Paul Gottfried: O Conservador da Escola de Frankfurt

Escrito por Andre Archie
A Escola de Frankfurt tem sido notória por sua associação, real ou fictícia, com as tendências mais dissolventes do liberalismo cultural, graças à sua crítica do “autoritarismo”, da história europeia e seus valores, da família, etc. O que poucos sabem, porém, é que o filósofo paleoconservador americano, Paul Gottfried, foi aluno de Herbert Marcuse e está, portanto, inserido na tradição intelectual frankfurtiana. O que Gottfried tem feito é usar a arma da teoria crítica aprendida com os frankfurtianos para defender posições conservadoras.

Os acadêmicos têm muitas deficiências, uma das quais é a falta de estilo literário. Anos de pesquisa especializada e escritos cheios de jargões drenam o típico professor de qualquer senso de savoir faire. Há exceções, no entanto. Uma delas é Paul Gottfried, professor emérito de humanidades do Elizabethtown College, na Pensilvânia. Os artigos e livros de Gottfried são eruditos, bem escritos e desesperadores. Essas qualidades estão em exposição em sua última coleção, “Guerra e Democracia”.

“Guerra e Democracia” consiste em 25 pequenos ensaios e resenhas escritas entre 1975 e o presente. O livro é uma excelente introdução ao pensamento político de Gottfried e uma cartilha para temas que são analisados em profundidade em seus outros livros. Se há um fio condutor comum que une esses ensaios e resenhas díspares, é que o movimento conservador na América continuará ineficaz enquanto as instituições tradicionais de mediação – família, etnia, igreja, comunidade, região – permanecerem fracas e o governo continuar a crescer.

Embora a orientação política de Gottfried tenha sido de centro-direita desde os seus tempos de estudante de pós-graduação na Universidade de Yale, seus primeiros escritos e reflexões mostram uma mente política que foi influenciada pelas correntes intelectuais de esquerda. Em seu ensaio “O Fator Marcuse”, Gottfried dá um relato comovente da impressão positiva que Herbert Marcuse causou nele como aluno de pós-graduação. Apesar de ser uma das principais luzes da Escola de Frankfurt, a elegância do antigo regime de Marcuse impressionou o jovem Gottfried.

Isso era verdade da maneira como ele se vestia para a maneira galante (mas nunca lasciva) com que falava com as estudantes femininas. Ele exalava a tradicional Bildung germânica, com sua extensa erudição humanista e lingüística, que parecia contrastar fortemente com o carreirismo e a estreita especialização que prevalecia entre seus congêneres americanos.

Mais importante ainda, era o método crítico de Marcuse que teve uma influência duradoura em Gottfried. Gottfried explica que a suposição da Escola de Frankfurt de que o comportamento político é limitado pelo contexto histórico e pelas relações de poder é uma suposição que ele continua endossando, e que ele encontrou posteriormente em escritores conservadores como Edmund Burke, Joseph de Maistre e G.W.F. Hegel. É uma visão que informa claramente a análise encontrada nos livros de Gottfried “Multiculturalismo e a Política da Culpa” e “Após o Liberalismo”.

Ao contrário do método crítico conservador que se encontra no trabalho de figuras como Burke, no entanto, o método crítico praticado pela Escola de Frankfurt, e por extensão Gottfried, é longo na descrição e muitas vezes curto na prescrição. Gottfried emprega esse método na crítica das estruturas sociais administrativas e gerenciais esquerdistas no Ocidente, mas é uma abordagem que também explica a atitude desesperadora que se encontra nos escritos de Gottfried. A questão que muitas vezes surge após a leitura de suas brilhantes análises é: “o que fazer agora que essas estruturas foram analisadas”?

Em seu ensaio “O Santo Patrono da Culpa Branca”, Gottfried faz alguns comentários contundentes sobre o significado simbólico do feriado de Martin Luther King. O fato de o aniversário de King ser o único feriado nacional dedicado a um cidadão particular, diz Gottfried, ressalta a “revolução icônica” que o movimento multicultural iniciou. Enquanto Gottfried reconhece os erros de Jim Crow no ensaio, ele escreve que o movimento de direitos civis “forneceu uma desculpa moral para colocar burocratas e juízes federais no empreendimento interminável da reconstrução da sociedade americana – uma experiência que agora se estendeu a todos os aspectos da nossa vida comunitária e comercial”.

Ao contrário do ensaio de Samuel Francis “O Culto do Dr. King” em seu livro “Belos Perdedores”, o ensaio de Gottfried reconhece que, se o Sul não tivesse sido tão inflexível nas relações raciais, poderia ter havido menos radicalização dentro do eleitorado afro-americano e a região poderia ter parecido um alvo menos atraente para os “engenheiros sociais do governo”. Mesmo o mais ardente segregacionista poderia saber que a maneira mais eficaz de enfraquecer um bloco étnico é estender certos privilégios aos seus dignos membros. Tais distinções não foram feitas no Sul. Como aponta Gottfried, “Jim Crow fazia poucas exceções para os meritórios usuários negros de bibliotecas e universidades estaduais decentes”. Na verdade, a aplicação federal da exigência de pré-autorização da Lei do Direito de Voto é uma prova da intransigência pretérita do Sul em matéria racial.

Para além do significado simbólico do feriado MLK, Gottfried argumenta que King foi bastante corajoso em tomar uma posição contra a segregação, mas não estava apto para o papel nacional que sua figura desempenha hoje. As razões dadas para sua inaptidão incluem suas associações promíscuas, suas filiações comunistas e atos de plágio. No entanto, apesar das falhas pessoais de King, a maioria dos americanos entende, assim como Gottfried, que o feriado MLK funciona como uma salva muito necessária: a consagração do líder dos direitos civis tem tudo a ver com absolver a culpa branca e aplacar os afro-americanos.

Os dois ensaios nos quais foquei refletem o tipo de preocupação que tem ocupado Gottfried por mais de três décadas. A ordem cronológica dos ensaios e resenhas aqui apresentados permite ao leitor ver quais idéias, personalidades e livros moldaram seu conservadorismo. Embora “Guerra e Democracia” seja um volume magro, seu tema abrange uma ampla gama de temas de atualidade e informativos. Desde as origens étnicas do movimento neoconservador até a propensão do liberalismo para a administração centralizada, passando pelo mito dos “valores” judaico-cristãos, Gottfried tem um conhecimento abrangente da história intelectual européia e americana impressionante, e “Guerra e Democracia” é uma cartilha útil sobre os temas que são analisados em profundidade em seus outros livros.

Fonte: The American Conservative

Deixe uma resposta