O Capitalismo Financeiro (Parte VII) – A Feitiçaria Econômica dos Especialistas

Escrito por Giuseppe Gagliano
Qual é o papel que a fé no caráter “científico” e “matemático” da economia exerceu sobre as últimas crises do capitalismo? Os modelos matemáticos são realmente preditivos, ou tão somente fazem prescrições ideológicas que só se concretizam quando os agentes econômicos acreditam no modelo? De fato, não se pode subestimar o papel dos técnicos, dos especialistas e dos acadêmicos na construção e sustentação do capitalismo financeiro.

Uma ponte entre as ciências físicas e matemáticas, por um lado, e as ciências econômicas, por outro, tem sido proporcionada pela informática e robótica, sendo um autômato uma máquina computacional que processa informações: se o mercado realiza operações sem nunca falhar, ele pode ser considerado como um Grande autômato. Com o tempo, houve uma hibridização da teoria econômica como parte da física: entre esses modelos, a teoria do movimento de Brown é uma dessas teorias que deslizou com sucesso de um campo para o outro, desde que, nos anos 70, físicos e economistas especialistas chegaram à conclusão de que o movimento de Brown poderia ser adaptado para escrever e prever o movimento dos preços das ações nos mercados de ações. O mais conhecido dos modelos financeiros que têm como ancestrais teóricos a física do movimento de Brown é o modelo desenvolvido por Fisher Black, MyronScholes e R. C Merton, daí a sigla BSM com a qual ficou famoso nos anos 70 do século passado, utilizado para a gestão de risco em investimentos de capital, um modelo que tem revelado muitos pontos de crítica.

Isto, segundo Gallino, mostra que é necessário reconsiderar os limites epistemológicos da disciplina econômica e trazê-la de volta à sua esfera própria, considerando adequadamente um conceito próprio da sociologia econômica que diz respeito à performatividade das teorias econômicas e, mais especificamente, o conceito de performatividade efetiva, quando o uso do modelo teórico que deveria representar um determinado setor econômico real acaba por modificá-lo e configurá-lo. Um exemplo emblemático é oferecido pelos títulos na bolsa de valores: o modelo foi capaz de prever com precisão quais poderiam ter sido os efeitos compostos de dezenas de milhares de comportamentos individuais, efeitos que assumiam a forma final dos preços no fechamento das bolsas. Após algum tempo, os traders acabaram utilizando as previsões do modelo BSM antes de se envolverem em trocas, oferecendo e comprando contratos a preços que, se fossem o mais próximo possível daqueles indicados pelo modelo, seriam determinados após as trocas terem ocorrido.

Portanto, neste caso, não era a teoria que tinha previsto com precisão os preços; eram os traders que, acreditando em sua veracidade, o tinham feito. O modelo não havia descrito a realidade de um mercado, ele a havia criado. O problema é que se uma teoria se revela verdadeira não porque descreve corretamente uma realidade independente dela, mas porque os atores envolvidos agem antecipadamente como se ela fosse verdadeira, é muito provável que esta realidade seja abalada no momento em que os atores deixarem de acreditar na confiabilidade da teoria.

Isto foi o que aconteceu em 2000-2001, e em maior escala em 2007-2008. Numerosos cientistas e economistas discutiram em 2009 nos EUA e no Canadá a realização de um Projeto Manhattan econômico, um projeto grandioso capaz de envolver e fazer trabalhar nele numerosos cientistas e técnicos, pertencentes a todos os campos das ciências naturais e econômicas, com o objetivo de elaborar um modelo econômico com maior eficácia preditiva, regulatória e explicativa.

O objetivo do projeto era refazer uma teoria econômica e uma modelagem capaz de voltar a oferecer um guia confiável para a organização e regulamentação de mercados financeiros estáveis, acreditando que isso iria remediar as inadequações e falhas das teorias econômicas anteriores, aumentando a dose de teoria proveniente das ciências naturais (físicas e matemáticas) e ignorando o fato de que tal osmose entre teorias físicas e econômicas não teve resultados particularmente positivos nos últimos sessenta anos. Este projeto assume que as teorias das ciências naturais podem preencher uma lacuna em nosso entendimento do sistema econômico. Mas, numa inspeção mais detalhada, estudos sobre a performatividade das teorias econômicas atestam que se realmente houve um déficit, no caso da crise, não foi um déficit na compreensão de um sistema pré-existente, mas um déficit na projetualidade.

Os economistas construíram um sistema financeiro com base em suposições que desde o início lhes garantiram que ele escaparia ao seu controle e que, portanto, não há necessidade de ser entendido, pois nenhuma outra contribuição científica natural das teorias econômicas seria capaz de remediar os graves defeitos da atual até que os objetivos por ela perseguidos sejam constituídos a partir de uma ideia mais elevada do ser humano, de seu ser socialmente determinado e de suas responsabilidades para com a natureza e as gerações futuras: de fato, o sistema financeiro que foi criado nos últimos trinta anos tem a função não de extrair valor das classes média e média baixa, através da exploração da mão-de-obra, mas através de um envolvimento total de sua mentalidade e existência no sistema financeiro.

Enormes quantidades de capital, que poderiam ter sido investidas para reduzir os custos humanos da crise econômica, foram empregadas para salvar as instituições financeiras da falência, ou seja, para salvar as mesmas instituições financeiras que lançaram as bases para a queda de si mesmas e de todo o sistema. Estes mesmos capitais poderiam ter sido utilizados de maneira diferente para aumentar a qualidade de vida, o bem-estar da população, para proteger o meio ambiente ou para resolver o desequilíbrio entre o Norte e o Sul do mundo que exacerbou dramaticamente o fenômeno das migrações.

Portanto, as medidas de austeridade severamente exigidas pelos governos, com sérias repercussões sobre o Estado social, equivalem a pedir àqueles que já estão pagando o custo humano da crise que aceitem pagá-la uma segunda vez. A principal causa da crise econômica, que começou em 2007, foram as mudanças nas relações de poder político e econômico que, desde os anos 80, facilitaram o aumento da financeirização, a desregulamentação dos movimentos de capitais e a afirmação de outros aspectos da ortodoxia neoliberal: mudanças observadas até mesmo pela ONU. Os principais fatores que contribuíram para isso foram a irresponsabilidade social, a incompetência e a ganância de uma proporção significativa dos altos executivos de empresas financeiras e não financeiras; pessoas que efetivamente governam a economia e a política do mundo.

Dezenas de milhões de indivíduos infligindo custos humanos significativos sobre bilhões de outros: os grupos sociais que estão pagando e pagarão pela crise são geralmente, embora de forma diferente e em grau diferente de um país para outro, os mais fracos econômica e politicamente, ou seja, os trabalhadores com baixa a média qualificação profissional, os desempregados de longa duração, os trabalhadores que estão legalmente inseguros ou empregados na economia informal, as crianças, as mulheres, os pobres, os idosos, os imigrantes ou aqueles que precisam de cuidados médicos e que muitas vezes não podem pagar por ele.

Fonte: Osservatorio Globalizzazione

Artigos Precedentes

O Capitalismo Financeiro (Parte I) – Capitalismo Financeiro Definido
O Capitalismo Financeiro (Parte II) – As Estruturas do Capitalismo Financeiro
O Capitalismo Financeiro (Parte III) – Ascensão e Queda do Neoliberalismo
O Capitalismo Financeiro (Parte IV) – A Grande Crise e o Fracasso do Neoliberalismo
O Capitalismo Financeiro (Parte V) – Esquerda e Neoliberalismo: O Abraço Mortal
O Capitalismo Financeiro (Parte VI) – Os Pressupostos Teóricos do Capitalismo Financeiro

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *