Eleições Americanas: Entendendo a Sequência de Eventos da Mudança de Regime Anti-Trump

O Deep State americano tem travado uma guerra híbrida contra Trump desde a corrida eleitoral de 2016. Essa guerra híbrida apenas se intensificou com o tempo, fomentando um clima de guerra civil, até culminar na orgia de saques e assassinatos de meses atrás que usaram a morte de George Floyd como desculpa para levar o caos às cidades americanas. É fundamental compreender o passo-a-passo da guerra híbrida interna dos EUA, para identificarmos quando forem usar as mesmas táticas em outros países no futuro.

Vale a pena estudar a seqüência de eventos de mudança de regime que conduziram à recente tentativa explícita de derrubar antidemocraticamente o atual Presidente dos Estados Unidos através de meios superficialmente “democráticos”, uma vez que a obtenção de uma melhor compreensão de como esta trama se desenrolou pode ajudar a identificar preventivamente e subseqüentemente frustrar tais tentativas em outras partes do mundo antes que elas cheguem a esse estágio.

Alguém Entende Mesmo Completamente o que está acontecendo?

Eu escrevi na quarta-feira que “Todo Democrata é um aspirante a ditador“, mas muitos desses tiranos potenciais nem mesmo entendem completamente a dinâmica do processo de mudança de regime que eles estão apoiando. Nem, aliás, muitos dos patriotas e observadores sinceros no exterior que se opõem a isso compreendem também o que está acontecendo. Eles apenas mantêm suas respectivas posições porque ou é do seu interesse político fazê-lo como os partidários o fazem, ou é contra seus próprios interesses e/ou está em conflito com seus princípios. Em todo caso, vale a pena esclarecer a todos compartilhando uma seqüência simplificada de eventos explicando como este processo de mudança de regime sem precedentes se desenrolou nos últimos quatro anos. Espera-se que a percepção resultante permita que outros identifiquem antecipadamente esquemas de mudança de regime similares quando estiverem apenas em suas fases iniciais, permitindo assim que as autoridades responsáveis tomem medidas potenciais para frustrá-los antes que cheguem à fase final.

As Sementes do Esquema

As sementes deste esquema foram plantadas vários meses antes das eleições de 2016, quando Hillary Clinton autorizou uma campanha difamatória contra Trump alegando que ele é secretamente um “agente russo”. Esperava-se que isto desacreditasse o primeiro colocado da corrida presidencial e, assim, resultasse em sua vitória em novembro. Isto acabou se transformando no desacreditado “dossiê Steele” e na subseqüente teoria da conspiração Russiagate. O objetivo destas provocações de guerra de informações era deslegitimar a eleição de Trump, apresentar desonestamente os democratas como os guardiões da integridade eleitoral da América e, portanto, moldar poderosamente as percepções do público antes da eleição de 2020. Durante o intervalo, uma narrativa relacionada foi armada afirmando que Trump é um corrupto infrator da lei e aspirante a ditador que se agarrará ao poder a todo custo.

O Desvio Preventivo de Suspeita dos Democratas

A intenção por trás dessa afirmação era condicionar o público a esperar que Trump recorresse a uma tomada de poder ilegal se ele perdesse a eleição de maneira justa, cenário este ao qual as pessoas foram levadas a acreditar, já que os democratas passaram quatro anos insinuantemente se retratando como os guardiões da integridade eleitoral da América através de suas cruzadas Russiagate e Ukrainegate, agora destituídas de poder. Tudo isso foi feito para desviar de forma preventiva quaisquer suspeitas de que eles estavam se preparando para realizar o que é indiscutivelmente a maior fraude eleitoral da história americana, embora os meios pelos quais eles planejavam fazê-lo tenham mudado inesperadamente como resultado da pandemia da COVID-19 que apresentou uma oportunidade inteiramente nova para eles. Essa era a perspectiva de um influxo maciço de votos por correspondência para um sistema eleitoral que obviamente não estava preparado para isso.

A Exploração Política da Pandemia da COVID-19

Como escrevi em minha recente análise sobre como “A Conexão entre a Guerra Mundial C & Processos Psicológicos é Séria“, a COVID-19 é de fato real e definitivamente perigosa para os membros em risco da população, mas também tem sido inquestionavelmente explorada para fins políticos, como evidenciado pelos dois pesos e duas medidas que os governadores democratas aplicaram em relação ao confinamento. Se eles realmente pensassem que a COVID-19 era tão mortal para a grande maioria da população como alguns especialistas disseram que é, então eles não teriam arriscado o abate maciço de seu eleitorado, encorajando-os a queimar, saquear, revoltar-se e até mesmo assassinar em raras ocasiões em todas as principais cidades de seus estados sob a bandeira da Antifa e “Black Lives Matter” (BLM). Esta fase cinética da Guerra Híbrida do Terror nos Estados Unidos, que já dura décadas, foi destinada a intimidar o americano médio.

“Onda Vermelha” vs. “Onda Azul”.

Igualmente importante, entretanto, sua aplicação seletiva de decretos draconianos de fechamento contra pessoas de uma persuasão política diferente (ou seja, apoiadores do Trump) foi um esforço pouco convincente para manter a charada de que o voto por correspondência era necessário para “salvar vidas da COVID”. Poucos acreditam verdadeiramente que este seja o caso desde que os visíveis dois pesos e duas medidas dos Democratas provam que a pandemia foi completamente politizada com o propósito de justificar um influxo maciço de votos por correspondência para um sistema eleitoral totalmente despreparado para lidar com ela. Isto preparou o cenário para os Democratas preverem com astúcia durante o verão que o vencedor poderia não ser conhecido no dia das eleições e desconsiderar quaisquer sinais iniciais de uma “onda vermelha” apontando para a reeleição de Trump, já que as pessoas foram enganadas ao acreditar que uma “onda azul” inevitavelmente se seguirá para esmagá-la.

Conectando os Pontos

Isto foi extremamente sorrateiro do ponto de vista da gestão da percepção, pois serviu para cobrir seus rastros entre os eleitores médios que, de outra forma, poderiam suspeitar imediatamente de fraude nesse cenário. Juntamente com a narrativa anterior de que Trump é um corrupto infrator da lei e aspirante a ditador que se agarrará ao poder a todo custo, a impressão foi moldada em muitas mentes de que qualquer condenação deste curso de eventos por Trump seria supostamente indicativa dele – não dos democratas – se esforçando para cometer fraude. Se não fosse a COVID-19 e a subseqüente politização dos democratas com o propósito de justificar ~100 milhões de votos por correspondência, então seu esforço pré-planejado de fraudar a eleição poderia não ter sido tão bem sucedido ou convincente. Mesmo assim, sua visível duplicidade de critérios em resposta ao lockdown fez com que muitas pessoas questionassem seus motivos.

A Censura da Big Tech

Há tantas pessoas suspeitando do que aconteceu, de fato, que os aliados dos democratas na Big Tech iniciaram uma onda de censura no dia seguinte às eleições para bloquear relatos e páginas que encorajavam os americanos preocupados a expressar pacificamente seu direito à liberdade de reunião através da realização de comícios legalistas em apoio à Trump. Como um exemplo, a OneWorld foi derrubada dentro de horas depois de eu compartilhar meu artigo sobre como “É hora de empregar estratégias de ‘Segurança Democrática’ para #PararAFraude” por sugerir exatamente isso, o que fala do poderoso papel que as empresas de mídia social desempenharam na preparação e subseqüentemente após a eleição. Não apenas suprimiram praticamente todas as reportagens sobre o escândalo de corrupção de Hunter Biden (que também parece implicar Joe Biden), mas agora estão ativamente suprimindo a liberdade de reunião dos americanos.

“A Trindade Profana”

Isto também não foi coincidência, mas o resultado da aliança da Big Tech com os democratas e seus patronos anti-Trump nas burocracias militares, de inteligência e diplomáticas permanentes dos EUA (“Estado Profundo”). Todos os três conspiraram literalmente uns com os outros para manipular as percepções dos americanos tanto sobre o candidato em exercício quanto sobre o processo eleitoral. Além disso, esta “trindade profana” também apoia totalmente a onda de terrorismo urbano, que já dura meio ano, desencadeada por suas milícias de rua Antifa e BLM em resposta à exploração política do incidente de George Floyd. Não está claro, assim como nas votações por correspondência, se este estágio da Guerra Híbrida teria permanecido ativo se não fosse aquele evento que foi tão inesperado quanto a COVID-19, mas em todo caso, ambos foram politizados ao extremo para os propósitos de mudança de regime mencionados anteriormente.

Tudo foi de acordo com o plano

Na noite das eleições, tudo saiu sem nenhum contratempo de sua perspectiva. A “onda vermelha” de Trump bateu na maioria dos estados do campo de batalha, mas depois foi empurrada para trás pela “onda azul” supostamente resultante dos milhões de votos por correspondência que a grande mídia quer que todos acreditem que eram quase inteiramente para Biden. Isso não só é tão estatisticamente improvável a ponto de ser praticamente impossível, mas também se seguiu a uma suspensão suspeita da contagem dos votos por pelo menos várias horas nos estados em decisão eleitoral que ainda não tinham declarado um vencedor. Como era de se esperar, Trump condenou esta fraude flagrante, conformando-se assim com o papel de um corrupto infrator da lei e aspirante a ditador que não se deterá em nada para se apegar ao poder como muitos estavam pré-condicionados a acreditar erroneamente. Mesmo que Trump de alguma forma consiga uma vitória legal e acabe ganhando a corrida eleitoral, sua legitimidade está agora em disputa.

O Cenário de Pior Hipótese dos Democratas

No cenário de “pior das possibilidades” dos democratas, eles simplesmente intensificariam sua agora cinética Guerra Híbrida de Terror na América, encorajando suas milícias de rua Antifa e BLM a travarem uma campanha mais sofisticada de terrorismo urbano, sob o pretexto de ser supostamente “resistência antifascista legítima contra um ditador racista que roubou ilegalmente a eleição”. Não se deve esquecer que campanhas terroristas similares foram lançadas contra o presidente sírio Assad e o ex-líder líbio Gaddafi sob pretextos “pró-democracia” quase idênticos, o que testemunha o fato de que o que já está acontecendo na América hoje em dia, bem como o que está prestes a seguir na “pior hipótese” dos democratas de ter sua tentativa de fraude eleitoral anulada (talvez no nível da Suprema Corte), tem as impressões digitais do “Estado Profundo” por toda parte.

Pensamentos Finais

A seqüência de eventos que culminou na tentativa de golpe de estado “democrático” é muito complexa e também envolve muito mais do que o que foi simplificado nesta análise, embora a presente peça destaque as tendências mais importantes às quais todos deveriam prestar atenção. O resultado desta luta sem precedentes pela liderança da superpotência unipolar ainda é incerto, pois este é um território completamente desconhecido para o país. No entanto, compreender como tudo chegou a este ponto pode ajudar outros a identificar padrões semelhantes antes do tempo para que possam ser exterminados em sua infância antes de amadurecerem no desastre antidemocrático que a América enfrenta hoje. Visto que os Estados Unidos são o país que define tendências globais, é de se esperar que este método de mudança de regime possa eventualmente ser empregado em outras partes do mundo com o tempo.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Deixe uma resposta