Como a economia é projetada para mantê-lo pobre e sem poder

Por Umair Haque

Enquanto vivemos em economias transformadas em gigantescas subclasses jogadas umas contra as outras, soterradas por dívidas impagáveis e parceladas a vida inteira, os ricos se tornam mais ricos e o povo colérico clama por líderes cada vez mais populistas e radicais. Haverá um futuro possível longe disso, ou estamos encarcerados na lógica do capital?

Uma das instituições mais enfurecedoras da economia é o bizarro pesadelo Kafkiano conhecido como “pontuação de crédito”. O problema com a “pontuação de crédito” é que, bem, parece não haver como vencê-la. Não tem dívidas suficientes? Pontuação ruim. Não paga uma única conta em dia? Bam. Quer verificar qual é a sua pontuação? Pow.

À primeira vista, não parece fazer sentido. A única maneira de ter uma boa “pontuação de crédito” é a) ter muitas dívidas b) ter sempre muitas dívidas e c) estar sempre pagando essas dívidas perfeitamente no prazo. Se isso parece um jogo sem solução, você está certo. Que tipo de economia bizarra é essa em que estar com uma dívida vitalícia que nunca poderá ser paga é uma coisa boa?

A “pontuação de crédito” é uma indicação de que a economia, conforme construída, é um exemplo perfeito do que Marx descreveu como emiseração. Você tem que estar endividado, trabalhando em um emprego miserável que mal paga o suficiente para sobreviver, apenas para pagar o básico. E se você não está fazendo isso, bem, sua única escolha real é ser deixado para morrer.

Pense nisso por um segundo. A pessoa média tem que trabalhar a vida inteira apenas para pagar a “hipoteca” de uma casa. Ou seja, apenas ter um lugar para morar leva uma vida inteira para pagar. O que? Isso faz algum sentido para você? Como é possível que a renda não seja alta o suficiente, mesmo nos países mais ricos do mundo, para que as pessoas possam pagar um lugar próprio para morar? Não chamamos as pessoas que não têm casa própria ou um pequeno pedaço de terra de servos, não é?

O que realmente acontece em nossas economias é isso. O capital leva o que Marx chamou de ciclo. Os bancos, os fundos especulativos e outros enfeites emprestam às pessoas quantias exorbitantes apenas pelo privilégio de oferecer o básico. Não, sem guarda-roupa de grife e carros de luxo. Apenas o básico — saúde, aposentadoria, educação, serviços públicos, até ter um lugar para morar — já corresponde a dívida. E eles cobram uma fortuna pelo privilégio também.

Portanto, o capital segue este ciclo: do banco para você, de volta para o banco — e o tempo todo, mais ou menos, você não vai a lugar nenhum, enquanto os bancos e os fundos especulativos estão ficando colossalmente mais ricos, precisamente porque cobram uma fortuna por estar perpetuamente endividado.

Mas por que você está perpetuamente endividado? Vá em frente e faça essa pergunta honestamente. Não conheço uma única pessoa, além de meus poucos amigos que ficaram realmente ricos, o que era mais ou menos como ganhar na loteria, que não vá pagar coisas como hipotecas e empréstimos de carro e dívidas estudantis e médicas para toda a vida. O Senhor sabe que sou — e provavelmente você também. Então, novamente, por que você está perpetuamente endividado?

A resposta é tão óbvia e condenatória quanto parece. Você está perpetuamente endividado porque a renda é muito, muito, muito baixa. Como eu disse, mesmo nos países mais ricos do mundo, ter uma casa própria — realmente tê-la, não o banco prestes a executá-la — é um luxo enorme, raro, quase desconhecido. Fora de países como a Alemanha, quase ninguém “é dono” de casa por completo. Mas uma casa é a coisa mais básica de todas.

Nossas economias agora estão divididas em duas classes, efetivamente. Um, proprietários de capital — verdadeiros proprietários. Pessoas que possuem suas próprias casas, não têm dívidas e assim por diante. E todo mundo — uma subclasse massiva de pessoas que são neo-servos, perpetuamente em dívida com a primeira classe de proprietários. Essa primeira classe de proprietários não são os lendários 10%, na verdade — é uma classe minúscula. São Bezos e Zuck e talvez seus principais tenentes, pessoas com uma riqueza realmente vasta. Eles possuem tanto que poderiam comprar cidades inteiras, se não países, de uma vez. Enquanto isso, a pessoa média efetivamente não possui nada ao longo da vida, que é o que realmente significa “Vou morrer antes de pagar todas essas dívidas”.

Agora, isso é irritante — e também é estúpido. Economistas e especialistas adoram tornar nossas economias modernas “os maiores motores de criação de riqueza de todos os tempos”. Mas a verdade é que, embora as pessoas possam ter mais conforto, em duros termos sociopolíticos, elas ainda são o que sempre foram: uma classe de proletários despossados. Precisamente porque o capital não aumentará sua renda a ponto de eles poderem pagar com conforto um lugar próprio para morar.

Quando você pensa dessa forma, algo está muito errado com nossas economias. Não deveria ser o caso de você ter que trabalhar a vida inteira para pagar a dívida e ter o básico, de uma casa a serviços públicos, educação e saúde. Isso é tão louco quanto parece — não é exatamente uma vida.

O que é isso? É escravidão assalariada. Alguns de vocês se oporão a essa frase, pensando que estou minimizando a escravidão “real”. Eu não estou. A escravidão “real”, ou seja, o que aconteceu aos africanos, também tem um nome, e você deve sabê-lo: “escravidão móvel”. Foi uma tragédia terrível e abominável. E, no entanto, precisamente por essa razão, devemos pensar muito mais de perto sobre o que realmente significa quando, mesmo nas sociedades ricas, as pessoas passam a vida inteira “pagando” dívidas intransponíveis porque não podem pagar o básico.

Nossas sociedades desenvolveram subclasses gigantescas que são escravas do salário. Eles não têm nenhuma liberdade real. Eles devem aceitar esse emprego, apenas para ter assistência médica, ou pagar a “hipoteca”, ou as “contas”, ou qualquer que seja a forma de dívida em questão. Aceitamos isso, principalmente, sem pensar nisso. Mas a verdade é que há uma perda terrível, terrível de potencial humano envolvida. Você acaba sendo um gerente intermediário cobrando a dívida de outra pessoa, em vez de ter a liberdade de curar o câncer, viajar para as estrelas, escrever aquele grande romance, descrever aquela equação inovadora.

Ser escravos do salário porque temos que “pagar” dívidas ao longo da vida para o básico é uma maneira incrivelmente pobre de organizar uma sociedade e economia, porque minimiza as possibilidades humanas.

A ideia de que nossas economias ainda são governadas pela escravidão assalariada e que minimiza a possibilidade humana só começa realmente com a ideia de que você está preso em algum trabalho de merda em vez de ter a liberdade de fazer algo muito mais valioso com sua vida, que pode conferir algum enorme benefício para todos nós.

O que acontece quando as pessoas ficam presas a dívidas impagáveis? O que a história nos diz? O fascismo surge. A dívida não é algum tipo de abstração, da forma como os economistas a tratam. Isso destrói sua vida. Isso destrói sua felicidade e sanidade. Ela rompe os laços sociais. Produz pânico e ansiedade que se transformam em raiva e desespero. Em breve, todas aquelas pessoas presas em vidas decadentes onde não podem nem mesmo pagar o básico — o que acontece com elas? Elas acabam seduzidas pelas mentiras de um demagogo. Um demagogo que chega e joga todas essas desgraças muito reais nas minorias, qualquer pessoa diferente, os trata como bodes expiatórios “subumanos”, responsáveis pelas angústias das pessoas “reais”.

Isso é o que aconteceu, é claro, quando a Alemanha de Weimar se tornou a Alemanha nazista. Mas também é o que está acontecendo em uma América absolutamente devastada por uma sensação de completa ruína econômica, que a vida não pode ir a lugar nenhum — então por que não derrubar tudo? É também o que está acontecendo de forma dolorosamente feia e estúpida com Brexit e a Grã-Bretanha — que é o bode expiatório dos europeus para a nova pobreza dos britânicos. É o que está acontecendo na Índia, Rússia, Brasil — em todo o mundo uma maré fascista está surgindo. Ainda sem nenhum sinal de queda.

E tudo isso porque nossas economias estão quebradas. Quando coloco isso da maneira mais simples e elegante possível — “o capitalismo implode no fascismo” — os americanos me olham fixamente ou ficam com raiva de mim. Eles não estão dispostos a entender o quão perigosamente o capitalismo lhes traiu — décadas de doutrinação fizeram com que suas mentes se fechassem. Europeus e canadenses entendem isso até certo ponto. O capitalismo implode em fascismo. Isso não diz respeito ao seu pequeno negócio de limpeza a seco — diz respeito à sociedades dirigidas por e para o capital, a motivação do lucro, acumulação, ganância, hostilidade, interesse próprio implacável.

Pense novamente na “pontuação de crédito”. Por que diabos toda a economia americana é governada por essa medida, que é apenas uma medida de quão lucrativo você é para um banco? É realmente assim que devemos projetar uma economia? Claro que não. Você não é apenas um centro de lucro para o banco — mas na América, você recebeu permissão para se tornar isso, e isso destruiu a vida das pessoas comuns. Isso é verdade em vários graus ao redor do globo.

Precisamos de uma economia radicalmente diferente e melhor. Com o que isso deveria parecer? Ninguém deveria ficar em dívida a vida inteira só para ter o básico. Pessoas assim não são livres. Eles estão em uma forma de escravidão. Eles são escravos assalariados. Neo-servos. E o sentimento de desespero e frustração de ser tal faz com que antigos ódios raciais e étnicos voltem a irromper — como estão, em todo o mundo.

Para que as pessoas escapem da armadilha da dívida que atualmente define a vida em quase todos os países, a renda precisa aumentar dramaticamente. Aquele aumento do salário-mínimo que os democratas ainda hesitam em aprovar na América? A verdade é que é bom e necessário, mas também é uma piada. Não faz nada para mudar o problema subjacente, que é que ninguém pode pagar o básico, moradia, educação, aposentadoria, serviços públicos, com uma renda média. A renda média, portanto, ou tem que aumentar dramaticamente, ou o fascismo continuará a varrer nossas sociedades, enquanto a pobreza e o desespero incendeiam velhos ódios.

Quão alto é “dramaticamente”? É muito alto. Para que os americanos possam pagar uma casa sem trabalhar até a morte, presos por dívidas, a renda provavelmente teria que dobrar. No mínimo. Sim, isso está fora do reino da possibilidade política — na América, pelo menos. Isso mostra a escala do problema, como a política está desligada dos verdadeiros desafios socioeconômicos neste momento da história.

O que seria necessário para que a renda aumentasse de forma tão dramática? Não muito, na verdade. Impostos sobre a riqueza, sobre os ultra-ricos que estão acumulando todos os ganhos da economia. Renda básica. Ativos básicos, o que significa algo como: “toda criança deve receber um pecúlio sobre o preço médio de uma casa ao nascer, que amadurece quando eles atingirem a casa dos vinte ou trinta anos, talvez.” Corporações que pagam com justiça. Menos roubo salarial. Mais regulamentação trabalhista. Mais sindicatos. Menos exploração. Não é impossível — você apenas pensa que é, porque, bem, ambos os lados de nossa política estão totalmente contra tal coisa.

A razão de ambos os lados políticos apoiarem um contrato social falido, no final, é simples. Funciona bem — para eles. Eles são regados por dinheiro dos ultra-ricos, de empresas e bancos. O objetivo de todo esse dinheiro, na verdade, é apenas um. Mantê-lo endividado para o resto da vida. Para mantê-lo no ciclo do capital, como Marx o chamou, o que em termos modernos significa que você ganha apenas o suficiente para nunca pagar suas dívidas a ponto de apenas possuir uma casa ser uma coisa que leva uma vida inteira para a maioria das pessoas.

Economias em que as pessoas têm de lutar a vida inteira para pagar pelo básico — moradia, saúde, educação, aposentadoria — não vão sobreviver. Eles vão acabar presos, como a América, em espirais cada vez mais viciosas de fascismo, e todas as coisas que o movem, estupidez, ódio, ganância, ressentimento, violência, brutalidade. Ninguém deveria ter que viver assim. É medieval. Só porque você tem uma TV de tela plana e um Playstation, não significa que ainda não é um servo — e que não se sente como um. E pessoas assim atacam o mundo ao seu redor, da maneira que podem, o que geralmente significa descontar naqueles ainda mais impotentes do que eles.

Se queremos um futuro, precisamos ser realistas sobre como consertar nossas economias, agora. Isso pode não ser possível na América. Mas é melhor o resto de nós aprender a lição. Sobre o que acontece com países onde a pessoa média nunca deixou de ser um servo, um proletário, um escravo assalariado, feliz por ser explorado pelos ultra-ricos, para seu próprio ganho sem fim. Não há revolução gloriosa. Há apenas uma implosão perpétua.

Fonte: Eudaimonia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *