de libras egípcias fluíram para a área. Os investimentos são principalmente em educação, água, transporte, bens imóveis e infraestrutura. No sul, onde há 110.000 habitantes, 2,38 bilhões estão sendo investidos na agricultura, irrigação, transporte e educação. A alocação desses fundos substanciais é funcional para a mudança tática que reconhece o Sinai não como uma zona de guerra, mas como uma área problemática a ser reforçada com importantes investimentos e atenção especial.

As palavras do Presidente al-Sisi são testemunho disso. Este último declarou que o Sinai “é um projeto de segurança nacional” e que 275 bilhões de libras egípcias serão investidos em projetos dedicados a esta área. Somente no Sinai do Sul, foram investidos 3,75 bilhões, um aumento de 50% em relação ao ano anterior, e os fundos foram direcionados para 169 projetos. Hala el-Said, Ministro do Planejamento e Desenvolvimento Industrial, prometeu que esses fundos também fluirão para o norte. No centro desses investimentos está a Autoridade de Engenharia liderada por Ihab al-Far e parte do exército egípcio. O principal objetivo de Al-Far é estabelecer o Sinai, incentivando a transferência de egípcios para a área. Para isso, ele quer se concentrar na construção de infraestrutura, estradas, projetos de transporte e na construção de 17 conglomerados beduínos. Em acordo com al-Far está Rashad Abdo, diretor do Fórum Econômico e de Estudos Estratégicos do Egito. Ele apoia os projetos de repovoamento do Sinai e afirma a necessidade de que o setor privado coopere com o setor público.

A ideia então é incentivar os empresários a assumirem investimentos com a ajuda do Estado e do exército, que por sua vez apoia financeiramente a construção de estradas, infraestrutura e escolas. O objetivo final é remover as razões sociais e econômicas que levam os jovens do Sinai a se alistarem com os degoladores. Um dos problemas cruciais é a subpopulação porque ela está intimamente ligada à proliferação de grupos radicais. Os vazios do Sinai e aqueles que permanecem são elementos turbulentos, perigosos para o Egito. Repovoamento e infraestrutura são os dois termos-chave com os quais al-Sisi quer passar da fase de contenção militar para a fase de erradicação.

Conclusões

O fato de al-Sisi estar governando o país de forma ditatorial é indiscutível. Mas sua presidência não é melhor nem pior do que qualquer outra. Pelo contrário, a reviravolta descrita na gestão do terrorismo no Sinai mostra como o regime norte-africano entendeu que a repressão por si só não é eficaz, mas que é necessário tomar o caminho dos investimentos. Este tipo de raciocínio social e econômico não poderia ser realizado por uma potência cega e sanguinária, termos com os quais o regime egípcio é frequentemente descrito. É verdade que existem problemas óbvios no respeito aos direitos humanos, mas como se pode continuar com uma discussão livre de hipocrisia quando aqueles que acusam o Egito dos piores abusos e trovões pela completa quebra de todos os canais diplomáticos são os mesmos que permanecem em silêncio diante de injustiças ainda mais óbvias cometidas pelos países aliados? No Egito, há um claro desejo de restaurar a tranquilidade de uma nação que passou por momentos difíceis e, ao mesmo tempo, mostrar ao mundo que a situação no país norte-africano está se recuperando lentamente.

Fonte: Osservatorio Globalizzazione

Imagem padrão
Tommaso Minotti

Estudante de História na Universidade de Milão

Artigos: 575

Deixar uma resposta